sexta-feira, 29 de março de 2019

Cinema à sexta: "Sherlock Holmes e a Mulher Aranha"


(1945)

Se “todos aprendem”, para quê baixar a fasquia?


     Um texto brilhante do António Duarte sobre a insanidade do SE João Costa [post].

segunda-feira, 25 de março de 2019

Origem de «desejo»

     A origem da palavra «desejo» é incerta, no entanto supõe-se que derive do latim «desidero», constituída por «side, que se relacionará provavelmente com «sidus» (que significava "constalação" ou "estrela"), termo que nos deu, por exemplo, o adjetivo "sideral".

     Uma outra possível explicação relaciona «desejo» com «desidia-», que queria dizer "preguiça" ou "indolência".

Origem de amor

     A palavra «amor» deriva do latim amor, que, por sua vez, parece derivar do proto-indo-europeu *amma, termo que significava mãe (ou tia) em linguagem infantil.
     Trata-se apenas de uma teoria, mas, a ser verdade, significa que a palavra «amor» terá tido origem na relação entre mãe e filho.
     E esta, hein?

Há manhã é feriado


Alunos do profissional entrarão na universidade sem realizar exames nacionais


     A fantochada total ou os favorzinhos da praxe às instituições do superior sem matéria prima?

     A notícia pode ser encontrada aqui [notícia].

Na aula (XXXV): água sólida

Pergunta do professor: «Onde é que há água sólida no planeta?»

Resposta do(a) aluno(a): No congelador.

Na aula (XXXIV): a propósito de Gil Vicente... roca

     A propósito de Gil Vicente, alguém pergunta o que é uma «roca».

     A Manuela P. não se faz rogada e sai-se com esta:

     «Então isso não é aquilo que fura as paredes?»

     Não, não é, pois falta-lhe um «b».

domingo, 24 de março de 2019

Dose para cavalo

     Uma dose para cavalo é algo excessivo, uma quantidade excessiva de qualquer coisa.

     A expressão tem variantes, como, por exemplo, dose para elefante ou dose para leão, com significados semelhantes.
     É possível que o cavalo, por ser forte; o elefante, por ser grande; e o leão, por ser valente, necessitem de doses exageradas de remédio para que este possa produzir o efeito desejado.
     Com a evolução do sentido, a expressão dose para cavalo (e suas variantes) consiste no exagero da ampliação de qualquer coisa desagradável, ou mesmo aquelas que só se tornam desagradáveis com o exagero.

Coração (origem da palavra)

     A palavra coração deriva do termo latino "cor", o qual, em muitas línguas ibéricas, ganhou um sufixo que tem a aparência de aumentativo: "coração".
     Este vocábulo existe no português, no castelhano, no leonês, no asturiano, no mirandês, no aragonês e até no moçárabe, o latim falado na área governada pelos muçulmanos ibéricos, mas já não existe, por exemplo, no basco, língua bem anterior ao uso do latim na Península Ibérica, que utiliza "bihortz". Outra exceção encontra-se no catalão, onde encontramos uma forma mais próxima do latim: "cor".
     O próprio português contém a palavra com a mesma forma na expressão "saber de cor", isto é, "saber de coração".
     Por outro lado, o termo latino "cor" ganhou muitas variações: o "còr" occitano, o "coeur" francês, o "cuore" italiano, o romeno "cord" (note-se, porém, que a palavra romena mais comum para referir "coração" é "inimã", cuja origem radica no latim "anima", isto é, "alma").

Erro crasso

     A expressão «erro crasso» quer dizer "erro grosseiro".

     A sua origem leva-nos até Roma, na época em que possuía como forma de governo o Triunvirato (ou seja, o poder dos generais era dividido por três homens em pé de igualdade: o termo "triunvirato" era constituído por dois radicais latinos: "trium" = três e "vir" = homem).
     O primeiro triunvirato era constituído por Caio Júlio, Pompeu e Marco Licínio Crasso. Este último foi incumbido de atacar os Partos e, confiante no triunfo, dada a desigualdade das forças em confronto, abandonou todas as formações e técnicas romanas e simplesmente atacou. Além disso, escolheu para o ataque um caminho estreito e com pouca visibilidade.
     O resultado desta postura displicente e arrogante de Crasso só poderia ser um: os Partos, mesmo em inferioridade numérica, derrotaram os todo-poderosos romanos, tendo sido aquele um dos primeiros a tombar no campo de batalha.
     Desde então, sempre que alguém possui todas as condições para triunfar, mas comete um erro estúpido, dizemos que se trata de um erro crasso.

quinta-feira, 21 de março de 2019

Estilo e arte narrativa de Fernão Lopes

. As crónicas de Fernão Lopes enquadram-se numa fase da língua portuguesa normalmente conhecida como português antigo e exibem construções sintáticas, expressões e vocabulário com marcas da língua de um período de amadurecimento. Apesar dos arcaísmos (“talente”, “aadur”, “açalmamento”) e de construções arcaicas (“Ca nenhuu por estonce podia outra cousa cuidar”), é claro que a língua portuguesa já sofreu uma evolução que a distingue dos seus primórdios.

. Na Crónica de D. João I, a narração alterna com a descrição e com o diálogo para incutir vivacidade e energia no relato dos episódios mais relevantes da Crise de 1383-1385. Fernão Lopes cria ritmo e tensão através da forma expressiva de narrar os acontecimentos e da introdução de discurso direto no relato (“– U matom o Meestre?”).

. A vivacidade, o ritmo e a emoção das personagens são também conseguidos através de características do discurso como as marcas de oralidade e a simplicidade da linguagem (registo corrente e vocabulário familiar), os verbos de movimento, os verbos introdutores do discurso (“bradar”), as interjeições e as apóstrofes (“Ó Senhor!”). O dinamismo da ação resulta do uso de tempos, formas e aspetos verbais como o imperfeito do indicativo, o gerúndio e o aspeto durativo. O uso de recursos expressivos é relativamente parco e pouco vai além da comparação, da metáfora e da personificação.

. As descrições são pautadas pelo forte apelo visual, isto é, pelo visualismo. O narrador desempenha o papel da testemunha dos acontecimentos; percorre os espaços e caracteriza os lugares, o ambiente e as figuras (indivíduos ou grupos) que encontra. O uso de verbos associados ao olhar (“oolhae”, “vede”) ajuda a salientar o visualismo das situações descritas. Por vezes, as sensações visuais são associadas às auditivas (cap. XV).

. Numa técnica semelhante à do cinema ou da reportagem, o narrador percorre os espaços, detendo-se em figuras individuais ou em grupos, como sucede na descrição do sofrimento do povo de Lisboa (cap. CXLVIII). Em colaboração com as outras técnicas anteriormente descritas, assim se consegue criar um estilo expressivo que põe em destaque pormenores patéticos (ou seja, de sofrimento) da situação descrita.

. Articulação entre objetividade e subjetividade:
- Objetividade presente no rigor da pormenorização (exs.: descrições pormenorizadas com valor descritivo e informativo);
- Subjetividade presente na apreciação crítica e emotiva dos factos relatados (exs.: interrogação retórica, frase exclamativa).

. Coloquialismo:
- Interpelação do interlocutor (narratário), recorrendo à 2.ª pessoa do plural e à apóstrofe;
- Utilização do verbo ouvir, sugerindo a interação oral;
- Reprodução de cantigas populares;
- Uso de palavras / expressões de sabor popular e / ou arcaizante.

. Visualismo e dinamismo:
- Articulação entre planos gerais (focalização da cidade e dos atores coletivos aque nela intervêm) e planos de pormenor (incidência em grupos de personagens e / ou em situações particulares);
- Recriação dos acontecimentos de forma dinâmica;
- Emprego de vocábulos que marcam o sensorialismo da linguagem (atos de ver e ouvir);
- Emprego de recursos expressivos que conferem visualismo ao relato: comparação, personificação, enumeração, hipérbole.


Significado do nome António

     António será, provavelmente, o antropónimo mais comum da língua portuguesa.

     A sua origem é obscura. De facto, alguns autores atribuem-lhe etimologia etrusca, que originou o latim "antonius", que significava «inestimável», enquanto outros consideram que deriva do grego "anthonomos", que significava "aquele que se alimenta de flores".

     Seja como for, o termo já existia em Roma, designando uma "gens" famosa, da qual a figura mais conhecida é a de Marco António, de acordo com Orlando Neves, no seu Dicionário de Nomes Próprios.

     Assim sendo, «António» significa "inestimável", "aquele que não tem preço", "o que está na vanguarda".

quarta-feira, 20 de março de 2019

Origem de 'primavera'

     Começa hoje uma nova estação do ano: a primavera, que terminará no próximo dia 21 de junho, para dar lugar ao verão.
     Nem sempre, porém, a designação das estações do ano foi a que hoje conhecemos. De facto, na época dos romanos e até ao século XVI, existia o verão, correspondente à nossa primavera, o estio, equivalente ao atual verão, o outono e o inverno.
     O vocábulo «verão» provém do latim "vernum", que significava "tempo primaveril", derivado de "ver, veris", que queria dizer "primavera". A expressão "prima ver", de "primaver" (que deu origem ao nosso "primavera"), aplicava-se apenas ao começo da estação: "primo + ver" = o primeiro verão (atual primavera), ou seja, o princípio do verão (= primavera).
     Assim sendo, antigamente, o termo «verão» designava o período correspondente à atual primavera, como se pode comprovar num texto de Gil Vicente ("Carta de Santarém de 1531): "... como vemos que contra a formosura do verão, o fogo do estio, e contra a vaidade humana, a esperança da morte.".
     Deste modo, no século XVI, em Portugal, havia as seguintes estações: primavera (início da primavera), verão (primavera propriamente dita), estio (o atual verão), outono e inverno.

Frango tipo leitão


'O Ano da Morte de Ricardo Reis' - Ficha de leitura (cap. XIV-XIX) - Soluções

Ficha 4 – versão 1
Ficha 4 – versão 2
CAPÍTULOS XIV a XIX
1. F
2. V
3. V
4. V
5. V
6. V
7. F
8. F
9. V
10. V
11. F
12. V
13. F
14. F
15. V
16. F
17. V
18. F
19. V
20. F
1. V
2. F
3. V
4. V
5. F
6. V
7. V
8. F
9. V
10. V
11. F
12. V
13. V
14. F
15. V
16. F
17. V
18. F
19. V
20. V

. Ficha de trabalho [ficha].

terça-feira, 19 de março de 2019

89


     - Parabéns!
     - Não sei se é parabéns ou os meus sentimentos.
     - ?
     - Parabéns, porque é mais um ano de vida; sentimentos, porque é menos um ano de vida.

     O peso da idade pode derrubar, mas o espírito, esse, continua a lutar por viver.

quarta-feira, 13 de março de 2019

Da progeção e falcidade


Informações-prova: exames nacionais do ensino secundário 2019

Informações prova: exames nacionais do 9.º ano

Informações-prova das provas de aferição

O esterco humano


Ter o rei na barriga


     "Ter o rei na barriga" remete para uma pessoa que se atribui muita importância.

     Esta expressão leva-nos até ao tempo da monarquia, época em que as rainhas, quando estavam grávidas, passavam a ser tratadas com deferência especial, visto que iriam aumentar a prole real e/ou dar um herdeiro ao trono, ou seja, tinham o rei na barriga.

terça-feira, 12 de março de 2019

'O Ano da Morte de Ricardo Reis' - Ficha de leitura (cap. VIII-XIII) - Soluções

Ficha 3 – versão 1
Ficha 3 – versão 2
CAPÍTULOS VIII a XIII
1. V
2. V
3. V
4. F
5. V
6. F
7. F
8. F
9. V
10. F
11. V
12. V
13. V
14. V
15. V
16. F
17. V
18. F
19. F
20. F
1. F
2. F
3. V
4. V
5. F
6. F
7. V
8. V
9. V
10. F
11. V
12. F
13. V
14. F
15. V
16. V
17. F
18. F
19. V
20. V



. Ficha de trabalho [ficha].

Cair o Carmo e a Trindade


     Esta expressão remete para algo que provoca uma grande surpresa, confusão, ou desencadeia uma reação negativa, uma discussão.
     Ela pode ser usada também com sentido irónico e, nesse caso, associa-se ao receio de consequências graves de assuntos ou questões sem importância.
     A origem desta expressão faz-nos recuar ao terramoto de 1755. De facto, nessa época, o Carmo e a Trindade constituíam dois dos mais importantes conventos de Lisboa e ambos ruíram aquando do sismo, que esteve na origem da morte de cerca de um terço dos habitantes da cidade.
     "Cair o Carmo e a Trindade" passou, pois, a significar o terror e o pânico perante uma catástrofe. Com o tempo, o seu significado evoluiu e adaptou-se a outras situações, para o sentido mais irónico que lhe damos atualmente.

segunda-feira, 11 de março de 2019

Regência do verbo "acontecer"


O verbo «acontecer» é um verbo transitivo indireto que pode ser regido por duas preposições:
- a (rege um complemento indireto):
. Tudo acontece à Miquelina. (complemento indireto)
- com (rege um complemento oblíquo):
. Essa situação aconteceu com o Ernesto. (complemento oblíquo)

Note-se que este verbo pertence a um grupo caracterizado pelo facto de o sujeito ocorrer, com alguma frequência, em situações pós-verbal:
. Aconteceu uma tragédia. (ao contrário do que se poderá supor, o grupo nominal «uma tragédia» desempenha a função sintática de sujeito da frase e não a de complemento direto)


domingo, 10 de março de 2019

O tamparué


'O Ano da Morte de Ricardo Reis' - Ficha de leitura (cap. IV-VII) - Soluções

Ficha 2 – versão 1
Ficha 2 – versão 2
CAPÍTULOS IV a VII
1. V
2. F
3. F
4. V
5. V
6. V
7. F
8. F
9. V
10. V
11. F
12. V
13. F
14. V
15. V
16. V
17. V
18. F
19. V
20. V
21. F
1. F
2. F
3. V
4. F
5. F
6. F
7. V
8. V
9. F
10. V
11. V
12. V
13. V
14. F
15. V
16. V
17. F
18. F
19. V
20. V
21. F


. Ficha de leitura [ficha].

XPTO (origem do termo)


     Quando dizemos que algo é "XPTO", queremos dizer que se trata de algo muito bom.
     
     A origem deste termo leva-nos até aos antigos documentos medievais manuscritos, onde se usava XPTO para designar Cristo, uma palavra herdada, por sua vez, da grafia grega, relativamente comum na Idade Média: XPRISTI (note-se que o "X" grego representava o som "C" - Cristo - e o "P" grego representava o som "R").
     Sucede que as pessoas não tinham noção de que aqueles símbolos significavam Cristo em grego e liam "XPTO" quando queriam designar algo de grande qualidade.

     Para quem quiser aprofundar o tema, pode consultar as ligações seguintes:
          . A história e o significado da expressão XPTO;
          . Baptizado de XPTO;
          . XPTO.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...