sábado, 7 de setembro de 2019

Biografia de Shakespeare

1. Primeiros anos de vida

            Shakespeare nasceu em 1564 em Stratford-upon-Avon, uma pequena cidade no meio do campo inglês. O seu pai, John Shakespeare, era uma espécie de alpinista social. Ele fez um bom casamento quando desposou Mary Arden, filha de um fazendeiro abastado, e em 1568 fez campanha com sucesso pelo cargo de alto oficial de justiça de Stratford, o equivalente a um prefeito moderno. Embora não haja registo da escolaridade de William, John quase certamente enviou o seu filho para a escola pública local, onde teria estudado literatura e retórica latina. As peças de Shakespeare indicam que conhecia grego e latim. Os escritores Séneca e Ovídio podem ter causado uma impressão particularmente forte em William. A peça que o lançou, Tito Andronico, vai buscar pontos da trama a ambos os escritores, e o seu primeiro trabalho publicado, o longo poema “Vénus e Adónis”, reconta um episódio das épicas metamorfoses de Ovídio. Quando Shakespeare começou a ganhar dinheiro com esses sucessos, uma das suas primeiras grandes despesas foi na aquisição de um brasão de armas para o seu pai, o que deu a John Shakespeare o direito a chamar-se "cavalheiro".

2. Casamento

            Quando tinha dezoito anos, Shakespeare casou-se com Anne Hathaway, de 26 anos. Eles talvez se tenham apressado em se casar porque Anne estava grávida – a sua primeira filha, Susanna, nasceu apenas seis meses após o casamento. Noivas grávidas não eram incomuns, no entanto, e nada de concreto é conhecido sobre o relacionamento de William e Anne. Shakespeare passou a vida profissional em Londres, deixando a sua família em casa, em Stratford, onde investiu em imóveis, e é provável que lá tenha voltado com frequência. Como Anne era quase uma década mais velha que Shakespeare, alguns críticos sugerem que ela era a origem do interesse particular dele pelas personagens femininas mais velhas e mais experientes que o habitual protagonista romântico. Muitas das suas personagens mais complexas são esposas e mães. Em Gertrude (Hamlet) e Cleópatra (António e Cleópatra), Shakespeare demonstrou profunda simpatia pela sexualidade das mulheres que não estavam mais na fase de solteiras. Noutras peças, ele explorou o modo como a ambição de uma esposa como Lady Macbeth (Macbeth) ou de uma mãe como Volumnia (Coriolano) pode moldar o curso da vida de um marido ou filho.

3. Primeiros trabalhos

            Após o casamento de Shakespeare, não há registo da sua vida até 1592, quando o dramaturgo Robert Greene publicou uma observação sarcástica sobre um "corvo arrivista", uma "shake-scene" que "supõe que é capaz de um verso em branco grandiloquente como o melhor de vocês.”. Nesta altura, Shakespeare estava em Londres, escrevendo as suas primeiras peças. Greene pensou que ele era um "arrivista" porque, ao contrário de Greene e da maioria dos outros dramaturgos da sua época, Shakespeare não tinha formação universitária, embora tivesse amigos entre os "University Wits", como esses dramaturgos educados eram conhecidos. Uma das suas primeiras peças, Henrique VI, Parte I, provavelmente foi escrita em colaboração com Thomas Nashe, um satirista político que em 1597 coescreveu uma peça tão controversa que os seus atores foram presos. Shakespeare também pode ter colaborado com Christopher Marlowe, um dramaturgo brilhante e possível espião que foi assassinado quando uma luta deflagrou numa taberna. A luta terminou com o projeto, que era chamado “acerto de contas” em inglês elizabetano. Em As You Like It (1599), Shakespeare prestou homenagem ao legado de Marlowe como escritor: "Quando os versos de um homem não podem ser entendidos [...], atinge um homem mais morto do que um grande acerto de contas numa pequena sala".
            O teatro era uma indústria de má reputação quando Shakespeare estava a começar, e os atores e os escritores faziam parte do submundo de Londres. Henrique IV, Partes I e II (1597-8), capturam a diversão e o humor das tabernas e bordéis de Londres. Com a sua esposa em casa, em Stratford, Shakespeare pode ter-se sentido livre para ceder ao que a cidade tinha a oferecer. A busca de mulheres pelos jovens é um dos principais temas das suas primeiras peças. Entre 1593 e 1595, Shakespeare escreveu três comédias sobre homens jovens que desenvolvem longos e trabalhosos esforços para assegurar as parceiras que escolheram: The Taming of the Shrew, Two Gentlemen of Verona e Love’s Labour’s Lost. Durante esse período, ele também escreveu Romeu e Julieta, que começa com a “perseguição” de Romeu à filha de um inimigo e se tornou a história mais famosa de amor jovem já escrita. Shakespeare também pode ter perseguido homens jovens. Há alguma evidência nos sonetos e nas intensas amizades masculinas de peças como O Mercador de Veneza e Noite de Reis, de que Shakespeare era o que chamaríamos de bissexual.

4. O encerramento dos teatros

            Os teatros de Londres foram fechados de 1593 a 1594 por ordem do Conselho Privado, que era constituído pelos principais conselheiros da rainha e governavam em seu nome. O Conselho fechou os teatros porque houve um surto de peste em Londres. Os "players" da cidade voltaram à vida que levavam antes de poderem montar teatros. Eles fizeram uma turné pela Inglaterra com os seus adereços e roupas arrumados em carroças, para que pudessem montar um palco em todas as cidades pelas quais passassem. Shakespeare também aproveitou a oportunidade para ganhar dinheiro. Foi durante o encerramento dos cinemas que ele publicou os seus dois longos poemas narrativos, “Vénus e Adónis” e “A Violação de Lucrécia”. O primeiro, em particular, foi um best-seller e pode ter sido o trabalho pelo qual Shakespeare foi mais conhecido durante a sua vida. É provável que ele tenha escrito muitos dos seus sonetos também nesse período.

5. Os homens de Lorde Chamberlain

            O primeiro teatro permanente de Londres foi estabelecido na década de 1570 e, na de 1590, o teatro profissional era um grande negócio. Durante o encerramento dos teatros, algumas empresas faliram e, quando foram reabertos em 1594, Shakespeare começou a escrever exclusivamente para uma nova empresa, os Homens de Lord Chamberlain, da qual era acionista. Os Homens de Lord Chamberlain incluíam Richard Burbage, que foi considerado o maior ator da sua época. Burbage foi quase certamente o primeiro ator a interpretar todos os papéis principais de Shakespeare, de Romeu a Lear. Os Homens de Lord Chamberlain rapidamente se tornaram a companhia de teatro mais popular de Londres. Shakespeare era rico e famoso e comprou uma mansão em Stratford. Em 1599, os Homens de Lord Chamberlain construíram o seu próprio teatro, o Globe, na margem sul do Tamisa. Mais tarde naquele ano, Shakespeare escreveu Henrique V, que abre pedindo ao público que imagine “os campos férteis da França” amontoados dentro do novo teatro, “este O de madeira”. Henrique V conta a história do príncipe Harry, divertido, que passou Henrique IV Partes I e II descansando em tabernas. Agora ele é rei e começa a sentir o peso do mundo sobre os seus ombros.

6. Tragédias

            Dois anos após o nascimento da filha de Shakespeare, Susanna, Anne Hathaway deu à luz gémeos, Hamnet e Judith, nomes que foram buscar provavelmente a um casal de amigos de Stratford. Onze anos depois, em 1596, Hamnet Shakespeare morreu. O pai de Shakespeare, John, faleceu por sua vez alguns anos depois, em 1601. Embora não tenhamos registo do efeito que essas mortes tiveram no dramaturgo, há uma mudança significativa nos seus escritos durante esses anos. Até esse ponto, Shakespeare era famoso como escritor de histórias e comédias. Tinha escrito apenas duas tragédias. De 1599 a 1606, no entanto, produziu uma série de tragédias, incluindo todas as peças trágicas pelas quais é mais famoso hoje. O luto e a perda emergem como temas principais. Hamlet (escrito por volta de 1600) vive da dor de um filho por seu pai. O Rei Lear (por volta de 1605) culmina na dor feroz e meio louca de Lear por sua filha. Macbeth (por volta de 1606) depende do assassinato dos filhos de outra personagem por um Macbeth sem filhos.
            Shakespeare continuou a escrever comédias também durante esse período, mas mesmo elas são coloridas pela dor. Em A Décima Segunda Noite (escrita por volta de 1601), uma irmã gémea chora o seu irmão. Medida por Medida (1604) refere-se às tentativas de uma jovem de poupar o irmão à pena de morte. Medida por Medida, Tudo Está Bem Quando Acaba Bem (por volta de 1601) e Troilus and Cressida (1602) são peças tão sombrias que alguns leitores argumentam que não são realmente comédias e preferem chamá-las de "peças de problemas". Na sua tristeza, Shakespeare pode ter-se sentido amargo com a sua riqueza e sucesso. Timon of Athens (1605) e Coriolano (1607) são obras sobre personagens ricas e poderosas que viram as costas à sociedade e se tornam exilados amargurados.

7. Últimas peças e anos finais

            Em 1607, a filha mais velha de Shakespeare, Susanna, casou-se com John Hall, um médico de Stratford, e, em 1608, o dramaturgo tornou-se avô. Essa experiência pode ter sido tão afetante quanto a perda do seu filho, porque os seus textos mudam novamente durante essa época. Entre 1608 e 1612, Shakespeare escreveu quatro peças: Péricles, Cymbeline, The Winter's Tale e A Tempestade, sobre velhos poderosos e cansados cujo sofrimento e mau comportamento são redimidos por suas filhas adoráveis. Nestas peças finais, a magia é possível. Coisas maravilhosas e inesperadas acontecem às personagens que menos o merecem. Os críticos mais tarde chamaram a essas obras peças finais, porque são mais complicadas do que as suas comédias anteriores, e misturam temas sérios da mortalidade com cenas alegres. A Tempestade, a última peça que Shakespeare escreveu sozinho, é frequentemente vista como a sua despedida do palco. A personagem principal da peça, Próspero, termina a mesma voltando-se para o público. Ele renuncia aos seus poderes mágicos e pede perdão por qualquer dano que tenha causado: "Como você seria perdoado por crimes / deixe a sua indulgência libertar-me".
            Depois de escrever A Tempestade, Shakespeare contratou um aprendiz, o dramaturgo John Fletcher, que continuaria sendo seu sucessor como escritor de King's Men. Juntos, Shakespeare e Fletcher escreveram Henrique VIII, Os Dois Nobres Reis, e uma terceira peça, Cardenio, da qual não restam cópias. Shakespeare aposentou-se da escrita em 1613. Nessa época, voltou para Stratford e continuou a cuidar dos seus interesses comerciais e da sua família até morrer em 1616. A causa da sua morte é desconhecida, mas os historiadores marcam a data como 23 de abril, convenientemente a mesma data do seu aniversário. Shakespeare foi enterrado na mesma igreja paroquial de Stratford, onde havia sido batizado 52 anos antes. Sete anos depois, dois atores de The King's Men publicaram 36 peças de Shakespeare numa coleção que passou a ser conhecida como o Primeiro Fólio. Este volume dividiu as peças em três categorias: comédias, tragédias e peças de história, e continua a ser a principal fonte do trabalho do autor de Romeu e Julieta.

"Video Killed the Radio Star", Buggles



     Há precisamente cinquenta anos, um grupo musical - Buggles - editava "Video Killed the Radio Star", com a particularidade de o videoclip deste tema musical (gravado originalmente por Bruce Woolley e os Camera Club) ter sido o primeiro a ser transmitido pela MTV. Felizmente, a «profecia» não se concretizou e a rádio continua, cinco décadas depois, bastante pujante e presente na vida da maioria dos mortais.

     De facto, a chegada da MTV e dos telediscos parecia vir colocar em risco a sobrevivência do aparelho associado a Marconi, tendo até em conta que todos os artistas e grupos desejavam ver as suas obras desfilarem na nova Meca televisiva e musical. Porém, é provável que, debaixo da leitura inicial da letra da canção, se possa encontrar uma temática mais profunda: a reflexão sobre o impacto que as tecnologias estavam a ter na sociedade e na vida das pessoas, nomeadamente todas as mudanças que, inicialmente, pareciam benéficas, mas que levavam também à perda de outras coisas.
     Se atentarmos no primeiro verso da letra ("I heard you on the wireless back in '52"), parece existir inclusive um certo tom de nostalgia de outros tempos menos tecnológicos, onde a rádio era o meio de comunicação mais importante.
     Seja como for, a rádio tem conseguido reinventar-se e manter-se bem viva.

Admirável Mundo Novo

I. Vida e Obra de Aldous Huxley.

II. Análise da obra

     1. Apresentação

     2. Ação/enredo

          2.1. Resumo

          2.2. Vídeo-síntese do enredo

          2.3. Análise e estrutura

     3. Capítulos
          . Capítulo I:
               - Resumo
               - Análise
          . Capítulo II:
               - Resumo
               - Análise
          . Capítulo III:
               - Resumo
               - Análise
          Capítulo IV:
               - Resumo
          . Capítulo V:
               - Resumo
          . Capítulo VI:
               - Resumo
               - Análise dos capítulos IV a VI
          . Capítulo VII:
               - Resumo
          . Capítulo VIII:
               - Resumo
               - Análise dos capítulos VII e VIII
          . Capítulo IX:
               - Resumo
          . Capítulo X:
               - Resumo
               - Análise dos capítulos IX e X
          . Capítulo XI
               - Resumo
          . Capítulo XII
               - Resumo
               - Análise dos capítulos XI e XII
          . Capítulo XIII
               - Resumo
          . Capítulo XIV
               - Resumo
          . Capítulo XV
               - Resumo
               - Análise dos capítulos XIII a XV
          . Capítulo XVI
               - Resumo
               - Análise
          . Capítulo XVII
               - Resumo
          . Capítulo XVIII
               - Resumo
               - Análise dos capítulos XVII e XVIII

     4. Personagens - Caracterização e relevo

          4.1. John
          4.2. Bernard Marx
          4.3. Helmholtz Watson
          4.4. Diretor
          4.5. Linda
          4.6. Popé
          4.7. Lenina Crowne
          4.8. Fanny Crowne
          4.9. Mustapha Mond
          4.10. Henry Foster
          4.11. Protagonistas
          4.12. Antagonistas

     5. Tempo e espaço

     6. Temas

     7. Motivos

     8. Narrador

     9. Estilo

     10. Classificação

     11. Presságios

     12. Cinco questões-chave

     13. Explicação do final do romance

     14. A arte causa uma sociedade instável?

     15. Análise de excertos selecionados por temas:
               i) História e Progresso
               ii) Individualidade
               iii) Autoridade e controle
               iv) Felicidade e agência.

     16. Quizzes


Bibliografia: tradução feita a partir do sítio https://www.sparknotes.com/lit/bravenew/

Felicidade e agência

1
“E esse”, disse o diretor sentenciosamente, “esse é o segredo da felicidade e da virtude – gostar do que você tem de fazer. Todo o condicionamento visa isso: fazer as pessoas como o seu destino social inevitável.”

Esta fala ocorre no capítulo 1, quando Henry está a explicar o processo de condicionamento térmico para os embriões destinados a tornarem-se siderúrgicos e mineiros nos trópicos. Segundo o diretor e os princípios da sociedade fordista, a felicidade é uma aceitação condicionada das suas circunstâncias. No entanto, o diretor não menciona o facto de que o "destino social inevitável de cada pessoa" foi determinado por figuras de autoridade como o próprio diretor. A citação deixa claro que a sua visão do mundo descarta inteiramente a possibilidade ou a importância da escolha ou agência humana.

2
“Mas se ela dissesse sim, que êxtase! Bem, agora ela havia dito isso e ele ainda estava miserável.

Depois do encontro com Lenina, Bernard percebe que, embora fosse a única coisa que pensava que queria, não o fez feliz. Como ela não agiu de nenhuma maneira "anormal e extraordinária", como ele esperava secretamente, percebeu que Lenina era, de facto, igual a todos os outros. Para Bernard Marx, a diferença e a individualidade são atraentes e importantes, e ele é mais feliz com pessoas que não são idênticas.

3
“Você não pode fazer tragédias sem instabilidade social. O mundo está estável agora. As pessoas são felizes; elas conseguem o que querem e nunca querem o que não conseguem. Estão bem; são seguras; nunca estão doentes; não têm medo da morte; são alegremente ignorantes da paixão e da velhice; são atormentadas sem mães ou pais; não têm esposas, filhos ou amantes para se sentirem fortes sobre isso; estão tão condicionadas que praticamente não podem deixar de se comportar como se deveriam comportar. ”

Mustapha diz essas falas a John quando este exige saber por que nenhuma grande literatura foi escrita na nova sociedade e por que Shakespeare foi banido. Para Mustapha, a estabilidade é o objetivo mais alto da sociedade humana; portanto, é melhor quando todas as emoções humanas podem ser eliminadas, exceto o prazer agradável. John argumenta que, sem toda a gama de emoções e experiências humanas, a literatura e a arte não podem mais existir. Para John, esta é uma perda enorme e um destino terrível para a humanidade. Mas, na visão de Mustapha, este é o melhor mundo possível.

4
“Apesar da tristeza deles – por causa disso, até; pois a tristeza deles era o sintoma do seu amor um pelo outro – os três jovens eram felizes.

Esta fala ocorre no final da cena com John, Bernard e Helmholtz, logo antes de estes partirem para uma ilha longe da sociedade fordista. Eles estão tristes porque estão prestes a separar-se, mas essa tristeza não nega a sua felicidade e o seu amor um pelo outro. Essa sobreposição de emoções complexas contrasta diretamente com as palavras sobre a felicidade como satisfação e a ausência de sentimentos difíceis que aparecem ao longo do livro. Isso sugere que talvez a tristeza seja um componente de ser feliz e sentir amor.

Autoridade e controle

1
“Era o tipo de ideia que poderia facilmente descondicionar as mentes mais instáveis das castas mais altas – fazê-las perder a fé na felicidade como o deu soberano e passar a acreditar, em vez disso, que o objetivo estava nalgum lugar além, nalgum lugar fora da presente esfera humana; que o objetivo da vida não era a manutenção do bem-estar, mas alguma intensificação e refinamento da consciência.”

Nesta passagem, Mustapha revê um artigo sobre o propósito humano e decide censurá-lo escrevendo "Não deve ser publicado". Enquanto numa sociedade democrática a livre circulação de novas ideias e teorias é considerada um bem social, na sociedade totalitária de Admirável Mundo Novo, ideias subversivas que desafiam o status quo são perigosas para a estabilidade social e podem minar ou ameaçar os que estão no poder. A censura é uma ferramenta importante para os governos totalitários suprimirem as ideias que desafiam a autoridade absoluta dos que estão no poder.

2
"Até que finalmente a mente da criança seja essas sugestões, e a soma das sugestões seja a mente da criança. E não apenas a mente da criança. A mente do adulto também – a vida toda. A mente que julga, deseja e decide – composta por essas sugestões. Mas todas essas sugestões são nossas... Sugestões do Estado!”

O diretor explica como a hipnopédia, ou a repetição de frases gravadas todas as noites, usadas para condicionar as crianças durante o sono, molda as mentes e desejos dos seres humanos na sociedade fordista. Essas frases repetidas determinam como a criança se comporta e, como mostra o romance, permanecem em cada pessoa pelo resto da vida, guiando as suas decisões e comportamentos. O diretor fica especialmente entusiasmado com o facto de essas frases virem diretamente do Estado, permitindo que os que estão no poder tenham acesso direto à personalidade das pessoas.

3
“Esse homem”, apontou ele acusadoramente para Bernard, “esse homem que está diante de si aqui, este Alfa-Mais a quem tanto foi dado e de quem, em consequência, tanto se deve esperar, esse seu colega— ou devo antecipar e dizer esse ex-colega? – traiu grosseiramente a confiança nele imposta. Por suas opiniões heréticas sobre desporto e soma, pela escandalosa heterodoxia da sua vida sexual, pela sua recusa em obedecer aos ensinamentos de Nosso Ford e por se comportar fora do horário de trabalho, mesmo quando criança.” (Aqui o diretor fez o sinal do T), "ele provou ser um inimigo da Sociedade, um subversor, senhoras e senhores, de toda a Ordem e Estabilidade, um conspirador contra a própria Civilização".

O diretor fala com os trabalhadores na sala de fertilização contra Bernard, cujo comportamento "não ortodoxo" ameaça a estabilidade da sociedade fordista. Ao apontar publicamente cada uma das opiniões e comportamentos de Bernard Marx que contradizem as regras e expectativas dessa sociedade, o Diretor reforça as próprias regras ao grupo reunido. Ele também humilha publicamente Bernard antes de o dispensar do seu cargo. Essa punição pública é uma ferramenta para controlar os outros membros da sociedade através do medo e da intimidação.

Individualidade

1
"Prefiro ser eu mesmo", disse ele. “Eu mesmo e desagradável. Ninguém mais, por mais alegre que seja.”

Bernard diz isto a Lenina depois dee ela o pressionar a comer um sundae de soma para que ele se possa divertir mais. Bernard recusa-se a participar em muitas atividades coletivas e não quer perder a sua própria identidade com substâncias que alteram o humor ou a personalidade. Ele enfatiza que, para si, é melhor ser ele mesmo, ainda que esteja de mau humor, do que perder a sua individualidade para experimentar prazer induzido quimicamente. Berrnard sugere que as atividades em grupo, especialmente sob a influência de soma, são uma forma de hipnose ou controle social que suprime a diferença humana. Os princípios fordistas sustentam a supressão do indivíduo em prol da estabilidade coletiva, mas a personagem acredita em sua própria liberdade e ação.

2
"Quanto maiores os talentos de um homem, maior o seu poder de se desviar. É melhor que alguém sofra do que muitos sejam corrompidos. Considere o assunto desapaixonadamente, Sr. Foster, e verá que nenhuma ofensa é tão hedionda quanto a heterodoxia do comportamento.”

O diretor está a dizer a Henry por que Bernard merece ser punido por expressar interesses e opiniões diferentes daqueles que o rodeiam. Como Bernard é um Alfa, é inteligente e, portanto, tem o "poder de desviar" os membros dos grupos sociais mais baixos ao seu redor. Para uma sociedade que valoriza a estabilidade e a igualdade, a inteligência e a vontade de Bernard de expressar diferença e individualidade são extremamente ameaçadoras e devem ser controladas por meio de punições públicas.

3
“Ele despertou mais uma vez para a realidade externa, olhou em volta, sabia o que via – sabia, com uma sensação de horror e repugnância, pelo delírio recorrente dos seus dias e noites, o pesadelo da imensa indistinguível mesmice. Gémeos, gémeos ...

O narrador descreve a reação de John ao ver um grupo de deltas saindo do hospital depois do trabalho para receber sua dose de soma. Ele está horrorizado por todos eles terem os mesmos rostos, vozes e maneirismos. Como vem da Reserva, onde as pessoas nascem e envelhecem naturalmente, é capaz de mostrar ao leitor como é estranho e horrível entrar num mundo de clones, de gémeos. Esses momentos ajudam a revelar a natureza distópica do romance, apesar da crença de muitas personagens na sua sociedade ideal.

4
"Toda gente pertence a toda a gente."

Esta é uma fala das gravações de condicionamento social que diferentes personagens repetem ao longo do texto. Isso significa que nenhuma relação, especialmente nenhuma relação sexual, é mais importante que qualquer outra, e toda a pessoa tem o direito de fazer sexo com outra pessoa. Esse princípio cria um corpo coletivo e uma pessoa que são mais importantes do que a pessoa individual.

História e Progresso

1
“Chame isso de culpa da civilização. Deus não é compatível com maquinaria, medicina científica e felicidade universal. Você deve fazer sua escolha. Nossa civilização escolheu máquinas, remédios e felicidade.”

Esta fala de Mustapha é uma resposta a John, que pergunta por que razão a nova civilização não tem Deus. Então ele explica que, como a vida de cada pessoa é predeterminada em laboratório, incluindo a sua casta social, o que veste e como viverá, não há espaço para Deus ou para a crença individual em qualquer outro poder que não seja o poder de Ford e da sociedade fordista. Na opinião de Mustapha, Deus é incompatível com a tecnologia e o progresso e desnecessário num mundo do que ele chama "felicidade universal".

2
“Havia algo chamado liberalismo ... Liberdade para ser ineficiente e miserável. Liberdade de ser um pino redondo em um buraco quadrado.

No capítulo 2, Mustapha explica “história” aos estudantes, insistindo que, antes do fordismo, a sociedade humana era atrasada e terrível. Para ele, as liberdades do passado são apenas obstáculos à estabilidade social. Eliminar essas liberdades através de tecnologias como o condicionamento genético e social é o progresso humano definitivo. As suas declarações são irónicas, no entanto, porque vão contra as definições de progresso e os ideais da civilização ocidental: liberdade, individualismo e escolha.

3
“Sempre deitamos fora roupas velhas. Terminar é melhor do que consertar.”

Esta fala das gravações da hipnopédia enfatiza a importância do consumo para a sociedade fordista. Em vez de consertar roupas ou coisas quebradas, é melhor deitá-las fora e comprar algo novo. Como a ordem social depende da compra e venda contínuas de novos bens, esse condicionamento social impede qualquer indivíduo de sair das regras do capitalismo e da produção. A novidade é valorizada relativamente à durabilidade ou à história.

4
“Um ovo, um embrião, um adulto – normalidade. Mas um ovo bokanovskificado brotará, proliferará, dividir-se-á. De oito a noventa e seis brotos, e cada broto transformar-se-á num embrião perfeitamente formado, e cada embrião num adulto em tamanho normal. Fazendo 96 seres humanos crescerem onde apenas um cresceu antes. Progresso."

No capítulo 1, o diretor explica o processo Bokanovsky aos alunos. Este é o processo pelo qual os seres humanos são geneticamente modificados por meio de geminação ou clonagem. A partir de um único embrião, noventa e seis seres humanos geneticamente idênticos são formados. Segundo o diretor, este é um desenvolvimento tecnológico que significa progresso. Os alunos anotam o que o diretor diz sem parar para questionarem se esse tipo de "progresso" é ou não ético. Quando um aluno pergunta qual é a vantagem do processo, o diretor responde que o processo é "um dos principais instrumentos de estabilidade social".

A arte traz instabilidade à sociedade?

            A sociedade fordista de Admirável Mundo Novo priva os cidadãos da arte num esforço para manter a felicidade, sugerindo que ela leva à instabilidade social. Mustapha explica que "a beleza é atraente, e não queremos que as pessoas sejam atraídas por coisas antigas. Queremos que elas gostem das novas.”. Uma estrutura social que cria arte e literatura é agora considerada perigosa. Segundo Mustapha, "você não pode fazer tragédias sem instabilidade social. O mundo está estável agora. As pessoas são felizes; elas conseguem o que querem e nunca querem o que não podem obter.”. Elas provavelmente não apreciariam a arte: a lavagem cerebral alienou-as com o sucesso das experiências humanas que a arte procura iluminar, como a morte, o amor e a dor . Ao mesmo tempo, a arte tem o potencial de esclarecer as pessoas sobre a sua própria opressão e causar insatisfação e esta é má para a produção e leva à revolução. “A felicidade universal mantém as rodas girando constantemente; verdade e beleza não podem.”, explica Mustapha. Se os cidadãos do Estado Mundial fossem expostos a experiências além das delas, sensibilizados para a sua humanidade inata e inspirados a questionar o significado da sua existência, a sociedade deixaria de funcionar.
            Por outro lado, a experiência de John na Reserva sugere que, em vez de incitar a instabilidade social, a arte fornece consolo para as inevitáveis tristezas e dificuldades da experiência humana. A instabilidade social da Reserva não tem nada a ver com arte, mas com as desigualdades inerentes a todas as civilizações cujos cidadãos não são projetados e drogados para a passividade. John sente dor, alienação e ostracismo antes de aprender a ler. Shakespeare, em vez de deixá-lo mais insatisfeito com sua condição, alivia o seu sofrimento, mostrando-lhe a universalidade da sua experiência. A beleza e a verdade encontradas em uma peça como Otelo, acredita ele, vale o sofrimento necessário para compreender a experiência de Otelo. As palavras, como Helmholtz acredita, podem ser transformadoras: "você lê-as e é perfurado". Para John, essa transformação da dor em significado é o ponto da arte e o ponto da vida. Quando Mustapha argumenta que a experiência de ler Otelo pode ser simulada por meio de um "substituto apaixonado violento" sem nenhum dos "inconvenientes" de realmente ler a peça, John insiste que gosta dos inconvenientes. Uma sociedade cujos cidadãos vivam para sua própria humanidade pode ser instável, mas também contém a possibilidade de beleza e significado.
Enquanto John e Mustapha inicialmente parecem opostos nas suas atitudes em relação ao papel da arte na sociedade, finalmente concordam que as pessoas precisam da liberação emocional conhecida como catarse para serem felizes. As duas personagens discordam sobre como fornecer essa libertação, com John argumentando pelo valor da arte e Mustapha argumentando pela segurança e eficiência das drogas. Apesar de afirmar que a ausência de arte é necessária para a felicidade, o Estado garante que os seus cidadãos ainda experimentem dor, apenas por um método diferente. A dor, em vez de ser completamente erradicada, acaba de ser controlada, de modo a ser segura e útil. "Preferimos fazer as coisas confortavelmente", diz Mustapha. A declaração dele contém uma contradição inerente – algo não pode ser simultaneamente doloroso e confortável, ou perigoso e seguro. A arte, porque é uma experiência que não pode ser controlada, é perigosa. Portanto, embora a arte possa incitar instabilidade social, ela também fornece a catarse necessária que permite às pessoas existir e encontrar significado num mundo instável.

Explicação do final de Admirável Mundo Novo

            No final do romance, uma multidão reúne-se para assistir ao ritual de autoflagelação de John. Quando Lenina chega, ele bate-lhe também. Os espectadores começam uma orgia, na qual John participa. No dia seguinte, tomado pela culpa e pela vergonha, mata-se. O tema principal de Admirável Mundo Novo é a incompatibilidade da felicidade e da verdade. Ao longo do romance, John argumenta que é melhor procurar a verdade, mesmo que envolva sofrimento, do que aceitar uma vida fácil de prazer e felicidade. No entanto, quando Mustapha Mond lhe concede a liberdade de procurar a verdade através do sacrifício e do sofrimento, John sucumbe à tentação do prazer participando na orgia. Este final pode sugerir que a felicidade incentivada pelos Controladores do Estado Mundial é uma força mais poderosa do que a verdade que John procura. O final também pode sugerir que não há verdade para John encontrar. No entanto, ele pode falhar na sua busca pela verdade porque os Controladores tornaram impossível evitar a tentação da felicidade no Estado Mundial. Nesse caso, o final do romance sugere que procurar a verdade deve ser um objetivo social, pois não pode ser encontrada por indivíduos isolados.

            Outra visão do final do romance é que John falha na sua procura pela verdade, simplesmente porque ele não está a realizar as suas pesquisas da maneira adequada. Huxley escreveu um prefácio à edição de 1946 de Admirável Mundo Novo, na qual descreve o final assim: “[John] é feito para se retirar da sanidade; seu penitente-nativo natural reafirma a sua autoridade e termina em autotortura maníaca e suicídio desesperado.”. Por outras palavras, quando John é derrotado pela sociedade do Estado Mundial, a única alternativa que ele conhece é a religião autopunitiva da Reserva Nativa (“Penitente-ismo”). Essa religião é tão destrutiva para a procura da verdade quanto a ideologia da busca de prazer do Estado Mundial. Essa interpretação do final sugere que nem as formas tradicionais de procura de significado, como a religião e a arte, nem o futuro previsto na obra servem bem à humanidade, e os humanos devem encontrar um terceiro caminho em direção à verdade.

5 questões-chave de Admirável Mundo Novo

1.ª) Por que razão Bernard Marx e Helmholtz Watson são amigos?
Bernard Marx e Helmholtz Watson são amigos porque se sentem estranhos. Bernard é incomumente pequeno: “oito centímetros abaixo da altura padrão do Alfa” e, em resultado disso, as pessoas zombam dele. Helmholtz é extraordinariamente talentoso: “Aquilo que deixara Helmholtz tão desconfortavelmente consciente de ser ele mesmo e sozinho era muita habilidade.”. Na sociedade do Estado Mundial, todos deveriam ser iguais. Bernard e Helmholtz são incomuns porque se sentem como indivíduos. Os dois homens unem-se pela sua experiência compartilhada de não serem como os demais.

2.ª) Por que motivo John cita Shakespeare?
A mãe de John, Linda, ensinou-o a ler inglês, mas ele só tinha dois livros para ler. Um deles era As Obras Completas de William Shakespeare, pelo que conhece muito bem a obra do dramaturgo inglês. Nas peças de Shakespeare, John encontrou palavras que o ajudam a descrever e entender sua experiência. Por exemplo, quando fica zangado com o amante de sua mãe, Popé, cita frases de Hamlet, uma peça sobre um homem que odeia o novo marido da sua mãe. John também cita Shakespeare porque considera a sua escrita bonita e verdadeira. Uma das razões pelas quais ele odeia o Estado Mundial reside no facto de as "sensações" escritas pelos "engenheiros emocionais" do Estado Mundial parecerem, comparativamente, vazias e sem sentido.

3.ª) Quem é o pai de John?
O pai de John é o chefe de Bernard Marx, diretor da incubadora e do condicionamento. No capítulo 6, o diretor diz a Bernard que certa vez levou uma mulher para a Reserva Selvagem e que ela desapareceu. Quando Bernard visita a Reserva, ele descobre que a mãe de John, Linda, é essa mulher. Como ela não tinha acesso a métodos contracetivos na Reserva, ficou grávida do filho do diretor: John. No Estado Mundial, ter filhos é considerado vergonhoso e nojento. Bernard leva John e Linda de volta ao Estado Mundial para humilhar o Diretor.

4.ª) Porque é que John e Lenina não podem ter uma relação?
John cresceu na Reserva Selvagem, onde a monogamia tradicional é aplicada. Nas Obras Completas de William Shakespeare, ele leu histórias como A Tempestade, Romeu e Julieta, nas quais os jovens fazem coisas perigosas ou difíceis para provar que são dignos de se casar com as mulheres que amam. John quer "fazer alguma coisa" por Lenina. Esta, por outro lado, cresceu no Estado Mundial e acredita que é moralmente errado ser monogâmico ou atrasar o prazer. Ela quer fazer sexo com John imediatamente e considera que não faz sentido esperar antes de fazer sexo, enquanto John acha que é nojento não esperar. Mesmo que sejam atraídos um pelo outro, eles não conseguem encontrar um ponto em comum sobre o que um relacionamento deveria ser.

5.ª) O que é soma?
Soma é uma droga que é distribuída gratuitamente a todos os cidadãos do Estado Mundial. Em pequenas doses, soma faz as pessoas sentirem-se bem. Em grandes doses, cria alucinações agradáveis e uma sensação de atemporalidade. Os cidadãos do Estado Mundial são encorajados a tomar soma por ditos "hipnopédicos" como "A gram is better than a damn". Quando experimentam fortes emoções negativas, os cidadãos consomem soma para os distrair dos sentimentos desagradáveis. John vê a soma como uma ferramenta de controle social. Ele diz que tomar soma torna os cidadãos do Estado Mundial "escravos".

Apresentação de Admirável Mundo Novo

Título completo: Admirável Mundo Novo

Autor: Aldous Huxley

Género: Romance utópico, romance distópico, ficção científica
4
Língua inglesa

Hora e local de escrita: 1931, Inglaterra

Primeira publicação: 1932

Editor: Chatto e Windus, Londres

Narrador: Omnisciente na terceira pessoa; o narrador frequentemente faz passagens da descrição "objetiva" parecerem os padrões de fala ou pensamento de uma personagem em particular, usando uma técnica geralmente chamada "discurso indireto livre".

Clímax: John incita uma revolta no hospital no capítulo 15.

Protagonistas: Bernard Marx, Helmholtz Watson e John

Antagonista: Mustapha Mond

Tempo: 2540; referido no romance como 632 anos "Depois de Ford", ou seja, 632 anos após a produção do primeiro carro Modelo T.

Espaço: Inglaterra, Reserva Selvagem no Novo México

Ponto de vista: Narrado na terceira pessoa, principalmente do ponto de vista de Bernard ou John, mas também do ponto de vista de Lenina, Helmholtz Watson e Mustapha Mond.

Temas: O uso da tecnologia para controlar a sociedade, a incompatibilidade da felicidade e da verdade, os perigos de um estado todo-poderoso.

Motivos: Alienação, sexo, Shakespeare

Símbolos: soma, a droga, é um símbolo do uso de gratificação instantânea para controlar a população do Estado Mundial. É também um símbolo da poderosa influência da ciência e da tecnologia na sociedade.

Presságios

            Admirável Mundo Novo não recorre a muitos presságios. Embora muitos dos acontecimentos anteriores do romance levem diretamente aos pontos importantes da trama mais tarde, eles são mais blocos de construção para o desenvolvimento da trama do que presságios. Por exemplo, o diretor ameaça exilar Bernard para a Islândia antes que este visite o Novo México e ameaça fazê-lo novamente depois do seu retorno. Em vez de prenunciar o eventual exílio de Bernard, as ameaças do diretor constituem essencialmente um exemplo de desenvolvimento e continuidade da trama. A anedota do diretor sobre a sua própria experiência no Novo México, por outro lado, prenuncia os acontecimentos que envolvem John e Linda. Além disso, as ameaças do diretor não prenunciam completamente o exílio de Bernard, mas o plano de vingança deste e a consequente demissão daquele.

. O relacionamento do Diretor com John e Linda

            Antes de Bernard e Lenina irem para o Novo México, ele reúne-se com o Diretor e descobre que, quando este tinha a idade de Bernard, também passou algum tempo na Reserva. O Diretor revela que, durante a viagem, a sua companheira se perdeu numa tempestade e foi considerada morta. Quando Bernard conhece John e o ouve falar sobre Linda, rapidamente conclui que ela é a companheira perdida do Diretor e John é o filho de ambos. O facto de Linda engravidar e ter um filho, apesar de usar contracetivos, conforme determinado pelo governo, sugere que a sociedade do Estado Mundial não é tão infalível quanto parece, e ocasionalmente ocorrem erros. O fato de o Diretor sentir uma emoção genuína causada pelo tempo que passou na Reserva também sugere que a verdadeira emoção humana ainda é possível para os cidadãos do Estado Mundial.

. Exílio de Bernard

            O exílio de Bernard é prenunciado direta e indiretamente. De facto, está diretamente previsto quando o diretor ameaça enviá-lo para a Islândia depois de lhe descrever o que aconteceu na Reserva. Também é indiretamente prenunciado pelo caráter e pelas ações de Bernard. No início do livro, a personagem está conversando com Helmholtz sobre a sua insatisfação quando para de falar abruptamente, acreditando que alguém está a ouvir a conversa atrás da porta. Isso prenuncia o facto de a sua atitude o colocar em problemas. Ele também age de forma desnecessariamente rude com os seus inferiores, porque tem consciência da sua própria aparência física e falta de autoridade: "sentindo-se um estranho, comportou-se como um, o que aumentou o preconceito contra ele". Isto prenuncia o moco como será corrompido pela fama, assim que ganha poder através da sua relação com John.

. O suicídio de John

            Quando o leitor vê John pela primeira vez, ele está muito zangado por não ter sido autorizado a participar num ritual de sacrifício destinado a convocar chuva para a Reserva. O ritual envolve um rapaz a ser chicoteado até desmaiar. Mais tarde, John diz a Bernard que em certa ocasião pensou em saltar de um penhasco e passou um dia posando com os braços estendidos como Cristo. Estas histórias posicionam John como uma figura sacrificial semelhante a Cristo, prenunciando o seu eventual suicídio. Ao contrário de Bernard, que é corrompido pela soma e pelo poder da popularidade, e Lenina, que é obcecada pelo seu próprio conforto físico, John não pode reconciliar moralmente o Estado Mundial com as suas próprias crenças, e mata-se ao invés de viver no “admirável mundo novo” que lhe é mostrado.

Classificação de Admirável Mundo Novo

            A classificação de Admirável Mundo Novo oscila entre romance utópico, romance distópico e ficção científica.

Romance utópico

            Ao apresentar um mundo em que a sociedade foi aperfeiçoada e as pessoas vivem feliz e pacificamente, a obra é um exemplo de um romance utópico. Tendo ido buscar o nome ao romance Utopia, de 1516, de Sir Thomas More, o género do romance utópico afirma que o sofrimento pode ser erradicado pela perfeição da sociedade. Aldous Huxley literaliza este conceito no conceito de Estado Mundial de Admirável Mundo Novo, imaginando um futuro em que a engenharia genética e o condicionamento psicológico criaram uma sociedade de cidadãos felizes e contentes. Como cada pessoa no Estado Mundial foi programada para ser perfeitamente adequada à sua ocupação e ter pena de membros de diferentes ordens sociais, impulsos como ambição, insatisfação e inveja não existem mais. A atividade sexual indiscriminada e frequente evita as fortes emoções do amor e do ciúme, e qualquer sentimento momentâneo que não seja o contentamento é aliviado com drogas. De certa forma, o Estado Mundial parece preferível à nossa sociedade, pois doenças, envelhecimento, crime, depressão e guerras são coisas do passado. Ao contrário do mundo real, as personagens menos favorecidas no Estado Mundial não têm senso de injustiça sobre as suas vidas em relação aos seus colegas mais privilegiados, e a sociedade existe em harmonia.
            Embora sugira que muitos males da sociedade possam ser resolvidos através do desenvolvimento da ciência e da psicologia, Huxley também satiriza implicitamente a ideia de utopia. Os residentes do Estado Mundial são felizes, mas também levam uma vida sem sentido, e a maioria das personagens principais tem a suspeita de que o seu estilo de vida não é tão idílico quanto lhes foi ensinado. A ausência de toda a arte, história, religião e vínculos familiares sugere que as suas vidas, embora indolores, também são vazias. A necessidade da droga soma para manter os cidadãos obedientes e submissos indica que a sua utopia é um estado artificial que precisa de manutenção constante e, deixada por conta própria, os seres humanos logo voltariam a lutar, ao crime, à guerra e à miséria. O sistema de castas fortemente ligadas, no qual a maioria da sociedade é geneticamente modificada para servir uma minoria minúscula e privilegiada, é moralmente repreensível, mesmo que as classes mais baixas tenham sido condicionadas a aceitar e até abraçar a sua opressão. Embora a felicidade universal pareça utópica, Huxley expõe os passos perturbadores necessários para alcançá-la e sugere que a dor, o sofrimento e o desespero são parte integrante da autonomia pessoal.

Romance distópico

            Ao apresentar a chamada utopia que leva a personagem mais inteligente e de pensamento livre ao suicídio, Admirável Mundo Novo também pode ser considerado um exemplo de ficção distópica, embora a sua visão do futuro seja obviamente menos sombria do que muitos romances distópicos. Desenvolvidos como crítica direta a romances utópicos, que afirmavam que os problemas sociais eram solucionáveis, os romances distópicos sustentam que as falhas inerentes aos seres humanos os condenam à miséria. Em Admirável Mundo Novo, as únicas personagens verdadeiramente contentes são aquelas que cegaram perante realidade da sua situação usando drogas. Assim que deixam de as usar, elas acham as suas vidas deprimentes e desprovidas de significado. John, a personagem mais esclarecida do romance, fica tão horrorizado com o Estado Mundial que acaba por se matar. O trabalho de Huxley é diferente dos romances distópicos, como 1984, de George Orwell, que foram diretamente influenciados pelas ideias de Huxley e retrata uma sociedade atormentada por violência, fome e vigilância em massa. Em muitos romances distópicos, há um segredo sinistro no método do governo de controlar seus cidadãos. Em Admirável Mundo Novo, não há segredo – o governo controla abertamente as massas através da distribuição de soma, que elas consomem de boa vontade e avidamente. Embora haja pouca violência no livro, a sua visão é tão perturbadora, sombria e cautelosa quanto outros romances distópicos.

Ficção científica

            Admirável Mundo Novo cria um futuro elaborado e cientificamente fundamentado, onde a engenharia genética e o condicionamento psicológico suplantaram processos biológicos, tornando-o um trabalho de ficção científica. Este género descreve possíveis mundos futuros em que os avanços da ciência e da tecnologia alteraram a experiência de ser humano. Publicado em 1932, o romance usa tecnologia futurista, como viagens em alta velocidade e clonagem, para retratar a sociedade no ano de 2540, ou 632 DF (“DF" significa "Depois de Ford", referindo-se a Henry Ford, o fabricante de automóveis que inventou a o método de montagem de produção em série. Em Admirável Mundo Novo, a biotecnologia e os laboratórios substituem muitas funções naturais, como o nascimento e a morte. O estado também implementa formas mais subtis de controle, como a manipulação emocional e a lavagem cerebral. Huxley inclui formas menos perturbadoras de ficção científica, como viagens aéreas rápidas e medicina avançada, que parecem futuristas, mas não necessariamente perigosas. Embora esses feitos da bioengenharia reflitam a pesquisa e as teorias dos contemporâneos e predecessores de Huxley, incluindo Charles Darwin, Sigmund Freud e Ivan Pavlov, eles levam as ideias sobre a evolução humana e o condicionamento psicológico a um extremo mais além do que é realisticamente possível ou eticamente defensável, levantando questões sobre o lado sombrio do avanço tecnológico.

O estilo de Admirável Mundo Novo


            A obra é escrita num estilo detalhado e sem emoção, fazendo as tecnologias parecerem plausíveis e as personagens lamentáveis. Embora a maioria da trama se concentre num punhado de personagens, o livro começa com uma explicação detalhada dos processos de incubação e fertilização do Estado Mundial, com pouca descrição das próprias personagens. O diretor, que descreve o mundo em que estamos prestes a entrar, continua a ser uma figura vaga: “Velho? Jovem? ... Era difícil dizer ... não lhe ocorreu perguntar.”. Huxley raramente inclui descrições físicas das personagens, reforçando a sua permutabilidade e falta de identidade pessoal. Quando detalha a aparência de uma personagem, a sua aparência é geralmente desagradável: Bernard é baixo, fraco e pouco atraente; Lenina tem olhos e gengivas roxas, e Linda é "monstruosa". Esse estilo de descrição desapegado e levemente repugnado faz com que as personagens pareçam patéticas e mina o sentido de Estado Mundial como um lugar agradável para se viver.
            Huxley saltita entre cenas e repete frases para destacar o contraste entre o que as personagens pensariam se tivessem livre-arbítrio e o que elas são condicionadas a pensar pelo Estado Mundial. Nos primeiros capítulos, ele justapõe cenas de Lenina e Fanny discutindo as suas vidas sexuais com frases curtas que descrevem a história do Novo Mundo e os seus avanços científicos. Isso lembra ao leitor que o Estado Mundial, apesar de parecer um monólito de progresso, é composto por indivíduos que ainda mantêm algum relacionamento com pessoas reais. Huxley também inclui muitas das frases programáticas que os cidadãos do Novo Mundo ouviram durante o sono, um processo chamado hipnopédia. Ditos como “um grama é melhor que um maldito” (“a gramme is better than a damn”), “terminar é melhor que remendar” e a letra da música “Abraça-me até me drogares, querida” são repetidos ao longo do livro, imitando a maneira como esses slogans penetram no cérebro das personagens. As frases têm uma qualidade de canção que lembram as rimas infantis que os leitores já conhecem. A suavização de conceitos sinistros, como lavagem cerebral e engenharia genética, talvez seja melhor vista na frase "orgy-porgy", que Huxley inventa para descrever uma orgia literal que combina adoração religiosa com promiscuidade sexual.
            O romance também contém muitas referências a Shakespeare, incluindo citações de várias peças, comparando as preocupações futuristas das personagens do livro e as lutas humanas atemporais retratadas pelo dramaturgo séculos atrás. O romance vai buscar o título à linha de A Tempestade, onde Miranda, que foi protegida dos outros seres humanos, diz: “Ó admirável mundo novo, que tem pessoas assim!”. Huxley modelou Admirável Mundo Novo por A Tempestade, e cita essa obra ao longo do livro, bem como Macbeth, Hamlet e Otelo. A certa altura, John lê o poema de Shakespeare "A Fénix e a Tartaruga" a Helmholtz, que desespera por escrever poesia com significado e emoção reais. As muitas referências a Shakespeare servem para sublinhar a falta de sentido da linguagem para transmitir emoções reais no Estado Mundial. As palavras e frases do Estado Mundial são propaganda, na medida em que não contêm verdade real, e são ferramentas de repressão ao invés de iluminação. Shakespeare, por outro lado, representa o maior potencial de comunicação da experiência humana. Bernard não consegue identificar a diferença entre o jargão de Shakespeare e o Novo Mundo – "É apenas um hino de serviço de solidariedade", diz ele, depois de John recitar o poema – marcando-o como menos sensível à sua própria humanidade do que John ou Helmholtz.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...