sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Prólogo da 'Crónica de D. João I'

🔺 Estrutura interna

1.ª parte – Erros dos anteriores historiadores e causas que os provocaram.

            a) Factores impeditivos da verdade:
                                       
- razões de ordem sócio-económica ("moormente dos senhores em cuja mercee e terra viviam").

            b) Causas:
- de ordem cultural, por influência do meio - "terra" (2.º período, 1.º parágrafo);
- de ordem biológica - "refeiçom" (2.º parágrafo);
- de ordem genética ou hereditária - "geeraçom" (3.º parágrafo).

            c) Resultado: os erros
                    

            Na alínea c), Fernão Lopes especifica o conteúdo das alíneas anteriores, com a referência concreta à parcialidade de Pêro Lopez de Ayala na Crónica de D. João de Castela, que ignorou os feitos que mereciam ser louvados, acrescentando outros que não se deram.


2.ª parte – Teoria / metodologia da História

            a) Missão do historiador: a verdade.

b) Qualidades e meios exigidos ao historiador para atingir a "certidão da verdade":
                        - imparcialidade;
- procura da certeza, com admissão do erro possível (mentir # errar);
                        - ordenação das fontes;
                        - preocupação com o conteúdo, fazendo-o prevalecer sobre a forma.
                                  
conteúdo versus forma: nunca sacrificará a verdade à beleza da forma.

            F. Lopes afirma que procede de forma oposta aos outros historiadores, pondo de parte toda a "afeiçom" e todo o louvor fingido. Admite o erro, mas diferencia-o da mentira. Ele pode errar, mas sem querer, pois pode pensar que é verdade o que é falso, "per ignorância de velhas escrituras e desvairados autores".
            A sua grande preocupação é conseguir a verdade dos factos, nomeadamente através de documentação.

            c) Matéria que vai tratar: os feitos dignos de memória de D. João I.



🔺 A teoria da História e o texto literário

                    
Texto Histórico

Texto Literário

- A verdade:
. crua – “sem outra mistura”;
. nua – “nuamente mostrar”;
. simples – “simprez verdade”.

- Discurso nu (o historiador) – “leixados os compostos e afeitado razoamentos”.




- Discurso histórico – “claros feitos, dignos de grande renembrança (…) poemos em praça na seguinte ordem".


- Subjetivo e adornado.




- Discurso enfeitado (o literato) com aspetos intertextuais; afetado pelos níveis estéticos que conduzem aos vários sentidos (desde a ironia à ambiguidade e outros).

- Discurso literário:
- narrativo;
- com oralidade;
- …
fusão ® não há fundo separado da forma.

            Em síntese, Fernão Lopes opõe "muitos estoriadores" sujeitos à "mundanal afeiçom" a si próprio ("nós"), que "posta adeparte toda afeiçom" por desejar "escrever verdade", declara o seu amor à verdade e ao trabalho de investigação a que meteu ombros para nos dar "nuamente" a "simpreza verdade" e mostra o seu aparente desprezo da forma, que resulta, contudo, "afremosentada" por uma intuição natural. Ou seja, F. Lopes, quando afirma pretender renunciar à "formosura e novidade de palavras", serve-se de elementos estético-literários (estrutura rítmica da frase, simetria de elementos antitéticos, antítese formal e metafórica, duplicação sindética, paralelismo), negando, portanto, a oposição entre o discurso histórico e literário.



🔺 Concepção de História para Fernão Lopes

* Procura da verdade ® crítica aos seus predecessores.
* Imparcialidade ® (falsos, parciais, mentirosos).
* Investigação.

* Preocupação com o conteúdo, fazendo-o prevalecer sobre a forma.

Contexto da 'Crónica de D. João I'

                        3.1. Crise económica e conflitos sociais

            A época que assistiu ao nascimento de Fernão Lopes caracterizou-se por grave crise económica, uma verdadeira recessão, devido à quebra demográfica, provocada por:
                     - fomes e epidemias, que tiveram como origem:
                                   . a diminuição da produtividade;
                                   . maus anos agrícolas;
                                   . más condições climatéricas.
            A epidemia mais grave foi a peste negra que, vinda da Crimeia, alastrou pela Europa entre 1347 e 1350. Pressupõe-se que provocou a morte a um terço da população europeia.
            Em Portugal, a peste negra surgiu em 1348 e instalaram-se o pânico e a desolação, devido ainda às guerras, que originaram também a morte de muitas pessoas.
            A situação social piorava, a burguesia acusava os senhores de saques, de cobrar grandes taxas e de lhes fazer uma concorrência desleal no comércio.
            Assim, vivia-se uma grande instabilidade social e os levantamentos populares aconteciam de uma forma constante, uniões, como resposta à desvalorização da moeda e às flutuações dos preços. E as gentes miúdas, cansadas de tanta exploração, atacavam os castelos, numa revolta sem par, lutando já pelos seus direitos.
            Portugal, à semelhança da Europa, atravessou grandes dificuldades, pois, além das epidemias, também teve que se haver com a guerra com Castela, que enfraqueceu o país, precipitando-o numa grande crise económica e social:
                        . revoltas estalaram nos campos e nas cidades;
                        . as aldeias e o interior ficaram despovoados;
                        . deu-se o êxodo rural em direcção às cidades;
                        . a mão de obra diminuiu;
                        . a produção agrícola diminuiu consequentemente.
            Os reis criaram uma série de mecanismos na tentativa de solucionar esta crise:
                        . o tabelamento de preços;
                        . a obrigação de ociosos e vadios trabalharem;
                        . leis que objectivavam travar o aumento dos salários;
                        . a lei das sesmarias.
            Com esta lei, publicada em 1375, D. Fernando obrigava os camponeses ao cultivo da terra, assim como os vadios, os falsos religiosos e mendigos, mediante salários tablados, enquanto os senhores da terra não podiam abandonar as suas terras com risco de as verem divididas em pequenas parcelas – sesmos  - , que seriam distribuídas por quem as desejasse cultivar.
            Todavia, estas leis vieram agravar as relações entre senhores e camponeses que não estavam dispostos a cumpri-las; as queixas multiplicaram-se e os conflitos agudizaram-se.
            Com a morte de D. Fernando, o país viu-se em grandes dificuldades económicas. Apesar de o pai, D. Pedro, ter deixado o tesouro bem fornecido, as constantes guerras com Castela consumiram tudo. Só com a terceira guerra se negociou a paz, em 2 de Abril de 1383, pelo tratado de Salvaterra de Magos.
            Um dos pontos desse tratado previa o casamento de D. Beatriz, filha primogénita e herdeira do rei de Portugal, com o rei de Leão e Castela. Como forma de acautelamento do reino, o tratado previa que, caso D. Fernando morresse, a rainha D. Leonor assumiria a regência, enquanto o seu hipotético filho não atingisse os catorze anos, idade com que assumiria o trono.
            O povo não viu com bons olhos o casamento de D. Fernando com Leonor Teles, a lavrador de Vénus, que simbolizava a grande nobreza fundiária.

            Vejamos o que a respeito deste assunto nos diz A. José Saraiva (in As Crónicas de Fernão Lopes).
            «No século XIV e durante parte do século XV, o rei funciona por vezes como um árbitro entre (...) os "vilãos", isto é, os habitantes das "vilas" que cresciam à volta dos castelos (...) e os senhores de grande poder ou simples fidalgos. Os do castelo e os da vila pertencem a mundos diferentes, que vivem em tensão, prontos a guerrear-se ao primeiro pretexto; e se os do castelo obedecem ao preceito da fidelidade feudal ao rei, seu senhor, os da vila tendem a considerar-se um poder autónomo, e reúnem-se de moto próprio para deliberar sobre os casos importantes, tais como o casamento do rei, a sucessão do Reino ou a defesa da própria vila contra os invasores. (...)
            Se o rei D. Pedro aparecia mitologicamente ao seu povo como um protector e um pai porque mandava cortar a cabeça aos fidalgos que dormiam com as filhas dos cidadãos, e porque não lançava tributos nem quebrava moeda, à custa da subsistência deles, o rei D. Fernando é pelo mesmo povo amaldiçoado (...) porque provocava guerras para conquistar terras alheias e satisfazer caprichos sentimentais; porque repetia, a seu bel-prazer, quebras de moeda (isto é, desvalorizações) que arruinavam o povo; porque mandava apanhar homens pelas aldeias e trazê-los acorrentados em baraços para o serviço das naus que enviava a guerrear o rei de Castela. (...) Ele não tinha força para se recusar a ir a um comício proposto em nome da gente de Lisboa por um alfaiate; mas escapava-se clandestinamente ao compromisso assumido, e mandava assassinar pela calada, ou a favor da fraca memória colectiva, os caudilhos populares que antes fingira acatar.
            Entre a vila e o castelo a tensão só esperava a ocasião propícia para se transformar em guerra. A crise dinástica levantada pela morte do rei foi o detonador. (...)
            A insurreição foi possível graças ao enfraquecimento da autoridade, resultante da morte do rei na ausência do seu sucessor, e ainda da incerteza que havia acerca da regência de Leonor Teles, contestada pelo castelhano. Naquele momento quem mandava?
            Foi a dúvida sobre este ponto que enfraqueceu de momento a estrutura feudal e tornou possível a sua subversão pelas forças inimigas que até aí se equilibravam com ela.
            Logo após a morte do rei, os cidadãos de Lisboa, colectivamente, apresentam-se perante D. Leonor para lhe recomendarem normas de governo, incluindo um Gabinete de que fizesse parte certo número de cidadãos representantes das várias províncias do Reino, e para reclamarem entre outras coisas a abolição do direito de aposentadoria. Mas um velho cidadão premeditava uma insurreição em forma, a pretexto de vingar a honra do rei defunto, com a morte de um dos seus mais importantes conselheiros, acusado de ser o amante da rainha viúva. Este conde era de facto a personalidade mais saliente do Governo responsável pelas guerras de D. Fernando, e particularmente pelo flagelo que foi a vinda a Portugal das tropas inglesas. O seu assassínio serviu para derrubar em Lisboa a ordem estabelecida, e lançar um caudilho que pela sua própria obscuridade e mediocridade pessoal podia ser um agente passivo dos promotores da revolução vilã. Sendo o último dos candidatos possíveis ao trono, D. João, mestre de Avis, filho bastardo do rei D. Pedro, foi, no entanto, proclamado pelo povo da cidade Regedor e Defensor do Reino. Um dos primeiros actos que subscreveu foi que nada dentro da Cidade poderia ser resolvido sem a aprovação de dois representantes de cada um dos doze ofícios reconhecidos.
            A revolução alastrou bem depressa ao Porto, e a outras vilas, especialmente no Alentejo. (...)
            Mas todas estas revoluções somavam uma, ao fim e ao cabo: a vila derrotava o castelo. O esquema repete-se: o castelo proclamava a rainha feudalmente legítima, a vila deliberava não a aceitar, e punha cerca ao castelo, que depois de tomado era derrubado, pelo menos na parte que dava para a vila. Não contentes com a demolição, os vilãos, em muitos casos, coroavam a vingança com o incêndio das muralhas e das torres.
            O novo direito, o direito do povo a escolher um chefe da sua nacionalidade e confiança, revogando os laços de vassalagem senhorial, triunfou nas Cortes de Coimbra, pela palavra de João das Regras. (...)
            Em resumo, o equilíbrio instável entre as duas grandes forças que se afrontavam na época de D. Pedro e de D. Fernando rompeu-se momentaneamente a favor dos homens das vilas. As instituições feudais persistiam, é certo, e não chegara ainda o tempo da sua abolição.»


                        3.2. A crise de 1383-1385


            A chamada revolução de 1383-1385 teve dois momentos: o de 1383, realizado pelo «povo miúdo», de carácter de protesto contra as condições de vida e contra a aclamação de D. Beatriz; o de 1385, levado a cabo pelos burgueses quando reconheceram que os seus interesses estavam em causa e que poderiam aproveitar-se da força popular em seu benefício.
            D. Fernando, último rei da 1.ª dinastia, morreu em 1383, deixando como herdeira do trono a infanta D. Beatriz, única filha que vingou do seu casamento com Leonor Teles. Mas D. Beatriz casara meses antes com D. João I, rei de Castela. O contrato do casamento previa que D. Leonor Teles conservasse a regência até que D. Beatriz tivesse filho varão, maior de catorze anos, que seria o herdeiro da coroa portuguesa, mas não da de Castela, visto que o rei castelhano tinha filhos de anterior casamento.
            A aclamação de D. Beatriz como rainha foi mal aceite pelos que consideravam que o trono devia pertencer a um irmão de D. Fernando, o infante D. João, filho de D. Pedro I e Inês de Castro. Os burgueses citadinos reagiram contra a regência de D. Leonor Teles que significava a continuação da orientação política do reinado anterior.
            A revolta deflagrou em Lisboa. Alguns nobres e os grandes burgueses decidiram a morte de João Fernandes Andeiro, conde de Andeiro, amante de D. Leonor Teles, um fidalgo galego que tinha sido o principal obreiro do tratado de casamento de D. Beatriz com o rei de Castela, tratado que na prática equivalia à entrega de Portugal a Castela.
            Para essa arriscada missão foi escolhido D. João, mestre da Ordem de Avis, filho bastardo de D. Pedro I e de uma dama galega, Teresa Lourença. O assassinato do Conde de Andeiro teve lugar em Dezembro de 1383.
            A população de Lisboa, alertada para dar apoio a este golpe, assumiu a direcção dos acontecimentos. Os mesteirais e o «povo miúdo» proclamaram o mestre de Avis regedor e defensor do reino, isto é, regente. Ficaram célebres as palavras de um tanoeiro perante a hesitação dos mais honrados da cidade. Falando em nome da população que se reunira à volta da casa da Câmara, afirma: "Vós outros que estais assim fazendo? Quereis vós aceitar o que vos dizem? Ou dizei que não quereis, porque eu nesta cousa não aventurei mais que este pescoço, e quem isto não quiser aceitar é preciso que logo o pague pelo seu antes que daqui saia." Este argumento foi decisivo.
            O mestre organizou um conselho de governo com legistas e mercadores, sendo criada a Casa dos Vinte e Quatro, conselho constituído por vinte e quatro homens, dois de cada um dos doze mesteres mais importantes, que funcionava na Câmara de Lisboa.
            Perante este estado revolucionário, a regente D. Leonor Teles pede auxílio ao rei de Castela. Este, considerando a impopularidade da regente como o maior obstáculo à aceitação pelos portugueses da sucessão de D. Beatriz, obrigou-a a desistir da regência em favor dele, rei de Castela. Em fins de Maio de 1384 pôs cerco a Lisboa com um poderoso exército. Todavia, teve que regressar a Castela em Outubro para reunir forças, devido a uma mortífera epidemia de peste.
            No Alentejo, D. Nuno Álvares Pereira consegue, com um bando de camponeses, derrotar um forte corpo de cavalaria castelhana. Foi a batalha de Atoleiros em 6 de Abril de 1384. Esta vitória evidenciou a força do povo e a possibilidade de uma resistência vitoriosa. D. Nuno conseguiu mobilizar toda a força dos camponeses para a defesa da causa do mestre de Avis.
            Em Abril de 1385, reuniram Cortes em Coimbra. Aí, por pressão dos representantes dos conselhos, orientados pelo célebre jurista João das Regras, o mestre de Avis foi aclamado rei. Decidiu-se também que o conselho do rei fosse formado por dois representantes de cada um dos grupos sociais: clero, nobreza, letrados e cidadãos.
            O rei de Castelo volta a invadir Portugal com um numeroso e poderosos exércitos, onde se integrava a maioria da nobreza portuguesa. No dia 14 de Agosto de 1385, em Aljubarrota, os dois exércitos encontraram-se. As tropas portuguesas, muito menos numerosas, utilizando a técnica do quadrado, infligiram uma notável derrota aos castelhanos, com consequências políticas definitivas. D. Nuno Álvares Pereira teve acção decisiva nessa batalha. A guerra prosseguiu durante alguns anos, limitada a pequenos confrontos fronteiriços, o mais conhecido dos quais é a batalha de Valverde, em Outubro de 1385, vencida por D. Nuno Álvares Pereira, na região de Mérida. A paz veio a ser assinada em 1411.


                        3.3. A revolução de 1438-1439

            Não se pode, portanto, ler a 1ª parte da Crónica sem a relacionar com a situação política da época em que foi escrita, e cujos interesses e paixões se reflectem na interpretação dada por Fernão Lopes à revolução que nos descreve.
            No capítulo CXXIII, não longe do fim do livro e precisamente no capítulo que tem a função estética e lógica de epílogo, o escritor fixou a data em que escrevia: 1443. O início da redacção deve datar de dois ou três anos antes. Além de escritor, Fernão Lopes era burocrata e tinha de passar boa parte do seu tempo a fazer buscas e passar certidões. Se admitirmos, como base de cálculo, a produção média de um capítulo por semana, encontraremos como data do início da obra a segunda metade de 1439 ou a primeira do ano seguinte.
            Estava-se então no início do reinado de D. Afonso V, que nascera em 1432 e tinha, portanto, sete ou oito anos. Quem governava era o infante D. Pedro, que conquistara o poder através de um movimento cujos principais episódios tinham decorrido em Lisboa durante os anos de 1438 e 1439.
            Entre as crises políticas que levaram ao poder o Mestre de Avis em 1383-1385 e o infante D. Pedro em 1438-1439 há muitas dissemelhanças, quer nos factos em que elas se revelaram quer nas causas de que procediam. Apesar disso, há, nos respectivos relatos (o da primeira devido a Fernão Lopes, o da segunda a Rui de Pina, na Crónica de D. Afonso V), coincidências surpreendentes que obrigam a relacionar as duas revoluções e a perguntar até que ponto a primeira não foi descrita a partir do modelo proporcionado pela segunda.
            => Em ambas as revoluções o conflito surgiu a propósito da regência: discutia-se se o governo devia ser exercido pela rainha viúva, como ficara escrito (no século XIV a rainha era Leonor Teles e o escrito era o contrato de casamento de D. Beatriz com D. João I de Castela; no seguinte, a rainha era D. Leonor de Aragão e o escrito era o testamento de D. Duarte, falecido em 1438), ou se por um irmão mais novo do falecido rei.
            => As opiniões dividiam-se do mesmo modo: os nobres estão do lado da viúva, os oficiais mecânicos e o povo miúdo preferem o governo do irmão.
            => O conflito eclode num momento semelhante: em ambos os casos, na altura das cerimónias fúnebres por morte do rei.
            => Os fidalgos começam por, imprudentemente, minimizar a importância das forças do povo: «por parte do infante D. Pedro, quando muito pudesse ser, seria o povo e gente miúda, que, sem cabeceiras, não teria força nem daria ajuda», pensam os nobres do século XV, reunidos em Torres Novas; «tal sandice qual levantam dois sapateiros e dois alfaiates não era cousa para ir por diante», pensam os nobres do século XIV, reunidos em Alenquer.
            => Em ambos os casos é o povo de Lisboa quem desencadeia o impulso revolucionário. Os nobres ocupam com os seus soldados o castelo da cidade, para desse modo se oporem ao movimento popular; mas o povo cercou a fortaleza, impediu os de dentro de receberem socorros de fora e os nobres tiveram de desistir da resistência.
            => A rainha, alarmada com os alvoroços da cidade, vai, no século XV, do mesmo modo do que no século XIV, refugiar-se em Alenquer. E dali ambas as Leonores escreveram à gente de Lisboa no intuito de a tranquilizar, assegurando, em troca da submissão, o perdão da rebeldia. Mas, enquanto faziam isso, mandavam correios para Castela a pedir o auxílio de tropas para jugularem a revolução.
            => Até os termos com que ameaçam são semelhantes: dizia D. Leonor Teles (ou Fernão Lopes a faz dizer) que não sossegaria enquanto não visse os tonéis cheios das línguas das mulheres maldizentes de Lisboa; diziam os criados de D. Leonor de Aragão que ainda haviam de ver as canastras da Ribeira cheias de pés e mãos decepados, como se fossem pescado.
            => Mas o povo não cede. Reúne-se em S. Domingos e aclama ruidosamente o seu herói. Diz o relato do século XIV: «não esperando que falasse um por todos, mas quantos hi eram juntos...»; diz o do século XV: «tantas vozes que nenhuma não se ouvia».
            => Os homens ricos não mostravam o mesmo entusiasmo, temerosos dos riscos da aventura; mas a sua hesitação acabou do mesmo modo. No século XIV foi o tanoeiro que lhes mostrou o gume cortante da espada e lhes disse que salvariam as fortunas, mas não salvariam as gargantas, «e todolos que hi estavam do povo miúdo aquela mesma razão diziam»; no século XV o burguês timorato teve de fugir para salvar a vida «a que o rumor do povo começava já de ser contrário».
            E poderiam fazer-se mais aproximações. Dir-se-ia que a história se repetiu. Ora a história nunca se repete: o que se pode repetir são os olhos com que nós a vemos.

          Em suma, a crise de 1383-85 desenvolveu-se com as seguintes etapas:
  • 2 de abril de 1383: Tratado de Salvaterra de Magos (acordo do casamento entre D. Beatriz e D. João I de Castela);
  • 22 de outubro de  1383: morte de D. Fernando; D. Leonor Teles assume a regência; o rei de Castela ambiciona o trono de Portugal;
  • 6 de dezembro de 1383: o Mestre de Avis mata o conde Andeiro;
  • de maio a setembro de 1384: guerra com Castela - cerco castelhano à cidade de Lisboa;
  • 6 de abril de 1385: cortes de Coimbra - D. João I é aclamado rei de Portugal;
  • 14 de agosto de 1385: Batalha de Aljubarrota. 


                        3.4 A autoridade da nobreza e o início da expansão ultramarina

            O episódio culminante das lutas da regência é o acto revolucionário de 1439, pelo qual a cidade de Lisboa, num comício, elege D. Pedro «regedor e defensor» e declara solenemente assumir o compromisso de defender em cortes e sustentar pelas armas esta eleição. Pela segunda vez em menos de sessenta anos, o povo da cidade, enfrentando a oposição da nobreza, assumia o direito de eleger o chefe do Estado e conseguia fazer confirmar esta eleição pelo voto das Cortes e torná-la efectiva pela força armada.
            Mas as forças populares e burguesas não estavam ainda em condições de constituir um Poder perdurável. Passada a época da anarquia e da partilha do poder, a hierarquia tradicional foi restaurada, embora com alterações. Em Portugal, a Batalha de Alfarrobeira (1449) marca o fim deste intermezzo e o regresso da nobreza ao seu tradicional papel de governante. Nela foi morto o infante D. Pedro, regente por eleição popular, que avançava em som de guerra contra o rei, manejado pela coligação dos nobres. A cidade de Lisboa emudeceu neste emergência, como se se tratasse de um duelo militar entre hostes senhoriais, que não lhe dizia respeito. A partir de então as insurreições populares cessaram e a autoridade da nobreza tornou-se incontestada.
            Fernão Lopes é ainda contemporâneo do início da expansão ultramarina. Em 1415, é conquistada Ceuta por D. João I; em 1437, os Portugueses, sob o comando do infante D. Henrique, são derrotados em Tânger, onde ficou preso o infante D. Fernando e com ele um filho de Fernão Lopes, seu médico. Ceuta resiste a vários assaltos. Só depois de Alfarrobeira se volta às empresas de conquista em Marrocos, com a expedição de D. Afonso V, em 1457. Simultaneamente, as caravelas portuguesas vão abordando e descobrindo a costa africana, em direcção ao sul, e as ilhas do Atlântico. Nas ilhas inicia-se a colonização agrícola; na África a exploração económica toma de início o carácter de assalto armado com vista à captura de escravos, cujo comércio se organiza e amplia a partir de 1431, juntamente com o de vários produtos, como o marfim, a malagueta e, finalmente, o ouro.
            As tensões e lutas sociais referidas reflectiam-se na orientação da expansão ultramarina, cujo principal promotor, o infante D. Henrique, é a mais considerável personagem do partido da nobreza. O desastre de Tânger deu lugar a uma larga polémica e foi discutido em Cortes se se devia ou não trocar a liberdade do infante refém pela cidade de Ceuta. No entanto, a expansão, abrindo aos nobres e alguns mercadores oportunidades de enriquecimento, contribui, finalmente, para apaziguar as tensões antigas.
                                                                                                          A. José Saraiva, Fernão Lopes


                        3.5. A solução atlântica

                                   3.5.1. Ceuta e a política africana

            Em 1415, decorridos apenas quatro anos sobre a assinatura da paz com Castela, o rei de Portugal, à frente de uma enorme expedição militar (19 000 combatentes, 1700 marinheiros, 200 navios), conquistou Ceuta, no Norte de África, facto considerado como o ponto de partida da política oficial da expansão ultramarina.
            Que razões levaram os portugueses a Ceuta?
            A explicação tradicional era a da crónica de Zurara: os infantes combinaram pedir a D. João I a realização de um grande torneio, durante o qual fossem armados cavaleiros, mas o vedor da Fazenda, João Afonso, convenceu-os de que os cavaleiros devem ser armados em campanhas a sério, não em alegres passatempos, e insinuou o projecto da expedição ao Norte de África.
            A versão de Zurara é, portanto, a que está mais de acordo com tudo quanto conhecemos e também com a mentalidade da época. D. João I fizera o voto de que, se chegasse a ver concluída com êxito a sua guerra com Castela, realizaria uma festa como ninguém ainda vira. Esse projecto de comemoração evolui depois, e em vez de festa de cavalaria faz-se uma expedição cavaleiresca, que tinha a vantagem de proporcionar o proveito do saque. Além disso, um grande triunfo militar viria contribuir para o prestígio do rei de Portugal, um rei bastardo, revolucionário e cujo direito era posto em dúvida por muita gente. O papel do voto comemorativo deve ter sido decisivo. Como se sabe, foi de um voto desse género que nasceu a construção do Mosteiro da Batalha. Ora, como D. João I explicou aos seus fidalgos reunidos em Torres Vedras, as pazes de 1411 não eram menos importantes que Aljubarrota; por isso, afirmou, meditara muito tempo numa comemoração condigna e o projecto de Ceuta parecia-lhe a mais indicada.
            Com a conquista portuguesa, Ceuta, que tinha sido um activo centro comercial, converteu-se numa cidadela em luta constante e que tinha de ser abastecida pelo mar, com recursos idos de Portugal. Em 1425, o infante D. Pedro escreveu que Ceuta se tornava num «mui bom sumidoiro de gente, de armas e de dinheiro», acrescentando que em Inglaterra se pensava que a conservação da cidade era um erro.
            Apesar de tudo, Ceuta foi mantida e a ideia de uma expansão militar no Norte de África foi uma das constantes da política portuguesa até aos finais do século XVI.
            Em 1437 fez-se nova expedição, que tinha por objectivo a conquista de Tânger, Arzila e talvez ainda outras regiões. A empresa terminou por um completo desastre militar. Para poderem reembarcar, os Portugueses comprometeram-se a restituir Ceuta aos Mouros. O infante D. Fernando, irmão do rei D. Duarte, ficou como refém do cumprimento da promessa. As Cortes, chamadas a pronunciar-se sobre o assunto, não aprovaram a negociação e o infante morreu no cativeiro.


                                   3.5.2. A exploração da costa africana

            A exploração do litoral africano começou talvez pouco depois da conquista de Ceuta. Há notícia de uma viagem de exploração ordenada pelo infante D. Henrique em 1416. Mas o primeiro grande feito marítimo que inicia a progressiva descoberta do contorno marítimo da África é a ultrapassagem do cabo Bojador, feita em 1434 por Gil Eanes. A última etapa foi a passagem do cabo da Boa Esperança, extremo sul da África, por Bartolomeu Dias, em 1487. O reconhecimento da costa ocidental da África demorou portanto cinquenta e três anos.
            D. Henrique morreu em 1460 e não há dúvida de que com a sua morte coincide um abrandamento no reino dos descobrimentos. Em 1469, um rico mercador de Lisboa, Fernão Gomes, arrendou à coroa, pelo período de cinco anos, o exclusivo do comércio com a Guiné, nome que então se dava à zona conhecida da África além do Bojador, com excepção do Castelo de Arguim, construído poucos anos antes e que servia de entreposto comercial com a região do Rio do Ouro. Também era exceptuando o litoral em frente das ilhas de Cabo Verde, zona de negócio reservada aos moradores das referidas ilhas. A zona cujo comércio se arrendava era portanto só a que ficava a sul do cabo Verde, até à serra Leoa, na extensão de cerca de 800 quilómetros. O preço que Fernão Gomes devia pagar eram duzentos mil réis por ano, o que mostra que o valor deste comércio não era grande; seis anos depois, o abade de Alcobaça vendia o seu cargo ao cardeal de Alpedrinha por cento e cinquenta mil réis anuais e esse facto causou escândalo, porque a quantia foi considerada irrisória em relação ao verdadeiro rendimento da abadia. Mas, além do preço, o mercador assumia uma outra obrigação: devia descobrir em cada ano 100 léguas de costa.
            Até 1474 esteve a cargo do negociante a exploração da costa africana, o que significa que esta obedeceu a objectivos comerciais. Navegadores a soldo de Fernão Gomes descobriram de facto as costas do golfo da Guiné até ao sul do Equador. Atribui-se-lhes também a descoberta das ilhas de S. Tomé e Príncipe, Ano Bom, Fernão Pó. Quando o contrato expirou, o mercador foi nobilitado e recebeu por brasão de armas um escudo com cabeças de negros enfeitadas de arrecadas de ouro nas orelhas, nos narizes, no pescoço. Era um brasão expressivo: negros e ouro tinham sido o seu serviço à coroa. Mais tarde, foi nomeado para o conselho do rei.
            Em 1474, o herdeiro do trono, futuro D. João II, passou a dirigir pessoalmente as navegações, e é nessa altura que o objectivo de atingir a Índia contornando a África se torna claro. As navegações passam a ser acompanhadas de uma enérgica e hábil acção diplomática. No Tratado de Alcáçovas, que se destinava a regular questões completamente diferentes (as aspirações de D. Afonso V ao trono de Castela), foi introduzida uma cláusula que punha termo à concorrência que os barcos espanhóis nos faziam nas águas africanas: o mundo a descobrir foi dividido em duas metades, delimitadas pelo paralelo das Canárias. Para o norte ficaria para a Espanha, para o sul pertencia a Portugal.
            Em 1482-1483, o Príncipe Perfeito ordenou uma importante viagem, que possivelmente se destinava a encontrar a passagem para o Índico: a de Diogo Cão. Pela primeira vez os navios levavam a bordo padrões já preparados para serem colocados nas terras a descobrir. Eram verdadeiros marcos destinados a assegurar e comprovar a prioridade portuguesa. É graças a essa original espécie de monumentos que hoje se pode estabelecer com grande exactidão o caminho seguido por Diogo Cão e também verificar até que ponto são inexactas as informações constantes das fontes narrativas.
            Na sua viagem, Diogo Cão descobriu 1500 km de costa africana. Chegou até hoje um documento datado de 8 de Abril de 1484 pelo qual o rei o «retira do número dos plebeus» e lhe concede, além de uma tença anual, um curioso brasão de nobreza: dois padrões erigidos em dois montes, em campo de prata que simboliza o mar.
                                                                                  J. Hermano Saraiva, História Concisa de Portugal


Obras de Fernão Lopes

            . Crónica de El-Rei D. Pedro.
            . Crónica de El-Rei D. Fernando.
. Crónica de El-Rei D. João, dividida em duas partes: a primeira trata do interregno entre a morte de D. Fernando e a aclamação de D. João rei de Portugal; e a segunda parte abrange o reinado de D. João I até à paz com Castela em 1411.
. Crónicas dos reis de Portugal, desaparecidas e provavelmente inacabadas, abrangem o governo do conde D. Henrique até ao reinado de D. Afonso IV, inclusive.


Vida de Fernão Lopes

            Fernão Lopes deverá ter nascido, em lugar desconhecido, entre 1380 e 1390, aproximadamente, visto que em 1418 já ocupava funções públicas de responsabilidade. Pertence, portanto, à geração seguinte àquela que se bateu no cerco de Lisboa e em Aljubarrota. A guerra com Castela só acabou em 1411. Fernão Lopes pôde ainda acompanhar a sua última fase e conhecer pessoalmente alguns dos seus protagonistas, como D. João I, Nuno Álvares Pereira, os cidadãos de Lisboa que se rebelaram contra D. Leonor Teles e elegeram o Mestre seu defensor em comício popular, alguns dos procuradores às Cortes de Coimbra de 1385 que, apoiando o Dr. João das Regras, declararam o trono vago e, chamando a si a soberania, elegeram um novo rei e fundaram uma nova dinastia.
            Profissionalmente, Fernão Lopes era tabelião, com certeza de origem viloa, talvez mesteiral, porque contava um sapateiro na família da mulher. Foi empregado da família real e da corte, escrivão de D. Duarte, ainda infante, do rei D. João I, e do infante D. Fernando, em cuja casa serviu de "escrivão da puridade" e cujo testamento lavrou. A partir de 1418 aparece a desempenhar as funções de guarda-mor da Torre do Tombo, ou seja, de chefe dos arquivos do Estado, lugar de confiança da corte. Como prémio pelos seus serviços como cronista recebeu, em 1434,  além de uma tença anual pecuniária,  o título de Vassalo de El-rei, carta de nobreza atribuída então com certa liberalidade a membros das classes não nobres. Em 1454 foi reformado do cargo de guarda-mor da Torre do Tombo devido à sua idade, segundo reza o documento respectivo. Ainda vivia em 1459.
            A carreira de F. Lopes como cronista começa, segundo parece, em 1419 ou antes, pois nesse ano colaborava com o então infante D. Duarte na compilação e redacção de uma crónica geral do reino de Portugal. Só em 1434, porém, aparece referência oficial ao cargo para que o nomeou o rei D. Duarte de "pôr em crónica as histórias dos reis que antigamente foram em Portugal" e os feitos do rei D. João I, pelo qual é remunerado com a tença já referida. Após a morte deste rei, o regente D. Pedro, em nome de Afonso V, confirma F. Lopes na mesmo incumbência, mantendo-lhe a tença. Com o fim do governo do Regente, viu chegar Fernão Lopes o fim do seu cargo de cronista da corte. Em 1449, pouco antes da batalha de Alfarrobeira, ainda recebe uma tença de D. Afonso V pelos seus trabalhos literários, mas já nessa época entrava em actividade um outro cronista, Gomes Eanes de Zurara. A última obra em que F. Lopes trabalhou, a terceira parte da Crónica de D. João I, ficou incompleta e foi continuada por Zurara.
            Como resultado desta longa actividade, chegaram até nós: Crónica de El-Rei D. Pedro, Crónica de El-Rei D. Fernando, Crónica de El-Rei D. João, 1ª parte (que trata do interregno entre a morte de D. Fernando e a eleição de D. João), a Crónica de El--Rei D. João, 2ª parte (que abrange o reinado de D. João I até à paz com Castela em 1411), e ainda, provavelmente, inacabadas, as crónicas dos reis de Portugal, desde o governo do conde D. Henrique, até D. Afonso IV, inclusive.
            Estas crónicas dos reis de Portugal têm como fundo principal a parte da Crónica Geral de 1344 referente aos respectivos reis; mas o seu redactor completou-as com documentos autênticos, tais como inscrições epigráficas e documentos de chancelaria, que decerto encontrou na Torre do Tombo.

                                                                       In História da Literatura Portuguesa (pp. 119-120)


Historiografia anterior a Fernão Lopes

            1. Hagiografias (vidas de santos)


            2. Cronicões:
                        . Crónica Breve do Arquivo Nacional.
                        . Quatro Crónicas Breves de Santa Cruz de Coimbra.
                        . Crónica da Fundação do Mosteiro de S. Vicente.
                        . Crónica da Conquista do Algarve.
                        . Crónica Geral de Espanha, em galego-português, de 1344.
                        . Crónica Portuguesa de Espanha e Portugal (c. 1342).
                        . Crónica galego-portuguesa (1404).
                        . Segunda versão da Crónica Geral de 1344, redigida em 1400.
                        . Crónica do Mouro Rasis.
                        . Relação da Vida da Rainha Santa Isabel.
. Crónica de como D. Paio Correia tomou este reino do Algarve aos Mouros.
                        . O Livro da Noa.
                        . Crónica da Ordem dos Frades Menores (franciscanos).



            3. Livros de Linhagens ou Nobiliários, em número de quatro.




Os géneros da poesia trovadores - esquema-síntese


Valor documental da cantiga de escárnio e maldizer

            . Artístico: decoração, iluminuras.

. Histórico e social:       - a entrega dos castelos ao conde de Bolonha;
- a cruzada da Balteira;
- o escândalo das amas tecedeiras;
- as ambições dos pobres jograis, que até podiam ter talento para trovar, mas que os trovadores não permitiam e gozavam;
- a traição dos cavaleiros na guerra de Granada;
- a corrupção do clero (abades, bispos, papas);
- as soldadeiras;
- o amor cortês;
- o uso do latim macarrónico pelos padres;
- as relações entre fidalgos e plebeus;
- as disputas entre trovadores e jograis.
            Em suma, o que esta poesia retrata é a decadência da sociedade em geral.

            De facto, as cantigas de escárnio e maldizer têm um enorme valor documental, na medida em que constituem um vasto panorama crítico da sociedade medieval portuguesa nos aspectos político-religioso, social e cultural.
            Assim, no domínio político-religioso, assume especial relevo a denúncia da condenável actuação das autoridades eclesiásticas, que excomungam os alcaides que se mantêm fiéis à palavra dada, aquando da deposição de D. Sancho II por D. Afonso III. É a célebre questão da "entrega dos Castelos ao conde de Bolonha", que alguns alcaides recusaram terminantemente, por se sentirem vinculados pelo juramento de fidelidade e dever de vassalagem a D. Sancho II, enquanto este vivesse. Trata este tema a conhecida cantiga "Meu senhor arcebispo, and'eu escomungado", de Diego Pezelho.
            É, talvez, no aspecto social que a nossa sátira medieval é mais rica. Denuncia-se nela o eterno problema do "desconcerto" do mundo, em que a falsidade, a mentira e, de um modo geral, a injustiça parecem triunfar, tal é a "desordem" em que a sociedade se atolou. A cantiga "Vej' eu as gentes andar revolvendo", de Pero Mafaldo, é um bom exemplo da inversão de valores a que se tinha chegado: os mentirosos e desleais viam a sua reputação aumentar e, pelo contrário, os honestos e cumpridores apenas somavam fracassos. Então, ironicamente, o sujeito conclui que a melhor maneira de triunfar na vida é passar a mentir a toda a gente, "ao amigo e ao senhor".
            Também o "cavaleiro famélico" da cantiga "Quem a sesta quiser dormir", de Pero da Ponte, denuncia a grave crise por que passavam os infanções, em resultado das transformações sociais e políticas da época, que favoreciam a burguesia em detrimento da nobreza, sobretudo depois da conquista definitiva do Algarve, no reinado de D. Afonso III.
            No aspecto cultural, é sobejamente conhecida a ridicularização do convencionalismo do amor cortês, na conhecida cantiga "Roi Queimado morreu com amor", de Pero Garcia Burgalês, em que se critica o fingimento da morte de amor "por ua dona". Também na cantiga "Ai! dona fea, fostes-vos queixar", Joam Garcia de Guilhade elogia uma "dona fea, velha e sandia", ridicularizando deste modo o lugar-comum da beleza etérea da mulher amada, a "sem par", que os trovadores sempre idolatravam nas suas cantigas de amor.
            Podemos, então, concluir que, para além do seu inegável valor literário, as cantigas de escárnio e maldizer têm um enorme valor documental. Através da crítica, da ironia e do tom pejorativo, elas constituem um vasto e variado panorama dos males da nossa sociedade medieval: os escândalos sociais (as amas e tecedeiras), a  cultura (a ridicularização do amor cortês e da imagem da mulher ideal), a cumplicidade entre a política e a religião (a entrega dos castelos ao conde de Bolonha), a decadência da nobreza, o desconcerto do mundo, o privilégio da aparência, a imoralidade e a dificuldade em cumprir projectos ou promessas (a cruzada da Balteira), a covardia (a traição dos cavaleiros na Guerra de Granada), etc. Estas cantigas constituem, realmente, as raízes de um dos mais ricos filões do nosso oiro literário, que terá continuadores tão ilustres como Gil Vicente, Camões ("Esparsa ao desconcerto do mundo" e alguns passos d' Os Lusíadas), António José da Silva, o Judeu, e Nicolau Tolentino (no século XVIII), Guerra Junqueiro e Gomes Leal (no século XIX) e, no século XX, Alexandre O'Neill, entre outros.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...