terça-feira, 23 de junho de 2015

"Presidente" ou "presidenta"?

                Causou alguma comoção, quando foi eleita, o facto de Dilma Roussef se ter intitulado “presidenta”.
                Ora, o termo em questão não foi propriamente uma invenção da sucessora de Lula da Silva. De facto, já constava de dois documentos de meados do século XX, concretamente os dicionários de Augusto Moreno (1944) e Cândido de Figueiredo (1953). Convém ter presente, porém, que o vocábulo “presidenta” possuía então um cunho popular e era usado de forma irónica e pejorativa. Além deste, as obras mencionadas registavam outros casos semelhantes, como, por exemplo, “giganta” e “hóspeda”.
                Por outro lado, os dois principais dicionários brasileiros (o de Aurélio Buarque de Holande e o de Antônio Houaiss), bem como o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, publicado pela Academia Brasileira de Letras, a entidade que estabelece a norma da língua portuguesa para o Brasil, registam a forma “presidenta” como feminino de “presidente”.
                “Presidente” pertence ao conjunto dos nomes (terminados em –ente) que têm origem nas formas do particípio presente latino, que não variava em género: “amans”, “amantis” (amante, que ama), “audiens”, “audientis” (ouvinte, que ouve), etc. São os chamados nomes comuns de dois, isto é, possuem a mesma forma para o masculino e para o feminino. É o que sucede, por exemplo, em “o doente” e “a doente”, “o tenente” e “a tenente”, “o docente” e “a docente”.
                Nesta questão, há que ter em conta ainda um conjunto de exceções que fogem à norma: “infante” / “infanta”, “governante” / “governanta”, “”elefante” / “elefanta”. Observe-se o que diz Regina Rocha sobre esta questão (Ciberdúvidas): «Como ponto prévio, direi que a dúvida apresentada diz respeito a três palavras de natureza diferente, e que estas palavras não terminam em -ente (como presidente), do particípio presente de verbos latinos, mas em -ante.
                Analisemos, então, cada uma das palavras e por que motivo elas têm o morfema -a no feminino.
                A palavra infante provém do latim infans, infantis, que significava «aquele que não fala», «aquele que tem pouca idade», «criança», passando, em português, também a designar «filho do rei, irmão do príncipe herdeiro», «irmão do rei». Na acepção de «criança», a palavra entra no português como substantivo comum de dois («o ou a infante») e assim é utilizada pelos clássicos. Entretanto, por influência do francês infante, feminino de infant, começa a utilizar-se o termo infanta, apenas na acepção de «filha de rei ou de rainha, não herdeira da coroa». O termo infanta não é, pois, formado do pretenso «masculino» infante, mas provém do francês.
                Quanto à palavra governante, trata-se de um termo oriundo do francês, ainda sentido em meados do século XIX como um «francesismo inadmissível e desnecessário» (Novo Diccionario da Lingua Portugueza, por Eduardo de Faria, 1857). Com o significado de «pessoa que governa», é um substantivo comum de dois («o ou a governante»). A palavra governanta entra posteriormente no português, também proveniente do francês, com o significado de «mulher a quem estava confiada a administração de uma casa» e também vai ser sentida como galicismo, por ocupar o mesmo espaço que aia, ama, criada grave. Não é, pois, uma palavra formada do português governante, não tendo, naturalmente, o significado de «mulher que preside ao governo de um país ou dele faz parte».
                Finalmente, o substantivo feminino elefanta já está registado há séculos em dicionários: provém do latim, de um substantivo que assume normalmente as duas formas (o elefante e a elefanta), não sendo formado de nenhum verbo. Há, no entanto, quem utilize apenas uma forma, considerando-o um substantivo epiceno, como é regra geral em grande parte dos nomes de animais.

                Em suma, estas palavras terminadas em -e que formam o feminino com a utilização do morfema -a são exceções em relação à regra relativa à formação do feminino dos substantivos ou adjectivos terminados em -ente da mesma família de verbos cujos particípios presentes são reveladores de quem pratica a ação daquele verbo.».

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Correção do Exame Nacional de Português 12.º ano - 2015 (1.ª fase)

Grupo I

1. Entre a Rua Nova dos Mercadores e o portão da quinta, o cravo é transportado por dois homens experientes que, com todo o seu saber e experiência  e o máximo de cuidados, fazem uso dos processos adequados para transportarem o objeto até São Sebastião da Pedreira.
     Entre o portão e a abegoaria, o cravo é transportado por Baltasar e Blimunda. Porém, como não possuem a experiência dos dois homens neste tipo de trabalho e com medo de danificarem um instrumento tão frágil, viram-se em sérias dificuldades para transportar o cravo até ao seu destino.

2. Com efeito, ao longo do excerto, a música de Scarlatti vai-se articulando com os diferentes trabalhos de Baltasar e Blimunda.
     Assim, no dia em que o cravo chegou à abegoaria, o músico procedeu à afinação do instrumento musical. Seguidamente, começou a tocar, encadeando os sons de forma progressivamente mais complexa. Enquanto isso, o par amoroso estava ocupado com trabalhos que causavam pouco ruído (como entrançar vimes e coser velas), não interferindo, portanto, com a música de Scarlatti.
     Nas visitas posteriores à quinta, o músico italiano nem sempre pedia que Baltasar e Blimunda parassem os trabalhos ruidosos que realizavam na abegoaria, o que fazia com que o som proveniente do cravo se fizesse ouvir harmonioso, não obstante o barulho causado pela forja, pelo malho a bater na bigorna ou da água a ferver na tinta,

3. O comentário do narrador justifica-se pela surpresa que as palavras de Blimunda e de Baltasar lhe provocam, dado que, sendo eles analfabetos / iletrados, conseguem verbalizar pensamentos tão complexos e elaborados, o que não seria expectável em alguém sem qualquer grau de escolarização. De facto, colocada perante a possibilidade de a passarola voar, Blimunda admite que a música se possa integrar no voo como expressão de harmonia e celebração. Por seu turno, Baltasar, acometido pelas recordações negativas da guerra, prevê a ocorrência de desastres, dor e sofrimento.

4. No poema, a humanização da música decorre de vários aspetos, como os seguintes:
          - a sua associação a vivências subjetivas do ser humano ("Povoa este
             deserto" - v. 2);
          - o facto de ser indissociável da identidade do ser humano ("A música
             do ser / Interior ao silêncio / Cria seu próprio tempo / Que me dá
             morada" - vv. 8-11);
          - o possuir uma voz que é companheira do sujeito poético ("Por
             companheira tenho a voz da guitarra" - vv. 15-16).

5. De facto, a música é fundamental na construção da identidade do "eu".
     Por um lado, a música tem o poder de unificar o sujeito poético: "O canto me reúne" (v. 18); "E agora de mim / Não me separa nada" (vv. 21-22).
     Por outro lado, a música torna possível o reencontro com um tempo primordial e puro: "De muito longe venho / Pelo canto chamada" (vv. 19-20).



Grupo II

               Versão 1                    Versão 2

1 -               B                                 D

2 -               C                                 D

3 -               A                                 C

4 -               C                                 B

5 -               B                                 C

6 -               D                                 B

7 -               B                                 A

8 - "a sabedoria dos odores"

9 - Complemento direto.

10. Oração subordinada adverbial concessiva.

Golden State Warriors



"Regresso"

 (…)

Ah! quando eu voltar...
Hão-de as acácias rubras,
a sangrar
numa verbena sem fim,
florir só para mim!...
E o sol esplendoroso e quente,
o sol ardente,
há-de gritar na apoteose do poente,
o meu prazer sem lei...
A minha alegria enorme de poder
enfim dizer:
                Voltei!...

                                               Alda Lara (1948)

sábado, 13 de junho de 2015

Alunos terão apenas um mês de férias

     Jorge Ascensão, o presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais (Confap), defendeu que as aulas deveriam "começar no início de setembro e terminar apenas no final de julho", ou seja, os alunos teriam apenas um mês de férias no verão.

     Fui tão feliz com 4 (QUATRO! QUE ESCÂNDALO!) meses de férias! Tão feliz!

     E é esta gente, esta gente como Jorge Ascensão, que tutela os interesses das crianças deste país. Meu caro Jorge, enquanto pai, EU esperava que o amigo fosse arrojado e defendesse condições de trabalho (para aqueles sortudos que ainda o têm) que permitissem aos pais passar mais tempo com os seus filhos. Porém, o seu arrojo, o seu pensamento avançado e «out of the box», afinal são mais do mesmo: a visão da escola como ARMAZÉM onde os pais depositam as suas crias para que outros - os professores e funcionários - os criem.

     Bardamerda, ó Jorge!

quarta-feira, 10 de junho de 2015

A televisão e a autossuficiência

     Contexto: teste escrito de avaliação.
     Tarefa: elaborar um texto de opinião sobre os limites (ou não) que devem ser impostos pelos pais às crianças e jovens.

     Exemplificação baseada no caso pessoal: «Eu sem televisão acho que não seria tão inteligente como sou.».

     De facto, confirma-se a influência que a televisão (em excesso) teve na inteligência desta jovem.

Autoria: Joana B.

segunda-feira, 8 de junho de 2015

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...