segunda-feira, 25 de março de 2013

Da inteligência

          Inteligências há poucas.
          Quase sempre as violências
          nascem das cabeças ocas
          por medo às inteligências.

                                                   António Aleixo

Viagens de finalistas


"O problema do X"

     "A língua? O que o Estado não destrói (ver acordo ortográfico, s.f.f.), o povo massacra. Não bastavam os rústicos que usam a palavra «empoderamento» sem se rir, os burgessos que começam as frases com «Dizer que...» e os tradicionais e encantadores parolos do «fizestes», «gostastes» e «soubestes» na segunda pessoa do singular.
     Singulares como somos, agora inventamos uma praga fresquinha, a qual consiste em substituir o «s» pelo «x» no início de certos vocábulos. Se não repararam, liguem o televisor e reparem. De repente, inúmeros portugueses passaram a comer a xopa, a ir ao xentro, a frequentar Xerralves, a ver xéries, a dormir xonecas, a lamentar a xituação, a ter xintomas e a aproveitar os xábados para se xentarem num xítio simpático a xaborerar um xyrah com queijo da xerra.
     Não se trata de uma adaptação manca do ancestral chotaque das Beiras, que sempre teria a atenuante etnológica: é uma afectação nova em folha cujo carácter epidemiológico ignora regiões e acomete o País de norte a sul. De onde, ou melhor, de quem provém? Não se sabe. Nunca se sabe, e eis a vantagem do AO, cujos criadores são patetas, mas patetas identificados, enquanto os delinquentes que minam a língua sob anonimato andam para aí à xolta e a xorrir com xarcasmo."

Alberto Gonçalves, Sábado de 21 a 27 de março de 2013
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...