domingo, 10 de março de 2019

O tamparué


'O Ano da Morte de Ricardo Reis' - Ficha de leitura (cap. IV-VII) - Soluções

Ficha 2 – versão 1
Ficha 2 – versão 2
CAPÍTULOS IV a VII
1. V
2. F
3. F
4. V
5. V
6. V
7. F
8. F
9. V
10. V
11. F
12. V
13. F
14. V
15. V
16. V
17. V
18. F
19. V
20. V
21. F
1. F
2. F
3. V
4. F
5. F
6. F
7. V
8. V
9. F
10. V
11. V
12. V
13. V
14. F
15. V
16. V
17. F
18. F
19. V
20. V
21. F


. Ficha de leitura [ficha].

XPTO (origem do termo)


     Quando dizemos que algo é "XPTO", queremos dizer que se trata de algo muito bom.
     
     A origem deste termo leva-nos até aos antigos documentos medievais manuscritos, onde se usava XPTO para designar Cristo, uma palavra herdada, por sua vez, da grafia grega, relativamente comum na Idade Média: XPRISTI (note-se que o "X" grego representava o som "C" - Cristo - e o "P" grego representava o som "R").
     Sucede que as pessoas não tinham noção de que aqueles símbolos significavam Cristo em grego e liam "XPTO" quando queriam designar algo de grande qualidade.

     Para quem quiser aprofundar o tema, pode consultar as ligações seguintes:
          . A história e o significado da expressão XPTO;
          . Baptizado de XPTO;
          . XPTO.

Cuidado com o poste!


Queimar as pestanas


     Queimar as pestanas significa estudar muito.
   
     A sua origem é curiosa e ligada aos estudantes, querendo significar aqueles que estudam muito. Antes do aparecimento da eletricidade, a iluminação noturna passava pelo uso de uma lamparina ou de uma vela. A luz que emitiam, todavia, era fraca, por isso era necessário colocá-las muito perto do texto quando se pretendia ler, o que podia dar azo a "queimar as pestanas".

'O Ano da Morte de Ricardo Reis' - Ficha de leitura (cap. I-III) - Soluções

Ficha 1 – versão 1
Ficha 1 – versão 2
CAPÍTULOS I a III
1. V
2. F
3. F
4. V
5. F
6. F
7. V
8. F
9. F
10. F
11. V
12. V
13. V
14. F
15. V
16. V
17. F
18. V
19. V
20. F
21. V
1. F
2. V
3. V
4. F
5. F
6. F
7. V
8. F
9. V
10. V
11. V
12. F
13. V
14. V
15. F
16. V
17. F
18. V
19. V
20. F
21. F

. Ficha de leitura [ficha].

Atenção: iletrados a escrever!


Fim da picada

    "Picada", neste contexto, designa um trilho aberto a golpes de catana e enxada numa mata ou numa floresta densa, de modo a ligar um lugar a outro.
     Assim, "fim da picada" significa, literalmente, o fim de um caminho e, por extensão do seu significado, "obstáculo intransponível".

'O Ano da Morte de Ricardo Reis' - Ficha de leitura (capítulos XIV-XIX)

VERSÃO 1


Assinala como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das afirmações.


1. Os jornais noticiam o fim da guerra em Marrocos, anunciado por Mussolini.
2. Salazar e Hitler tinham a mesma idade.
3. Na última carta que lhe escreve, Marcenda pede a Reis que não a esqueça.
4. Na viagem para Fátima, o protagonista sonha curar Marcenda milagrosamente.
5. Os peregrinos justificam a não ocorrência de milagres com a fraqueza da sua fé.
6. Lídia desempenha um papel cada vez mais importante na vida de Ricardo Reis, que lhe diz achá-la uma pessoa fora do comum.
7. Fernando Pessoa visita-o de novo, dizendo que um rasto de perfume o ajudara a encontrar a casa.
8. Dá-se, por esses dias, o boicote ao lançamento do navio «João de Lisboa», na presença do presidente Américo Tomás.
9. No dia 10 de junho, Pessoa quis homenagear Camões, recitando o poema da Mensagem que lhe tinha dedicado.
10. A primeira reação de Reis à notícia da gravidez de Lídia foi de irritação.
11. Pessoa apoia a sua intenção de não perfilhar a criança.
12. Um polícia conhecido de Reis participa no filme «Revolução de Maio».
13. Os jornais e a rádio transmitem informações credíveis sobre os acontecimentos em Espanha.
14. A notícia do bombardeamento de Madrid comove Lídia e Ricardo Reis.
15. Lídia fala-lhe sobre os motins na Madeira, que tinham causado vítimas mortais.
16. O Rádio Clube Português transmitiu testemunhos de falangistas e de republicanos.
17. O protagonista esteve no comício do Campo Pequeno, de apoio à criação da Legião Portuguesa.
18. Escreveu uma última carta a Marcenda, recordando os momentos que tinham passado juntos.
19. O «Hindenburg» passou sobre Lisboa, sinal do poderio alemão.
20. Depois de assistirem ao desastre da revolta dos marinheiros, Pessoa e Reis partem juntos.




VERSÃO 2

Assinala como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das afirmações.

1. Em 1936, Salazar e Hitler tinham ambos 47 anos.
2. Na sua última carta, Marcenda pede a Reis que não demore a responder-lhe.
3. Na viagem para Fátima, o protagonista cumpre o dever de declarar um óbito.
4. Um avião lançou prospetos sobre os peregrinos, mas a maioria não sabia ler.
5. Reis ainda avista Marcenda, ao longe, mas não conseguiu chegar perto dela.
6. Fernando Pessoa, numa das suas visitas, previne Ricardo Reis de que este continuava a ser vigiado pela polícia.
7. Falam ainda do prémio ganho pelo sobrinho da antiga namorada de Pessoa.
8. Por esses dias, foram presos os responsáveis pelo boicote ao lançamento do navio «João de Lisboa».
9. No Rossio, assiste-se ao simulacro de um ataque aéreo.
10. Em pleno simulacro, impassível, um funcionário da câmara varria as ruas.
11. Ricardo Reis assistiu, também, à homenagem a Camões, no dia 10 de junho.
12. Estava deitado com Lídia, quando um sismo se fez sentir em Lisboa.
13. Ela disse-lhe, instantes depois, que estava grávida.
14. Reis ficou ofendido, quando Lídia o libertou de quaisquer responsabilidades sobre a criança.
15. As autoridades fizeram remover a estátua do «Discóbolo» de uma das avenidas da cidade, devido à nudez representada.
16. Reis resolveu deixar de ir ao consultório, por ter muito poucos doentes.
17. Estava com Lídia, quando ouviu na telefonia a notícia do bombardeamento de Badajoz.
18. O protagonista assistiu ao comício do Campo Pequeno, onde Salazar discursou.
19. Escreveu uma última carta a Marcenda, apenas com um poema.
20. Ricardo Reis não foi capaz de se contentar «com o espetáculo do mundo».


. Soluções da ficha [soluções].
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...