terça-feira, 30 de abril de 2019

Um subsídio de reintregação


segunda-feira, 29 de abril de 2019

Um título ilegível


     Decorreram já várias semanas desde que detetei esta notícia e ainda não consegui compreender um título.

     Será que, se enviar uma mensagem de correio eletrónico para a redação do jornal, alguém me esclarecerá?

Superlativo absoluto sintético de "simpático"


     «Simpatiquíssimo» ou «simpaticíssimo»?

     Bom, a primeira forma surgiu por via popular, enquanto a segunda chegou até nós por via erudita, derivada do latim «simpathicu-».

Luzelos



sexta-feira, 26 de abril de 2019

Os mitos sobre o ensino na Finlândia

«Alguns colegas e alunos estiveram na Finlândia num daqueles programas de intercâmbio (também recebemos professores e alunos de outros países). Hoje estive a conversar com colegas sobre a experiência. Pelos vistos os nossos alunos só diziam, 'meus ricos professores' e vieram de lá mal impressionados. E porquê? Bem, as turmas têm nove alunos, o que é um pouco a menos... difícil criar uma dinâmica com tão poucos alunos.
Depois, os alunos estão espalhados em mesas, em silêncio, agarrados ao telemóvel. Estão no twitter, no instagram, recebem e enviam mensagens, estão com os pés em cima das mesas... não há uma dinâmica de turma, não há interacções... há um silêncio passivo.»

     O testemunho, bem diverso da versão paradisíaca com que costumamos ser confrontados, porde ser encontrado aqui [ip].

segunda-feira, 22 de abril de 2019

O cómico de situação na 'Farsa de Inês Pereira'

Cómico: os objetivos do cómico são provocar o riso, através do qual se castigam os vícios («ridendo castigat mores») e expor o contraste entre personagens e situações – exs.: Pêro Marques vs. Escudeiro; Lianor Vaz vs. Judeus casamenteiros.

Cómico de situação:

* Pêro Marques senta-se na cadeira ao contrário e de costas para a Mãe e Inês;

* a fala dos Judeus, que, na sua sofreguidão e calculismo materialista para casarem Inês com Brás da Mata, se interrompem, repetem e atropelam constantemente;

* o episódio final, em que Pêro Marques, descalço, transporta Inês e duas lousas às costas e, porque o caminho é longo e a viagem monótona, canta, a pedido de Inês, uma cantiga que o apelida de «marido cuco».


sexta-feira, 19 de abril de 2019

'Rimas' de Camões

         Rimas é a designação atribuída à obra lírica de Camões.
         Nela concluem três correntes líricas: a da poesia peninsular, constituída por vilancetes, cantigas, esparsas, endechas, cartas, trovas e outras composições extensas, todos eles em redondilha; a corrente italiana, concretizada em sonetos, canções, composições em oitava-rima e sextinas, todos poemas da medida nova ou decassílabos; a corrente greco-latina, composta por éclogas e elegias. Há ainda as sátiras e as cartas moldadas em metro tradicional.
         Em vida de camões, foram publicados apenas uma ode a apresentar Garcia de Orta em Colóquios dos Simples e Drogas (1563), o soneto “Vós, ninfas da gangética espessura”, a elegia “Depois que Magalhães teve tecida”, ambos dedicados a D. Leonis Pereira, insertos no livro de Magalhães Gândavo: História da Província de Santa Cruz (1576). Segundo o humanista Diogo de Couto, encontrou Camões em Moçambique “vivendo de amigos” e trabalhando em duas obras: Os Lusíadas e Parnaso, “livro de muita doutrina e filosofia” que lhe foi roubado. Este roubo deu lugar à incorporação de poesias em Rimas que certamente não lhe pertencem.
         A primeira edição de Rimas foi publicada em 1595 por F. Rodrigues Lobo Soropita.
         A lírica de Camões engloba dois estilos: o engenhoso, na esteira do Cancioneiro Geral de Garcia de Resende, presente na maioria das redondilhas e nalguns sonetos, que se caracteriza pela coisificação das palavras e das realidades sensíveis e manifesta subtiliza e imaginação; e o clássico, em que as palavras pretendem captar uma realidade externa ou interna, com existência independente das mesmas.
         A temática das Rimas é variada, mas pode estruturar-se em 3 grupos: o galanteio amoroso, mais ou menos circunstancial, os temas psicológicos quase sempre analisando a paixão amorosa e os temas filosóficos, como a desarmonia entre o Merecimento e o Destino, o direito à felicidade e a impossibilidade de a alcançar, a justiça aparente e a justiça transcendente.



Queima das Fitas - Coimbra 2019 - Cartaz


quinta-feira, 18 de abril de 2019

Temas da poesia de Camões

Representação da amada

. Mulher inacessível, misteriosa, quase divina, de beleza inefável, a quem o sujeito poético presta vassalagem e adoração e que se relaciona com o amor espiritual (cf. ideal de beleza petrarquista).
Ex.: “Ondados fios de ouro reluzente”, “Um mover d’olhos brando e piadoso”
. Mulher terrena, por quem o sujeito poético se sente atraído e fascinado.
Ex.: “Aquela cativa”, “Minina dos olhos verdes”.



Experiência amorosa e reflexão sobre o amor

. Amor espiritualizado, sereno, racionalmente intelectualizado, de influência petrarquista.
Ex.: “Ondados fios de ouro reluzente”
. Amor experienciado, vivido.
Ex.: “Aquela cativa”, “Pastora da serra”
. Amor conturbado, dividido entre o anseio espiritual e o desejo, e marcado pela culpa, pela saudade e pela insatisfação.
Ex.: “Alma minha gentil, que te partiste”, “Tanto de meu estado me acho incerto”, “Amor é um fogo que arde sem se ver”.



Natureza

. Cenário associado ao locus amoenus clássico (paisagem idealizada, tranquila/serena e bucólica ou pastoril).
Ex.: “A fermosura desta fresca serra”, “Alegres campos, verdes arvoredos”.
. Personificação da natureza, encarada com confidente do sujeito poético.
Ex.: “Verdes são os campos”, “Alegres campos, verdes arvoredos”.




Desconcerto

. Desconcerto social:
- distribuição arbitrária dos prémios e castigos;
- sobreposição da cobiça e da vileza aos valores morais;
- necessidade de submissão à desordem / irracionalidade da vida.
Ex.: “Os bons vi sempre passar”, “Correm turvas as águas deste rio”, “Verdade, Amor, Razão, Merecimento”.
. Desconcerto individual e subjetivo: sujeição à Fortuna (cf. Reflexão sobre a vida pessoal).



Mudança

. Oposição entre o tempo / a mudança da / na natureza e o tempo / mudança do / no ser humano: a mudança cíclica vs. a mudança irreversível.
Ex.: “Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades”.
. Oposição entre o bem passado e o mal presente.
Ex.: “Sôbolos rios que vão”.



Reflexão sobre a vida pessoal

. Reflexão sobre a situação atual e sobre as causas que lhe deram origem (os “erros”, a “Fortuna” e o “amor ardente”).
Ex.: “Erros meus, má fortuna, amor ardente”, “O dia em que eu nasci, moura e pereça”, “Eu cantei já, e agora vou chorando”.



quarta-feira, 17 de abril de 2019

Soneto

         O soneto é uma composição poética característica do chamado dolce stil nuovo, uma tendência que surge como reação à poesia trovadoresca na Itália.

         Em Portugal, foi divulgado por Sá de Miranda, após a sua viagem a Itália (1521-1526), e cultivado desde o século XVI até à atualidade.

         O soneto é um poema constituído por duas quadras e dois tercetos, em versos decassilábicos. O esquema rimático das quadras tende a ser fixo (abba), ao contrário do que acontece nos tercetos, em que a rima pode apresentar esquemas rimáticos variados (cdc dcd, ccd eed, cd cede, cde cde). Quando o último terceto apresenta a informação mais relevante do poema, diz-se que o soneto termina com chave de ouro.
         Pela sua constituição e disposição, o soneto favorece um discurso em tese e antítese, seguidas de conclusão e desfecho sentencioso.

         Para além deste tipo de soneto, conhecido por soneto italiano, existe igualmente o chamado soneto inglês, constituído por catorze versos divididos em três quadras e um dístico final.

         O poeta Vasco Graça Moura (1942-2014) compôs um soneto que tem como tema a própria noção de soneto, pondo em evidência algumas das suas características:
. o número total de versos;
. os versos decassilábicos;
. as quadras com esquema rimático abba;
. o modelo suscetível de inovação (vv. 5-8);
. o modelo com duas variedades possíveis: a inglesa (“isabelino”) e a italiana (“continental”);
. o último terceto com a função de chave de ouro,


soneto do soneto

catorze versos tem este soneto
de dez sílabas cada, na contagem
métrica portuguesa; de passagem,
o esquema abba dá esqueleto

aos versos do começo: a engrenagem
podia ser abab, mas meto
aqui baab: destarte, preto
no branco, instabilizo a sua imagem.

teria, isabelino, uma terceira
quadra cddc e ee final,
em vez de dois tercetos, com quilate

sempre de ouro no fim. de tal maneira
porém o engendrei continental,
que em duplo cde tem seu remate.

Vasco Graça Moura, Poesia 2001/2005


Obra de António Ferreira

         Dos escritores renascentistas, apenas António Ferreira se pode considerar como representante íntegro do espírito classicista e humanista que conviveu com a tradição literária renascentista e com a Contra-Reforma; fez parte dos «Zagais da Estremadura» e como tal se relaciona com Sá de Miranda e com todos os seus seguidores, que pugnavam a favor do gosto renascentista; pelos destinatários das suas obras sabemos que conviveu com a elite governante, administrativa, social e literária do seu tempo. As Odes e Cartas dirigem-se a personalidades como Pêro de Andrade Caminha, Sá de Miranda, Diogo Bernardes, Francisco de Sá e Meneses, Duque de Aveiro, Padre Luís Gonçalves da Câmara (mestre de D. Sebastião), D. Francisco Coutinho, D. Constantino de Bragança, cardeal D. Henrique, rei D. Sebastião, Diogo de Teive, etc.
         Dois importantes factos distinguem António Ferreira dos outros autores clássicos renascentistas: nunca escreveu em castelhano e usou sempre a medida nova. De facto, o autor utilizou sempre a língua portuguesa em prosa e verso. Na sua Carta a Pêro de Andrade Caminha, censura-o por ter utilizado a língua castelhana e, em simultâneo, estimula-o a escrever em português, enriquecendo a nossa língua, como fizeram os Gregos, os Latinos, os Espanhóis e os Italianos, que sempre escreveram nas suas próprias línguas e não nas dos outros.


1. Poesia

         A obra de António Ferreira, que inclui sonetos, epigramas, odes, elegias, éclogas, epitalâmios, cartas, epitáfios, um poema religioso (História de Santa Comba dos Vales), foi compilada pelo autor num volume editado pelo seu filho mais velho, Miguel Leite Ferreira, em 1598, intitulado Poemas Lusitanos. Seguiram-se-lhe outras edições, nomeadamente em 1771 e 1829.
         No aspeto de estrutura formal, António Ferreira aperfeiçoou a carta e a elegia, e foi o introdutor em Portugal do epigrama, da ode e do epitalâmio. Todas estas formas são elaboradas sobre modelos italianos, latinos e gregos: à expressão em novas formas corresponde fatalmente a expressão de novas ideias, sentimentos e temas.

         Destas composições, umas estão recheadas de lugares comuns petrarquistas e renascentistas, outras assumem certa importância e inovação na época, como as odes e as cartas. O facto de se falar em lugares-comuns não assume aqui a conotação negativa vulgar de mera repetição da tradição literária: provenientes em geral de autores (autoridade) greco-latinos (auctoresauctoritas), os lugares comuns sentem-se viva e diferentemente na Idade Média, Renascimento e Barroco, segundo a idiossincrasia epocal. Referem-se a áreas semânticas múltiplas: natureza, sentimentos humanos, vida, etc.
         De facto, o interesse das composições líricas é desigual. Por exemplo, os sonetos, por vezes harmoniosos, repisam os lugares-comuns do petrarquismo, mas só há vibração nos referentes à morte da primeira esposa. As éclogas, geralmente de cunho virgiliano ou sannazzariano, e as elegias revestem-se também de pouco interesse. No entanto, nas odes horacianas, de que terá sido o primeiro cultor português, e sobretudo nas cartas, António Ferreira mostra toda a sua excelência enquanto escritor, podendo considerar-se o mais completo teorizador português quinhentista, em vernáculo, dos padrões e valores humanísticos, sobre aqueles relacionados com a arte literária.

         Nas suas cartas e odes perpassam, referenciadas ou como destinatárias de dedicatórias, personalidades múltiplas de relevo histórico, desde poetas como Pêro de Andrade Caminha, Diogo Bernardes, Sá de Miranda, Francisco de Sá de Meneses, Jerónimo Corte Real, Diogo de Teive, a figuras de importância político-social como Alcáçova Carneiro, secretário de Estado de D. João III, filho do Duque de Aveiro (D. João de Lencastre), príncipe D. João (filho de D. João III), D. João III, D. Sebastião, D. Duarte (filho do Infante D. Duarte), Cardeal D. Henrique, Reis Cristãos (Carlos V, Francisco I), Marquês de Torres Novas (D. Jorge), Afonso de Albuquerque (filho do governador da Índia do mesmo nome), D. Constantino de Bragança (governador da Índia), Conde de Redondo (D. Francisco Coutinho, regedor da Casa da Suplicação), Luís da Câmara (mestre de D. Sebastião), e muitos outros. Temos assim uma rede polarizada de personalidades a quem António Ferreira expõe os seus sentimentos e atitudes perante as questões mais diversas. A todos prodigaliza conselhos e encorajamentos, que encobrem por vezes uma crítica discreta, pois entendia o escritor exercer desta maneira uma certa autoridade espiritual que reivindica para os poetas e os doutos em Humanidades. Diversos poemas são dedicados a D. Maria Pimentel, sua primeira mulher.
         Por outro lado, do conjunto das cartas e odes desprende-se uma atitude horaciana mais ou menos harmonizada com uma sabedoria cristã. António Ferreira adota uma postura de impassível superioridade perante as opiniões irracionais do «vulgo» (odi profanum vulgus) e perante a vacuidade dos bens por que se bate a maioria dos homens. Para ele, o «vulgo» ou «povo» é um conceito basicamente moral e não social: “Eu chamo povo onde há baixos intentos;”. Pelo contrário, considera sábio quem, guiando-se pelo próprio juízo, pode desprezar o que lhe é exterior:
“Ditoso aquele que em si só encerra
e, estimando o tesouro que em si tem,
pisa soberbamente toda a terra.”
         A razão humana, educada nas letras clássicas, feita de ponderação, buscando uma felicidade terrestre ao abrigo de paixões e ilusões, e que é a mais alta forma de autodomínio, é o único guia em que Ferreira confia. Em seu nome, condena todas as manifestações de impulsividade, incluindo o espírito de aventura e a brutalidade guerreira. Como se relaciona então com a ideologia expansionista da época, praticamente unânime em Portugal? Não obstante o elogio dirigido a heróis militares, o escritor insiste na superioridade da razão sobre a coragem física e, com alguma regularidade, censura ou lamenta aqueles que trocam a quietude da meditação e do estudo pelos riscos do mar e da guerra, levados pela ambição da riqueza, na esteira do que já fizera Sá de Miranda.

         No campo das ideias políticas e sociais, em carta dirigida a D. Sebastião, António Ferreira expõe, de forma inequívoca, a doutrina do contrato social (provavelmente herdada de Aristóteles) e nega o poder monárquico absoluto:
“absoluto poder não há na terra
que antes será injustiça e crueldade”
e afirma a condição humana dos reis:
“iguais somos, Senhor, na natureza:
assim entramos na vida, assim saímos.”
Além disso, contrapõe à nobreza do sangue a aristocracia do saber, lamentando que lhe não sejam reconhecidas no seu tempo as prerrogativas a que se sente com direito:
“Aquela proveitosa liberdade
aos antigos Poetas concedida […]
porque entre nós será mal recebida?”

         Parte da sua obra, nomeadamente as epístolas dirigidas aos confrades em letras, consagra-se a problemas do ofício de escrito, sobretudo à defesa e ilustração da língua portuguesa. Como já foi referido, o escritor quinhentista interessou-se a fundo pelo nosso idioma, inclusivamente na sua forma medieval, de que fez duas imitações felizes a propósito do texto do Amadis. Reagiu contra o emprego da língua castelhana por parte dos poetas seus contemporâneos e foi um dos poucos portugueses do século XVI que não escreveram em castelhano um só verso. Pelo contrário, por exemplo, Gil Vicente ou Camões mesclaram com alguma frequência as duas línguas. Terá sido este amor à língua portuguesa que o levou a designar a sua coletânea de Poemas Lusitanos:
“Eu desta glória só fico contente:
que a minha terra amei, e a minha gente.”

         Além disso, António Ferreira foi um notável doutrinário, o mais importante teorizador do Classicismo, tendo como fonte principal o poeta latino Horácio, nomeadamente a sua Epístola aos Pisões (também conhecida por Arte Poética). Alguns dos traços desse magistério são os seguintes:

a) a primazia do estudo e do trabalho sobre a inspiração, isto é, a poesia não pode ser só inspiração, deve ser fruto de trabalho e estudo apurado e prolongado sobre o texto:
“doutrina, arte, trabalho, tempo e lima
fizeram aqueles nomes tão famosos
por quem a Antiguidade se honra e estima.”

b) a necessidade do conhecimento aprofundado e de uma imitação dos antigos que afinal consiste na apropriação nacional do património literário das línguas clássicas:
“Do bom escrever, saber primeiro é fonte.”

c) a necessidade da crítica e da autocrítica, de «tempo e de lima»: o poeta deve desconfiar de si próprio e fazer discutir pelos entendidos as suas composições;

d) o sentido da justa proporção:
“há nas cousas um fim, há tal medida,
que quanto passa ou falta dela é vício.”

e) a proscrição de toda a herança peninsular medieval, conservando apenas, como mal inevitável, a rima, que restringe a liberdade dos versos «e com som leve o juízo engana», enquanto se não encontrar outro sistema rítmico mais próximo do verso latino – de facto, Ferreira considera desejável que se fizesse uso do verso branco;

f) a necessidade de tomar a Razão como único guia

         No conjunto da sua obra lírica, há a destacar ainda as exortações que dirigiu a vários confrades no sentido de produzirem uma epopeia nacional (ideia já expressa por Garcia de Resende no Prólogo do Cancioneiro Geral), não tanto um texto que fosse a afirmação dos valores guerreiros e cruzadistas nacionais, mas um monumento de cultura e sobretudo da língua. Coube a Camões seguir o repto e produzir Os Lusíadas.


2. Teatro

         A seguir…

Bibliografia:


Vida de António Ferreira

         Nasceu em 1528, em Lisboa, filho de Martim Ferreira e de Mexia Fróis Varela. O pai era escrivão de fazenda de D. Jorge de Lencastre, Duque de Coimbra.
         Na sua educação conviveu com os filhos de D. Jorge de Lencastre e com pessoas de grande relevância nobiliárquica, administrativa e literária. Frequentou em Coimbra o curso de Humanidades e Leis e doutorou-se em Cânones. Foi temporariamente professor nesta Universidade.
         A frequência da Universidade deu-se na época áurea do Humanismo Bordalês, em que pontificaram os Gouveia (André, Marcial, Diogo Júlio), Diogo de Teive, João da Costa, António Mendes, Jorge Buchanan, Arnaldo Fabrício, Guilherme de Guérente, Nicolau Grouchy, Elias Vinet.
         Parece ter-se enamorado em Coimbra por uma senhora de família nobre de apelido Serra, que evocará veladamente em algumas poesias. Em 1557 casou com D. Maria Pimentel, senhora de Torres Novas, que morreu no terceiro ano de casamento, que primeiro cantou e depois chorou muito sentidamente: «Com que mágoa (ó Amor) com que tristeza / Viste cerrar aqueles tão fermosos / Olhos, onde vivias, poderosos / De abrandar com sua vista a mor dureza!».
         Voltou a casar em 1564, com D. Maria Leite, de Cabeceiras de Basto, de quem teve dois filhos. Também ela foi evocada nos seus textos.
         Em 1567 foi nomeado Desembargador da Relação de Lisboa. Em 1569, apenas com 41 anos, morre em Lisboa vitimado pela peste, deixando dois filhos, um dos quais (Miguel Leite Ferreira) lhe publicará, em 1598, a obra em Poemas Lusitanos.

terça-feira, 16 de abril de 2019

"Está o lascivo e doce passarinho"

"Já não dá para abastecer"


     A greve de motoristas de materiais perigosos está a originar a escassez de combustíveis um pouco por todo o país.

     A plataforma VOST Portugal criou o sítio janaodaparaabastecer.vost.pt, onde as pessoas podem pesquisar, por posto de combustível, quais os que estão encerrados e quais os combustíveis que já esgotaram nos outros que ainda não encerraram.


Gatos pingados

     Significado: A expressão «gatos pingados» traduz uma suposta inferioridade (numérica ou institucional), insignificância ou irrelevância.

     Origem: Detetar a origem exata destas expressões nascidas no seio popular é uma tarefa praticamente impossível em muitos casos, facto que dá origem ao surgimento de diferentes teorias.

     Uma das explicações que é possível encontrar disseminada remete para uma tortura procedente do Japão que consistia em despejar pingos de óleo a ferver em cima de pessoas ou animais, especialmente gatos. Além disso, parece que os recipientes de onde o óleo era despejado tinham a requintada e original forma de gatos. Eram os gatos «pingados». Existem várias narrativas ambientais na Ásia que mostram pessoas com os pés mergulhados num caldeirão de óleo quente.
     Falta nesta explicação o passo que liga a expressão ao sentido de «conjunto de poucas pessoas»: como o suplício tinha uma assistência reduzida, dada a enorme crueldade do ato, ela passou a denominar pequena assistência sem entusiasmo ou curiosidade para qualquer evento.

     Uma outra explicação, desprovida dos elementos fantasiosos acima expostos, remete para uma das aceções do verbo «pingar», entretanto caída em desuso, que era justamente «supliciar, deixando cair sobre o corpo pingos de um líquido fervente", de acordo com o dicionário Houaiss. De facto, não era incomum o hábito de pingar escravos, gatos ou outros animais.
     Quanto ao sentido de «gato pingado» como «membro de um conjunto de poucas pessoas», convém ter presente o facto de gatos torturados se tornarem arredios, avessos ao contacto humano. Como diz o ditado, «gato escaldado (isto é, queimado com água fervente) tem medo (até) de água fria". É possível também que a ideia de escassez associada figurativamente ao verbo «pingar» tenha atuado como reforço da noção.

Meteorito caiu no Brasil


     Um meteorito caiu no Brasil, mas, felizmente, para o redator da notícia on-line, não causou qualquer dado

     Os tempos estão tão maus que não há sequer o cuidado de rever o que se escreve?

Governo pondera demitir-se por causa dos professores


     E eu que pensei que já estávamos na Semana Santa e tínhamos deixado o Carnaval lá bem para trás [notícia].

"Rebellion", Arcade Fire

segunda-feira, 15 de abril de 2019

Catedral de Notre Dame


     15 de abril de 2019, dia em que a Catedral de Notre Dame, em Paris, ardeu por completo, salvando-se apenas o esqueleto.

Passar a mão pela cabeça

     A expressão «passar a não pela cabeça» significa perdoar ou acobertar um erro cometido por algum protegido.

     Ela relaciona-se com o costume judaico de abençoar cristãos-novos, passando a mão pela cabeça e descendo pela face, enquanto se pronunciava a bênção.

Que maçada!

     Significado: A expressão refere-se a uma tragédia ou a um contratempo, um aborrecimento.

     Origem: A sua origem leva-nos até à fortaleza de Massada, situada na região do Mar Morto, em Israel, reduto de Zelotas, onde permaneceram anos resistindo às forças romanas após a destruição do Templo em 70 d.C., culminando com um suicídio coletivo para não se renderem, de acordo com o relato do historiador Flávio Josefo.
     De facto, os Zelotas, quando se aperceberam da ameaça dos soldados romanos, encerraram-se num templo onde acreditavam poder furtar-se aos inimigos. No entanto, os romanos rapidamente começaram a destruir o local, pelo que os Zelotas, convictos da sua derrota, adotaram uma solução que, evitando o confronto direto com a tropa adversária, lhes traria menor sofrimento: o suicídio coletivo.
     Assim se explicará a génese da palavra "maçada" (= "lugar seguro", "fortaleza"), o grande aborrecimento por que tiveram de passar os Zelotas. Por causa da origem etimológica da palavra, passou a escrever-se maçada em vez de massada, o nome daquela terra.

     De acordo com outra explicação, o termo derivará de maça, uma arma medieval com forma de clava que terminava numa esfera ou pera provida de picos metálicos. A sua função básica era abrir cabeças, uma grande maçada para as vítimas, convenhamos.
     
     

Acordo leonino

     A expressão acordo leonino refere-se ao facto de, num contrato, um dos contratantes obter condições muito vantajosas relativamente ao outro.

     A sua origem estará, muito possivelmente relacionada, com as fábulas em que o leão é a personagem que possui todo o poder.

quarta-feira, 10 de abril de 2019

Páscoa

     A Páscoa designa, de acordo com o Dicionário Onomástico-Etimológico da Língua Portuguesa, da autoria de José Pedro Machado, a "Grande festa judaica e cristã" que comemora a Ressurreição de Jesus Cristo.
     A sua origem etimológica encontra-se no latim vulgar «pascua», proveniente do latim eclesiástico «Pascha», cruzado com «pascua», que era o "alimento" (propriamente "pasto"), pois a Páscoa põe fim ao jejum da Quaresma.
     Por sua vez, o termo «pascha» deriva do grego «páscha», que significa «a Páscoa, festa judaica e cristã; "em particular", a refeição da Páscoa; o anho pascal», proveniente do hebreu «pasach», que quer dizer "passagem" e designa a festa celebrada em recordação da saída do Egito. Posteriormente, passou a designar a festa cristã celebrada em honra da Ressurreição de Jesus Cristo, por motivo da coincidência das datas.
     De acordo com  a Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura, o significado etimológico de Páscoa é incerto. Alguns autores procuram-no em raiz egípcia e, nesse caso, significaria "golpe", "ferida"; outros ligam a palavra ao siríaco e então quereria dizer "ser feliz", "estar alegre". Deste modo, o termo referir-se-ia à festa de júbilo por excelência. O significado geralmente aceite é o que adquiriu no hebraico bíblico; "saltar", "passar adiante". Primeiramente, Páscoa designaria uma dança ritual, aplicando-se a palavra também à passagem do Sol pela constelação do Carneiro ou da Lua para o seu zénite. Por fim, impôs-se-lhe o significado de "passagem" de Javé ao dar a morte aos primogénitos do Egito, "saltando" por cima das casas dos hebreus a quem poupou. «Pesah», no TM, designa o rito sagrado (49 vezes) ou a própria "vítima" (31 vezes) ou refere-se simultaneamente ao rio e à vítima (2 vezes). Não se sabe com exatidão quando começou e em que consistia a sua origem, antes de estar associada à festa dos Ázimos, acreditando-se, contudo, que será anterior a Moisés. Seria a festa que os israelitas desejavam celebrar quando saíram do Egito com os seus rebanhos. Textos bíblicos sugerem mesmo que se julgavam obrigados a tal celebração (Ex. 8, 21-25). Admite-se geralmente que era comum às tribos semitas e estava ligada à vida nómada e pastoril. Era a festa das primícias dos pastores. Ofereciam à divindade os primogénitos do rebanho, talvez com um sentido propiciatório e para afastarem doenças ou malefícios sobre a família ou sobre os rebanhos.


FONTE: Ciberdúvidas

Quaresma

     O vocábulo «Quaresma» refere-se ao período do ano litúrgico católico que medeia entre Quarta Feira de Cinzas e a Páscoa e deriva do latim «quadragesimam» («partem», «diem»), ou seja, "quadragésima parte" e "quadragésimo dia".
     Ao longo do tempo, a palavra evoluiu no que diz respeito à sua fonologia, tendo ocorrido diversas síncopes: quadragesima(m) > quaragesima > quaraesima ou quaresima > quaresma.
     Segundo Edwin Williams, este termo terá surgido primeiro em castelhano, língua da qual passou para o português.
     Note-se que do latim «quadragesimam» deriva o nome comum «quaresma», que designa uma "planta herbácea, glanduloso-viscosa, de flores brancas, pertencente à família das Saxifragáceas, espontânea em Portugal", bem como a flor desta planta.

Comer muito queijo

     Quando dizemos a alguém que come muito queijo, estamos a «acusá-lo» de ser esquecido, de ter má memória.

     A origem da expressão faz-nos recuar no tempo. De facto, há alguns séculos, enraizou-se a crença segundo a qual a ingestão de laticínios diminuía certas faculdades intelectuais, especificamente a memória.
     A obra Nova Floresta, da autoria do padre Manuel Bernardes (1644-1710), contém um passo, relativo aos procedimentos a observar para manter e exercitar a memória, que comprova a existência desta crença: "Há também memória artificial da qual uma parte consiste na abstinência de comeres nocivos a esta faculdade, como são lacticínios, carnes salgadas, frutas verdes, e vinho sem muita moderação: e também o demasiado uso do tabaco." (Manuel Bernardes, C. O., Nova Floresta, tomo 2, título V - Beneficência, Benignidade, páginas 206 e 207).
     Curiosamente, estudos científicos contemporâneos sobre a memória e a nutrição concluíram que o leite e o queijo contêm cálcio e fósforo, elementos importantes para o trabalho cerebral. Contudo, a expressão "comer muito queijo" com o significado de «ser esquecido» ou «ter má memória» ficou.


Obra de Sá de Miranda



Formas

Temática

Poesia do Cancioneiro Geral
(vilancetes, cantigas, trovas, esparsas)
. O amor e as suas mágoas: o sofrimento do coração enamorado que o leva a fugir das pessoas e de si próprio.
. A saudade que o amor deixa no coração.
. A divisão do «eu».





Sonetos





. O desejo da perfeição formal.
. A mudança: a mudança reversível e cíclica da natureza versus a mudança irreversível do homem (sempre para pior).
. O conflito entre o amor e a razão.
. A poesia tem uma função pedagógica.
. A poesia como mensagem e não apenas como entretenimento (no Cancioneiro Geral a poesia era considerada como um mero entretenimento do espírito).
. A dignidade das Letras (tema muito grato aos humanistas).
. O amor petrarquista(1): a mulher idealizada e as contradições que o amor provoca na alma.



Cartas



. Crítica à sociedade (a cobiça, a hipocrisia, a injustiça, a ambição, etc.).
. Crítica à corrupção da corte.
. A apologia do ideal de Horácio da “áurea mediania”/”aurea mediocritas”.
. O elogio do campo/aldeia.
. A crítica ao abandono do campo.


Éclogas



. Crítica às injustiças (desconcerto do mundo).
. Apologia da “aurea mediocritas”.
. Desprezo pelas glórias e bens do mundo.
. Condenação da tirania despótica dos que vivem à custa dos “pequenos”.
. O recurso ao bom senso e ao saber dos antigos.




(1) Facetas do Petrarquismo:
- o elogio hiperbólico da mulher amada no aspecto físico, psicológico, moral e social  -  ideal, perfeita, inigualável, divinizada;
- as contradições íntimas do sujeito poético feliz-infeliz;
- os efeitos contraditórios do amor;
- o lamento e a saudade na ausência da mulher;
- a inexistência de palavras que a possam retratar;
- a apresentação de uma natureza sombria ou amena/alegre segundo o estado de espírito do “amador”;
- a luta entre o amor e a razão.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...