quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

J. 2. Pontuação e sinais auxiliares da escrita

1. Sinais de pontuação
          . Ponto final
          . Vírgula
          . Ponto e vírgula
          . Dois pontos
          . Travessão
          . Reticências
          . Ponto de interrogação
          . Ponto de exclamação

2. Sinais auxiliares de escrita
          . Aspas
          . Parênteses curvos
          . Parênteses retos ou colchetes
          . Asterisco
          . Chaveta
          . Barra oblíqua

Orações subordinadas adverbiais finais

  • Estas orações exprimem o propósito, a intenção, a finalidade da realização da situação exposta na oração subordinante.
               - Ele canta duas horas diárias para que possa participar no "Ídolos".
  • Podem ser finitas (exemplo acima) ou não finitas.
  • A oração subordinada adverbial final não finita pode ser apenas infinitiva:
               - Foram ao cinema para ver um filme novo.

Orações subordinadas adverbiais comparativas

  • São introduzidas por uma conjunção ou locução conjuncional comparativa.
  • Contêm o segundo elemento de uma comparação cujo primeiro termo está presente na oração subordinante:
               - A Naomi Watts canta tão bem como representa.
  • São frequentemente construídas com elipses:
               - A Naomi Watts é tão bela como a Kim Basinger [é bela].
               - O Eusébio fala tão bem português como [fala] inglês.
  • Podem ser finitas (os exemplos anteriores) como não finitas.
  • As orações subordinadas comparativas não finitas podem ser:
               . Infinitivas:
                         - Os jovens gostam mais de estar com os amigos do que de estudar.

               . Gerundivas:
                         - O Rui agitava os braços, como pedindo socorro.
  • Apresentam pouca mobilidade na frase:
               - O João é mais alto do que a namorada.
               - * Do que a namorada, o João é mais alto.

  • Estão dependentes, frequentemente, de um elemento quantificador presente na oração subordinante:
               - O João é mais alto do que o Pedro.
               - Uma mulher como nunca vira enlouqueceu o Ernesto.

Orações subordinadas adverbiais condicionais

  • Estas orações exprimem a condição ou hipótese necessárias à realização da situação enunciada na oração subordinante:
               - Se a minha avó tivesse rodas, era um camião.

  • Podem apresentar diversos valores semânticos:
               . Valor factual ou real (o seu conteúdo é passível de ser confirmado como real e verdadeiro):
                         - Se treinaste corretamente, podes estar tranquilo.

               . Valor condicional ou hipotético (refere uma situação que pode, ou não, vir a ocorrer):
                         - Caso haja visita de estudo, faremos uma bela merenda.

               . Valor contrafactual ou irreal (o conteúdo é irreal, não verdadeiro):
                         - Se o árbitro tivesse sido imparcial, o Benfica teria sido campeão.
  • Estas orações podem ser finitas (exemplos anteriores) ou não finitas.
  • As orações subordinadas condicionais não finitas podem ser:
               . Infinitivas:
                         - A ser certo isso, estamos perante uma situação gravíssima.

               . Participiais:
                         - Apresentada dentro do prazo, a tese foi aplaudida por unanimidade.

               . Gerundivas:
                         - Sendo exigente, o professor fomentou os bons resultados no exame nacional.

E. 4. Articulação entre constituintes da frase e entre frases

. Frase

I. Frase simples e frase complexas

II. Frase complexa

     1. Orações coordenadas

          1.1. Orações coordenadas sindéticas e assindéticas

     2. Orações subordinadas

          A. Orações subordinadas substantivas

               1. Orações subordinadas substantivas completivas

               2. Orações subordinadas substantivas relativas (sem antecedente)

          B. Orações subordinadas adjetivas

               1. Orações subordinadas adjetivas relativas

                    1.1. Orações subordinadas adjetivas relativas restritivas

                    1.2. Orações subordinadas adjetivas relativas explicativas

                    1.3. Orações subordinadas adjetivas gerundivas

          C. Orações subordinadas adverbiais

                    1. Oração subordinada adverbial temporal

                    2. Oração subordinada adverbial causal

                               2.1. Distinção entre orações coordenadas explicativas e subordinadas causais

                    3. Oração subordinada adverbial final

                    4. Oração subordinada adverbial condicional

                    5. Oração subordinada adverbial comparativa

                    6. Oração subordinada adverbial concessiva

                    7. Oração subordinada adverbial consecutiva

Orações subordinadas adverbiais concessivas

  • Exprimem uma ideia / um facto que contrastam com a situação expressa na oração subordinante:
               - Embora tivesse estudado, o Raul reprovou no exame.
  • Exprimem diferentes valores semânticos:
               . Valor factual ou real:
                         - Embora faça sol, está frio.

               . Valor condicional ou hipotético:
                         - Mesmo que não queira, o João realizará o teste.

               . Valor contrafactual ou irreal:
                         - Mesmo que tivesse tempo, o Eusébio não entraria num avião.
  • Podem ser finitas (os exemplos anteriores) ou não finitas.
  • As orações subordinadas concessivas não finitas podem ser:
               . Infinitivas:
                         - Apesar de não gostar da Joana, o Pedro dançou com ela.

               . Participiais:
                         - Embora sedado, o Rui continuava agitado.

               . Gerundiva:
                         - Mesmo não tendo relógio, o Soares chegou a horas à festa.

Orações subordinadas adverbiais consecutivas

  • Estas orações exprimem a consequência ou efeito da situação apresentada na oração subordinante.
  • São antecedidas por vocábulos como "tal", "tanto", "tamanho", "tanto".
               - Ele estava tão cansado que adormeceu.

  • Apresentam pouca mobilidade na frase:
               - * Que adormeceu, ele estava tão cansado.

Distinção entre orações coordenadas explicativas e subordinadas causais

As orações subordinadas adverbiais causais expressam uma causa de re, ou seja, assentam numa relação de causa – consequência que expressa a causalidade tal como a conhecemos no mundo real, independentemente de estarmos a falar de factos ou de possibilidades. Atente-se nos exemplos:
(1) A Miquelina passou no exame porque estudou. (“estudar” é a causa que tem como consequência “passar no exame”)
(2) O Ernesto caiu porque escorregou. (“escorregar” é a causa que tem como consequência “cair”)
(3) O pai deu uma prenda ao Eusébio porque o filho teve 20 a Português. (“ter 20 a Português” é a causa que tem como consequência “dar uma prenda”)
(4) A Joaquina fez-me um carinho porque é simpática. (“ser simpático” é a causa que tem como consequência “fazer um favor”)

No caso da oração coordenada explicativa, estamos na presença de uma causa de dicto, ou seja, um processo linguístico que permite com um enunciado justificar uma afirmação feita anteriormente:
(5) Está alguém em nossa casa, pois eu vejo luz. (o locutor justifica a sua afirmação de que “está alguém em casa” através de outra afirmação: “está a ver luz”)
Quando falamos em orações coordenadas explicativas, temos de ter em conta que não existe uma relação de causa real, ou seja, na frase (5) não é o facto de se ver luz numa casa que faz com que esteja alguém nessa casa (por exemplo, os moradores podem ter saído, esquecendo-se de apagar a luz). No fundo, estas orações são pequenos textos argumentativos organizados da seguinte forma: “Eu defendo X e eu provo X com o argumento Y” ou “Eu digo X porque Y”.
Por estas razões, a oração coordenada explicativa pode ser também utilizada como justificação de um enunciado que apresente uma ordem ou um conselho:
(6) Sai, que eu estou amandar!



* - * - * - *

     Já não sabemos onde, encontrámos esta explicação para o mesmo caso:

     As orações coordenadas explicativas e as subordinadas adverbiais causais possuem valores semânticos próximos, pelo que podem originar confusão e dificuldade na sua distinção / classificação.No entanto, é possível distingui-las com base em dois critérios:
  • As orações subordinadas causais podem ocorrer na posição inicial da frase complexa, o que não sucede com as coordenadas explicativas.
               - O João foi despedido porque era preguiçoso.
                                                                     ¯
                                                    oração subordinada adverbial causal
               -Porque era preguiçoso, o João foi despedido.

               - O João foi despedido, pois era preguiçoso.
                                                                  ¯
                                                     oração coordenada explicativa
               - * Pois era preguiçoso, o João foi despedido.

  • Nas orações subordinadas causais (1), os pronomes átonos ocorrem antes do verbo, enquanto nas coordenadas explicativas (2) surgem após o verbo.
               (1) Surrei o Jeremias porque ele me ofendeu.
               (2) Surrei o Jeremias, pois ele ofendeu-me.

Orações subordinadas adverbiais causais

  • Estas orações exprimem a causa, a razão, o motivo, a justificação da situação apresentada na oração subordinante:
               - Vesti o casaco porque tinha frio.
               - Como tinha frio, vesti o casaco.
               - Dado que tinha frio, vesti o casaco.
  • Pode ser finita (os exemplos acima) ou não finita.
  • A oração subordinada causal não finita pode ser:
               . Infinitiva:
                    - Aderi à fatura eletrónica, visto ter direito a um desconto mensal.

               . Participial:
                    - Estudada a lição, os miúdos foram brincar.

               . Gerundiva:
                    - Tendo chegada atrasada à aula, a Andreia teve falta injustificada.

Orações subordinadas adverbiais temporais

  • A oração subordinada adverbial temporal localiza no tempo a situação apresentada na oração subordinante:
               - Vi o Eusébio quando visitei o Estádio da Luz.
  • Pode ser finita (o exemplo acima) ou não finita.
  • A oração subordinada adverbial temporal não finita pode ser:
               . Infinitiva (a forma verbal encontra-se no infinitivo):
                         - Ao chegar à escola (= Quando cheguei à escola), encontrei a Sofia.

               . Participial (a forma verbal encontra-se no particípio passado):
                         - Chegado à escola, dirigi-me para a sala.

               . Gerundiva (a forma verbal encontra-se no gerúndio):
                         - Chegando da escola, vou acender a lareira.

Orações subordinadas adverbiais

  • As orações subordinadas adverbiais equivalem a um grupo adverbial.
  • Expressam diferentes valores semânticos: causa, tempo, fim, condição, etc.
  • Classificam-se de acordo com o seu valor semântico.
  • São introduzidas por conjunções subordinativas, preposições ou outros conetores.
  • Apresentam grande mobilidade na frase, à exceção das comparativas e das consecutivas:
               - Quando o avião aterrou, eles suspiraram de alívio.
               - Eles suspiraram de alívio quando o avião aterrou.
  • Separam-se por vírgula quando antecedem a oração subordinante:
               - Quando o meu pai faleceu, chorei amargamente.
  • Separam-se por vírgulas quando ocorrem intercaladas na frase:
               - Nesse ano, quando o meu pai faleceu, chorei amargamente.
  • Desempenham a função sintática de
               . modificador da frase:
                         - Mesmo que tu não queiras, cantarei na festa de Natal.

               . modificador do grupo verbal:
                         - Desliguei a televisão assim que trovejou.

Orações subordinadas adjetivas gerundivas

  • São introduzidas por uma forma verbal no gerúndio.
  • Desempenham a função sintática de modificador restritivo do nome:
               - Os computadores contendo defeitos serão substituídos.
                 (= Os computadores que contêm defeitos serão substituídos.
                  = Os computadores defeituosos serão substituídos.)

Orações subordinadas adjetivas relativas explicativas

  • Introduzem uma informação adicional;
  • São isoladas na frase por vírgula;
  • Desempenham a função sintática de modificador apositivo do nome:
               - Os alunos, que estavam distraídos, não perceberam a matéria.
  • É uma oração subordinada porque está dependente do grupo nominal "Os alunos".
  • É adjetiva porque equivale a um adjetivo / grupo adjetival ("Os alunos, distraídos, não perceberam a matéria.").
  •  É relativa explicativa porque não restringe o universo de referência do grupo nominal a que se reporta.
  • Algumas orações relativas explicativas retomam o conteúdo da totalidade da frase subordinante, desempenhando a função sintática de modificador da frase:
               - O Paulo desapareceu de casa, o que afligiu imenso a mãe.

Orações subordinadas adjetivas relativas restritivas

  • Estas orações delimitam ou restringem ___
  • Não são separadas do seu antecedente por vírgula.
  • Se forem omitidas, o sentido da frase é alterado.
  • Desempenham a função sintática de modificador restritivo do nome:
               - Os alunos que estudam obtêm bons resultados.
                         . É uma oração subordinada porque está dependente do antecedente "Os
                           alunos".
                         . É adjetiva porque "que estudam" equivale ao adjetivo "estudiosos".
                         . É relativa restritiva porque restringe "Os alunos" - os que estudam.

               - Os alunos que estavam distraídos não perceberam a matéria. (não são
                  todos os alunos, apenas os que estavam distraídos)

Orações subordinadas adjetivas relativas

  • São introduzidas por um pronome relativo, um determinante relativo ou um advérbio relativo, que retoma(m) um antecedente presente na oração subordinante.
  • Dividem-se em relativas restritivas e explicativas.

Orações subordinadas adjetivas

  • As orações subordinadas adjetivas são orações que equivalem a um adjetivo e desempenham funções sintáticas próprias de um grupo adjetival.
  • Dividem-se em
               a) orações relativas:
                         - Os alunos que estudam obtêm bons resultados. (= Os alunos estudiosos
                            obtêm bons resultados.)

               b) orações gerundivas:
                         - Os finalistas, cantando com alegria, entraram no autocarro.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...