quinta-feira, 5 de abril de 2012

João da Ega

     João da Ega é o amigo inseparável de Carlos da Maia. Travam conhecimento e amizade em Coimbra, enquanto estudantes universitários.
     O primeiro retrato que nos é fornecido pelo narrador é elucidativo quanto à personalidade e caráter da personagem;
  • irreligioso e erético: «... o maior ateu, o maior demagogo...»;
  • irreverente, «espantava pela audácia e pelos ditos»;
  • exuberante, «exagerou o seu ódio à Divindade, e a toda a Ordem social...»;
  • revolucionário, «queria o massacre das classes médias, o amor livre das ficções do matrimónio, a repartição das terras...»;
  • satânico, defende o culto de Satanás;
  • magro: «... figura esgrouviada e seca...» - traço comum a Eça de Queirós, de quem constituirá o alter-ego;
  • usa bigode;
  • nariz adunco;
  • boémio: «... renovara as tradições da antiga boémia...»;
  • romântico e muito sentimental: «... enleado sempre em amores por meninas de quinze anos, filhas de empregados...».
     João da Ega representa o Naturalismo, daí que se oponha a Alencar, poeta ultrarromântico. Representa também o intelectual dos grandes ideais, das revoluções facínoras, das grandes alterações sociais, no entanto nada faz para a sua concretização, vivendo num amplo parasitismo, refugiando-se por detrás da figura de Carlos e à custa da fortuna da mãe.

Sem comentários :

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...