quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Reclamação / Protesto

1. Definição

          A reclamação é um texto em que se reivindica um direito e se exige a reparação dos prejuízos sofridos pelo reclamante / queixoso.


2. Etimologia

          Protestar vem do latim protestare, que significa afirmar solenemente ou declarar publicamente um facto.
          Reclamar provém do latim reclamare e significa exigir ou reivindicar.


3. Tipos


















4. Estrutura

     » Reclamação escrita - Livro de reclamações
            * Identificação do fornecedor do bem / serviço;
            * Identificação do reclamante;
            * Motivo da reclamação:
                    - apresentação sumária da situação;
                    - apresentação da reivindicação;
            * Data;
            * Assinatura.

     » Reclamação escrita - Carta de reclamação:
          . Cabeçalho:
              * Identificação do reclamante (canto superior esquerdo):
                    - Nome;
                    - Morada;
              * Identificação do destinatário (canto superior direito):
                    - Nome / Designação da empresa;
                    - Morada;
              * Local e data (de envio);
          . Corpo:
              * Assunto;
              * Forma de tratamento / saudação inicial;
              * Relato resumido da situação / dos factos (queixa / reclamação);
              * Caraterização da situação atual;
              * Reivindicação do direito e pedido de reparo / ressarcimento;
          . Fecho:
              * Fórmula de fechamento;
              * Assinatura (do reclamante);
              * Indicação dos anexos.


5. Caraterísticas

     * Escrita na 3.ª pessoa;
     * Uso do registo formal;
     * Utilização de linguagem clara, objetiva, concisa e correta;
     * Registo expositivo-argumentativo.


6. Protesto

          O protesto é uma forma de reação solitária ou em grupo, de caráter público, contra ou a favor de determinado(a) evento/situação.
          Muitas vezes, assume o modelo de uma manifestação pública de desagrado, em que os manifestantes expressam as suas opiniões para que estas sejam ouvidas / conhecidas com vista a influenciar a opinião das massas e / ou mudar políticas, circunstâncias, medidas adotadas, etc.
          É comum, nos protestos, recorrer-se à utilização de slogans e de palavras de ordem (por exemplo, A luta continua; governo para a rua; Assim não pode ser trabalhar sem receber, etc.).

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Artigo técnico-científico

1. Artigo técnico

          O artigo técnico é um texto de caráter expositivo-argumentativo cujo autor apresenta os resultados da aplicação prática de uma teoria, transmitindo conhecimentos do domínio da técnica.


2. Artigo científico

          O artigo científico é um texto também de caráter expositivo-argumentativo em que um cientista apresenta / defende uma tese ou refuta posições assumidas por outrem. Deste modo, funciona como difusor de conhecimentos científicos a um determinado público, exprimindo o pensamento do seu autor.


          2.1. Tipos

. Artigos: textos que consistem numa descrição de descobertas originais feitas em pesquisas atuais.

. Letters (também designadas cartas ou comunicações): descrições breves de descobertas importantes resultantes de pesquisas atuais.

. Notas breves: textos / descrições breves de descobertas em pesquisas atuais.

. Revisão de literatura: narrativa coerente sobre o estado da arte naquele campo; resultados acumulados de muitos artigos diferentes sobre um tópico.

. Documento suplementar: grande volume de dados tabulados que são o resultado de uma pesquisa atual.


3. Estrutura

          A estrutura de um artigo técnico ou científico é variável, todavia muitos apresentam um esquema próximo do recomendado pelo International Comittee of Medical Journal Editors.

     1. Título: identificação do tema principal do artigo.

     2. Resumo: descrição sumária dos tópicos fundamentais do artigo (1 a 4 parágrafos).

     3. Corpo do texto:


          » Introdução:
               . Definição do contexto do trabalho a que se refere o artigo, podendo ser
                 acompanhado pela discussão de fontes primárias relevantes da literatura
                 (com recurso a citações), sintetizando a visão atual da questão abordada;
               . Apresentação dos objetivos do estudo, sob a forma de hipótese, questão
                 ou problema que está a ser estudado;
               . Breve explicação do raciocínio e da abordagem e, sempre que possível,
                 dos eventuais resultados do estudo.

          » Materiais e métodos:
               . Descrição do procedimentos adotados;
               . Descrição dos métodos e técnicas utilizados;
               . Descrição do modo como os dados foram recolhidos e analisados.

          » Resultados: apresentação dos resultados, sem interpretação, de acordo
                                  com uma sequência lógica e usando materiais ilustrativos
                                  (tabelas e figuras).

          » Discussão: interpretação dos resultados, fazendo referência a outros
                                estudos sobre o assunto e ao novo entendimento do problema,
                                à luz dos resultados da investigação.

          » Conclusão: síntese que reforça as ideias principais desenvolvidas ao longo do texto.

     4. Elementos finais:

          » Agradecimentos (opcionais): pessoas que ajudaram na elaboração do
                                         trabalho ou na sua redação.

          » Referências bibliográficas: referência às fontes utilizadas ou citadas no texto,
                                                           sob a forma de lista.

          » Apêndice ou Anexos: opcionais e pouco comuns nos artigos científicos.


4. Linguagem


     . Rigorosa, precisa e objetiva;
     . Predomínio de frases curtas;
     . Uso da terceira pessoa do singular.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

"Cinco ideias para os próximos cinco anos»


          Visiona o vídeo apresentado (extraído daqui) e resolve, no teu caderno diário, as atividades da página 35 do manual adoptado.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Campo lexical e campo semântico


          Campo lexical é o conjunto de palavras ou expressões que se referem ao mesmo domínio da realidade.
          Por exemplo, se quisermos construir o campo lexical de vestuário, poderemos usar palavras como calças, camisola, meias, camisa, chapéu, sapatos, saia, vestido, etc.

          Outros exemplos:

               . campo lexical de futebol: estádio, jogador, bola, equipa, árbitro, golo...;
               . campo lexical de escola: biblioteca, quadro, livros, cadernos, disciplina...;
               . campo lexical de pintura: quadro, pincel, tinta, cavalete, tela, exposição...;
               . campo lexical de floresta: pinheiros, faia, carvalhos, urso, caverna, pânta-
                  nos, lobo, javali, veado...
               . campo lexical de mar: barco, areia, onda, marinheiro...

          Já campo semântico designa o conjunto de todos os significados que uma palavra assume num determinado contexto.
          Por exemplo, «as palavras navegar, marear, velejar, sulcar, vogar, singrar, num determinado contexto podem ter um mesmo significado: NAVEGAR. Este campo semântico consiste, então, no conjunto de palavras que têm entre si o valor semântico comum de NAVEGAR. Todas estas palavras e expressões designam de forma diferente um mesmo conceito. » (in Infopedia).

          Outros exemplos:

               . campo semântico de bola: bola de futebol, bola de neve, bola de Berlim,
                                                           estás uma bola, etc.;
               . campo semântico de morte: bater a bota, partir, falecer, ir desta para
                                                             melhor, dar o badagaio, apagar-se;
               . campo semântico de :
                         - O bebé não queria comer a sopa, mas a bateu o pé.
                         - Isaltino jurou a pés juntos que não era culpado.
                         - O texto da Filomena não tem pés nem cabeça.
                         - Depois da luta, Agamemnon saiu com pés de lã.
                         - Os teus pés são feitos.
               . campo semântico de nota:
                         - A nota de cinco euros mudou.
                         - A minha nota musical preferida é o «mi».
                         - Que nota tiveste a Português?
                         - O golo do Messi é digno de nota.
               . campo semântico de luz:
                         - Os meus filhos são a luz dos meus olhos. (= são o meu orgulho,
                            são muito amados)
                         - A Maria já deu à luz. (= teve um filho)
                         - Subimos a persiana para dar luz à sala. (= iluminar)
                         - O esclarecimento do professor fez luz sobre a dúvida do
                            aluno. (= esclarecer)
                         - A direção da escola tem luz verde para fazer obras. (= autorização)
               . campo semântico de coração:
                         - O coração é um órgão do corpo humano.
                         - A minha tia tem um coração mole.
                         - És um coração de manteiga.
                         - A minha primeira namorada tinha um coração de pedra.
                         - O Chiado é o coração de Lisboa.
                         - A minha mãe tem o coração perto da boca.
                         - A Vitória partiu o coração ao ex-namorado.
                         - Ela fez das tripas coração para manter o coração.
               . campo semântico de justiça:
                         - Praticar a justiça de Fafe. (= forma violenta de resolver os assuntos)
                         - O João disse de sua justiça. (= disse aquilo que pensava)
                         - Isso é justiça de funil. (= ser parcial mo uso da justiça)
                         - A polícia atuou com justiça. (= atuou de maneira justa, imparcial)
                         - A população fez justiça pelas próprias mãos. (= castigou ela própria,
                            sem recorrer as poderes competentes para tal)
                         - Os adeptos fizeram justiça a Jorge Jesus. (= reconheceram-lhe razão)
               . campo semântico de conta:
                         - Paguei a conta da água. (= despesa, fatura)
                         - Ele abriu uma conta fantasma. (= conta em nome de um cliente fictício)
                         - O João ajustou contas com a Joaquina. (= castigar, vingar-se)
                         - A justiça vai chamar Jorge jesus a contas. (= exigir explicações)
                         - O Pedro deu conta da limpeza da casa. (= realizar, fazer)
                         - Ela fez de conta que não ouviu. (= fingiu)
                         - A Sónia trabalha por conta própria. (= independentemente, por si
                            própria)
                         - Isso não são contas do meu rosário. (= não é da minha competência,
                            do meu interesse)
                         - As silvas tomaram conta do jardim. (= invadiram)
               . campo semântico de nuvem:
                         - Aquela nuvem está a tapar o sol.
                         - O professor foi às nuvens com a minha resposta. (=irritou-se)
                         - Caí das nuvens com a derrota no Porto. (= fiquei desiludido)
                         - O incêndio provocou uma nuvem escura que escondeu o céu.
                            (= fumo espesso)
                         - Uma nuvem de gafanhotos devastou o Egito. (= grande quantidade)
                         - A Joana anda nas nuvens com o novo namorado. (= anda feliz)
                         - Uma nuvem abateu-se sobre o rosto da Miquelina após a notícia
                            da morte da avó. (= ficou muito triste)
               . campo semântico de verde:
                         - A mação ainda está verde. (= não está madura)
                         - Aquela professora ainda não está muito verde. (= é muito
                            inexperiente)
                         - Que saudades dos meus verdes anos! (= juventude)
                         - A carne verde é desagradável. (= não salgada)
               . campo semântico de céu:
                         - O golo do Benfica caiu do céu. (= foi bem vindo ou foi casual)
                         - A Josefina foi para o céu. (= morreu)
                         - Os dejetos correm a céu aberto. (= ao ar livre, a descoberto)
                         - Os candidatos autárquicos prometem o céu e a terra. (= superou
                            obstáculos, usou todos os meios possíveis)
                         - Ele moveu céu e terra para provar a inocência do filho. (= fez todo
                            o possível)
                         - Aquilo foi de bradar aos céus. (= foi escandaloso, censurável)

Ortografia - AO


Nova Ortografia


1. Rescreva as frases tendo em conta as regras estipuladas no (novo) Acordo Ortográfico.

a) O tractor avariou enquanto arava as terras do director da escola.
b) A erupção de um vulcão na Islândia provocou uma reacção violenta colectiva das pessoas afectadas pelo cancelamento de voos em diversos aeroportos.
c) Ocorreu, ontem, um violento sismo no Chile que causou a morte da actriz Agatha Christie.
d) Os súbditos de D. Carlos ficaram decepcionados com o seu assassinato.
e) A próxima colecção será protagonizada pelo nosso excepcional professor de Português.


2. Nos pares de palavras a seguir apresentados, apresentam-se diferentes grafias da mesma palavra. Algumas destas grafias são incorretas enquanto outras correspondem a variantes não europeias da língua que falamos.

2.1. Assinale a opção que representa a grafia correta na norma portuguesa.

a) electrofone                           eletrofone                   
b) perspectivar                          perspetivar                  
c) corrupto                                 corruto                          
d) reator                                     reactor                          
e) núpcias                                  núcias                           
f) activamente                            ativamente                  
g) exacto                                    exato                             
h) acto                                        ato                                 
i) eucalipto                                 eucalito                         
j) cético                                      céptico                          
k) bissectriz                               bissetriz                        
l) Egipto                                     Egito                             
m) suntuoso                               sumptuoso                  
n) desafectação                        desafetação                
o) óptimo                                   ótimo                             
p) carácter                                 caráter                          
q) adoptar                                  adotar                           
r) indemnizar                             indenizar                       
s) elétrico                                  eléctrico                        
t) convicto                                  convicto                        
u) perspectiva                           perspetiva                    

domingo, 18 de setembro de 2011

Programa

. Sequência 1

     . Leitura:
          » Textos informativos diversos e dos domínios transacional e educativo:
                    - Artigos científicos e técnicos;
                    - Comunicado;
                    - Reclamação / Protesto.

     . Compreensão oral:
          » Documentários de índole científica.

     . Expressão oral:
          » Reclamação / protesto;
          » Comunicado.

     . Escrita:
          » Reclamação / protesto.


. Sequência 2

     . Leitura:
          » Discurso político;
          » Sermão de Santo António aos Peixes.

     . Compreensão oral:
          » Documentários;
          » Sermão de Santo António aos Peixes em CD;
          » Filmes (A Missão; Palavra e Utopia).

     . Expressão oral:
          » Exposição.

     . Escrita:
          » Textos expositivo-argumentativos;
          » Textos de apreciação crítica.


. Sequência 3

     . Leitura:
          » Frei Luís de Sousa.

     . Compreensão oral:
          » Filme Frei Luís de Sousa;
          » Documentários (sobre Garrett, o Romantismo, etc.).

     . Expressão oral:
          » Dramatização.

     . Escrita:
          » Textos argumentativos;
          » Textos expositivo-argumentativos;
          »Resumo (de textos expositivo-argumentativos).


. Sequência 4

     . Leitura:
          » Romance de Eça de Queirós;
          » Caricaturas ( cartoons);
          » Desenhos humorísticos.

     . Compreensão oral:
          » Documentários sobre a vida e obra de Eça;
          » Excertos de filmes e /ou séries baseados na obra queirosiana;
          » Programas áudio e audiovisuais humorísticos.

     . Expressão oral:
          » Debate (participação).

     . Escrita:
          » Síntese (de textos informativo-expositivos).


. Sequência 5

     . Leitura:
          » Textos dos media:
                    - Editorial;
                    - Artigos de apreciação crítica;
                    - Imagens (função argumentativa);
                    - Textos publicitários;
          » Poesia de Cesário Verde.

     . Compreensão oral:
          » Produções áudio e audiovisuais diversas.

     . Expressão oral:
          » Textos publicitários (orais e audiovisuais).

     . Escrita:
          » Artigos de apreciação crítica;
          » Textos publicitários.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Serrar os dentes

          Senta-se uma pessoa na sala de espera do consultório do dentista e, enquanto aguarda, procura distrair-se do som das brocas e da imagem da agulha, folheando uma revista cor-de-rosa.
          E eis que chega a uma página onde lê o seguinte:
                    «Diana acaba por cair na rua como uma vulgar sem-abrigo e aceita a sopa oferecida por um voluntário, mas deita-a fora. Enroscada num cobertor, serra os dentes murmurando que vai conseguir ultrapassar as dificuldades por que está a passar.»
          Na imagem apresentada, pode ver-se a estupefacção da atriz que desempenha o papel da personagem (Diana) no exato momento em que lê este «guião». De facto, convenhamos que seria um desperdício incompreensível serrar tão belos dentes.

          É claro que o trauma das brocas e agulhas desapareceu em três tempos. Um agradecimento à... "TV 7 Dias» pelo momento de humor trágico.

Alterações aos planos de estudo - Ensino secundário

. 10.º ano:
  • O plano de estudos passa a integrar a área de Formação Cívica, quer para os alunos inscritos neste ano de escolaridade pela primeira vez, quer para aqueles que se encontram a repeti-lo.

. 11.º ano:
  • Os alunos não estão sujeitos à frequência da área de Formação Cívica;
  • Os alunos que frequentam pela primeira vez este ano de escolaridade podem optar por realizar o exame nacional da disciplina de Filosofia ou o exame de uma das disciplinas bienais da componente de formação específica;
  • Os alunos que se encontram a repetir o 11.º ano podem também optar por realizar o exame nacional de Filosofia ou o de uma disciplina bienal, desde que ainda não tenham concluído a disciplina de Filosofia e a disciplina bienal da componente de formação específica à qual não pretendem realizar exame nacional.

. 12.º ano:
  • Do plano de estudos não fazem parte as áreas de Formação Cívica e Área Projeto, independentemente de frequentarem este ano de escolaridade pela primeira vez ou não;
  • Os alunos que se encontrem a repetir o 12.º ano e já tenham realizado a Área de Projeto podem optar por lhes ser considerada, ou não, a classificação respetiva no cálculo da CIF (classificação interna final) do ensino secundário;
  • Os alunos que não tenham concluído o ensino secundário no ano letivo de 2010/2011 apenas por não terem realizado a Área de Projeto podem inscrever-se, no ano de 2011/2012, nas disciplinas deste ano de escolaridade para efeitos de melhoria de classificação, de acordo com as possibilidades da escola;
  • Os alunos podem optar por realizar o exame nacional de Filosofia ou o exame de uma das disciplinas bienais da componente de formação específica, desde que ainda não tenham concluído a disciplina de Filosofia e a disciplina bienal da componente de formação específica à qual não pretendem realizar exame nacional.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Sondagem


domingo, 11 de setembro de 2011

Testemunho dramático de uma mãe

          «... o meu filho de 6 anos, que vai frequentar o 1.º ano, terá de embarcar num autocarro às 7:30 horas da manhã (este autocarro é a carreira pública regular para as pessoas da região), para fazer um percurso de 45m e (isto é do melhor) não tem nenhum vigilante a acompanhá-lo, nem aos outros meninos que irão para o centro escolar de Alijó.»
          Roubado à Educação do meu Umbigo.

11/09/2001

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

CORTES OBSCENOS

Arranque do ano lectivo marcado por vários cortes e alterações


Hoje às 07:22



          "A TSF dá-lhe a conhecer as alterações do novo ano lectivo que vai começar com menos dinheiro, menos professores e com equipas reduzidas para acompanhar as crianças com deficiências.
          (...)
          Na reestruturação planeada pelo ministro Nuno Crato, nota ainda para a redução das equipas que fazem o acompanhamento dos alunos com necessidades especiais.
          No apoio às necessidades especiais deixam de estar presentes os assistentes sociais, os monitores e os técnicos de psicomotricidade."

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

domingo, 4 de setembro de 2011

"Poeminha da Negação da Afirmação", Millôr Fernandes

          Sou um homem bem comum
          sem nenhuma aspiração.
          Não quero ser general
          e muito menos sultão.
          Sou moderado de gastos,
          de ambição reduzida,
          não sonho ser «big-shot»
          estou contente da vida.
          Nunca invejei o próximo
          nem lhe cobiço a mulher,
          pego o meu lugar na fila
          e seja o que Deus quiser.
          Não sou mau pai, nem mau esposo,
          grosseiro nem invejoso
          - só um pouco mentiroso.

"Take me Up", Scotch (1984)


          Cada ano que passa vai pesando, daí que saiba bem tudo o que «take me up».

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Amontoar? Prossiga-se!


Creches passam a ter 18 miúdos dos dois aos três anos em 34 metros quadrados

01.09.2011 - 12:50 Por Ana Cristina Pereira

          As crianças dos dois aos três anos vão ter menos espaço nas creches. Se a sala acolher até 16 meninos, terá de haver dois metros quadrados por cada um. Se acolher mais um ou dois, só se exigirá mais um metro por cada um.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...