sexta-feira, 26 de novembro de 2010

«Da nossa semelhança com os Deuses»

          O presente texto, constituído por versos decassilábicos intercalados com hexassilábicos, começa por comparar os homens a «deidades exiladas», afirmando que aqueles se devem julgar deuses, embora não o sejam na realidade (de notar a expressividade da forma verbal «tiremos»), isto é, devem ser senhores do seu destino. E devem julgar-se deuses (dado que têm a mesma origem) exilados na Terra, ou seja, afastados da convivência com os outros deuses, os que vivem no Olimpo. A semelhança que existe entre estas «entidades» passa pela Vida, possuída por direito próprio e tão antiga que ninguém a pode impugnar. Quer isto dizer que, se os deuses receberam o direito a ela das mãos de Júpiter, os homens possuem o mesmo direito a um nível semelhante, em tempo e qualidade.

        No segundo andamento do poema, o sujeito poético defende um determinado conceito de vida para o Homem, começando por aconselhá-lo a portar-se altivamente (v. 7) e a ser dono de si mesmo, uma atitude tipicamente estoicista. Por outro lado, deve orientar-se no sentido de levar uma vida em paz, serena, tranquila, sem sobressaltos, sem agitação (a magna quies), ideia acentuada pela comparação, presente nos versos 8 a 10, com a «vila», a casa de campo concedida aos mortais pelos deuses para amenizar os rigores do Verão (o «estio»). Os homens deveriam usar a sua existência da mesma forma: num ambiente bucólico, sossegado, fazendo o culto da natureza (a aurea mediocritas). E esta parte não termina sem um apelo à moderação e ao quietismo (típicos do Epicurismo), por oposição a «outra forma mais apoquentada» de conduzir a existência, justificado pelo facto de esta estar cheia de incertezas («é indecisa» - v. 13) e desaguar necessariamente na morte (é «afluente / Fatal do rio escuro.» - vv. 13-14 - perífrase e eufemismo).

          Na última estrofe, o «eu» apela ao autodomínio. Dado que o Destino comanda os próprios deuses, se situa acima deles, que lhe obedecem e não lhe podem fugir; dado que o Destino é calmo e inexorável (o que aponta para uma concepção fatalista da existência), os homens deverão primar pelo autodomínio. Assim, deverão construir o seu próprio destino (visto que não é possível fugir ao Fado e aos próprios deuses) e, deste modo, a opressão que o Destino exerce parecerá voluntária (conformismo) e os homens entrarão no mundo da morte pelos próprios pés, como se se tratasse de um acto voluntário e deliberado.

          À semelhança do que sucede em muitas das suas odes, Ricardo Reis defende uma filosofia de vida assente nos seguintes princípios:
                  . Autodomínio;
                  . Abnegação / resignação;
                  . Desprendimento;
                  . Controlo das paixões;
                  . Evitar tudo o que possa causar perturbação;
                  . Construção do próprio destino (conformismo e submissão a ele);
                  . ...
A razão deste modelo de vida encontra-se na impossibilidade de escapar ao Fado. Os seus objectivos / as suas consequências passam por evitar o sofrimento e a angústia causados pela morte, pela construção de uma vida sem sobressaltos e pela dignificação do ser humano.

Funções sintácticas (GC8)

1.1.
     a) sujeito
     b) modificador do nome restritivo
     c) predicado
     d) predicativo do sujeito
     e) modificador preposicional
     f) complemento directo
     g) sujeito
     h) modificador do nome apositivo

2.
     2.1. a)
     2.2. d)
     2.3. c)
     2.4. c)
     2.5. b)
     2.6. b)

3.
     1 - d
     2 - a / f
     3 - a / f
     4 - h
     5 - b

4.
     4.1.
          a) modificador preposicional
          b) modificador do nome restritivo
          c) sujeito
          d) predicado
          e) complemento directo
          f) modificador do nome restritivo
          g) modificador do nome restritivo
          h) sujeito
          i) predicado
          j) complemento directo
          k) modificador do nome restritivo

5.
     a)
          «Quando bebem» - modificador frásico
          «os jovens» - sujeito
          «marcianos» - predicativo do sujeito
     b)
          «Infelizmente» - modificador frásico
          «miseravelmente» - modificador (adverbial) do grupo verbal
     c)
          «do comentário que fizeram» - complemento oblíquo
          «que fizeram» - modificador do nome restritivo
          «anteontem» - modificador adverbial
     d)
          «Domingo» - modificador nominal (com valor similar a um grupo preposicional => «No domingo») do grupo verbal
          «o Benfica» - sujeito
     e)
          «Obviamente» - modificador (adverbial) frásico
          «boas classificações» - complemento directo
     f)
          «Alunos preocupados com a saúde dos professores» - sujeito
          «preocupados com a saúde dos professores» - modificador (adjectival) do nome restritivo
          «raros» - predicativo do sujeito
     g)
          «Embora estivesse nervoso» - modificador frásico
     h)
          «Os alunos» - sujeito
          «da visita de estudo» - complemento do adjectivo
     i)
          «de exibições» - complemento do nome
          «assustadora e inquietante» - predicativo do sujeito
     j)
          «de fazer greve» - complemento do nome
          «me» - complemento indirecto
     k)
          «O Pedro» - sujeito
          «de fazer estes exercícios» - complemento do adjectivo
     l)
          «do sucesso do Orçamento de Estado.» - complemento oblíquo
     m)
          «O pão e a cebola» - sujeito
          «bem» - complemento oblíquo
     n)
          «Na aula» - modificador frásico
          «da poesia de Ricardo Reis» - complemento oblíquo
          «de Ricardo Reis» - modificador do nome restritivo
     o)
          «com o vosso esforço» - complemento do adjectivo
          «meus caros» - vocativo
     p)
          «Esta ficha» - sujeito
          «no domingo» - modificador do grupo verbal
          «por mim» - complemento agente da passiva
     q)
          «Hoje» - modificador do grupo verbal
          «a minha mãe» - sujeito
          «me» - complemento indirecto
          «da rua» - modificador do grupo verbal
     r)
          «A luta dos portugueses» - sujeito
          «pela dignidade» - complemento do nome
          «justa» - predicativo do sujeito
     s)
          «que é minha aluna» - modificador do nome apositivo
     t)
          «pelo Natal» - complemento do adjectivo

6.
     a)
          «simpáticas» - modificador do nome restritivo
          «a atenção dos professores» - complemento directo
          «dos professores» - complemento do nome
     b)
          «à presidência da República.» - complemento oblíquo
     c)
          «Para alívio dos alunos» - modificador (preposicional) da frase
     d)
          «que mora em Almeida» - modificador do nome restritivo
          «em Almeida» - complemento oblíquo
          «uma avaria» - complemento directo
          «na A25» - modificador do grupo verbal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...