quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Verbo copulativo

                O verbo copulativo estabelece uma ligação entre o sujeito e o predicativo do sujeito (PS), isto é, uma ligação entre o sujeito e uma sua qualidade, característica, estado ou uma localização no tempo ou no espaço.

                São exemplos de verbos copulativos ser, estar, ficar, continuar, parecer, permanecer, andar, tornar-se, revelar-se, etc.

Exs.:
- O Eusébio está morto.
 sujeito              PS
- O professor está cansado.
 sujeito                   PS


Verbo principal transitivo-predicativo

                O verbo principal transitivo-predicativo seleciona:

- um sujeito, um complemento direto e um predicativo do complemento direto.
- O Benfica elegeu Eusébio o melhor de sempre.
sujeito                    CD             PCD
- Considero Eusébio o melhor futebolista de todos os tempos.
  CD                            PCD

                São exemplos de verbos transitivo-predicativos achar, chamar, considerar, declarar, designar, eleger, julgar, nomear, selecionar para, supor, ter por, ter-se por, tomar por, tratar por, etc.


"Canto a Coimbra"


Grupo "Insígnia"

Serenata Monumental da Queima das Fitas 2017

Verbo principal transitivo direto e indireto

                O verbo principal transitivo direto e indireto seleciona:

- um sujeito, um complemento direto e um complemento indireto:
- O Eusébio marcou muitos golos ao Sporting.
sujeito                        CD                CI
OU
- um sujeito, um complemento direto e um complemento oblíquo:
- O Eusébio colocou a bola na garagem.
sujeito                     CD        CObl

Verbo principal transitivo indireto

                O verbo principal transitivo indireto seleciona:

- um sujeito e um complemento indireto:
- O Eusébio telefonou à namorada.
sujeito                         CI
OU
- um sujeito e um complemento oblíquo:
- O Eusébio chegou de Londres.
sujeito                      CObl


Verbo principal transitivo direto

                O verbo principal transitivo direto:

- seleciona um sujeito e um complemento direto.

Exs.:
- O Eusébio marcou muitos golos.
sujeito                       CD
- Ontem, [eu] vi um belo filme.
[sujeito]         CD
- Os finalistas dançaram a valsa à meia-noite exata.
  sujeito                        CD

                Há verbos que podem, de acordo com a frase, ser incluídos em subclasses diferentes:
- Os finalistas dançaram a valsa à meia-noite exata. (verbo transitivo direto)
- O Roberto dançou. (verbo intransitivo)


Verbo principal intransitivo

          O verbo principal intransitivo é o verbo que:
- tem sentido completo;
- seleciona sujeito;
- não seleciona complementos.

Exs.:
- O Eusébio morreu.
- O gato miou.
- Tom Petty adormeceu.


Verbo principal


                O verbo principal é aquele que:
» constitui o núcleo do predicado;
» seleciona um sujeito;
» seleciona complementos;
» seleciona a função sintática desempenhada por esses complementos.

                Exs.:
- O meu tio desposou a minha tia Dina.
(O verbo desposar seleciona um sujeito – O meu tio – e um complemento direto – a minha tia Dina.)
- O João telefonou à mãe.
(O verbo telefonar seleciona um sujeito – O João – e um complemento indireto: à mãe.)
- O João ofereceu um ramo de flores à sua mãe.
(O verbo oferecer seleciona um sujeito – O João –, um complemento direto – um ramo de flores – e um complemento indireto – à sua mãe.)
- A Miquelina gosta de bolo de chocolate.
(O verbo gostar seleciona um sujeito – A Miquelina – e um complemento oblíquo – de bolo de chocolate.)


                O verbo principal, em função do tipo de complemento(s) que seleciona, distribui-se por cinco tipos: intransitivo e transitivo: direto, indireto, direto e indireto e predicativo.

Subclasses do verbo

                 Os verbos portugueses distribuem-se por três subclasses: principais, copulativos e auxiliares.

O verbo "tar"



     Quem está no ensino já quase não estranha que os alunos façam uso do «verbo» "tar" em vez de "estar" no registo escrito.

     No entanto, dar de caras com semelhante patetice num jornal como o "Público" e pela pena de alguém tão experiente como Teresa de Sousa é caso para ficar 'banzado'. E daí talvez não.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...