quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Autárquicas 2017: a Salomé que existe em nós

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

A ignorância geográfica do Sporting Clube de Portugal

     A 'malta' que gere o Twitter do Sporting é profundamente conhecedora e criativa em matéria de geografia. Vejam como conseguem colocar Budapeste na Roménia:


     Saberão os húngaros que, afinal, são romenos?

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Autárquicas 2017: os palermas não são os «pichados»


segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Escola investigada após passar alunos chumbados


     Qual é o escândalo? Não é isso que o poder político deseja e "tem vindo a impor sem o fazer"?

     Como está o caso da fuga de informação referente ao exame de Português do 12.º ano?

domingo, 20 de agosto de 2017

RIP: Jerry Lewis

hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh

     Foram muitas tardes de férias de Natal e Páscoa na sessões de cinema da antiga RTP2.

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Autárquicas 2017: uma campanha com meios do tempo da Padeira


«Um» SMS ou «uma» SMS ?

     SMS é a sigla da expressão inglesa Short Message System.

     De acordo com o Ciberdúvidas, se nos referirmos ao sistema, a sigla é do género masculino: um sistema de pequenas mensagens: o SMS.

     Porém, se nos referirmos à mensagem propriamente dita, o género é feminino: a SMS.

     Assim, quando nos referimos à mensagem, deveremos dizer "enviar / receber uma SMS" e "enviar / receber uma mensagem pelo SMS". O que não será o mais adequado é dizer "enviar / receber um SMS", pois o que se envia ou recebe caso a caso são mensagens e não o sistema que se usa.

Autárquicas 2017: mais maior grande


     Maior ou mais grande?

     O adjetivo "grande" tem duas formas de comparativo de superioridade: a irregular - maior - e a regular / analítica - mais grande.

     Porém, a forma "mais grande" tem um uso restrito. De facto, segundo Celso Cunha e Lindley Cintra, ela é usada exclusivamente "quando se confrontam duas qualidades ou atributos do mesmo adjetivo" ( o mesmo sucede com outros adjetivos: muito mau / pior; muito bom / melhor; muito pequeno / menor):
  • "Esta casa é mais grande do que bonita." (* "Esta casa é maior do que bonita.")
  • "O cão do Pinto da Costa é mais grande do que perigoso." (* "O cão do Pinto da Costa é maior do que perigoso.")
  • "Ele foi mais mau do que desgraçado." (* "Ele foi pior do que desgraçado.")
  • "Aquela tese está mais grande do que boa." (* "Aquela tese está maior do que boa.")
  • "Bruno de Carvalho [não] é mais bom do que inteligente." (* "Bruno de Carvalho é melhor do que inteligente.")

Em todas as outras situações, ou seja, «quando se comparam qualidades de dois seres ou objetos, não se deve dizer "mais bom", "mais mau" nem "mais grande", mas, sim, as formas especiais melhor, pior e maior»:
  • "Esta casa é maior do que a tua."
  • "O cão do Pinto da Costa é maior do que o meu."
  • "Ele foi pior do que o colega."
  • "Aquela tese é maior do que a do Madureira."
  • "Bruno de Carvalho [não] é melhor do que qualquer um de nós."

Bibliografia:
          . Ciberdúvidas;
          . Nova Gramática do Português Contemporâneo, Celso Cunha e Lindley Cintra.

Documento Orientador das Aprendizagens Essenciais

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Tom Sawyer - Episódio 25: "Um rapaz obstinado"

SLANT

     Não sabe o que é?

     O António Duarte explica aqui: Michaela: o sucesso da velha escola no século XXI.

Jornalismo da treta


     Este é um excerto de uma notícia do jornal Record on-line. É também mais um exemplo de gente que escreve e desconhece as mais elementares regras da língua portuguesa, neste caso da colocação do pronome pessoal em adjacência verbal.

     Fariam-no?

     Fá-lo-iam, caríssimo "jornalista". 

     Modestamente, passe por aqui para evitar escrever baboseiras.

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

As seis fases da crise na Europa

     «A maior crise económica e financeira desde a Grande Recessão de 1929 começou há dez anos. Os problemas no mercado hipotecário de alto risco nos EUA ("subprime") já se sentiam há alguns meses, e os seus efeitos na volatilidade de alguns segmentos de mercado eram visíveis há semanas. Mas foi a 9 de agosto de 2007 que o BCE pela primeira vez injetou liquidez de emergência no sistema financeiro da Zona Euro para combater o congelamento dos fluxos de crédito interbancário. Desde então, com erros e sucessos, o BCE insuflou o seu balanço para 4,25 biliões de euros, ou quase 12, 5 mil euros por europeu, numa crise de uma década que pode ser dividida em seis fases:

1: Os primórdios da crise, de 9 de agosto de 2007 a 15 de setembro de 2008

     A desconfiança entre bancos força o BCE a injetar liquidez pela primeira vez no sistema financeiro da Zona Euro a 9 de agosto de 2007. Os meses seguintes são confusos e voláteis e o BCE ainda sobe juros em julho de 2008. Dois meses depois cai o Lehman Brothers nos EUA, dando início à grande crise financeira internacional.


2: A grande crise internacional, de 15 de setembro de 2008 a 23 de abril de 2010

     A queda do Lehman Brothers em setembro de 2008 marcou o início da grande crise internacional. A desconfiança generalizou-se por todo o sistema financeiro das economias avançadas, os bancos centrais coordenaram-se em medidas de cedência de liquidez e corte de juros. Em seis meses o BCE passou a taxa central de 4,25% para apenas 1% em maio de 2009.


3: Zona Euro sob ameaça, de 23 de abril de 2010 a 2 de novembro de 2011

     A terceira fase da crise é marcada pelo agudizar dos problemas da Zona Euro, com vários resgates de Estados-membros, a começar pelo grego em abril de 2010. Seguiu-se o irlandês em novembro de 2010 e o português em abril de 2011. A ligação diabólica entre a saúde do sistema financeiro e dos respetivos soberanos fazia sentir-se em toda a força, e começa mesmo a ameaçar grandes países como a Espanha e a Itália.


4: Draghi muda o jogo, de 2 de novembro de 2011 a 4 de julho de 2013

     A entrada de Mario Draghi para a liderança do BCE em novembro de 2011 muda o jogo da crise. Em dezembro avança com empréstimos de muito longo prazo que devolveram alguma tranquilidade aos grandes bancos da periferia. Confrontado com o ressurgir de pressões sobre as taxas de juro na periferia, em julho de 2012 faz o célebre discurso de Londres em que garante que o banco central fará "o que for preciso" para garantir a unicidade do euro e em setembro o BCE apresenta o OMT, o programa de compra de dívida pública de países em dificuldades. As taxas de juro começaram a baixar consistentemente desde então.


5: O fantasma da deflação, de 4 de julho de 2013 a 22 de janeiro de 2015

     Com a Zona Euro fora de perigo de vida, chegou a ameaça de deflação na Zona Euro. Em julho de 2013 o BCE estreia-se em medidas não convencionais, como o "forward guidance", ou seja, garantias de médio e longo prazo para a evolução da taxa de juro, o que nunca tinha feito. A ideia foi defender a Zona Euro da volatilidade provocada pelo início da normalização da política monetária nos EUA sinalizada na primavera de 2013 por Ben Bernanke na Fed. A taxa de inflação já estava a cair na Zona Euro e tinha chegado a 1,6% em julho de 2013. Em maio de 2014 já estava nos 0,5% e o BCE vai mais longe, estreando-se nas taxas de juro negativas em junho desse ano.


6: BCE começa compra de dívida pública, desde 22 de janeiro de 2015

     Um pouco mais de seis anos após a Reserva Federal, em janeiro de 2015 o BCE confirma que vai avançar com um programa de compra alargada de ativos, ao ritmo de 60 mil milhões de euros por mês, com destaque para a compra de dívida pública. O objetivo foi travar os riscos de deflação na Zona Euro. O problema foi reforçado em março de 2016 para compras de 80 mil milhões de euros mensais e cortes nas taxas central para 0% (de 0,05%) e de depósitos para -0,4% (de -0,3%). Em março de 2017, considerando que o risco de deflação desapareceu, o BCE volta a reduzir as compras mensais para 60 mil milhões de euros e guarda para o segundo semestre deste ano novidades sobre novas orientações para a política monetária, no que deverá configurar o início da sétima fase da crise.




FONTE: Jornal de Negócios

sábado, 12 de agosto de 2017

Autárquicas 2017: Isaltino Morais e os ensinamentos da prisão


O peso da Administração Pública


     Portugal tem funcionários públicos a mais, não tem?

     Parece que este estudo da OCDE vem contrariar essa ideia que nos é vendida há décadas.

     Repare-se na posição dos países nórdicos, cujo exemplo serve para muita coisa que nos querem impingir, e para a situação de Portugal face à média da própria OCDE.

Tom Sawyer - Episódio 24: "Huck usa gravata"

Sucessos e falhanços do sistema de ensino na Noruega

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Santana Castilha e a aposta tecnológica do ME

     O governo de José Sócrates «pensou» que a tecnologia seria uma das soluções para a educação portuguesa, tendo sido o computador «Magalhães» o símbolo dessa modernidade.

     O governo de António Costa, na esteira da Estratégia TIC 2020, prepara-se também para fazer submergir o ensino português em nova aposta tecnológica. Santana Castilho, como tem sido seu timbre, não foi suave na sua crítica:
           "É inegável que os tablets permitem armazenar muitos livros, protegendo do peso das mochilas as colunas vertebrais, sem abdominais nem dorsais que as sustentem, de crianças obesas, em parte porque se tornaram escravas sedentárias da “usabilidade” e da “interoperabilidade” de tablets, smartphones e demais gadgets do século XXI. Mas já há reflexão que importa e desaconselha a substituição radical do papel pelo digital.
           Nos EUA fizeram contas e concluíram que o uso de tablets multiplicou por cinco o custo dos clássicos manuais. Porque são caros, partem-se facilmente e não se arranjam facilmente. Ficam obsoletos rapidamente, como convém ao negócio. E há que pagar royalties anuais a editores, custos de infraestruturas wi-fi e treino de professores para os usar. E quanto ao ambiente? Desenganem-se os ecologistas porque, segundo o The New York Times de 4 de abril de 2010 (How green is my iPad?), a produção de tablets é bastante mais destrutiva e perigosa do que a produção de livros em papel. Mas, acima de tudo, há evidências científicas de que ler em papel facilita a compreensão e a memorização por comparação com a leitura digital e que a perda da motricidade fina que a aprendizagem da escrita com papel e lápis permite é danosa para o desenvolvimento das crianças. Finalmente, há a certeza de que o preço dos tablets e a ausência de wi-fi na casa das crianças pobres as deixará ainda mais para trás."

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Plural das siglas

1. Escrita

     As siglas não têm plural. A marca (de plural) é dada pelos elementos que estão antes ("as ONG") ou depois ("ONG pressionam os governos europeus").
     De igual modo, constitui um erro o uso do apóstrofo enquanto sinal de elisão, exatamente porque as siglas não têm plural: *ONG's.
     Por outro lado, quando se procede ao desdobramento, não se usam maiúsculas, mas sim minúsculas iniciais, desde que não representem um nome próprio: ONG → organização não-governamental.


2. Oralidade

     Ao contrário do que sucede ma escrita, na oralidade as siglas formam o plural com o acrescentamento do som de um s (que, na escrita, se omite).

sábado, 5 de agosto de 2017

Símbolos: plural e ponto abreviativo?

     É algo frequente encontrar, por exemplo, a palavra "quilómetros" escrita, simbolicamente, assim: kms.

     Esta grafia constitui um erro, pois os símbolos não têm plural nem são seguidos de ponto de abreviação, pelo que se deverá escrever km, mesmo que a frase seja deste tipo: Carlos Lopes percorreu mais de 42 km para alcançar a sua medalha de ouro olímpica.

     De facto, os símbolos são palavras invariáveis, por isso:
          . não têm plural;
          . não têm ponto abreviativo;
          . não se grafam com maiúscula inicial.

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Nuno Saraiva cilindrado

     Nuno Saraiva, diretor de (falta de) comunicação do Sporting: "Presumo que todos os sócios do Benfica tenham financiamento no combustível...".

     Resposta do Benfica:


PS - Contexto: a questão da «legalização» das claques do Benfica e dos apoios que lhes são concedidos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...