sábado, 14 de janeiro de 2012

Tempo da representação

     O tempo da representação está intimamente ligado aos três momentos-chave da intriga:
  • Exposição (ato I): um dia, sexta-feira, 27 de julho de 1599 (I, 2);
  • Anagnórise (reconhecimento) (ato II): um dia, sexta-feira, 4 de agosto de 1599; 
  •  Desenlace (catástrofe) (ato III): uma noite, de sexta para sábado, 5 de agosto de 1599). 

Tempo representado

     O tempo representado corresponde a oito dias:
  • "Há oito dias que aqui estamos nesta casa..." (II, 1);
  • "Mas isto ainda é cedo", "São cinco horas, pelo alvor da manhã..." (III, 1).
      Por estas informações, contidas nas indicações cénicas, podemos concluir que entre o início e o desenlace da peça decorrem oito dias, enquanto apenas algumas horas separam os atos II e III.

Tempo histórico

     A ação da peça Frei Luís de Sousa (quer os acontecimentos representados, quer os seus antecedentes) situa-se no final do século XVI, princípio do século XVII, como é possível verificar pela didascália inicial do ato I: "Câmera antiga, ornada com todo o luxo e elegância portuguesa dos princípios do século dezassete." Ao longo do texto, outras referências temporais situam-na no ano de 1599 (ver demais «posts» relativos à categoria Tempo), havendo alusões a outras datas.
     Em síntese, os dados mais relevantes relacionados com o tempo histórico são os seguintes:
  • a referência à Reforma Protestante, de meados do século XVI: "... o homem é herege, desta seita nova d'Alemanha ou d'Inglaterra" (I, 2);
  • a referência à batalha de Alcácer Quibir (4 de agosto de 1578);
  • a alusão a Filipe II de Espanha, I de Portugal, aclamado rei em 1580: "... os senhores governadores de Portugal por D. Filipe de Castela, que Deus guarde..." (I, 5);
  • as desavenças entre portugueses e castelhanos e o domínio filipino, após a perda da independência nacional, resultado da derrota de Alcácer e da morte de D. Sebastião;
  • o sebastianismo, representado por Telmo Pais e D. Maria;
  • as alusões de Telmo a Camões e de Maria (no início do ato II, cita a frase que abre a novela Menina e Moça) a Bernardim Ribeiro;
  • a existência de peste em Lisboa.

Didascália inicial (ato III)

. Parte baixa do palácio de Manuel de Sousa ® nível inferior => passagem para outro estádio da existência humana.

     » Porta esquerda ® acesso à capela da Senhora da Piedade:
               . abandono do mundo profano;
               . ingresso no mundo religioso;
               . morte de Maria.

     » Casarão vasto, "sem ornato nenhum":
               . ausência de elementos decorativos;
               . corte com o mundo profano.

     » "Arrumadas às paredes":
               . tocheiras
               . cruzes ® sofrimento, morte
               . círios
               . "alfaias e guisamentos de igreja" ® vida religiosa

     » "A um lado":
               . esquife ® morte, martírio, sacrifício

     » "Do outro":
               . cruz negra com o letreiro J.N.R.J. ® morte, martírio, sacrifício
                                                                        ® ressurreição
               . toalha ® limpar os pecados
               . Semana Santa ® morte ® ressurreição, nova vida

     » "A um lado":
               . "tocheira baixa com tocha acesa e já bastante gasta" ® símbolo de final de
                 vida no mundo profano

     » "sobre a mesa":
               . castiçal de chumbo
               . hábito de religioso dominicano
               . túnica
               . escapulário
               . rosário
               . cinto
                         ® tomada de hábito ® morte para o mundo profano e entrada no
                              mundo espiritual
                         ® envergar o hábito = vida iluminada

     » "No fundo, porta..." ® baixos do palácio.



NOTAS:

1.ª) A luminosidade do ambiente é escassa. Mergulhado na penumbra, o cenário, apenas iluminado por «tocheiras», «tocha acesa e já gasta», «vela acesa», propicia uma introspeção profunda onde tudo indicia a “entrada” para a vida religiosa, para a Ordem dos Dominicanos, ideia acentuada pela presença das «alfaias e guisamentos de igreja» e pelo hábito.

2.ª) A cruz negra com o letreiro, aliadas aos restantes elementos ligados à vida religiosa, simboliza que alguém passará por sofrimento, sacrifício, martírio e morte para a vida mundana.

3.ª) O jogo penumbra / luz e o ambiente secreto, intimista, de intenso recolhimento, possibilitam o encontro do «eu» com os mais recônditos lugares do seu espaço interior.

4.ª) A obra não obedece à unidade de espaço, pois decorre em lugares diferentes, embora todos os acontecimentos decorram em Almada.

5.ª) O espaço ganha uma dimensão trágica, pois fecha-se gradualmente, não possibilitando a saída das personagens para a dimensão física da vida.
A progressiva escassez de elementos decorativos e de luminosidade adensam a atmosfera trágica que culminará na catástrofe.

Didascália inicial (ato II)



NOTAS:

1.ª) Salão despido, pouco confortável, sem qualquer marca de humanização.

2.ª) Espaço mais sombrio, frio, austero, escassamente iluminado e fechado, o que está em sintonia com o estado de espírito das personagens, cada vez mais angustiadas e cercadas pelo Destino.

3.ª) Espaço opressivo, de confidências e também de recordação e reencontro com o passado, contribuindo para o avolumar do «pathos».

4.ª) Um trio de retratos ocupa um espaço privilegiado, numa cumplicidade onde se misturam o idealismo, o patriotismo, a desgraça e a fatalidade. Camões, grandioso épico que dedica a D. Sebastião Os Lusíadas, pedindo-lhe que dê matéria a outra epopeia, incentivando o jovem monarca a cometer grandes feitos no Norte de África para concretizar ideais elevados (difusão do Cristianismo e engrandecimento da Pátria); D. Sebastião não concretizará o seu ideal, morrendo na batalha de Alcácer Quibir. D. João de Portugal, um dos nobres que integrou o trágico exército, nobre honrado, patriota, fiel e corajoso, também desapareceu naquele fatídico areal africano.

5.ª) O ambiente fechado parece escassamente iluminado, evidenciando-se os reposteiros pesados de tecidos espessos de amplas dimensões, por um lado, indiciando que ocultam algo, por outro lado, remetendo para a ideia de que, uma vez descerrados, se passará para um outro espaço, que estará ligado a uma qualquer desgraça ou fatalidade.

6.ª) A mudança de lugar, decorrente do ato de Manuel deitar fogo ao seu palácio (traço histórico), é feita para um mundo absolutamente fechado em si próprio (cenários dos 2.º e 3.º actos). O palácio agora ocupado pertence ao marido que regressa, insufla vida ao passado. As recordações transformam-se logo em pressentimentos. O espaço anuncia a desgraça que se aproxima, tem uma ação fatal, opressiva, ominosa.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...