terça-feira, 1 de abril de 2014

"O último andar" - Cecília Meireles


1       No último andar é mais bonito:
         do último andar se vê o mar.
         É lá que eu quero morar.

         O último andar é mais longe:
5       custa muito a lá chegar.
         Mas é lá que eu quero morar.

         Todo o céu fica a noite inteira
         sobre o último andar.
         É lá que eu quero morar.

10    Quando faz lua, no terraço
         fica tudo luar.
         É lá que eu quero morar.

         Os passarinhos lá se escondem,
         para ninguém os maltratar,
15    no último andar.

         De lá se avista o Mundo inteiro,
         tudo parece perto, no ar.
         É lá que eu quero morar:

         no último andar.

                Neste poema, o sujeito poético exprime o seu desejo de habitar o “último andar”, que caracteriza de diferentes formas.

                Assim, começa por o apresentar como «mais bonito» (v. 1), pois dele «se vê o mar». Trata-se, portanto, de um espaço amplo, vasto, ilimitado, como é sugerido pela amplitude da visão que proporciona, do mar e do céu (3.ª estrofe). É nesse lugar, pois, que o «eu» deseja morar.
                Na segunda estrofe, associa-o à altura («é muito longe» ‑ v. 4) e à consequente dificuldade de acesso («custa-se muito a chegar» ‑ v. 5). Não obstante, reafirma, convictamente, o desejo de aí morar.
                A ideia de amplitude e vastidão é reafirmada na terceira estrofe. De noite, é possível ver todo o céu (hipérbole), quase como se estivesse ao alcance da mão e nele fosse possível tocar. O próprio luar parece repousar inteiramente nele.
                No último andar, os passarinhos (diminutivo afetivo) escondem-se para ninguém os maltratar. Assim, o espaço assume-se como uma espécie de refúgio e sinónimo de liberdade. De refúgio, porque serve de proteção e acolhimento, e de liberdade, pelo que o voo das aves no céu ilimitado, metaforicamente, simboliza.
                Por último, desse lugar é possível avistar-se o mundo inteiro e «tudo parece perto» (hipérbole). Ou seja, o último andar é um local elevado quer no plano físico quer no plano moral, pelo que representa enquanto espaço simbólico: local associado ao anseio de liberdade (que caracteriza o ser humano de qualquer época e espaço), local de refúgio e proteção, local que permite o acesso à vastidão do mundo e à contemplação das suas belezas, local de desejo de transcendência e plenitude.

Sem comentários :

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...