segunda-feira, 19 de junho de 2017

Correção do exame nacional de Português - 12.º ano - 2017 - 1.ª fase

I

A


1. Dois conceitos de criação artística:
          1.º) ato de criação artificial, mecânico, um trabalho árduo de intelectualização;
          2.º) ato de criação entendido como algo de espontâneo, simples, natural,resultante da comunhão com a natureza; é o ato de captar a natureza através dos sentidos.

2. Alberto Caeiro procura evitar o pensamento e a abstração, buscando a objetividade e o sentir, fruindo a natureza através dos seus sentidos. Em suma, o verso nega o pensamento / exprime a recusa do pensamento e a procura do sensacionismo.

3. Traços:
     - a "verdade" reside na natureza e na comunhão do sujeito poético com ela;
     - ele procura viver de acordo com a "Terra" e de forma espontânea ("De nos deixarmos ir");
     - comunhão plena com a natureza ("E levar ao colo pelas Estações contentes");
     - predomínio das sensações, privilegiando o olhar ("E olho para as flores e sorrio");
     - a natureza transmite-lhe sensações de paz, tranquilidade, contentamento (vv. 10, 15);
     - ausência / recusa do pensamento (vv. 11-12).

Ler a análise do poema aqui.



B

4. Dois episódios marcantes da infância:
     i) a partida do pai do narrador;
     ii) a partida da mãe e da irmã mais velha.

     . Aspetos que os distinguem:
          - aquando da partida do pai, apenas o narrador assiste; no momento da partida das suas mulheres, há "um mar de cabeças agitadas e aos gritos";
          - o pai não se volta nem despede no momento da partida; a mãe diz-lhe adeus à medida que se afasta;
          - o narrador chora na noite seguinte à partida da mãe e da irmã, ao contrário do que sucede com a partida do pai ("Dessa vez houve choro pela noite adiante").

     . Aspeto que os aproxima: a solidão do narrador.

5. O ambiente descrito apresenta os seguintes traços:
          - chuvas e vento => soturnidade;
          - neves da montanha => frio;
          - luz da candeia e negrume da cozinha => soturnidade, melancolia;
          - histórias de terror: o medo, o desamparo;
          - tempestade: o tumulto interior.
     O narrador encara a sua infância, marcada pela partida e ausência dos pais e da irmã, como um longo inverno, uma época caracterizada pelo frio e tristeza da ausência do calor, do carinho, do amor dos pais. Tudo lhe parece triste, vazio, soturno; até as histórias contadas ao serão são de teor negativo, pois que de terror.



II


          Versão A          Versão B


1.             C                       B
2.             D                       C
3.             A                       B
4.             D                       A
5.             A                       D
6.             B                       A
7.             A                       D
8. Deixis pessoal
9. Oração subordinada adjetiva relativa restritiva.
10. Antecedente: "ensinar ciência"



III

- Argumento 1:
  • A memória perceciona a infância, condicionada pelo presente.
  • Exemplo 1: se  o presente é negativo, a infância é percecionada saudosa e positivamente como um tempo de felicidade e alegria.
- Argumento 2:
  • A memória 'guarda' momentos significativos / marcantes da nossa infância.
  • Exemplo 2: um momento de grande felicidade ou tristeza; um gesto que alguém nos dedicou e marcou.
- Conclusão:
  • A memória não guarda tudo o que nos aconteceu, seleciona apenas alguns acontecimentos.
  • A perceção que temos do passado / da infância é sempre condicionada pelo tempo - pela sua passagem e pelas marcas que deixa em nós.


2 comentários :

Anais Gilbert disse...

Boa tarde. E qual das versões é esta?

Anónimo disse...

Deve ser a 1

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...