domingo, 22 de janeiro de 2012

Marcas clássicas

. A unidade de ação.

. A presença do Destino (ananké) que, produzindo o sofrimento (pathos), logo de início descai sobre as personagens principais, cuja gradação vai aumentando através de um clímax irresistível e fatalista.

. A presença da hybris.

. Os presságios (palavras de Telmo, D. Madalena e Maria).

. A agnarórise no final do segundo ato.

. Como era lei na tragédia clássica, iria despertar nos espetadores o terror (fobos) e a piedade (éleos) purificantes.

. As personagenssão nobres (aristocráticas) e estão sempre poucas vezes em cena.

. A presença do coro:
     - a recitação litúrgica do ofício dos mortos pelos frades no final do ato III;
     - as palavras de Frei Jorge;
     - as palavras visonárias e os sonhos de Maria;
     - os receios aparentemente infundados de D. Madalena;
     - os lamentos críticos e os presságios de Telmo, figura agoirenta que representa o raciocínio
        frio e a inteligência esclarecida na análise dos acontecimentos. Aliás, Telmo é uma figura
        muito bem estruturada pela sua profundidade e densidade psicológica devida à duplicidade
        de duas afeições irreconciliáveis: uma para com o passado (D. João de Portugal), outra
        para com o presente (Maria) (III, 5).

. A semelhança do assunto com as antigas tragédias gregas:
     - a volta sob disfarce de um mendigo (Ulisses);
     - o sacrifício de uma filha inocente (Antígona e Ifigénia);
     - a situação trágica originada pela ida a Alcácer Quibir, equivalente a situações trágicas
        causadas pela ida a Tróia;
     - a situação de Mérope

Marcas do drama romântico

1.ª) A crítica a uma sociedade governada por preconceitos hirtos que vitimam inocentes (Maria é vítima da sua ilegitimidade).
2.ª) A rutura com a forma clássica:
. a obra está escrita em prosa, que substitui o verso da tragédia antiga, um tipo de discurso considerado por Garrett adequado a “assuntos tão modernos”;
. a peça é constituída por três atos, contrariamente à tragédia grega, composta por cinco;
. a diminuição da importância do coro (ainda que ecoe em Frei Jorge e em Telmo);
. a lei das três unidades não é cumprida cabalmente;
. os agouros e superstições populares substituem as crenças e rituais pagãos e dão expressão à manifestação da cultura portuguesa;
. os valores patrióticos e nacionais são exaltados, sobretudo, através de Manuel de Sousa;
. a religião cristã surge como um consolo, aligeirando a força inexorável e irremediável do Destino que controlava os homens a seu bel-prazer;
. o realismo psicológico sustentado na personagem Telmo, que assiste à transformação dos seus próprios sentimentos, num processo de autoconhecimento dinâmico, no momento em que percebe que, após ter acalentado, durante tanto tempo, a ideia de que D. João estaria vivo, desejava poupar Maria, renegando o primeiro amo;
. a experiência pessoal do autor: Almeida Garrett possuía uma filha ilegítima, filha de Adelaide Pastor Deville, por quem se apaixonara, ainda casado com Luísa Midosi; Adelaide Deville morreu antes que o escritor tivesse podido legitimar a situação da filha que tanto estimava – assim, a acção da peça traduz a sua angústia mais profunda, refletindo a sua própria realidade;
. a morte de Maria em palco é também um episódio caraterístico do drama romântico;
. as personagens são vítimas do Destino, mas, à maneira do drama romântico, são também vítimas das suas decisões e das suas paixões (por exemplo, Maria é condenada não apenas pelo Destino, mas pela sociedade).
3.ª) A linguagem coloquial, próxima das realidade vividas pelas personagens e dos seus estados de espírito;
         4.ª) O assunto da peça é um assunto nacional e histórico.

Catarse

     Tal como era lei na tragédia grega, todos os acontecimentos representados em palco iriam despertar nos espetadores o terror (fobos) e a piedade (éleos) purificantes – a catarse.
     A catarse (purificação) realiza-se através do castigo: o casal ingressa num convento, renunciando às paixões mundanas, Maria morre de vergonha por causa da sua ilegitimidade e ascende, pela sua inocência, ao espaço celeste.

Catástrofe

. D. Madalena:
     - é causada pelo regresso de D. João:
            . morte psicológica;
            . separação do marido;
            . profissão religiosa;
     - salvação pela purificação: torna-se a irmã Sóror Madalena das Chagas.

. Manuel de Sousa:
     - morte psicológica:
            . separação da esposa;
            . separação do mundo;
            . profissão religiosa;
     - glória futura de escritor ® Frei Luís de Sousa: glória de santo.

. D. João de Portugal - morte psicológica:
     - separação da esposa;
     - a situação irremdiável do anominato.

. Maria de Noronha:
     - morte física.

. Telmo Pais:
     - não poderá resistir a tantos desgostos e, tal como D. João, cairá no rio do
        esquecimento.

Peripécias


  • O incêndio do palácio de Manuel de Sousa Coutinho;
  • A mudança para o palácio de D. João;
  • A chegada do Romeiro;
  • A tomada de hábito de D. Madalena e Manuel de Sousa;
  • A morte de Maria.

Clímax

     O clímax verifica-se com a chegada do Romeiro e o desvendar da sua verdadeira identidade.

Anagnórise (reconhecimento)

     A anagnórise (cena do reconhecimento - II, 15) efetiva-se com o reconhecimento / a identificação do Romeiro como D. João de Portugal.

Outras marcas trágicas (Frei Luís de Sousa)

  • A existência de poucas personagens em cena, todas de estrato social elevado e de caráter nobre.
  • A ação sintética: a peça possui um número escasso de ações que conduzem à ação trágica.
  • A condensação do tempo em que decorre a ação.
  • A concentração dos espaços (em número reduzido).
  • Cumprimento, incompleto, da lei das três unidades: unidade de ação, de espaço (incompleta, porque na peça existem três espaços distintos) e de tempo.
  • Ambiente trágico de de solenidade clássica.
  • Os momentos de retardamento.
  • A existência, desde o início, de um clima de fatalidade que o ominoso da recorrência de acontecimentos à sexta-feira e do espaço do palácio de D. João adensa e asfixia. Tudo deixa antever a catástrofe; nada há de supérfluo.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...