segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Education and Training Monitor 2014

     Se há algo de profundamente errado na área da Educação, se há algo efetivamente mau, muito mau mesmo, são os ministérios sucessivos do setor e os políticos que nela / nele intervêm.
     Porquê?
     Porque:
          a) Motiva-os a descredibilização da Educação pública;
          b) Motiva-os a oferta ao privado do maior número possível de escolas
               públicas;
          c) Motiva-os a desorçamentação do setor, visto como uma fonte de
               despesa a evitar a todo o custo e não como um investimento e um
               fator de desenvolvimento das pessoas e, por arrasto, do próprio
               país;
          d) Motiva-os uma ideologia ortodoxa que já (não) provocou noutros
               países.

     E de que meios se socorre esta gente para atingir os seus fins?
          1) Mentira;
          2) Falsidades várias e sucessivas;
          3) Adulteração de dados e números;
          4) Manipulação da «opinião pública».

     Porém, de vez em quando, têm de sair de mansinho pela porta baixa ao levarem na tromba - se quisermos ser polidos, ao serem confrontados) - com dados e números que evidenciam estas manobras miseráveis. Nesses momentos, a catedral escangalha-se e cai como um baralho de cartas.

     A última areiazita na engrenagem, neste caso, do ministro Crato foi o relatório identificado no título desta postagem, que, pasmem senhor ministro, senhores secretários de estado, senhor Passos Coelho e seus acólitos, proclama que os alunos portugueses, embora servidos por professores miseráveis (tão miseráveis que, mesmo possuindo licenciaturas efetivas e devidamente obtidas, mestrados e doutorandos, são obrigados a realizar uma charada para terem acesso à profissão) e por estas públicas ainda piores, obtiveram um desempenho, em 2012, que se situa acima da média da União Europeia em todas as áreas: Leitura, Ciências e Matemática.



Sem comentários :

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...