sábado, 14 de dezembro de 2013

Na aula (VI): filosofia profunda

     «Cada dia é sempre um novo dia.»

                                                    Ana Rita

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Na aula (V): Tiririca

Prof. - Tiririca era um palhaço que não sabia ler e foi eleito deputado.

Car. - O que é isso?

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

"The Living Years", Mike & The Mechanics




          I wasn't there that morning
          When my Father passed away
          I didn't get to tell him
          All the things I had to say.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

«Take on me», A-ha


     Foi assim que se despediram, em 04/12/2010, no Oslo Spectrum, com o seu primeiro grande êxito «Take on me», ou, como diria Magne Furuholmen», «It all ends where it started».

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Relatório Pisa 2012


     Relatório PISA 2012 sobre Matemática, Leitura e Ciências refere que Portugal é um dos exemplos de evolução positiva. Resultados melhoram sobretudo a Matemática.

(c) Público

     O relatório está disponível aqui:  PISA 2012 Results.

Programa e Metas Curriculares de Português para o Ensino Secundário - Parecer da APP

      Parecer APP – PorSe.

Na aula (V): pissa papeis

     Resposta num teste de avaliação: «... ele pensava que a Torre Eiffel fosse apenas uma torre que so existia dentro dos pissa papeis.».

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Na aula (III): português vs. «brasileiro»

     Início da aula... Pergunta súbita da aluna, caída do nada:

Joa... - Porque é que os jornais de São Paulo são diferentes dos nossos?

     Resposta pronta do outro lado da sala:

Jos... - Porque uns estão escritos em brasileiro e os nossos em português...

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Na aula (II) - discurso direto e indireto

     Aula em que se reviam as regras de transformação do discurso direto em indireto...

Profe- Temos também as alterações dos advérbios de tempo e lugar. Por quais começamos, M.?

Aluno- Pelos de modo...

Nova espécie de dinossauros

Siats meekerorum
     O Tyrannosaurus rex é um dos mais populares dinossauros que caminharam sobre o planeta Terra. É também o maior dinossauro predador da América do Norte. Viveu no final do período Cretácico e até agora desconhecia-se quem lhe teria antecedido neste lugar de poder. Uma descoberta recente, publicada esta sexta-feira na revista Nature Communications, dá vida a uma nova espécie: o Siats meekerorum.
 (c) Público

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

"O amor é o amor"

O amor é o amor - e depois?
Vamos ficar os dois
a imaginar, a imaginar?...

O meu peito contra o teu peito,
cortando o mar, cortando o ar.
Num leito
há todo o espaço para amar!

Na nossa carne estamos
sem destino, sem medo, sem pudor
e trocamos - somos um? somos dois?
espírito e calor!

O amor é o amor - e depois?

                                        Alexandre O'Neill, in Abandono Vigiado

Prova de Ingresso - Carreira Docente

Guia da prova e respetivos anexos:
Guia da Prova
Anexo I – Informação-Prova | Componente Comum  
Anexo II – Informação-Prova | Componente Especifica (a disponibilizar de acordo com o número 4 do Capítulo III do Guia)
Anexo III – Folhas de respostas – Folha 1 | Folha 2

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Paula Fernandes em Lisboa


sábado, 16 de novembro de 2013

Relações de todo / parte: holónimos e merónimos

1.º) Holonímia (do grego «hólos» = completo, total, inteiro + «onímia» = nomes) designa a relação semântica entre palavras, em que uma ‑ holónimo ‑ refere um todo, a unidade, e a outra ‑ merónimo ‑ refere uma parte desse todo.

2.º) Meronímia (do grego «meros» parte + «onímia» = nomes) é a relação semântica entre palavras, em que uma ‑ merónimo ‑ corresponde a uma parte constituinte de outra ‑ holónimo ‑, que designa um todo, uma unidade.

    Uma «casa» é constituída por «quartos», «sala», «cozinha», «hall», «despensa», etc. («casa»: holónimo ‑ a unidade no seu todo; «sala», «cozinha», «quartos», etc.: merónimos ‑ os elementos que constituem essa unidade ou todo.

Holónimo
Merónimos
flor
raiz, semente, caule, folhas…
barco
convés, leme, mastro, vela…
corpo humano
cabeça, tronco, braços, mãos, pernas…
livro
capa, página, folha, contracapa, lombada…

Relações de hierarquia: hiperónimos e hipónimos

1.º) Hiperonímia (de «hiper» = acima de + «onímia» = nomes) é a relação estabelecida entre uma palavra de sentido mais genérico ‑ hiperónimo ‑, que inclui todos os elementos de uma espécie ou de um grupo, e outra de sentido mais específico ‑ hipónimo ‑, palavra que designa um elemento, um exemplar ou espécime dessa espécie ou grupo.
O hiperónimo partilha os seus traços semânticos com os seus hipónimos, pelo que os pode substituir em todos os contextos.

2.º) Hiponímia (de «hipo» = debaixo de + «onímia» = nomes) é a relação entre uma palavra de sentido mais específico ‑ hipónimo ‑ e outra de sentido mais genérico ‑ hiperónimo ‑ que a engloba.
O hipónimo inclui os traços semânticos do hiperónimo e possui propriedades semânticas específicas.

Hiperónimos
Hipónimos
animal
cão, gato, galinha, cobra, elefante, tigre, leopardo…
flor
margarida, sardinheira, dália, cravo, roseira, magnólia…
habitação
casa, vivenda, andar, apartamento, mansão…
meios de comunicação
rádio, televisão, jornal, internet…
assento
banco, cadeira, sofá, poltrona, pufe, tripé, espreguiçadeira, canapé…

       Em suma, o hiperónimo é um termo genérico cujo significado engloba o de vários outros, sendo o hipónimo cada um dos elementos específicos que cabem na designação de hiperónimo.

Relações de oposição: antónimos

. Antonímia (de «anti-» = em oposição a + «-onímia» = nomes): designa a relação de oposição que se estabelece entre duas ou mais palavras com significados opostos.
alto / baixo
gordo / magro
rápido / lento
eficaz / ineficaz
homem / mulher
                Apesar de os antónimos serem palavras de sentido oposto, possuem, todavia, alguns traços semânticos que as aproximam. Por exemplo, «homem» e «mulher» designam dois géneros, no entanto têm em comum o traço semântico «ser humano».

                A relação de antonímia, por outro lado, pode ser de três tipos:

a. Antonímia contrária / graduável: entre duas ou mais palavras de significado contrário existem um ou mais conceitos intermédios, significando que a relação de oposição é graduável.
Exemplos:
quente / frio – quente / morno / frio
cheio / vazio – cheio / meio / vazio

b. Antonímia contraditória: os significados das palavras excluem-se mutuamente.
Exemplos:
homem / mulher
macho / fêmea
solteiro / casado
presente / ausente
vivo / morto

c. Antonímia conversa: as palavras antónimas podem ser substituídas na frase desde que haja uma inversão da ordem sintática dos elementos, isto é, a relação de oposição obriga que, havendo inversão dos termos na frase, se utilize outra palavra para manter o mesmo sentido.
Exemplos:
Eu dei um presente ao João.
O João recebeu um presente meu.

O Miguel é filho da Maria.
A Maria é mãe do Miguel.
               Este tipo de antonímia ocorre predominantemente nos domínios das relações de parentesco (pai / filho), das relações sociais (credor / devedor; médico / paciente) e das relações temporais e espaciais (antes / depois; em cima / em baixo).

Relações de semelhança entre palavras: sinónimos

. Sinonímia (de «sin-» = juntamente, com + «onímia» = nomes): designa a relação semântica de equivalência de significado entre duas ou mais palavras (sinónimos: palavras que possuem significado idêntico) que podem ser usadas num mesmo contexto, sem que haja alteração do significado do enunciado em que ocorrem.
Exemplos:
. carro – automóvel
. casa – habitação
. dentista ‑ estomatologista

                A sinonímia pode ser total ou parcial.

a. Sinonímia total: as palavras possuem o mesmo significado e são substituíveis umas pelas outras em todos os contextos. Este tipo de sinonímia é muito rara, havendo mesmo autores (Galisson & Coste, por exemplo) que defendem que não existem sinónimos perfeitos numa língua.
Exemplos:
. encarnado – vermelho
. escrever – redigir

b. Sinonímia parcial: as palavras possuem o mesmo significado em muitos contextos, mas não em todos, pelo que são substituíveis umas pelas outras apenas nalguns contextos.
Exemplos:
. estagiária – aprendiz
. casa – domicílio
. morrer – falecer
. principiante – debutante
                Note-se, por exemplo, que são admissíveis frases do género «A Joaquina morreu / «A planta morreu / «A Joaquina faleceu, mas já não é a afirmação «A minha roseira faleceu.
                Por outro lado, de acordo com Zacarias Nascimento et alii (Domínios, pág. 239), há um conjunto de aspetos a ter em conta no uso de sinónimos.

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Relações gráficas e fonéticas entre palavras

1. Homonímia (do grego «homo» = igual, o mesmo + «onímia» = palavras, nomes): relação entre palavras (homónimas) que possuem a mesma grafia e pronúncia, mas significados diferentes.
                Trata-se de palavras que podem ter origens (etimologia) diferentes, mas que evoluíram e convergiram no mesmo significante.
Eu canto mal. (forma do verbo «cantar»)
O canto da sala está sujo. (nome: esquina, ângulo)

Eu rio do Cristiano Ronaldo. (forma do verbo «rir»)
O rio secou durante o verão. (nome: curso de água)

2. Homofonia (do grego «homo» = igual, o mesmo + «fonia» = sons): relação entre palavras (homófonas) que possuem a mesma pronúncia, mas grafia e significado diferentes.
Tenho uma nota de cem euros. (quantificador numeral)
Estou sem palavras. (preposição)

3. Homografia (do grego «homo» = igual, o mesmo + «grafia» = escrita): relação entre palavras (homógrafas) que possuem a mesma grafia, mas pronúncia e significado diferentes.
A Cláudia é uma mulher sábia. (adjetivo)
Eu sabia que íamos vencer a Suécia. (forma do verbo «saber»)

4. Paronímia (do grego «par(a)» = semelhante + «onimia» = nomes): relação entre palavras (parónimas) que possuem significados diferentes, mas pronúncia e grafia aproximadas.
O docente (professor) informou o discente (aluno) da sua avaliação.
A vaca mugiu. (som emitido por um bovino) / ‑ Ele mungiu a vaca. (ordenhou a vaca)

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Prova de ingresso na carreira docente


Processos fonológicos

1. Identifique os processos fonológicos que ocorreram na evolução das palavras apresentadas.
a. largatixa > lagartixa ________________________________________________
b. spelunca > espelunca ________________________________________________
c. ante > antes ________________________________________________________
d. dolore > dolor > door > dor ____________________________________________
e. lanam > lana > lãa > lã ________________________________________________
f. parteleira > prateleira ________________________________________________
g. seniorem > seniore > senhor ___________________________________________
h. octo > oito __________________________________________________________
i. vita > vida ___________________________________________________________
j. fine > fim ____________________________________________________________
k. matrem > matre > madre ______________________________________________
l. pluvia > chuva ________________________________________________________
m. persicu > pêssego _____________________________________________________
n. oculum > oclu > olho ___________________________________________________
o. legere > leger > leer > ler ______________________________________________
p. semper > sempre ______________________________________________________
q. mordet > morde _______________________________________________________
r. leones > leoes > leões __________________________________________________
s. legalem > legale > leal _________________________________________________
t. auriculum > aurícula > oricla > orelha ____________________________________
u. monótono > monotonia _________________________________________________
v. legenda > leenda > lenda _______________________________________________
x. regem > rege > ree > rei _______________________________________________
z. reginam > regina > rainha _____________________________________________
a’. directum > directu > direito ___________________________________________
b’. scalatam > scalata > escalada __________________________________________
c’. catenam > cadea > cadeia ______________________________________________
d’. apotecam > bodega ___________________________________________________
e’. maculam > mágoa ____________________________________________________
f’. maritu > marido _____________________________________________________
g’. persona > pessoa _____________________________________________________
h’. nudu > nuu > nu _____________________________________________________

* * * * * * * * * * * * * * *
Correção

a. largatixa > lagartixa: metátese
b. spelunca > espelunca: prótese
c. ante > antes: paragoge
d. dolore > dolor > door > dor: apócope ‑ síncope ‑ crase
e. lanam > lana > lãa > lã: apócope ‑ nasalização ‑ crase
f. parteleira > prateleira: metátese
g. seniorem > seniore > senhor: apócope ‑ palatalização
h. octo > oito: vocalização
i. vita > vida: sonorização
j. fine > fim: apócope
k. matrem > matre > madre: apócope ‑ sonorização
l. pluvia > chuva: palatalização
m. persicu > pêssego: assimilação ‑ sonorização
n. oculum > oclu > olho: apócope ‑ síncope ‑ palatalização
o. legere > leger > leer > ler: apócope ‑ síncope ‑ crase
p. semper > sempre: metátese
q. mordet > morde: apócope
r. leones > leoes > leões: síncope ‑ nasalização
s. legalem > legale > leal: apócope ‑ síncope
t. auriculum > aurícula > oricla > orelha: apócope ‑ síncope ‑ palatalização
u. monótono > monotonia: redução vocálica
v. legenda > leenda > lenda: síncope ‑ crase
x. regem > rege > ree > rei: apócope ‑ síncope ‑ ditongação
z. reginam > regina > rainha: apócope ‑ síncope ‑ palatalização
a’. directum > directu > direito: apócope ‑ vocalização
b’. scalatam > scalata > escalada: apócope ‑ prótese ‑ sonorização
c’. catenam > cadea > cadeia: apócope ‑ sonorização ‑ síncope ‑ ditongação
d’. apotecam > bodega: apócope ‑ aférese ‑ sonorização
e’. maculam > mágoa: apócope ‑ síncope ‑ sonorização
f’. maritu > marido: sonorização
g’. persona > pessoa: síncope do /n/ - assimilação regressiva do /r/
h’. nudu > nuu > nu: síncope ‑ crase

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Alteração do programa de Português do Ensino Secundário

     O Ministério da Educação e Ciência apresentou uma proposta de alteração do programa de Português do Ensino Secundário.
     A proposta, em conjunto com a definição das metas curriculares para este mesmo grau de ensino, estará em consulta pública até ao dia 2 de dezembro e pode ser consultada aqui. »»»

     Do exercício produzido, destaque para pérolas como esta: são propostas 8 cantigas trovadorescas para estudo em 7 aulas. Sempre a aviar, portanto...

     Outra. a poesia dos heterónimos pessoanos será estudada em 8 aulas... No caso da Mensagem, propõe-se o estudo de 8 poemas em 6 aulas...

     ...

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Vírgula ,

                A vírgula usa-se para separar:

1. Elementos coordenados numa enumeração que desempenham a mesma função sintática, quando não são ligados por «e», «ou» ou «nem»:
a) Sujeito:
» A Maria, o João, o Ernesto e a Miquelina foram à feira.
b) Complemento direto:
» O professor trouxe castanhas, um assador, uma tenaz, uma caixa de fósforos e um fogareiro.
c) Predicativo do sujeito:
» O meu pai foi o meu herói, o meu guia, o meu farol, a minha referência.

2. Para separar, na mesma frase, mais de dois elementos de uma enumeração, antes das conjunções «e», «ou» ou «nem» quando estas aparecem repetidas numa enumeração:
» Nem tu, nem eu, nem a Maria, nem o João iremos à visita de estudo.
» E sois feios, e porcos, e mal-educados, e sujos…
     Por vezes, a vírgula surge em frases contendo apenas dois elementos coordenados pela conjunção «nem» quando se pretende realçar um dos elementos:
» Ninguém é feliz sozinho, nem mesmo na eternidade. (Miguel Torga, Bichos)

3. Para separar orações coordenadas assindéticas (isto é, sem conjunção expressa):
» Levantou-se, arrastou a perna pela sala, debruçou-se sobre o parapeito, forçou os braços e saltou para o vazio.

4. Para separar orações coordenadas sindéticas, exceto quando ligadas pelas conjunções «e» ou «ou»:
» O Antunes estudou imenso, mas o seu esforço não foi premiado.
            Estas conjunções (adversativas, conclusivas e explicativas) e os advérbios e as locuções adverbiais com valor conetivo:
i) São precedidos de vírgula no início de uma oração:
» Brinque, porém não abuse.
» Estudou, portanto foi recompensado.
ii) São seguidos de vírgula quando surgem no início da frase ou após um ponto e vírgula:
» O João chegou; contudo, ninguém o foi esperar ao aeroporto.
» Contudo, tu não estavas à minha espera.
iii) Colocam-se entre vírgulas quando inseridos depois de um termo da frase a que pertencem:
» O João chegou, contudo, ninguém o foi esperar ao aeroporto.
Note-se, porém, que a conjunção «mas» pode não ser antecedida de vírgula se o emissor não quiser quebrar a sequência da frase.

5. Para separar orações coordenadas sindéticas, ligadas pela conjunção coordenativa copulativa «e»:

5.1. Quando os sujeitos destas orações são diferentes:
» Ouve-se um trovão ao longe, e um cão desata a ladrar. (Mário Cláudio, Camilo Broca)

5.2. Quando as orações coordenadas por «e» se repetem:
» E quero que estudem, e trabalhem, e se apliquem, e se esforcem…

5.3. Quando as orações coordenadas por «e» tem um valor de contraste, consequência, surpresa:
» Adorei o teu texto, e por isso te elogio.

6. Para separar orações coordenadas pela repetição das conjunções «ou» ou «nem»:
» O João não foi à viagem, ou porque não tinha dinheiro, ou porque os pais não deixaram, ou porque adormeceu e não acordou a tempo.

7. Para separar orações subordinadas adverbiais, sobretudo quando colocadas antes ou intercaladas na subordinante:
» O Manuel faltou à aula de Português, porque não ouviu o despertador.
» Quando tu chegaste, eu já tinha adormecido.
» A Joana, mal chega a casa, faz os trabalhos de casa.
» Silenciados os alunos, a aula começou.

8. Para separar uma oração intercalada:
» Estudaste, dizes tu, toda a noite.
» O cancro, disse o médico, entrou em remissão.

9. Para separar a oração subordinada adjetiva relativa explicativa:
» Teresa Guilherme, que se julga uma grande apresentadora, soa a velha de soalheiro.

10. Para isolar o vocativo, quer ele surja no início, no meio ou no final da frase:
» Maria, leva o livro à D. Lídia.
» Alunas como tu, Maria, são raras.
» Leva o livro à D. Lídia, Maria.

11. Para separar o modificador do grupo verbal ou da frase, quando surgem no início ou no meio da frase:
» Naquele sábado, cometi um erro terrível.
» Hoje, poucos valorizam a escola.
» Irei, no próximo domingo, homenagear o meu pai.

12. Para separar o modificador apositivo do nome:
» D. Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal, era um doce de pessoa.

13. Para separar o nome do lugar na datação de um texto:
» S. Domingos do Norte, 26 de outubro de 2013.

14. Para assinalar a elisão (omissão) de uma palavra ou expressão:
» O meu pai era alto; o teu, baixo.

15. Para separar, ou isolar, os conetores discursivos:
» O teu texto, em suma, é muito fraquinho.
             Alguns dos conetores que se isolam através de vírgula são os seguintes:
a. aditivos ou sumativos: igualmente, além disso, ainda por cima, do mesmo modo…;
b. de síntese: em suma, em resumo, em síntese, em poucas palavras…;
c. contrastivos ou contra-argumentativos: porém, todavia, contudo, em todo o caso, de qualquer modo, não obstante, sem embargo…;
d. conclusivos e explicativos: por isso, por fim, logo, portanto, por consequência, isto é, ou seja…

16. Para separar uma interjeição:
» Oh, que grande emoção!

17. Para separar os advérbios «sim» e «não», quando ocorrem com elementos enfáticos, ou, quando se encontram no início de uma frase e retomam a anterior:
» Comprei o livro, sim, que eu gosto de ler.
» Ah, sim, foi essa chave que perdi.

18. Para separar um constituinte anteposto ou topicalizado:
» Ser ou não ser, eis a questão.
» Desse calibre, já não há mais homens.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

                Não se usa a vírgula nos seguintes casos:

a. Entre o sujeito e o verbo / predicado.

b. Entre o verbo e o complemento direto.

c. Entre o verbo e o complemento indireto.

d. Entre o verbo e o predicativo do sujeito.

e. Entre o complemento direto e o predicativo do complemento direto.



Bibliografia:
- Dicionário Terminológico;
- Gramática da Língua Portuguesa;
- Gramática Prática de Português;
- Domínios.

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Ponto de interrogação ?

                O ponto de interrogação usa-se:

1. No final de uma frase interrogativa direta:
Que horas são?

2. Para exprimir dúvida, acompanhado de reticências:
Como se escreve “pafúncio”?... Com “c” ou “s”?...

3. Para exprimir surpresa, acompanhado do ponto de exclamação:
Que linguagem é essa, meu menino?
Quando estes dois sinais de pontuação surgem combinados, usa-se primeiro o que assinala a entoação predominante: se for interrogativa, faz-se uso do ponto de interrogação antes do de exclamação; se for exclamativa, procede-se de modo inverso.

4. Quando a interrogação coincide com o final do enunciado, a frase seguinte inicia-se por maiúscula:
-» ‑ Que horas são?
‑ São 16 e 20…

5. No entanto, quando a interrogação surge no interior do enunciado, o uso da maiúscula na frase seguinte não é obrigatório:
Em primeiro lugar porque estão sempre vermelhos quando tenho pressa e verdes quando não tenho nenhuma, sem falar do amarelo que provoca em mim uma indecisão horrível: travo ou acelero? travo ou acelero? travo ou acelero? acelero, depois travo… (António Lobo Antunes, Livro de Crónicas)

Ponto e vírgula ;

                O ponto e vírgula marca uma pausa mais longa que a vírgula e mais breve que o ponto final.

                Este sinal de pontuação usa-se para:

1. Separar elementos de uma enumeração:
Decorridos alguns dias, D. Rita disse ao marido que tinha medo de ser devorada das ratazanas; que aquela casa era um covil de feras; que os tetos estavam a desabar; que as paredes não resistiriam ao inverno…” (Camilo Castelo Branco, Amor de Perdição)

2. Separar diversos itens de textos enumerativos (leis, regulamentos, etc.) e / ou uma sequência de alíneas:
1. Classe do pronome:
1.1. Pronome pessoal;
1.2. Pronome possessivo;
1.3. Pronome demonstrativo;
1.4. Pronome interrogativo.
‑ O aluno tem os seguintes deveres:
a) Ser assíduo;
b) Ser pontual;
c) Transportar consigo o material pedagógico indispensável;
d) Respeitar os demais elementos da comunidade escolar;
e) Zelar pelo bom estado e conservação do material escolar.

3. Separar orações que já se encontram subdivididas por vírgula dentro do mesmo período:
À direita do palco, Quim Barreiros conversa com Ágata; ao centro, Rui Veloso sorri para a foto de António Variações; ao fundo, Lena d’Água cumprimenta Tony Carreira e os filhos…

4. Separar frases ligadas por advérbios conetivos ou locuções adverbiais conetivas dentro do mesmo período:
Sentei-me à secretária; primeiramente abri o computador; de seguida, vi o correio; finalmente completei o relatório. (Zacarias Nascimento, Domínios).
Paulo Fonseca era teimoso, negava a cuspidela de Josué; todavia, acabou por render-se perante as imagens televisivas…

Dois pontos :

                Os dois pontos assinalam uma suspensão na entoação de uma frase inacabada
                Este sinal de pontuação usa-se para:

1. Introduzir a fala de uma personagem / o discurso direto:
» E o pequeno, mais dormente, lá ia murmurando:
‑ Três. Mundo. Diabo e Carne. (Eça de Queirós, Os Maias)

2. Introduzir uma enumeração:
A minha sogra foi à feira e comprou uma tonelada de produtos: arroz, açúcar, batatas, feijões, cebolas, melancias, castanhas…

3. Introduzir uma citação:
Fernando Pessoa escreveu o seguinte verso: “O poeta é um fingidor.”.

4. Introduzir uma explicação:
Eu não estava a perceber, mas o professor explicou-me: o verso significa que o poeta é um criador, um transformador da realidade através da palavra.

5. Introduzir uma explicação apresentada por termos, abreviados ou não:
Nota:
Exemplo:
Ex.:

6. Introduzir o conteúdo da mensagem, a seguir ao vocativo com que o emissor do texto (carta, por exemplo) se dirige ao seu destinatário:
Caro professor:
Peço-lhe, antecipadamente, desculpa pelo atraso da resposta…

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Ponto (final) .

                O ponto usa-se para:

1.º) Assinalar o final de uma frase declarativa:
Amei loucamente a Cláudia, mas esse amor chegou ao fim numa tarde de sábado.

2.º) Assinalar o final de uma frase imperativa:
Dá-me esse livro.

3.º) Assinalar uma abreviatura:
Ex.ª
Exa.
Sr.
Sr.ª
Dr.
Dr.ª
                Neste caso, o ponto pode vir seguido de outro sinal de pontuação, se a frase / o texto assim o exigir:
Sr., posso servir o jantar? (neste caso, o ponto da abreviatura vem seguido de vírgula que delimita o vocativo).

4.º) Identificar os capítulos e subcapítulos de um texto, à direita de um número árabe:
1.
               1.1.

5.º) Assinalar o final de um parágrafo, quando se finaliza uma ideia e se passa para outra.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...