terça-feira, 15 de março de 2011

"Lisbon Revisited (1923)" e "Going Down Town" - Proposta de correcção

Proposta de reposta da ART

          O título do poema, «Lisbon Revisited», poderia ser o título da imagem que observamos no quadro de Miguel Yeco. De certa forma, esta imagem faz-nos lembrar a cidade de Lisboa tal como ela é retratada na décima estrofe do poema.
          O quadro mostra-nos uma rua antiga de uma cidade triste, escura e sombria, iluminada por um céu azul-marinho e um sol tardio. Este céu é o único elemento que alegra o quadro, tal como o céu azul de que o poeta fala quando se refere à sua infância, a única altura da sua vida em que foi feliz.
          Observando o quadro de Yeco com mais atenção, constatamos que nele há muitas parecenças com a cidade de Lisboa de outrora e de hoje, nomeadamente, o castelo no cimo da colina, que nos faz lembrar o castelo de São Jorge. Os prédios antigos, altos, escuros e sombrios que se erguem de ambos os lados de uma rua íngreme e sombria, onde não se vê uma única pessoa, fazem-nos lembrar uma viela dos bairros típicos de Lisboa.
          A rua que é retratada no quadro é uma rua solitária e sem vida, que dá a sensação de tristeza, parecendo que caminhamos num abismo sem fim.
          As palavras que o poeta utiliza para descrever a «Cidade Revisitada» são as mesmas que poderíamos utilizar na descrição do quadro de Yeco. A imagem que nele podemos observar é uma imagem «eterna», «vazia», «macia» (no sentido de calma e solitária), «ancestral» e «muda».
          Tal como o poeta sente uma mágoa profunda na sua «Lisbon Revisited», também nós, ao passarmos pela rua retratada no quadro, nos sentimos pequenos, magoados e deprimidos no meio de prédios tão altos, tão escuros e tão assustadores. Nesta rua, sentimo-nos infelizes, tal como o poeta não é feliz nesta cidade que nada lhe dá, nada lhe tira e nela nada sente a não ser mágoa.



Proposta de resposta da SP

          Neste quadro de Miguel Yeco, conseguimos observar no horizonte um castelo e o céu (o pôr-do-sol). O castelo encontra-se no alto de uma colina e a partir daí a única coisa que conseguimos ver são casas, ou seja, construções modernas que apagaram todos os vestígios da antiga cidade que ali existiu, ficando apenas o castelo e o imutável céu.
          Ora, é isto mesmo que o sujeito poético nos diz na décima estrofe do poema, que Lisboa mudou e que se sente como um estrangeiro nela. As únicas coisas que se assemelham ao que Lisboa fora outrora são o céu e o Tejo. O sujeito poético, ao ver Lisboa (ou a recordar a imagem que tinha dela), sente nostalgia e saudade da infância que ali passou (a melhor altura da sua vida). No entanto, esta já não é a sua Lisboa, mas sim Lisboa Revisitada («Lisbon Revisited»).
          Podemos ainda contemplar neste quadro uma grande escuridão que nos remete para tristeza, angústia e solidão. São também estes os sentimentos que podemos encontrar ao longo do poema e são também estas as emoções que surgem no sujeito poético ao revisitar Lisboa.



Proposta de resposta da AI

          O poema, cujo título é «Lisbon Revisited», de Álvaro de Campos, pertence à terceira fase do autor, uma fase intimista ou independente marcada pela abulia, pelo tédio, pela angústia.
          Na penúltima estrofe deste poema, o sujeito poético começa a recordar a imagem que tinha de Lisboa no passado e a nostalgia de tudo de bom que parecia existir na sua infância. Nesta estrofe, podemos, então, comparar Álvaro de Campos ao seu ortónimo Fernando Pessoa, pois este também descrevia a saudade da sua "idade de ouro". Apesar de o passado não ter sido perfeito, ambos encaram pior o presente e falam da infância como a única oportunidade de uma suposta felicidade. O tempo que o sujeito poético recorda é um pedaço da sua vida de outrora e descreve-o como sendo um tempo agradável e de felicidade. A Lisboa de outrora que o poeta revisita é a Lisboa da infância, simbolizada em Lisboa, e o presente asfixia-o, porque se caracteriza pelo estado de consciência, de racionalidade, o que lhe causa a dor de pensar, tal como Fernando Pessoa.
          Desta Lisboa, o sujeito poético já não reconhece nada, nem nada lhe desperta sentimento nem vontade de encarar este local como pedaço de vida presente ("Nada me dais, nada me tirais, nada sois que eu me sinta.").
          Comparando o conteúdo da décima estrofe deste poema com o quadro de Miguel Yeco, podemos observar a tal Lisboa de outrora que o sujeito poético revive com saudade.
          Miguel Yeco é um pintor que se caracteriza por pintar a "figurinha" solitária de Fernando Pessoa e, neste poema, Álvaro de Campos assemelha-se àquele.
          No quadro, no canto inferior direito, conseguimos avistar uma parte do corpo de Fernando Pessoa, bem como no canto da parede do prédio. Este parece encontrar-se na Lisboa de hoje, mas revivendo a Lisboa de outrora, pois o sujeito poético deste poema apenas deseja relembrar a sua agradável infância na sua Lisboa antiga. No quadro "Going Down Town", de 1986, podemos ver a Lisboa de outrora, pois vemos os candeeiros nas paredes dos prédios com os seus rendelhados de ferro, vemos os prédios antigos, com janelas altas e escuras. Só o céu tem uma cor viva, azul, "(...) o mesmo da minha infância (...)".
          Assim, podemos concluir que o quadro descreve a infância e a Lisboa de outrora que Álvaro de Campos retrata no poema. O sujeito poético revista a Lisboa de hoje, apenas relembrando e imaginando a Lisboa de outrora.

Sem comentários :

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...