sexta-feira, 29 de março de 2013

As vantagens e desvantagens do 'Facebook'

     «Isto do Facebook é uma coisa porreira ! Sobretudo para os que conseguem ter muitos Amigos "virtuais". Passo a explicar: imaginemos que um cidadão mediano, como eu, está a ficar com o automóvel nas lonas (é quase o caso). Chega aqui, e pergunta: "quem é que me arranja um automóvel por um preço gentil, capaz de levar a minha carcaça às compras, trazendo-a para casa sem dano?". E logo aparece um Amigo, consciente e consciencioso, a dizer: "Tenho eu um carrinho para si, por um preço simpático". Imaginemos que um pagador de impostos , como eu, deseja deslumbrar um Amigo com uma refeição "acima de qualquer suspeita". Chega aqui e pergunta: "Onde é que se come a melhor posta mirandesa"? E logo, logo, aparece uma Amiga e diz: " No Restaurante tal, com uma óptima relação preço-qualidade". Imaginemos que um votante, chega aqui e pergunta: "Onde é que se arranja um Presidente da República que, finalmente, não nos envergonhe continuamente?". Bom, aí faz-se um longo, longo, longo silêncio e as respostas que chegam são todas reticentes, ratadas, cheias de hiatos. Conclusão: é muito mais fácil comprar um automóvel e comer uma sensacional posta mirandesa do que arranjar um PR que se cheire. Como diria La Palisse, né?»

Professor Amadeu Homem

quinta-feira, 28 de março de 2013

Semana Académica - Viseu 2013 - Cartaz


O analfabetismo funcional de um «dux veteranorum» e não só


     O exercício é simples: enumerar os erros de português que se podem encontrar nos escritos (?) dos dois representantes do ensino superior viseense: o presidente da Direção da Federação Académica e o «Dux Veteranorum».

     O exercício será realizado na caixa de comentários deste «post» e a data de conclusão do mesmo será o dia 5 de abril, pelas 23 horas e 59 minutos.

     Para não cansar ninguém neste início de período, ainda no rescaldo da «viagem das nossas vidas», basta apontar cinco erritos.

ADENDA:

1.º) A ideia é que apontem o erro em concreto e que depois o corrijam.

2.º) As respostas serão, entretanto, «escondidas», para evitar a «colagem». Quando o exercício estiver completo, voltarão a aparecer.

"Portugal em queda"

«Habituados como estamos às más notícias já nem reagimos quando surge mais uma. A notícia vinda das Nações Unidas devia ter provocado ondas de choque, mas deixou-nos indiferentes. No relatório que acaba de ser publicado, baseado em dados de 2012, Portugal caiu dois lugares no Índice de Desenvolvimento Humano, estando agora na modesta 43.ª posição, na cauda da primeira liga e quase a ser despromovido para a segunda. Essa queda soma-se às quedas dos anos anteriores: no relatório de 2011 tínhamos caído um lugar e no de 2010 tínhamos caído seis lugares. Já basta de tanto cair!

O referido índice classifica os países com base não apenas na riqueza, medida pelo PIB, mas também na saúde, medida pela esperança média de vida, e na educação, medida pelo número de anos na escola. Se o PIB português está dolorosamente a cair (segundo os cálculos das Nações Unidas, está a descer desde 2007, estando hoje abaixo do valor de 2000), o progresso na longevidade é apenas ligeiro (actualmente a esperança média de vida é de 79,7 anos) enquanto na escolaridade há estagnação (nuns confrangedores 7,7 anos de escolaridade média na população adulta). No global, e devido ao declínio económico, o nosso índice está desde o início desta década praticamente imóvel após décadas de crescimento. E, em contraste connosco, a maior parte dos países estão a desenvolver-se, alguns ultrapassando-nos. O relatório chama precisamente a atenção para a acentuada subida de numerosos países, principalmente do hemisfério sul. Em todo o mundo, os “campeões” da descida, em valor absoluto, são a Grécia e a Líbia, com Portugal logo a seguir, com quedas semelhantes às de Chipre, Barbados, Zimbabwe e Madagáscar. Repito para que conste: à escala planetária, em 186 países há apenas sete nações a descer e a portuguesa é uma delas.

Quem são os responsáveis? A principal culpa é, obviamente, dos maus governos que temos tido. Os professores Daron Acemoglu e James Robinson, do MIT e de Harvard respectivamente, no seu livro “Porque Falham as Nações” (Temas e Debates, 2013) informam-nos, com abundantes e eloquentes exemplos, que a falta de prosperidade dos países não tem a ver nem com a geografia nem com a cultura, mas sim com o funcionamento das instituições políticas. Os nossos “anos perdidos” no passado recente não eram uma fatalidade, atribuível à nossa situação no mundo ou à nossa particular tradição, mas sim uma consequência dos nossos erros políticos e económicos. Acrescem, claro, os erros alheios, pois a Europa não está bem: vão longe as expectativas de crescimento da Estratégia de Lisboa no ano 2000.

Os governos que elegemos nos últimos anos têm rostos. Independentemente das responsabilidades que não são poucas dos governos anteriores (António Guterres já assumiu uma quota parte), elas são de José Sócrates, que governou de 2005 a 2011, e de Pedro Passos Coelho, que governa desde 2011. O primeiro – os números não enganam – governou mal e o segundo – os números voltam a não enganar - está a governar mal. Não interessam nesta altura a não ser ao próprio as justificações de Sócrates em penosas prédicas televisivas. Ele já foi afastado por eleições de um modo claro. Uma vez que o governo anterior já foi mudado, resta-nos mudar o actual governo. As próximas eleições autárquicas vão ter uma leitura política nacional, ao revelar nas urnas a grande angústia das pessoas. E, como Passos Coelho já afirmou querer que se “lixem as eleições”, será provavelmente feita a sua vontade nas legislativas de 2015, que ele com grande antecedência já vê perdidas.

Poderá Passos Coelho fazer alguma coisa para evitar a sua queda, que decorre da queda do país? Sim, pode ainda mudar alguns dos seus ministros e secretários de estado. Não podendo alterar a troika externa, que nos manieta a todos, pode mexer nessa troikainterna que o assessora, formada pelo inefável Miguel Relvas, pelo desacreditado Vítor Gaspar e pelo desorientado Carlos Moedas. Sendo Passos Coelho político desde que nasceu, deveria saber que está a ser arrastado para  mais fundo pelos seus colaboradores mais próximos. Neste momento, os seus eleitores não estão com ele, o seu partido dificilmente está com ele (é público e notório que os “barões” não estão, multiplicando-se em comentários televisivos) e o seu parceiro de coligação só finge que está com ele (Paulo Portas, matreiro, deixa que os outros digam o que ele pensa).

E a oposição? Que diz António José Seguro? Se não há confiança no governo, menos há na oposição. O líder da oposição vê o país em queda, vê o governo em queda e nada mais lhe ocorre do que esperar que um e outro caiam mais. Não oferece solução nenhuma. Eleições agora para quê? Não esqueçamos, como mostram os dados das Nações Unidas, que a queda do país não é de hoje e que o maior partido da oposição é co-responsável por ela.»

Prof. Carlos Fiolhais, in Público de 27 de março de 2013

segunda-feira, 25 de março de 2013

Da inteligência

          Inteligências há poucas.
          Quase sempre as violências
          nascem das cabeças ocas
          por medo às inteligências.

                                                   António Aleixo

Viagens de finalistas


"O problema do X"

     "A língua? O que o Estado não destrói (ver acordo ortográfico, s.f.f.), o povo massacra. Não bastavam os rústicos que usam a palavra «empoderamento» sem se rir, os burgessos que começam as frases com «Dizer que...» e os tradicionais e encantadores parolos do «fizestes», «gostastes» e «soubestes» na segunda pessoa do singular.
     Singulares como somos, agora inventamos uma praga fresquinha, a qual consiste em substituir o «s» pelo «x» no início de certos vocábulos. Se não repararam, liguem o televisor e reparem. De repente, inúmeros portugueses passaram a comer a xopa, a ir ao xentro, a frequentar Xerralves, a ver xéries, a dormir xonecas, a lamentar a xituação, a ter xintomas e a aproveitar os xábados para se xentarem num xítio simpático a xaborerar um xyrah com queijo da xerra.
     Não se trata de uma adaptação manca do ancestral chotaque das Beiras, que sempre teria a atenuante etnológica: é uma afectação nova em folha cujo carácter epidemiológico ignora regiões e acomete o País de norte a sul. De onde, ou melhor, de quem provém? Não se sabe. Nunca se sabe, e eis a vantagem do AO, cujos criadores são patetas, mas patetas identificados, enquanto os delinquentes que minam a língua sob anonimato andam para aí à xolta e a xorrir com xarcasmo."

Alberto Gonçalves, Sábado de 21 a 27 de março de 2013

domingo, 24 de março de 2013

sexta-feira, 22 de março de 2013

Nuno Crato MENTIU!

     Há poucos meses, eram estas as certezas de Crato...


     Pouco tempo volvido, estamos nisto:


Crato assume mobilidade especial para os professores

Ana Petronilho  
22/03/13 12:06
30 Leitores Online
21186 Pageviews Diários
enviar noticia
O ministro da Educação confirmou hoje aos sindicatos que não pode "continuar a garantir que a mobilidade especial não será aplicada aos professores".
Declarações que vêm contrariar o que Nuno Crato disse no Parlamento a 19 de Julho ao assegurar que os professores não iriam estar incluídos no programa de mobilidade especial.
"Não está em cima da mesa, no Ministério da Educação e no Ministério das Finanças e da Administração Pública, nenhuma discussão sobre a mobilidade especial dos professores", afirmou Nuno Crato em Julho no Plenário.
O ministro recuou entretanto na distância de colocação dos professores. Isto porque apresentou aos sindicatos um novo mapa com dez quadros de zona pedagógica.
A proposta inicial apresentada na quarta-feira podia resultar em colocações de professores a mais de 200 quilómetros de distância da sua residência.
Além do novo mapa, o ministro entregou hoje uma proposta com novas regras de compensação de graduação, que pode atingir um ano de serviço. A compensação varia com as distâncias com que o professor fica deslocado.
Caso o professor fique deslocado entre 80 e 120 quilómetros, em linha recta da sua residência, terá uma compensação de 183 dias. Caso seja entre 121 e 180, a compensação sobe para 274 dias. Com mais de 181 quilómetros a compensação atingirá os 365 dias.
Crato diz que não quebrou compromisso
O ministro da Educação garante que não quebrou o compromisso ao aplicar a mobilidade especial aos professores justificando que nas anteriores declarações terá referido a este ano lectivo.
Confrontado pelos jornalistas, Nuno Crato não adiantou em que condições e quando será aplicada a mobilidade especial nos professores. Além disso, o ministro não revelou se esta é uma medida com a qual concorda dizendo que essa é uma questão "que é mais ou menos perguntarem-me se concordo com a chuva" argumentando que "vivemos no mundo em que vivemos" não deixando de sublinhar que "estamos numa situação excepcional". Por isso, argumenta o ministro, o MEC está "a trabalhar em várias alternativas" e a "fazer tudo que está ao seu alcance" para que os professores possam evitar a mobilidade especial referindo o aumento da mobilidade geográfica dos docentes, a possibilidade de dar aulas nos cursos profissionais do IEFP ou a  passagem à categoria de técnicos superiores para trabalhar em outros ministérios.
     Conclusão:


Portugal cortou mais de 5% do PIB na Educação

Portugal cortou mais de 5% do PIB no investimento em Educação nos últimos três anos, revela um estudo da Comissão Europeia.
     Portugal está entre os cinco países da União Europeia que mais cortaram no investimento em Educação, desde 2010, por causa da crise. Uma redução em mais de 5% do PIB nos orçamentos de Educação, revelou um estudo da Comissão Europeia hoje divulgado.
     A par de Portugal há nove países que europeus que têm vindo a desinvestir em Educação nos últimos três anos. A Grécia, a Hungria, a Itália e a Lituânia estão também entre os países que mais desinvestiram em Educação, acima dos 5%.
     Nos outros quatro países, Estónia, Polónia, Espanha e Reino Unido, os cortes no sector ficaram entre os 1% e os 5%.  
     Para a Comissão Europeia este desinvestimento deve-se à crise e tem reflexo na redução de salários e de professores. Cenário para o qual a instituição lança o alerta: "Se os Estados-Membros não investirem suficientemente na modernização da educação e das competências, ficaremos aquém dos nossos concorrentes mundiais e será mais difícil combater o desemprego juvenil", diz a comissária europeia para a Educação, Androulla Vassiliou.  
     O estudo que analisou o financiamento em todos os níveis de ensino, desde a educação pré-escolar ao ensino superior, em 35 sistemas educativos nacionais e regionais, vem confirmar os últimos dados do relatório anual "Education at a Glance" da OCDE e contrariar o relatório do FMI que diz que o investimento nacional no sector atingiu os 6.2% do PIB, estando acima da média da Europa a 15.
     Mas também a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico revelou em Setembro que o investimento público em Educação caiu, este ano, em Portugal, para níveis abaixo dos registados em 1995 não tendo os 3,8% do PIB nacional. Investimento que coloca o País ainda mais distante da média dos 36 países abrangidos, que neste momento se situa nos 6,2%. Contas feitas, são menos 1,1 pontos percentuais do investimento registado em Portugal há 17 anos, que então ascendeu aos 4,9% do PIB.

segunda-feira, 18 de março de 2013

"Ao Povo!"

     Ó Portugal d'outras eras
     Como agora estás mudado...
     Povo de heróis, porque esperas,
     Esquecendo o teu passado?

     Cospem-te os filhos na face
     Com hipócritas lamúrias;
     Ó Pátria, quem te vingasse
     D'essas infames injúrias.

     Ó terra de crenças mortas,
     Tens brigões afadistados...
     São fidalgos que nas hortas
     Bebem vinho e cantam fados.

     Fidalgos, aventureiros,
     De brasão já carcomido,
     Fostes outrora os primeiros
     E quanto tendes descido!

     A autoridade, que encobre
     Vosso escândalo canalha,
     Ao povo, só porque é pobre,
     Constantemente enxovalha.

domingo, 17 de março de 2013

O sucesso da Educação da Finlândia

ENTREVISTA

Laukkanen: "Si en Finlandia aplicamos los recortes en educación de España, sería una catástrofe"

Los jóvenes fineses son los profesionales mejor preparados de Europa gracias a que el gobierno del país escandinavo, "sea del signo que sea", ha seguido siempre un mismo objetivo sin escatimar recursos: "educar para aumentar el bienestar social"

MARTA RODRÍGUEZ MADRID 15/03/2013 19:11 Actualizado: 15/03/2013 21:08
Los jóvenes fineses se convertirán en los profesionales mejor preparados de Europa. Al menos, esa es la realidad que reflejan losinformes PISA desde hace más de diez años. Sin embargo, actualmente el país escandinavo se enfrenta a los problemas comunes en la Unión Europea como el envejecimiento de la población y la crisis económica. ¿El secreto para sobrevivir?"Educar para aumentar el bienestar social". Según el exconsejero de la comisión de Nacional de Educación de Finlandia, Reijo Laukkanen, para lograrlo se necesitan cuatro pilares imprescindibles: Una educación pública cien por cien gratuita, una buena gestión de los recursos, los mejores profesores y la equidad en exigencia y oportunidades acceso a la enseñanza.
P.- ¿Cuáles son los factores que han convertido al sistema educativo finés en el más envidiado de Europa?
Hay una cosa muy importante. Y es que nuestros gobiernos, uno tras otro, han aceptado siempre el mismo objetivo en materia de educación. No ha sido como en otros países en los que un cambio de gobierno significa un cambio del sistema educativo. Cuando lo planteamos hubo un gran debate político y después análisis técnico por parte de los expertos. Se vio que era importante subir el nivel educativo de toda la población. Primero, porque Finlandia es un país pequeño, solo somos 5,4 millones de habitantes -más o menos como la población de la ciudad de Madrid- y, segundo, porque cuando empezamos a cambiar esto Finlandia era un país pobre que se basaba en la industria agropecuaria y en la madera. Por eso, pensamos que mejorar la calidad de la educación de los niños de primaria y de los maestros era imprescindible.
Otro aspecto importante es que exigimos mucho de nuestros chicos, de todos, de los mejores y de los peores. Buscamos el mismo objetivo: somos una pequeña nación que quiere subir el nivel educativo de todos ellos porque queremos sobrevivir en un mundo con gran nivel competitivo. Si nos comparamos con Corea del Sur, Japón, Shangay o Hong Kong podemos ver que ellos también salen muy bien parados. Pero en Finlandia hay una gran diferencia, el Estado se basa en la ley de la equidad en la que el Gobierno está para apoyar a los que menos recursos tengan. Buscamos el trato justo con el fin de mejorar sus destrezas y habilidades para llegar al nivel común de exigencia y que vuelvan a la corriente. Para aumentar nuestro bienestar necesitamos todos los cerebros de los jóvenes. Estos han sido los principales aspectos que nos han llevado hasta lo que somos hoy en día.
P.- ¿Cuánto tiene que pagar un padre para enviar a su hijo a un colegio público?
La educación en Finlandia es totalmente gratuita, desde preescolar hasta la Universidad. El comedor es gratuito en la mayor parte de los municipios y en algunos casos incluso tampoco tienen que pagar los libros de texto.
P.- ¿Qué peso tienen los centros educativos privados en el sistema finés?
No hay ninguna universidad privada, para empezar. En el nivel de Formación Profesional, tenemos algunos institutos, pero en total serán como mucho 15. En cuanto a la educación primaria, creo que la cifra anda en torno a las 90 escuelas privadas. Aunque éstos no son completamente privados, sino que son concertados por lo que la sociedad y el Estado aporta su parte a la educación de estos niños. Suelen ser escuelas con una pedagogía especial con respecto a la religión como las cristianas luteranas que inculcan sus principios religiosos en las aulas. No obstante, los programas escolares son los mismos en todos estos centros. Solo la manera de trabajar dentro del colegio es lo que puede ser diferente. Pero desde luego la diferencia no es tanta como la pueden llegar a tener en las escuelas públicas españolas.

sábado, 16 de março de 2013

Resgate a Chipre...

     «O Eurogrupo chegou a acordo com o Governo cipriota quanto aos termos e condições do resgate financeiro do país. O Chipre receberá 10 mil milhões de euros e, entre outras medidas, o Governo compromete-se a limitar os levantamentos bancários e a introduzir um imposto sobre o valor dos depósitos, de 9,9% no caso de depósitos superiores a 100 mil euros e de 6,7% sobre depósitos de valor inferior àquele. Significa isto que quem tenha um saldo de conta por exemplo de 110.987,70 euros terá oportunidade de verificar no extracto um movimento negativo de exactamente 10000 euros a favor da troika, tal como quem tenha um saldo de 10 mil euros verá a sua conta subtraída em 670 euros. Desta vez, não se preocuparam sequer em disfarçar. Já roubam à descarada. E é um convite a uma corrida desenfreada aos bancos em todos os países que tenham uma troika para sustentar, que será ganha por quem consiga chegar antes dos ladrões. Salve-se quem puder. Os cipriotas perderam a corrida

sexta-feira, 15 de março de 2013

Predicado

        O predicado é a função sintática desempenhada pelo grupo verbal e que expressa aquilo que se diz sobre o sujeito:
O João é um rapaz simpático.
predicado

        O predicado pode apresentar diversas formas / constituições:
. Forma verbal simples: O Ernesto faleceu.
. Complexo verbal: O meu filho tem melhorado.
. Verbo + grupo nominal: O José caçou um javali.
. Verbo + dois grupos nominais: Vieira nomeou Eusébio  embaixador benfiquista.
. Verbo + grupo nominal + grupo preposicional: O Rui ofereceu flores à namorada.
. Verbo + grupo preposicional: O Rui telefonou à namorada.
. Verbo + grupo adjetival: O João é simpático.
. Verbo + grupo adverbial: O meteoro passou longe.
. Verbo + oração: Penso que Relvas está a mais no governo.

        Por outro lado, o predicado pode integrar, além do verbo ou complexo verbal, as seguintes funções sintáticas:


     No que diz respeito à identificação do predicado, este pode ser identificado se acrescentarmos e + grupo nominal + também / também não à oração:
                    . Eu fui à feira e tu também (também foste à feira).
                    . Nós não queremos exames e eles também não (também
                      não querem exames).

terça-feira, 12 de março de 2013

Um fim nunca esperado

A figuração apresentada é um cartoon e intitula-se de “Pastores de Nuvens”. É uma das obras de um cartunista brasileiro, Ubiratan Nazareno Borges Porto ou Biratan Porto, nascido em Belém do Pará a 29 de outubro de 1950. Formou-se em publicidade na Universidade Federal do Pará, sendo atualmente cartunista profissional e bandolinista nas horas vagas. Trabalha com humor gráfico há já 30 anos, tem sete livros de humor publicados e trabalhos divulgados nos EUA, Itália, França, Bélgica e Holanda. Conquistou importantes competições de humor no Brasil e noutros países. Criou o guião e dirigiu o filme de animação em 3D “Cadê o verde que estava aqui?”. No ano de 2002, conquistou o primeiro lugar no Internacional Cartoon Festival of Knokke-Heist, realizado na Bélgica, um dos mais importantes e tradicionais concursos de humor da Europa.
A imagem é formada por vários elementos, sendo um deles o solo seco e sem qualquer vegetação, o que nos remete para um deserto. Os indivíduos presentes na reprodução são pastores de nuvens uma vez que um dos sujeitos está a “bater” numa nuvem, tal como faz o pastor quando uma ovelha se afasta do rebanho. Abaixo das nuvens encontram-se potes, que aguardam que a água neles caia. Nuvens, que se encontram escuras, não por se avizinhar uma tempestade, mas sim, provavelmente, devido a poluição existente no ar.
O cartunista Biratan Porto, com a elaboração deste cartoon tinha a intenção de criticar a falta de água que o nosso planeta atravessa e que provoca, consequentemente, a desertificação dos solos, o que impede que se possa cultivar os campos, alimentar seres racionais e irracionais, e que pode mesmo vir a finalizar a espécie humana.
Tanto no cartoon, como nos poemas de Alberto Caeiro salienta-se a importância da Natureza. Para as ambas situações a Natureza, é o mais importante, a luz dos seus olhos, daí a tratarem como única e insubstituível. No cartoon estão representados pastores, que no entanto não o são, tal como Alberto Cairo é apelidado de pastor, não porque é na realidade um pastor, mas porque ama a natureza e lhe é fiel.
Os poemas de Caeiro, além do já mencionado, mostram que o poeta aceita a dor porque é natural e tudo o que é natural é justo, e também podemos ver isto no cartoon, pois os “pastores”, em vez de se levantarem e mudarem os seus hábitos, melhorarem o ambiente e acabarem com a seca, não, estão e vão continuar a estar sentados, pois aceitam o que lhes sucede sem criticar ou tentar mudar a situação, isto é, rendem-se perante o destino. Tanto nos poemas do heterónimo de Pessoa, como no cartoon, os indivíduos não pensam nem no passado nem no futuro, Caeiro apenas se centra nas suas sensações ocasionais e no presente que o situa no momento em que vive. Os “pastores” do cartoon estão sentados sem intenção de tentar mudar o futuro, ou de olhar para o passado e ver em que erraram e descobrir o que provocou a situação apresentada, para então a conseguirem alterar. Os guardadores apenas se centram na grande necessidade de obter água naquele preciso momento.
 O título do cartoon é por sua vez, “Pastores de Nuvens”, uma vez que os pastores representados não guardam as ovelhas, como é o comum, mas sim nuvens, isto porque esperam desesperadamente que caia chuva, por mais ínfima que seja.
Com a realização deste cartoon o principal objetivo do cartunista é alertar para a falta de água que provoca a desertificação dos solos e conseguir persuadir os populares a mudarem os seus hábitos diários.

MY

segunda-feira, 11 de março de 2013

O declínio da Europa

     «A Europa vai entrar num declínio sob todos os aspectos – económico, cultural, intelectual. Aliás, se se vir a evolução das universidades na Europa, é aterradora. Não na parte das ciências exactas, mas no que era o chamado “ramo das humanidades” — e que infelizmente se passou a chamar “ciências sociais” — as universidades entraram numa decadência aflitiva. A universidade pública tem desprezado esse ramo do saber. Como é que se alimenta cultura e os valores da cultura, se se nega pertinência, validade e interesse àquilo que são saberes não científicos, mas que são saberes à mesma? Então a Guerra e Paz do Tolstoi, O Vermelho e o Negro do Stendhal, o D. Quixote do Cervantes, um trio do Schubert, a Filosofia, não interessam para nada? Todo este ramo do saber está descuidado e pervertido pelos estudos culturais e pelo pós-modernismo. Daqui vem uma ameaça à sanidade cultural do pensamento do Ocidente.(...) Há uma relação entre pós-modernismo e neoliberalismo. O neoliberalismo corrói e opõe-se à social-democracia e à democracia cristã. O pós-modernismo é a outra lei da selva, é a lei da selva no campo cultural e intelectual. Não é por acaso que surgem, alastram e invadem ao mesmo tempo. Eu sou muito conservadora, mas não subscrevo, nem nunca subscreveria, a tese de que a vida em sociedade está sujeita à lei da selecção natural dos mais fortes e que os mais fracos podem rebentar contra a parede.»

Prof. Fátima Bonifácio,  in Público

Despesas sociais em % do PIB


     Dados de 2010. Lido o gráfico, facilmente se conclui que o Estado português tem dinheiro para a Educação e a Saúde, não tem é para a Segurança Social e a Caixa Geral de Aposentações.

     Tendo em conta os cortes aplicados no ministério da Educação e Ciência desde 2010, a % do PIB gasta no setor deve situar-se na casa dos 4.

sábado, 9 de março de 2013

A origem do chá

     Por Alice Vieira

     DIZEM que foi um imperador chinês que o descobriu.
     Preocupado com longas epidemias que assolavam o império, ordenou que toda a gente bebesse água sempre fervida.
     Um dia, estava ele à sombra de uma árvore e pediu água. Lá lhe trouxeram a água a ferver, e ele teve de esperar alguns minutos, pois até mesmo quem é imperador não aguenta água a escaldar pela goela abaixo.
Enquanto esperava, não reparou que umas folhas da árvore tinham caído para dentro do copo (chávena? caneca? malga?) e a água tinha ficado um bocado para o castanho.
     O natural seria – sobretudo rodeado de epidemias por todos os lados… - que deitasse fora aquela mistela e voltasse a pedir mais água fervida, e nós nunca viríamos a saber de nada.
     Mas não.
     Ou porque a vista já não estivesse lá muito apurada, ou porque a sede fosse insuportável, ou porque – e eu aposto nesta... — pensou que a um imperador nada de mal podia acontecer, o certo é que bebeu tudo. E até gostou!

Ler mais aqui.

quarta-feira, 6 de março de 2013

'A Capoeira'


            O quadro “A capoeira” foi pintado pela artista Maria Paula Figueiroa Rego, tendo como nome artístico Paula Rego, que nasceu a 26 de janeiro de 1935, em Lisboa. O nome de “capoeira” foi atribuído pela autora por significar, segundo esta, o espaço da espera, da prisão e da ausência de perspetiva.
            O mundo interno e secreto da mulher é muitas vezes retratado. Neste quadro, esse ambiente é ricamente representado numa espécie de homenagem à gravidez que sendo uma das fases da vida exclusivamente femininas. Paula Rego recria emoções, sentimentos e receios evidenciados nesta etapa, aproveitando para igualmente retratar os pensamentos e medos que pairavam na cabeça da senhora representada no quadro.
            Neste quadro, vemos quatro personagens femininas, três das quais têm as mesmas características faciais, enquanto a restante é, pela expressão facial, mais velha. Estas três figuras representam a Amélia em três momentos diferentes da gravidez. No centro do quadro e em grande plano, vemos duas dessas personagens: a primeira encontra-se sentada e ligeiramente inclinada para a frente, o que nos indica, devido a esta posição, que a gravidez ainda está no princípio, o que é reafirmado pelo ar sonhador e calmo da personagem, parecendo que sonha com o Amaro que a virá salvar daquela “jaula” e com o filho, que será o seu libertador; a segunda figura encontra-se também sentada, mas agora num cadeirão mais confortável, com apoio para os braços e sobre a qual está recostada, deixando bem visível a barriga saliente de uma gravidez já avançada, isto, conjugado com o facto de ter uma boneca excessivamente pequena no colo, indica que o nascimento do bebé está próximo. O seu rosto já apresenta sinais de preocupação, como também simboliza o receio natural de todas as futuras mães.
            Num plano mais afastado, vemos Amélia, já de cabelo solto, a ser ajudada a levantar-se da cama depois do parto por uma mulher mais velha, a parteira. A grande referência à obra está no significado dos restantes elementos que compõem o quadro e sabendo que na obra literária original Amaro mata o seu próprio filho e Amélia acaba por morrer também, podemos ver no chão do quarto, num plano próximo do observador, um livro vermelho. À sua frente podemos ver um pombo moribundo e, sabendo que este animal é usado como correio para o transporte de notícias, entende-se que a notícia esperada ou já comunicada não é boa, será antes o aviso de morte, informação confirmada pela conjugação com a galinha morta que se encontra pendurada no canto superior esquerdo, simbolizando a morte do bebé, e da própria Amélia, como no texto original. Do ventre redondo à boneca minúscula, a tela sugere a espera e a morte do filho.
            Apesar de o nascimento de uma criança ser, supostamente, um momento de alegria, neste quadro está representado exatamente o contrário, pois, apenas vemos expressões e símbolos que nos traduzem morte, dor e tristeza.

Bibliografia:
     - http://texere.blogspot.pt/2005/01/capoeira.html
     - http://www.infopedia.pt/$paula-rego
     - http://members.shaw.ca/eduardobpinto/lilian_pagina_catorze.html
     - http://pt.scribd.com/doc/74135255/Analise-Das-Imagens
     - http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/4768.pdf
     - http://opatio.com.sapo.pt/arqmpsite/tx/educacaofamiliar_naobradepaularego.pdf
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...