terça-feira, 1 de abril de 2014

Texto instrucional

Passeio turístico à cidade de Évora

     Venha visitar a cidade histórica de Évora, situada no coração do Alentejo, herdeira de um rico e variado património cultural, construída e preservada ao longo do tempo. A sua abundância de monumentos levou à sua classificação como Património Cultural da Humanidade pela UNESCO, em 1986.
     Além deste património único no país, a região que rodeia Évora tem muito para lhe oferecer: infindáveis campos dourados com oliveiras e sobreiros, montes, albufeiras e riachos. As aldeias encontram-se junto às muralhas medievais, enquanto artesãos mantêm vivas as tradições.
     Esperam por si as suas gentes hospitaleiras, o artesanato, a rica gastronomia, os cheiros e os sabores que caracterizam esta bela região. Seguramente, vai desejar voltar!
     O percurso inicia-se em F... e termina em Évora. Para chegar a esta cidade, siga em direção à A25, depois à A23 e, em Portalegre, siga para o IP2.
     A saída está marcada para as 7H 00 da manhã do dia 25 de abril da vila de F..., com destino a Évora. São 344 km, sendo a duração média da viagem de 5 horas. O horário de chegada previsto será às 12H 00.
     Pare na freguesia de Nossa Senhora de Guadalupe e contemple o maior monumento megalítico da Península Ibérica, o cromeleque dos Almendres. Às 13H 00, almoce no restaurante "O Antão" e delicie-se com a cozinha tradicional alentejana.
     Pelas 15H 00, visite o Templo Romano, um dos grandes marcos da cidade construída no século I. Visite também o Jardim Diana, que se situa junto ao monumento, e é um belíssimo miradouro sobre a cidade e a planície alentejana. Não deixe, ainda, de visitar a Sé Catedral, que é a maior do país.
     Às 19H 00 siga em direção ao Hotel Dom Fernando, localizado numa das principais artérias da cidade e jante no restaurante "São Brás".
     No segundo dia, 26 de abril, de manhã, passeie no jardim público de um harmonioso espaço verde que conta com três monumentos: o Palácio D. Manuel, as Ruínas Fingidas e o coreto centenário. De seguida, almoce no restaurante "O Aqueduto".
     De tarde, visite o Aqueduto de Água Prata e a original Capela dos Ossos, na Igreja Matriz. Às 16H 00, termine o seu passeio histórico na famosa Praça do Giraldo e tome um café numa das muitas esplanadas aí existentes. Para mais tarde recordar, tire uma fotografia no célebre chafariz do século XVI.
     O regresso a F... ocorrerá pelas 17H 00.
     Espero que se delicie com a gastronomia, com a beleza dos monumentos e desfrute da tranquilidade de uma paisagem maravilhosa.

Diana G.

"O último andar" - Cecília Meireles


1       No último andar é mais bonito:
         do último andar se vê o mar.
         É lá que eu quero morar.

         O último andar é mais longe:
5       custa muito a lá chegar.
         Mas é lá que eu quero morar.

         Todo o céu fica a noite inteira
         sobre o último andar.
         É lá que eu quero morar.

10    Quando faz lua, no terraço
         fica tudo luar.
         É lá que eu quero morar.

         Os passarinhos lá se escondem,
         para ninguém os maltratar,
15    no último andar.

         De lá se avista o Mundo inteiro,
         tudo parece perto, no ar.
         É lá que eu quero morar:

         no último andar.

                Neste poema, o sujeito poético exprime o seu desejo de habitar o “último andar”, que caracteriza de diferentes formas.

                Assim, começa por o apresentar como «mais bonito» (v. 1), pois dele «se vê o mar». Trata-se, portanto, de um espaço amplo, vasto, ilimitado, como é sugerido pela amplitude da visão que proporciona, do mar e do céu (3.ª estrofe). É nesse lugar, pois, que o «eu» deseja morar.
                Na segunda estrofe, associa-o à altura («é muito longe» ‑ v. 4) e à consequente dificuldade de acesso («custa-se muito a chegar» ‑ v. 5). Não obstante, reafirma, convictamente, o desejo de aí morar.
                A ideia de amplitude e vastidão é reafirmada na terceira estrofe. De noite, é possível ver todo o céu (hipérbole), quase como se estivesse ao alcance da mão e nele fosse possível tocar. O próprio luar parece repousar inteiramente nele.
                No último andar, os passarinhos (diminutivo afetivo) escondem-se para ninguém os maltratar. Assim, o espaço assume-se como uma espécie de refúgio e sinónimo de liberdade. De refúgio, porque serve de proteção e acolhimento, e de liberdade, pelo que o voo das aves no céu ilimitado, metaforicamente, simboliza.
                Por último, desse lugar é possível avistar-se o mundo inteiro e «tudo parece perto» (hipérbole). Ou seja, o último andar é um local elevado quer no plano físico quer no plano moral, pelo que representa enquanto espaço simbólico: local associado ao anseio de liberdade (que caracteriza o ser humano de qualquer época e espaço), local de refúgio e proteção, local que permite o acesso à vastidão do mundo e à contemplação das suas belezas, local de desejo de transcendência e plenitude.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...