terça-feira, 23 de junho de 2015

"Presidente" ou "presidenta"?

                Causou alguma comoção, quando foi eleita, o facto de Dilma Roussef se ter intitulado “presidenta”.
                Ora, o termo em questão não foi propriamente uma invenção da sucessora de Lula da Silva. De facto, já constava de dois documentos de meados do século XX, concretamente os dicionários de Augusto Moreno (1944) e Cândido de Figueiredo (1953). Convém ter presente, porém, que o vocábulo “presidenta” possuía então um cunho popular e era usado de forma irónica e pejorativa. Além deste, as obras mencionadas registavam outros casos semelhantes, como, por exemplo, “giganta” e “hóspeda”.
                Por outro lado, os dois principais dicionários brasileiros (o de Aurélio Buarque de Holande e o de Antônio Houaiss), bem como o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, publicado pela Academia Brasileira de Letras, a entidade que estabelece a norma da língua portuguesa para o Brasil, registam a forma “presidenta” como feminino de “presidente”.
                “Presidente” pertence ao conjunto dos nomes (terminados em –ente) que têm origem nas formas do particípio presente latino, que não variava em género: “amans”, “amantis” (amante, que ama), “audiens”, “audientis” (ouvinte, que ouve), etc. São os chamados nomes comuns de dois, isto é, possuem a mesma forma para o masculino e para o feminino. É o que sucede, por exemplo, em “o doente” e “a doente”, “o tenente” e “a tenente”, “o docente” e “a docente”.
                Nesta questão, há que ter em conta ainda um conjunto de exceções que fogem à norma: “infante” / “infanta”, “governante” / “governanta”, “”elefante” / “elefanta”. Observe-se o que diz Regina Rocha sobre esta questão (Ciberdúvidas): «Como ponto prévio, direi que a dúvida apresentada diz respeito a três palavras de natureza diferente, e que estas palavras não terminam em -ente (como presidente), do particípio presente de verbos latinos, mas em -ante.
                Analisemos, então, cada uma das palavras e por que motivo elas têm o morfema -a no feminino.
                A palavra infante provém do latim infans, infantis, que significava «aquele que não fala», «aquele que tem pouca idade», «criança», passando, em português, também a designar «filho do rei, irmão do príncipe herdeiro», «irmão do rei». Na acepção de «criança», a palavra entra no português como substantivo comum de dois («o ou a infante») e assim é utilizada pelos clássicos. Entretanto, por influência do francês infante, feminino de infant, começa a utilizar-se o termo infanta, apenas na acepção de «filha de rei ou de rainha, não herdeira da coroa». O termo infanta não é, pois, formado do pretenso «masculino» infante, mas provém do francês.
                Quanto à palavra governante, trata-se de um termo oriundo do francês, ainda sentido em meados do século XIX como um «francesismo inadmissível e desnecessário» (Novo Diccionario da Lingua Portugueza, por Eduardo de Faria, 1857). Com o significado de «pessoa que governa», é um substantivo comum de dois («o ou a governante»). A palavra governanta entra posteriormente no português, também proveniente do francês, com o significado de «mulher a quem estava confiada a administração de uma casa» e também vai ser sentida como galicismo, por ocupar o mesmo espaço que aia, ama, criada grave. Não é, pois, uma palavra formada do português governante, não tendo, naturalmente, o significado de «mulher que preside ao governo de um país ou dele faz parte».
                Finalmente, o substantivo feminino elefanta já está registado há séculos em dicionários: provém do latim, de um substantivo que assume normalmente as duas formas (o elefante e a elefanta), não sendo formado de nenhum verbo. Há, no entanto, quem utilize apenas uma forma, considerando-o um substantivo epiceno, como é regra geral em grande parte dos nomes de animais.

                Em suma, estas palavras terminadas em -e que formam o feminino com a utilização do morfema -a são exceções em relação à regra relativa à formação do feminino dos substantivos ou adjectivos terminados em -ente da mesma família de verbos cujos particípios presentes são reveladores de quem pratica a ação daquele verbo.».

Sem comentários :

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...