segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Resumo


quarta-feira, 22 de outubro de 2014

O Rato

     O que leva uma pessoa supostamente educada, culta e com parte dos neurónios ainda em funcionamento a submeter-se, a subalternizar-se de forma humilhante e indecorosa?
     Em Esposende, o "disponível" ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato, assistiu, ao vivo e a cores, à assunção formal da sua pasta por parte do primeiro-ministro. De facto, este, nas barbas (literal e figurativamente) do matemático, deu notícia ao mundo da forma autoritária e inapelável como subordinou a figura de Crato à sua vontade: quem quer sair sai, não ameaça, não se coloca à "disposição".
     O sorriso forçado e aparvalhado do MEC no momento em que Passos Coelho falou diz tudo sobre o nada em que se tornou. O inenarrável processo de colocação de professores (quando é que terminará?) foi apenas a cereja no topo do bolo de um mandato miserável.

Henricartoon

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

"Não sei se é sonho se realidade"

                O sujeito poético começa por afirmar a sua incapacidade para distinguir o sonho da realidade (“Não sei se é sonho, se realidade, / Se uma mistura de sonho e vida.” – vv. 1 e 2). Essa incapacidade torna o desejo de felicidade (“A vida é tão jovem e o amor sorri.” – v. 6) tão forte (“É esta que ansiamos” – v. 5), que esta se presentifica (“Ali, ali” – v. 5), como se de uma realidade tangível se tratasse (“Aquela terra de suavidade / Que na ilha extrema do sul se olvida.” – vv. 3 e 4). Neste contexto, a “ilha extrema do sul” (v. 4) simboliza precisamente a felicidade ansiada, porém inacessível.
                A primeira palavra da segunda estrofe – o advérbio “talvez” – anuncia o tom geral desta parte do texto (de dúvida), bem como a impossibilidade de concretização do sonho (“inexistentes”, “longínquas”) presente na terceira estrofe (vv. 17-18). Os paraísos imaginados (“palmares inexistentes, / Áleas longínquas sem poder ser” – vv. 7-8) são uma forma de evasão reconfortante dos crédulos (“Sombra ou sossego deem aos crentes / De que essa terra se pode ter.” – vv. 9-10), mas apenas desencadeiam no sujeito poético dúvidas e ceticismo (“Ah, talvez, talvez, / Naquela terra, daquela vez.” – vv. 11-12) e descrença na possibilidade de se ser feliz (“Felizes, nós?” – v. 11). Assim, as imagens de felicidade (“sonhada” – v. 13; “Sob os palmares, à luz da lua” – v. 15) e a consciência da realidade (“Ah, nesta terra também, também, / O mal não cessa, não dura o bem.” – vv. 17-18), quando pensadas (“Só de pensá-la” – v. 13), perdem o seu efeito balsâmico (“se desvirtua” – v. 13), pois causa dor (“cansou pensar” – v. 14) a consciência do seu caráter ilusório (“Sente-se o frio de haver luar.” – v. 16).
                Concluindo, o sonho é ilusão e a felicidade aí procurada (“ilhas do fim do mundo” – v. 19; “palmares de sonho” – v. 20) traz ilusões e desilusões (“Não é […]”; “Nem […] ou não”; “Que cura a alma seu mal profundo, / Que o bem nos entra no coração.”). Ela está perto (“É ali, ali” – v. 23), mas só pode ser alcançada no íntimo de cada um de nós (“É em nós que é tudo.” – v. 23; “Que a vida é jovem e o amor sorri.” ­ V. 24).
                A nível vocabular, o sentido do poema progride da dúvida, logo presente no verso 1, para a certeza (“Não é” – v. 19). A transição do “sonho” para a “realidade” é feita na terceira estrofe através da conjunção adversativa “mas”. O advérbio “ali” acompanha esta progressão, pois, na primeira estrofe, refere a “ilha extrema do “sul” e, na última, remete para o interior de cada um de nós, pois é em nós, e apenas em nós, que podemos encontrar a felicidade (“É em nós que é tudo.” – v. 23). Esta conclusão é marcada, igualmente, pela utilização de atos ilocutórios assertivos, destacando a certeza do sujeito poético relativamente àquilo que afirma.
                O título do poema remete já para o tema – o refúgio no sonho – e para a oposição em torno da qual se desenvolve o texto: sonho vs realidade.

sábado, 11 de outubro de 2014

Um concelho a caminho da falência


Público on-line

Crato quis, mas não o deixaram, logo não saiu


     Nuno Crato sempre defendeu a implosão do MEC, porém o resultado da sua ação está a ser a implosão do quotidiano das escolas, dos professores e dos alunos.

     O chefe do bando, por sua vez, está unicamente preocupado com a permanência do dito e não com o caos que os seus ministros da Educação e da Justiça causaram nos respetivos setores, isto é, sectores.

"Canção da Primavera", Francisco Martins


Francisco Martins (15/10/1946 - 27/07/2014)

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Frações

     Uma fração é um número que representa uma ou mais partes iguais da unidade. Representa-se com o auxílio de um traço horizontal.


     O número que se escreve por cima do traço chama-se numerador e representa o número de partes de unidades representadas.

     O número que se escreve por baixo do traço chama-se denominador e indica o número de partes iguais em que a unidade foi dividida.


Situação problemática

                O João tinha um chocolate dividido em seis partes iguais, mas já comeu duas partes.
                Que parte do chocolate comeu o João?


segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Memória

. Etimologia

     Na antiguidade grega, Mnemosine (Memória) era uma divindade que dava o poder de recuar no tempo e recordá-lo para transmiti-lo à sociedade – deusa da memória, no fundo.


. Definição

     As memórias são escritos em que um autor recorda e narra factos ligados à sua pessoa ou à sua época.


. Tipos

     - memórias de viagem;
     - memórias de infância;
     - ...


. Características

     - Pertence ao género literário narrativo.
     - É uma forma de escrita sobre si mesmo.
     - Constitui:
          o relato de factos/vivências pessoais e familiares;
          . o testemunho dum tempo e dum meio;
          . o relato de acontecimentos históricos e políticos.
     - A narrativa de memórias tem um fundo histórico-cultural, sujeito à filtragem subjetiva de quem a produz.
     - O papel fundamental neste tipo de texto é desempenhado pela memória. Os acontecimentos são passados pelo crivo da lembrança, que por vezes precisa de auxiliares: diários íntimos, cartas, jornais, etc.
     - Os factos são relatados num desfasamento temporal: o presente do discurso (da escrita) e o passado da história.
     - O discurso está centrado na primeira pessoa, com os verbos preferencialmente no pretérito imperfeito (para presentificar o passado) e no pretérito perfeito.
     - As memórias possuem enorme valor documental, pois constituem o testemunho de um tempo, um espaço e um meio. De facto, o narrador descreve todos os acontecimentos e condicionalismos que determinaram a sua infância, sejam de ordem familiar, social, cultural ou política.
     - Nas memórias, acumulam-se nomes de personagens ilustres que foram atores da história, ao mesmo tempo que o memorialista é actor da sua história.
     - A memória constitui uma recriação seletiva do passado: sendo seletiva, guarda apenas os factos e ocorrências significativos, aqueles que, por motivos diversos, se assumam como mais marcantes.
     - Neste tipo de texto, como a designação deixa antever, desempenha papel central a memória, pois é ela, enquanto faculdade que permite conservar recordações, que propicia a lembrança dos acontecimentos passados relatados.
     - A exterioridade possui um peso enorme: ainda que alusivo à vida do sujeito da enunciação, o texto centra-se sobretudo na sua relação externa com o meio e as outras pessoas, não registando apenas, como sucede com o diário, a posição do «eu» face ao mundo.

Protótipos textuais

                Embora cada texto seja uma unidade distinta, não deixa de ser agrupável num tipo ou género, a partir das suas marcas verbais, semânticas, formais e pragmáticas.
                Os tipos textuais são modelos mentais, abstratos, que o leitor, de acordo com os conhecimentos adquiridos na audição e na leitura, guarda na sua memória e lhe permitem reconhecer, produzir e classificar textos com marcas específicas. Cada tipo de texto define-se, pois, por um determinado conjunto de características, umas constantes e outras variáveis.
                Os textos são constituídos por sequências, estruturalmente organizadas entre si e em relação ao todo que constituem, configurando assim a organização do texto. Essas sequências poderão atualizar diferentes tipos textuais, podendo, num mesmo texto, ocorrer sequências de diferentes tipos. Por exemplo, é frequente que, num texto narrativo, ocorram sequências descritivas ou dialogais, além das narrativas.
                A configuração de um texto representa, assim, a sua estrutura global, permitindo classifica-los em diferentes tipos.


1. Texto narrativo

                O texto narrativo tem como principal objetivo relatar eventos, factos ou acontecimentos.
                O texto narrativo possui cinco características específicas: uma ação ou ações, localizada(s) no tempo e no espaço, protagonizada por uma pessoa ou personagem, que confere unidade à ação ou atravessa toda a narrativa, e contada por um narrador, que pode ser, ou não, uma das personagens.
                Por outro lado, os eventos representados encadeiam-se de forma lógica e orientam-se para um desenlace, desenvolvendo-se ao longo de três momentos, sobretudo no de texto de índole literária:
. Situação inicial: situação de estabilidade, em que se apresentam as personagens, situadas no tempo e no espaço. Habitualmente, são frequentes as sequências descritivas neste momento inicial.
. Complicação / problema: é o conjunto de eventos que geram um conflito, desequilibrando a situação inicial, e que constituem o núcleo da narração. Frequentemente, há textos narrativos que alternam situações de equilíbrio e desequilíbrio, correspondendo à ocorrência de vários episódios ou capítulos de uma obra.
. Resolução: é a solução do conflito e o regresso a uma situação de equilíbrio.
                São exemplos do protótipo textual narrativo textos literários, como o romance, a novela, o conto, a fábula, a lenda, o mito, a parábola, a banda desenhada, a (auto) biografia, e não literário, como a notícia, a reportagem, a crónica, o relatório, o relato histórico ou de experiências pessoais, o relato oral, etc.
                As principais marcas linguísticas desta tipologia textual são as seguintes:
. o uso predominante de verbos de ação;
. o predomínio do pretérito perfeito do indicativo ou do presente histórico;
. o uso do pretérito imperfeito para iniciar a narrativa;
. a abundância de organizadores e conectores temporais e espaciais (“quando”, “depois”, “um dia”, etc.);
. o recurso a advérbios de valor locativo e temporal;
. o uso de marcadores discursivos explicativos e conclusivos (“assim”, “porque”, “por esse motivo”, etc.).


2. Texto descritivo

                O texto descritivo constrói-se em torno de um dado assunto ou objeto, ao qual se atribuem predicados ou características diversos. Por outro lado, esse assunto ou objeto pode ser descrito de forma genérica / global, ou desdobrado e descrito nas suas partes constituintes.
                Podem ser objeto de descrição pessoas, personagens (os seus traços físicos e psicológicos), espaços (físicos, psicológicos ou sociais), fenómenos atmosféricos e todo o tipo de objetos. As sequências textuais descritivas surgem frequentemente articuladas com sequências textuais de outros tipos. Por exemplo, é frequente surgirem, em textos narrativos, sequências descritivas que permitem caracterizar uma personagem ou um espaço social, por forma a motivar o desenrolar da ação.
                O texto descritivo pode concretizar-se de diferentes formas:
. num texto corrido (uma enciclopédia, por exemplo);
. numa introdução seguida de uma listagem de itens caracterizadores de algo;
. num texto narrativo ou num texto científico.

                As principais marcas linguísticas deste protótipo textual são as seguintes:
. verbos de estado para a descrição estática (“ser”, “estar”, “parecer”, etc.) e verbos de ação para a descrição dinâmica;
. predomínio do pretérito imperfeito e do presente do indicativo;
. adjetivos e expressões caracterizadoras;
. conectores e marcadores discursivos (aditivos, enumerativos, etc.);
. advérbios com valor locativo;
. vocabulário expressivo e figuras de estilo.


3. Texto argumentativo

                O texto argumentativo tem como objetivo central justificar e / refutar ideias e opiniões. A sua intenção comunicativa é convencer, persuadir o(s) interlocutor(es), levando-o(s) a aceitar determinado ponto de vista, ideia ou produto, etc., obtendo assim a sua aprovação, ou refutar uma opinião alheia, estabelecendo relações entre factos, hipóteses, provas e refutações. Deste modo, pode afirmar-se que um texto argumentativo se caracteriza, por um lado, pela expressão de uma opinião que, sendo controversa, suscita uma defesa e abre espaço de contestação e, por outro lado, pela apresentação de argumentos a favor ou contra uma determinada tese.
                O texto argumentativo apresenta, geralmente, a seguinte estrutura:
. Tese: apresentação da opinião que se se pretende defender.
. Premissa: pode(m) ou não estar expressa(s), representando algo que é inequivocamente aceite.
. Argumentos: conjunto de provas ou razões que sustentam a tese, que devem ser fidedignas, autênticas e relevantes. Podem funcionar como argumentos exemplos, ilustrações, narrações, descrições, estatísticas, comparações, referências históricas, etc. Normalmente, os argumentos são apresentados de forma gradativa e crescente, partindo-se dos mais frágeis para os mais fortes e irrefutáveis.
. Conclusão: é uma demonstração clara da tese defendida.
                Como exemplo do protótipo textual argumentativo, podemos referir os discursos políticos, a publicidade, os discursos da imprensa escrita e falada, os debates, a propaganda política, situações informais de interação sobre aspetos práticos e quotidianos.
                As principais marcas linguísticas são as seguintes:
. verbos de opinião e crença (“achar”, “julgar”, “crer”, “dever”, “querer”, “gostar”, “ser preciso”, “concordar”, etc.);
. verbos declarativos (“afirmar”, “considerar”, “declarar”, etc.);
. verbos que indicam uma relação entre a causa e o efeito (“causar”, “motivar”, “originar”, “provocar”, “ocasionar”, etc.);
. uso frequente do verbo “ser” ou equivalente na elaboração da tese;
. predomínio do presente, pretérito perfeito e futuro do indicativo com valor universal;
. frases declarativas e interrogativas;
. marcadores e conectores discursivos com valores diversos: aditivo (“mais”, “além disso”), exemplificativo / confirmativo (“por exemplo”, “com efeito”), contrastivo (“mas”, “no entanto”, embora”), explicativo e conclusivo (“porque”, “pois”, “com efeito”, “por conseguinte”).


4. Texto expositivo

                O texto expositivo tem como objetivo a análise ou a síntese de ideias, conceitos e teorias; expor, explicar e informar sobre algo, apresentando problemas e propostas de resolução dos mesmos, acompanhados, ou não, de justificação.
                Constituem exemplos de atualização deste tipo textual os manuais da área das ciências naturais (onde abundam textos em que se passa constantemente da exposição – sucessão de informações com o objetivo de dar a conhecer algo – à explicação – com o intuito de fazer compreender o porquê do problema e a sua resolução).
                Algumas das marcas linguísticas que caracterizam esta tipologia textual são estas:
. verbos com sentido expositivo (“ser”, “ter”, “consistir”, etc.) no presente, pretérito perfeito e futuro do indicativo, normalmente com valor universal e intemporal;
. adjetivos e advérbios para descrever, precisar e situar;
. uso frequente de analogias e comparações;
. enunciação objetiva na terceira pessoa, omitindo as marcas do sujeito enunciador e estruturas que indicam uma avaliação pessoal (“na minha opinião”, “julgo”, “creio”, “parece-me que”, etc.), recorrendo antes a estruturas impessoais (“deve-se”) e passivas;
. léxico especializado;
. conectores e marcadores de causa e consequência, confirmativos e exemplificativos, explicativos e conclusivos.


5. Texto conversacional ou dialogal

                O texto conversacional é atualizado em textos em que intervêm, pelo menos, dois interlocutores que tomam a palavra alternadamente e que produzem um número variável de trocas verbais, cooperando na produção do texto.
                Este protótipo textual manifesta-se em qualquer interação verbal, como, por exemplo, numa conversa telefónica, nas interações quotidianas orais, no comentário de acontecimentos, em debates e nas entrevistas.
                As marcas linguísticas que o enformam são as que, seguidamente, se enunciam:
. características do discurso oral (repetições, quebras sintáticas, etc.);
. segmentos de reformulação;
. marcadores conversacionais (“olha”, “ouve”, etc.);
. formas de tratamento;
. formas verbais do modo indicativo e do imperativo;
. uso da segunda pessoa de verbos, pronomes e determinantes;
. modos de localização espacial que indicam proximidade ou afastamento relativamente aos interlocutores.


6. Texto instrucional ou diretivo

                Os textos que atualizam o tipo textual instrucional ou diretivo têm subjacente o objetivo de controlar o comportamento do(s) seu(s) destinatário(s), de o(s) ensinar a praticar determinada ação.
                São textos que incitam à ação, estabelecem regras de comportamento ou que fornecem instruções sobre as etapas e os procedimentos que deverão ser seguidos de modo a alcançar um determinado objetivo.
                Este protótipo textual é atualizado numa grande diversidade de textos: avisos / enunciados simples como «Não pisar a relva» ou «Proibido fumar», receitas de culinária, instruções de montagem, regras de utilização de um programa / máquina, instruções de montagem de um aparelho, alguns provérbios, manuais de instruções, a posologia dos medicamentos, “slogans”, etc.
                As principais marcas linguísticas são as seguintes:
. verbos, em geral, de movimento que incitam à ação;
. formas verbais no imperativo, conjuntivo (“insira-se”), infinitivo (“Não fumar”) e futuro do indicativo;
. frases imperativas;
. marcadores discursivos predominantemente temporais.


7. Texto preditivo

                O texto preditivo tem como função informar sobre o futuro, antecipando ou prevendo acontecimentos / eventos que irão ou poderão acontecer.
                A palavra «preditivo» é um adjetivo formado a partir da forma verbal «predizer», que significa «dizer antes», «anunciar com antecedência», «prognosticar», «vaticinar» ou «profetizar». Assim, o discurso preditivo afirma algo antecipadamente, antes de os factos serem observados ou comprovados.
                O protótipo textual preditivo manifesta-se, por exemplo, em boletins meteorológicos, profecias, horóscopos, alguns provérbios, etc.
                Algumas das marcas linguísticas que o caracterizam são as seguintes:
. expressões com valor temporal de futuro;
. predomínio do futuro do indicativo ou complexos verbais com utilização de auxiliar temporal.

Bibliografia:
. Domínios, de Zacarias Nascimento et alii;
. Gramática da Língua Portuguesa, de Clara Amorim.

domingo, 5 de outubro de 2014

'Vozes dos animais'

Palram pega e papagaio
E cacareja a galinha
Os ternos pombos arrulham
Geme a rola inocentinha

Muge a vaca, berra o touro
Grasna a rã, ruge o leão,
O gato mia, uiva o lobo
Também uiva e ladra o cão.

Relincha o nobre cavalo,
Os elefantes dão urros,
A tímida ovellha bala,
Zurrar é próprio dos burros.

Regouga a sagaz raposa,
Brutinho muito matreiro;
Nos ramos cantam as aves,
Mas pia o mocho agoureiro.

Sabem as aves ligeiras
O canto seu variar:
Fazem gorjeios às vezes,
Às vezes põem-se a chilrar.

O pardal, daninho aos campos,
Não aprendeu a cantar;
Como os ratos e as doninhas
Apenas sabe chiar.

O negro corvo crocita,
Zune o mosquito enfadonho,
A serpente no deserto
Solta assobio medonho.

Chia a lebre, grasna o pato,
Ouvem-se os porcos grunhir,
Libando o suco das flores,
Costuma a abelha zumbir.

Bramam os tigres, as onças,
Pia, pia o pintainho,
Cucurica e canta o galo,
Late e gane o cachorrinho.

A vitelinha dá berros
O cordeirinho balidos,
O macaquinho dá guinchos,
A criancinha vagidos.

A fala foi dada ao homem,
Rei dos outros animais:
Nos versos lidos acima
Se encontra em pobre rima

As vozes dos principais.

                                         Pedro Dinis

Onomatopeias: vozes de animais

abelha - azoinar, zoar, zonzonear, zumbar, zumbir, zunir, zunzunar
abutre, açor - crocitar, grasnar
águia - crocitar, grasnar, gritar, guinchar
andorinha - chilrar, chilrear, gazear, gorjear, grinfar, piar, pipilar, trinfar, trissar, zinzilular
anho - balar, balir
arara - chalrar, grasnar, gritar, palrar, taramelar
arganaz - chiar
asno - vd. burro
avestruz - grasnar, roncar, rugir
baleia - bufar
beija-flor - arrulhar, ruflar, trissar
besouro - zoar, zumbir, zunir
bezerro - berrar, mugir
bisonte - berrar, bramar, mugir
bode - balar, balir, berrar, bodejar, gaguejar
boi - arruar, berrar, mugir, urrar
búfalo - berrar, bramar, mugir
burro - zurrar, azurrar, ornear, ornejar, rebusnar, relinchar, zornar
cabra, cabrito - balar, balir, berregar, barregar, berrar, bezoar
calhandra - grinfar
camelo - blaterar
canário - cantar, dobrar, modular, trilar, trinar
cão - acuar, balsar, cainhar, cuincar, ganir, ganizar, ladrar, latir, maticar, rosnar, uivar, ulular
carneiro - balar, balir, berrar, berregar
cavalo - nitrir, relinchar, rinchar
cegonha - gloterar, grasnar
chacal - gritar, ladrar, latir, uivar
cigarra - cantar, chiar, chichiar, ciciar, cigarrear, estridular, estrilar, fretenir, rechiar, rechinar, retinir, zangarrear, zinir, ziziar, zunir
cisne - arensar
cobra - assobiar, chocalhar, guizalhar, sibilar, silvar
codorniz - cantar
coelho - chiar, guinchar
cordeiro - berregar, balar, balir
coruja - chirrear, crocitar, piar, rir
corvo - corvejar, crocitar, grasnar
cotovia - cantar, gorjear
crocodilo - bramir, chorar, soprar
cuco - cucular, cucar
doninha - chiar, guinchar
égua - vd. cavalo
elefante - barrir, bramir
estorninho - pissitar
falcão - crocitar, piar, pipiar
gafanhoto - chichiar, ziziar
gaio - gralhar, grasnar
gaivota - grasnar, pipilar
galinha - cacarejar, carcarejar, carcarear
galo - cantar, clarinar, cocoriar, cocoricar, cucuricar, cucuritar
gamo - bramir
ganso - grasnar, gritar
garça - gazear
gato - miar, resbunar, resmonear, ronronar, roncar
gavião - guinchar
gralha - gralhar, gralhear, grasnar
grilo - estridular, estrilar, guizalhar, trilar, tritrilar, tritrinar
grou - grasnar, grugrulhar, gruir, grulhar
hiena - gargalhar, gargalhear, gargalhadear
hipopótamo - grunhir
jaguar - vd. onça
javali - arruar, cuinchar, cuinhar, grunhir, roncar, rosnar
jumento - azurrar, ornear, ornejar, rebusnar, zornar, zurrar
lagarto - gecar
leão - bramar, bramir, fremir, rugir, urrar
lebre - berrar, chiar
leitão - bacorejar, cuinchar, cuinhar
leopardo - bramar, bramir, fremir, rugir, urrar
lobo - ladrar, uivar, ulular
lontra - chiar, guinchar
macaco - assobiar, guinchar, cuinchar
melro - assobiar, cantar
milhafre - crocitar
mocho - chirrear, corujar, crocitar, piar, rir
morcego - farfalhar, trissar
mosca - zinir, zoar, zumbir, zunir, zumbar, ziziar, zonzonear, sussurrar, azoinar
mosquito - zumbir
onça - esturrar, miar, rugir, urrar
ovelha - balar, balir, berrar, berregar
pantera - miar, rosnar, rugir
papagaio - charlar, charlear, falar, grazinar, palrar, palrear, taramelar, tartarear
pardal - chiar, chilrear, piar, pipilar
pato - grasnar, grasnir, grassitar
pavão - pupilar
pega - palrar
peixe - roncar
pelicano - grasnar, grassitar
perdigão, perdiz - cacarejar, piar, pipiar
periquito - chalrar, chalrear, palrar
peru - gorgolejar, grugrulejar, grugrulhar, grulhar
pica-pau - estridular, restridular
pintarroxo - cantar, gorjear, trinar
pintassilgo - cantar, dobrar, modular, trilar
pinto - piar, pipiar, pipilar
pombo - arrulhar, gemer, rulhar, suspirar, turturilhar, turturinar
porco - grunhir, guinchar, roncar
poupa - arrulhar, gemer, rulhar, turturinar
rã - coaxar, engrolar, gasnir, grasnar, grasnir, malhar, rouquejar
raposa - regougar, roncar, uivar
rato - chiar, guinchar
rinoceronte - bramir, grunhir
rola - gemer
rouxinol - cantar, gorjear, trilar, trinar
sapo - coaxar, gargarejar, grasnar, grasnir, roncar, rouquejar
serpente - vd. cobra
tigre - bramar, bramir, miar, rugir, urrar
tordo - trucilar
toupeira - chiar
touro - berrar, bufar, mugir, urrar
tucano - chalrar
urso - bramar, bramir, rugir
vaca - berrar, mugir
veado - berrar, bramar, rebramar
vitela - berrar, mugir
vespa - vd. abelha
zebra - relinchar, zurrar

'Média' ou 'mídia'?

     «Com o furioso domínio da língua inglesa que se vem sentindo, já não há latinidade que resista! Há muita gente por aí a dizer mídia e multimídia! E não se lembra ou não sabe, essa gente, que a palavra é um latinismo. Como curricula, por exemplo. E que, para a Inglaterra ou para a América, ou para qualquer outro país, foi o latim que a forneceu e que, nessa língua ou nas suas derivadas novilatinas, se deve pronunciar média. Deixemos os Ingleses e os Americanos pronunciar o latim como eles quiserem... Quem poderá obstar?...
     Mas o desaforo (ou snobismo?) vai mais longe... Um locutor da rádio, referindo-se aos media, a certa altura dizia assim: "Utilizar um media para...". E aí está outra incorreção: media é plural. "Os media" é correto; "o media" não. Se quero usar o latinismo no singular, terei de dizer: o medium. O mesmo se diga de curricula: os curricula, o curriculum.
     Não é obrigatório usar o latinismo quando no vernáculo há palavras apropriadas. Mas, usando-o, use-se corretamente...: os media, o medium; os curricula, o curriculum.
     Posto isto, continuar, em Portugal, a dizer mídia por média, só pode ser ignorância ou snobismo.»

(c) Tento na Língua, António Marques

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Na aula (XV): problemas médicos

     Contexto: aula de 7.º ano, alunos a realizarem um exercício desobedecendo alegremente às instruções do professor.

     Situação «problemática»: comentário do professor - «Precisam de ir urgentemente ao otorrinolaringologista».

     Após uns instantes de reflexão: «Sabem o que é um otorrino...?»

     Resposta lá do fundo: «Claro: é um médico dos olhos.»
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...