domingo, 29 de abril de 2012

Episódio das Corridas de Cavalos

     Este é outro episódio que se insere na crónica de costumes.

1. Objetivos
  • Novo contacto de Carlos com a sociedade de Lisboa, incluindo o próprio rei.
  • Visão panorâmica da sociedade lisboeta (masculina e feminina) sob o olhar crítico de Carlos.
  • Tentativa frustrada de igualar Lisboa às capitais europeias, sobretudo Paris.
  • Criticar o cosmopolitismo postiço da sociedade;
  • Possibilidade de Carlos encontrar novamente a mulher que viu à entrada do Hotel Central.


2. Caracterização do ambiente geral

     2.1. Largo de Belém:
  • tosca guarita de madeira, armada de véspera -> improvisação;
  • monotonia;
  • tristeza e silêncio;
  • pasmaceira (o trabalhador com o filho ao colo e a mulher);
  • desinteresse (o garoto apregoando o programa das corridas que ninguém compra, a mulher da água fresca sentando-se na sombra a catar o filho);
  • o trintanário que fora comprar o bilhete de Craft demora-se em discussão com o bilheteiro, que não tem troco de uma libra; Craft apeia-se para ir resolver o problema e é insultado;
  • as pessoas em trajes domingueiros;
  • traços realistas: a descrição do calor, do colorido, dos sons e dos costumes de uma cidade estagnada. 
  • falta de motivação e entusiasmo pelo fenómeno desportivo em causa;
  • provincianismo.

     2.2. Entrada do hipódromo:
  • «... abertura escalavrada num muro de quintarola...»;
  • primeira desordem / discussão:
  • motivo: um sujeito queria entrar sem pagar a carruagem, porque o sr. Savedra lho tinha prometido;
  • o engarrafamento de dog-carts e caleches de praça;
  • os insultos dos ocupantes;
  • a intervenção deselegante da polícia;
  • o grande rebuliço e a poeirada;
. falta de organização
. pelintrice
. falta de educação
. provincianismo


     2.3. Descrição do hipódromo:
  • situado numa colina, sob a aragem vinda do rio, provoca uma sensação de frescura e paz;
  • a gente apinhada;
  • as precárias condições das tribunas e do espaço envolvente:
  • a tribuna real forrada de uma baetão vermelho de mesa de repartição;
  • as tribunas públicas com o feitio de traves mal pregadas - o hipódromo parecia um palanque de arraial - mal pintadas e com fendas;
  • o recinto da tribuna fechado por um tapume de madeira; 
  • as pessoas não sabem ocupar os seus lugares: «... havia uma fila de senhoras quase todas de escuro encostadas ao rebordo, outras espalhadas pelos primeiros degraus; e o resto das bancadas permanecia deserto e desconsolado...»;
. a improvisação
. o remendo apressado
. a iniciativa sem base sólida
. os retoques sem gosto


     2.4. Durante as corridas:
  • fuma-se e fala-se baixo -> falta de à-vontade;
  • as pessoas pasmam -> pasmaceira;
  • dois brasileiros queixam-se do preço dos bilhetes e consideram as corridas uma «sensaboria de rachar»;
  • a chegada do rei é saudada com o «Hino da Carta».

     2.5. Descrição do bufete:
  • instalado debaixo da tribuna;
  • pobreza: «... o tabuado nu, sem sobrado, sem um ornato, sem uma flor.» - assemelha-se a uma taberna;
  • falta de higiene e aspeto nojento: «... dois criados, estonteados e sujos, achatavam à pressa as fatias de sanduíches com as mãos húmidas da espuma da cerveja.»;
  • a animação fictícia, com hurras a Clifford e a Carlos.

     2.6. As corridas

     . 1.ª corrida: a do 1.º Prémio dos «Produtos»:
  • os dois cavalos «passavam num galope sereno»;
  • os assistentes não sabem quem ganhou e, mal a corrida termina, regressam ao silêncio, à lassidão e ao desapontamento;
  • o desinteresse pela corrida confirma-se na atitude dos que se encontram de costas voltadas para a pista, fumando e contemplando as mulheres;
  • o provincianismo bacoco dos homens que ficam parados e embasbacados a admirar Clifford;
  • a ausência de apostas;
  • a falta de autoridade e de respeito para com o rei, cuja proximidade não impede a desordem;
  • a corrida termina com uma cena de insultos e pancadaria por causa de uma burla (segunda desordem):
. quebra do verniz de civilização e requinte social que a sociedade pretendia ostentar, 
deixando emergir o provincianismo
. grande incultura e grosseria
. inadequação do ambiente cosmopolita das corridas à vivência social portuguesa
  • «Isto é um país que só suporta hortas e arraiais...»;
  • «Corridas, como muitas outras coisas civilizadas lá de fora, necessitam primeiro gente educada.»;
  • «Do que gostamos é de vinhaça, e viola, e bordoada...».
          SER          =/=          PARECER
     (provinciano)                   (civilizado)
 
«Aquela corrida insípida, sem cavalos, sem jóqueis, com meia dúzia
de pessoas a bocejar em roda...»
«... tudo aquilo era uma intrujice...»
porque era «... um divertimento que não estava nos hábitos do país.»

     . 2.ª corrida: a do Grande Prémio Nacional:
  • alguns sujeitos examinam o «Rabino», «com o olho sério, afetando entender», entre os quais se einclui Carlos, que também admira o cavalo, mas nota-lhe o peito estreito;
  • finalmente, aposta-se:
  • estão quatro cavalos inscritos na corrida;
  • o favorito é o «Rabino» e todos querem tirar o bilhete deste;
  • Carlos, por «divertimento» («... gostara da cabeça ligeira do potro, do seu peito largo e fundo...») e «... para animar mais aquele recanto da tribuna, ver brilhar gulosamente os olhos interesseiros das mulheres.», decide apostar tudo em «Vladimiro», apesar do potro ir em último lugar na corrida;
  • todos os outros decidem apostar contra Carlos, procurando «aproveitar-se daquela fantasia de homem rico...»;
  • contra todas as expectativas, «Vladimiro» vence «Minhoto» por duas cabeças, o que permite a Carlos ganhar a poule e provoca a irritação dos restantes, que perderam;
  • finalizada a corrida, o torpor volta a instalar-se enquanto as pessoas se dispersam:
  • «Mas uma indiferença, um tédio lento, ia pesando outra vez, desconsoladoramente...»;
  • os rapazes bocejavam, com um ar exausto;
  • a música desanimada;
  • «As senhoras tinham retomado a imobilidade melancólica...»;
  • «E sujeitos, de mãos atrás das costas, pasmavam...».
Conclusões - Intenção crítica de Eça:
  1. o oportunismo e a cupidez dos que se pretendem aproveitar de Carlos apostar no cavalo menos favorito;
  2. o desejo português de ser o primeiro em tudo;
  3. a tendência de as pessoas se aperceberem do que é óbvio e de se colarem ao vencedor, evidenciada pelo facto de mesmo os que não haviam apostado no «Minhoto» o aplaudirem, pois esperavam que fosse ele o vencedor;
  4. o patriotismo provinciano que vê em jogo, numa corrida de cavalos, o prestígio do nosso país: como «Minhoto» era um cavalo português, a sua vitória seria um ato patriótico;
  5. o cansaço rápido que se apodera de nós e que permite que outros venham, de seguida, colher o fruto do nosso esforço desordenado: o jóquei inglês deixou primeiro que «Minhoto» se cansasse, para depois o vencer facilmente;
  6. o não saber perder, patente na reação das personagens quando o cavalo em que apostaram perdeu:
  • «... o adido italiano (...) empalideceu...»;
  • «... atiravam-lhe com um ar amuado as apostas perdidas...»;
  • «... a vasta ministra da Baviera, furiosa...»;
  • «... o secretário lento e silencioso...».

     . 3.ª corrida: a do Prémio de El-Rei  um cavalo solitário atravessa a meta, sem se apressar, num galope pacato, e só muito tempo depois chega um outro cavalo, uma pileca branca arquejando, num esforço doloroso, numa altura em que o jóquei do cavalo vencedor se encontrava já a conversar com os amigos, encostado à corda da pista.

     . 4.ª corrida: a do Prémio da Consolação:
  • todo o interesse fictício desaparecera e regressa a indiferença geral;
  • junto à meta, um dos cavaleiros caíra;
  • já à saída, o Vargas, bêbedo, esmurrara um criado de bufete  «... tudo é bom quando acaba bem.».

     2.7. As personagens

          2.7.1. Os jóqueis:
                    . 1.ª corrida:
                              -» o Pinheiro - montava o «Escocês»
                              -» um sujeito - montava o «Júpiter»
                    . 2.ª corrida:
                              -» um jóquei - montava o «Rabino»
                              -» um jóquei espanhol - montava o «Minhoto»
                              -» um jóquei inglês - montava o «Vladimiro»
                    . 3.ª corrida:
                              -» um gentleman - montava um cavalo
                              -» um jóquei roxo e preto - montava uma pileca
                    . 4.ª corrida:
                              -» jóqueis sem identificação

          2.7.2. Os homens
  • O Visconde de Darque:
  • dono do «Rabino», o favorito, considera a sua participação um sacrifício;
  • «... não podia apresentar um cavalo decente, com as suas cores, senão daí a quatro anos»;
  • não apurava cavalos para «aquela melancolia de Belém», para aquele «horror»;
  • quando há qualquer problema ou dúvida, requisitam-no de imediato: «Eu sou o dicionário...».
  • El-Rei: sorridente.
  • Alencar:
  • elegantemente vestido;
  • sempre cortês e bem penteado nesse dia, beija fidalgamente a mão de D. Maria da Cunha;
  • encontra nas corridas «... um certo ar de elegância, um perfume de corte...».
  • O barão de Craben, pequenino, aos pulinhos.
  • Craft, que apresenta Clifford a Carlos.
  • Sequeira:
  • «... entalado numa sobrecasaca curta que o fazia mais atarracado, de chapéu branco...»;
  • considera uma «sensaboria» «... aquela corrida insípida, sem cavalos, sem jóqueis, com meia dúzia de pessoas a bocejar em toda...», «... um divertimento que não estava nos hábitos do país...».
  • Clifford: «... parecia achar tudo aquilo ignóbil...», acabando por retirar a «Mist».
  • Steinbroken: aposta sem conhecer os cavalos.
  • Conde de Gouvarinho e os seus dislates e ignorância: «... todos os requintes da civilização se aclimatavam bem em Portugal.»; «O nosso solo (...) é um solo abençoado!».
  • Teles da Gama, encarregado de organizar as apostas.
  • Eusebiozinho, acompanhado pela Concha e pela Carmen.
  • Dâmaso:
  • o seu «chique a valer»;
  • a gabarolice, a falta de educação e de respeito para com as mulheres, traduzida numa linguagem rude: «... tinha estado (...) com uma gaja divina...»;
  • a queixa da troça que o seu véu provocara.

          2.7.3. As mulheres
  • Em geral:
  • as que vêm no High Life dos jornais
  • as dos camarotes de S. Carlos
  • as das terças-feiras dos Gouvarinhos
                     
  • não sabem ocupar os seus lugares
  • vestem-se ridiculamente de escuro («vestidos sérios de missa»)
  • peles murchas, gastas e moles
                     
                               «... canteirinho de camélias meladas...»

  • Em particular:
  • As duas irmãs do Taveira (diminutivos irónicos);
  • magrinhas;
  • loirinhas;
  • corretamente vestidas.
  • A viscondessa de Alvim: nédia e branca.
  • Joaninha Vilar:
  • cada vez mais cheia e com um quebranto cada vez mais doce no olhar;
  • lânguida, parece oferecer o seu «apetitoso peito de rola!».
  • As Pedrosos, banqueiras, interessando-se pelas corridas.
  • Condessa de Soutal: desarranjada, com lama nas saias.
  • D. Maria da Cunha:
  • desenvolta, ousada, foi a única com atrevimento suficiente para se vir sentar junto dos homens, porque «... não aturava a seca de estar lá em cima perfilada, à espera da passagem do Senhor dos Passos.»;
  • bela, apesar da idade;
  • muito à vontade, era a única a divertir-se;
  • considera ridículo o «Hino da Carta», porque dá às corridas um ar de arraial;
  • casamenteira, apresenta Alencar à sua amiga Concha e, depois, procura aproximar ainda mais Carlos e a condessa.
  • A menina Sá Videira:
  • petulante e pretensiosa;
  • filha de um rico negociante de sapatos de ourelo;
  • abonecada;
  • «... com o arzinho petulante e enojado...»;
  • «... falando alto inglês...».
  • A ministra da Baviera, a baronesa Craben:
  • «... enorme, empavoada...»;
  • muito gorda: «... com um gluglu grosso de peru...»; «... feitio de barrica, deixando sair o sebo por todas as costuras do vestido (...)»; «... a insolente baleia!»;
  • altiva, insolente e sobranceira.
  • A Condessa de Gouvarinho:
  • elegantemente vestida;
  • sensual e audaz;
  • é admirada por vários homens;
  • no dia seguinte, partirá para o Porto para comemorar o aniversário do pai e quer que Carlos a acompanhe, congeminando um plano para levar a cabo os seus intentos.

     Em suma, neste episódio, o narrador critica e caricatura uma sociedade que aplaude a organização das corridas na sua ânsia de imitar o que de melhor há «lá fora», sobretudo em Paris, modelo de civilização. Porém, como em Portugal não havia a tradição nem o hábito de realização de tais eventos, em vez de um grande acontecimento mundano, assistimos a um grande fiasco, a mais uma manifestação do gosto pela aparência e pelo postiço, em detrimento daquilo que seja autêntica e genuinamente português.
     Os alvos visados por Eça de Queirós são, basicamente, dois:
  • a Monarquia, pela falta de autoridade que o Rei demonstra, pois a sua presença não consegue impedir as várias desordens;
  • a alta sociedade lisboeta:
  • a incivilização;
  • o fracasso total dos objetivos da corrida;
  • a falta de decoro e de educação;
  • a incultura;
  • a grosseria;
  • o desinteresse;
  • o caráter mimético;
  • a improvisação;
  • o atraso generalizado;
  • o provincianismo: a organização das corridas, que pretendia emprestar-lhes um toque de civilização, acaba por pôr a nu o quanto há de postiço e de reles no decoro solene da assistência:
  • «... desmanchando a linha postiça de civilização e a atitude forçada de decoro...»;
  • a «... massa tumultuosa (...) empurrando-se contra as escadas da tribuna real, onde um ajudante de el-rei, reluzente de agulhetas e em cabelo, olhava tranquilamente...»;
  • os gritos de «Fora! Fora!», «ordem» e «morra»;
  • a reação agressiva do Vargas;
  • a fuga espavorida das «... senhoras com as saias apanhadas...».

7 comentários :

  1. Este trabalho está Excelente! 5 Estrelas!

    ResponderEliminar
  2. ótima ajuda!!! excelente!! Obrigada!!

    ResponderEliminar
  3. Sou uma princesa

    Ass: Emanuel

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
  4. Excelente, parabéns!
    De facto esta fenomenal.

    ResponderEliminar
  5. Très bon! Merci beaucoup...feat.Dâmaso

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...