quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Aulas

. Aula 1

. Aula 2

. Aula 3

. Aula 4

. Aula 5

. Aula 6

. Aula 7

. Aula 8

. Aula 9

. Aula 10

. Aula 11

. Aula 12

. Aula 13

. Aula 14

. Aula 15

. Aula 16

. Aula 17

. Aula 18

. Aula 19

. Aula 20

. Aula 21

. Aula 22

. Aula 23

. Aula 24

. Aula 25

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Aula 8

. Correcção da ficha de trabalho sobre os actos de fala.

. Leitura e análise de um editorial.

. Origem do termo «publicidade».

. Trabalho de pares.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Editorial

1. Definição


     Através do editorial, à semelhança do que acontece com o comentário, a crítica e a crónica, são assumidas posições sobre os acontecimentos. Trata-se de um discurso de opinião, normalmente escrito por um indivíduo que adota um ponto de vista da globalidade da publicação. Se for assinado, o editorial é da responsabilidade do seu autor; se não for, a responsabilidade recai sobre toda a direção da publicação pelo seu conteúdo.

     Representando uma visão crítica sobre acontecimentos sociais, políticos e/ou económicos da atualidade, o editorial é um importante meio de intervenção na formação da opinião pública.

     As funções essenciais do eitorial são, dependendo dos casos, explicar os factos, apresentando os seus antecedentes e as suas relações, predizer o futuro e formular juízos de valor.


-----O editorial:
  • é um texto de dimensão variável;
  • geralmente situa-se nas primeiras páginas de um periódico;
  • exprime as ideias dos editores do jornal (daí chamar-se editorial) sobre um assunto actual em destaque, eventualmente polémico, com o objectivo de influenciar as atitudes e as opiniões dos leitores;
  • pode vir ou não assinado e ocupa um lugar destacado e fixo no jornal.
.
2. Estrutura
.
-----» Apresentação do tema - problema, facto ou ideia que se pretende discutir.
.
-----» Exposição das suas (do tema) implicações e consequências:
-----------> argumentos;
-----------> exemplos;
-----------> consequências.
.
-----» Conclusão - tomada de posição pessoal:
-----------> resumo da opinião dos editores;
-----------> proposta de solução(ões);
-----------> exigência de actuação dos responsáveis pelo problema.
.
3. Estratégias
.
-----. Identificar os factos.
-----. Analisar os factos ou problemáticas de interesse da opinião pública.
-----. Contextualizar (comparar com situações similares).
-----. Retirar conclusões.
-----. Formular juízos.
.
4. Características do discurso
.
-----. «técnica livre» de redacção;
-----. estrutura livre;
-----. linguagem concisa, directa, clara.
-----. reflecte a subjectividade do autor.
-----. discurso subjectivo.
-----. geralmente, o editorial não é escrito na 1.ª pessoa, pois representa a opinião colectiva dos responsáveis pela publicação do jornal;
       . deíticos temporais e espaciais que situam o acontecimento;
       . formas verbais no presente, pretérito perfeito e futuro do indicativo;
       . verbos auxiliares modais como querer, dever, ser preciso, etc.;
       . frases de tipo declarativo;
       . conectores e organizadores discursivos com valor argumentativo;
       . pronomes pessoais.

5. Tipos

  • Editorial polémico: tomando uma posição polémica relativamente a alguém ou a algo, apresenta ideias contrárias e procura convencer pela via da argumentação.
  • Editorial interpretativo: a partir de dados científicos, o editorialista apresenta em pormenor o tema, favorecendo a sua compreensão ou a formulação de um juízo, expondo, de seguida, as conclusões que considera as mais acertadas, para as quais orienta os leitores.
  • Editorial objetivo e analítico: próximo do anterior, expõe os dados e os factos de forma objetiva, procurando explicar mais do que sentenciar ou formular opinião sobre o tema avançado.

Questionário - Cap. I

-----Responda às seguintes perguntas sobre o capítulo I do Sermão de Santo António aos Peixes:

1. Indique o conceito predicável em que se funda o Sermão e explicite a sua função no discurso.

1.1. Estabeleça a correspondência entre os elementos linguísticos que constituem o conceito predicável e aquilo para que, metaforicamente, estes remetem.

1.2. Explicite o sentido da metáfora «Vós sois o sal da terra».

1.3. Por que razão os pregadores são o sal da terra?

2. O sal está a cumprir a sua função? Justifique a sua resposta.
*****************************************************
3. Refira os dois elementos responsáveis pela corrupção da terra.
-
3.1. Explicite a responsabilidade de uns e de outros.
-
4. Mostre que as razões da corrupção são apresentadas através de silogismos, analogias e simetrias.
-
5. No segundo parágrafo, são apresentadas propostas para solucionar o problema. Explicite-as.
-
6. Atente no terceiro parágrafo. Não encontrando resposta/solução no Evangelho para a perghunta «E à terra que se não deixa salgar, que se lhe há-de fazer?», Vieira vai procurá-la a um episódio da vida de Santo António.
-
6.1. Resuma esse episódio e indique os traços caracterizadores do seu protagonista.
-
6.2. Qual é, então, a solução para a «terra que se não deixa salgar»?
-
6.3. Explique, de forma aprofundada, a identificação entre o Padre Vieira e Santo António.
-
7. Justifique a invocação que o orador faz, n a parte final deste capítulo, à Virgem Maria.

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Aula 7

. Leitura de um editorial.

. Análise do editorial de «Miragem em miragem»:
.
-----1. O editorial pode dividir-se em três partes. Assim, do início do texto até "Agora era a America's Cup" deparamos com a tese; entre "Era muito bom que a Taça América tivesse vindo para Lisboa..." e "E a realização da America's Cup em Lisboa vinha ao encontro disso." desenvolve-se a antítese, isto é, a aparente aceitação dos argumentos contrários; por fim, de "Mas, para lá deste benefício, a Taça América arrisca-se a ser mais uma enorme ilusão." até ao final do editorial existe a síntese.
.
-----2. A tese do editorial sugere que, em Portugal, não há capacidade empreendedora local e, para compensar essa falha, ciclicamente, o país acredita que conjunturas exteriores o podem salvar da crise.
.
-----3. Os argumentos que sustentam a tese são os seguintes: o país funcionou, desde sempre, esperando soluções exteriores; durante séculos, essa solução era o império; quando este findou, virou-se para as remessas dos emigrantes; depois, sucessivamente, para os fundos europeus, a Expo 98 e o Euro 2004; agora, era a Taça América a grande redentora.
.
-----4. A contra-argumentação estriba-se em três ideias: a Taça América poderia ser mais um adiamento da resolução dos problemas nacionais; a riqueza de um país tem de resultar do seu esforço; por último, Portugal tem de criar riqueza e deixar de esperar pela solução proveniente do exterior (solução).

. O editorial.

. Ficha de trabalho sobre os actos de fala.

sábado, 3 de outubro de 2009

Aula 6

. Leitura de uma crónica jornalística.

. Resolução de uma ficha de trabalho/análise da crónica.

. Correcção da actividade.

. A interacção discursiva (revisão).

. Resolução de uma ficha de aplicação dos conteúdos leccionados.

. Trabalho de casa: leitura do cap. I do Sermão de Santo António aos Peixes.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...