segunda-feira, 28 de abril de 2014

Episódio de Inês de Castro

Episódio de Inês de Castro

. História de Inês de Castro

                D. Inês de Castro era uma fidalga galega, de rara formosura, que fez parte da comitiva da infanta D. Constança de Castela, quando esta, em 1340, se deslocou a Portugal para casar com o príncipe D. Pedro (1320-1367). A beleza singular de D. Inês despertou desde logo a atenção do príncipe, que veio a apaixonar-se profundamente por ela. Desta paixão nasceu entre D. Pedro e D. Inês uma ligação amorosa que provocou escândalo na Corte portuguesa, motivo por que o rei resolveu intervir, expulsando do reino Inês de Castro, que veio a instalar-se no castelo de Albuquerque, na fronteira de Espanha. D. Constança morreu de parto em 1345 e a ligação amorosa entre D. Pedro e D. Inês estreitou-se ainda mais: contra a determinação do rei, D. Pedro mandou que D. Inês regressasse a Portugal e instalou-a na sua própria casa, onde passaram a viver uma vida de marido e mulher, de que nasceram quatro filhos.
                Os conselheiros do rei aperceberam-se das atenções com que o herdeiro do trono português recebia os irmãos de D. Inês e outros fidalgos galegos, chamaram a atenção de D. Afonso IV para aquele estado de coisas e para os perigos que poderiam advir dessa circunstância, uma vez que seria natural antever a possibilidade de vir a criar-se uma influência dominante de Castela sobre a política portuguesa. E persuadiram o rei de que esse perigo poderia afastar-se definitivamente, se se cortasse pela raiz a causa real desse perigo: a influência que D. Inês exercia sobre o príncipe D. Pedro, que um dia viria a ser rei de Portugal. Para isso seria necessário e suficiente eliminar D. Inês de Castro.
                O problema foi discutido na presença dos conselheiros do rei em Montemor-o-Velho, e aí ficou resolvido que Inês seria executada sem demora. Quando D. Inês soube desta resolução, foi ter com o rei, rodeada dos filhos, para implorar misericórdia, uma vez que ela se considerava isenta de qualquer culpa. As súplicas de Inês só momentaneamente apiedaram D. Afonso IV, que entretanto se deslocara a Coimbra para que se desse cumprimento à deliberação tomada. E a execução de D. Inês efetuou-se em 7 de janeiro de 1355, segundo o ritual e as práticas daquele tempo. Anos depois, em 1360, D. Pedro I, já então rei de Portugal, jurou, perante a sua corte, que havia casado clandestinamente com D. Inês um ano antes da sua morte.
www.infopedia.pt


. Contextualização

                O episódio de Inês de Castro é integrado em Os Lusíadas logo após à batalha do Salado.


. Estrutura interna

1. Introdução e Antecedentes da Ação (estâncias 118-119)

. Plano narrativo: História de Portugal.

. Articulação com o Plano da Viagem: o episódio está encaixado no plano fulcral da obra. Durante a viagem, os marinheiros param em Melinde e o rei pede a Vasco da Gama que lhe conte a História do seu povo.

. Narrador: Vasco da Gama.

. Ação: o episódio de Inês de Castro ("O caso triste, e dino da memória / [...] / Aconteceu da mísera e mesquinha / Que depois de ser morta foi Rainha." ‑ est. 118, vv. 5, 7-8 ‑ perífrase: com este recurso, o poeta identifica a personagem e a singularidade da sua morte).
Alude-se, neste passo, à lenda segundo a qual D. Pedro I terá coroado Inês de Castro rainha após a sua morte.
De facto, em junho de 1360, o monarca declarou perante testemunhas que, aproximadamente sete anos antes, recebera como legítima mulher a D. Inês de Castro. Posteriormente, as testemunhas do ato depuseram em Coimbra e, na estátua do túmulo, D. Pedro colocou-lhe a coroa de rainha.

. Tempo histórico: reinado de D. Afonso IV, tempo de paz em Portugal, que se seguiu a um tempo de guerra, no qual interveio o rei: "Passada esta tão próspera vitória" ‑ referência à vitória obtida pelos cristãos na Batalha do Salado, travada a 30 de outubro de 1340 contra os Mouros, na qual D. Afonso IV participou com o exército português, em auxílio de Afonso IX de Castela. O episódio terá, portanto, decorrido 15 anos após essa batalha: 1355.

. Espaço: "Tornado Afonso [Afonso IV, o Bravo ‑ 1291-1357] à Lusitana terra".

. Dimensão trágica do episódio e da morte: “o caso triste”, “dino de memória”, “sepulcro”, “desenterra”, “mísera e mesquinha”, “morta”.

. O narrador identifica o Amor como a causa da morte de Inês de Castro (est. 119): “Tu, só tu, puro amor (…) / (…) / Deste causa à molesta morte sua” (vv. 1 e 3).

. Caracterização do Amor (personificado e adjetivado de forma negativa):
‑ causa exclusiva daquela tragédia (“Tu, só tu” – v. 1; reiteração do pronome pessoal e apóstrofe);
‑ “puro”;
‑ cruel (“com força crua”);
‑ “fero” (adjetivação anteposta);
‑ devorador insaciável da alegria humana, alimenta-se das lágrimas e do sofrimento dos que amam (“a sede tua / Nem com lágrimas se mitiga” – vv. 5-6 – metáfora e hipérbole);
‑ “áspero e tirano” (dupla adjetivação);
‑ sanguinário, exige sacrifícios humanos: “É porque queres, (…) / Tuas aras banhar em sangue humano.” (vv. 7-8).


2. Desenvolvimento – Ação central (estâncias 120 a 132)

. Localização espacial:
‑ Coimbra (“Nos saudosos campos do Mondego” – est. 120,v. 5);
‑ espaço idílico, de calma e sossego, propício ao amor.

. Retrato de Inês de Castro (est. 120-121):
físico:
‑ mulher linda (“linda Inês” – apóstrofe);
‑ “fermosos olhos” (est. 120, v. 6);
‑ jovem (“De teus anos colhendo doce fruito” – est. 120, v. 2).

psicológico:
‑ despreocupada e sossegada (“posta em sossego” – est. 120, v. 1);
‑ apaixonada, imersa no amor (“Naquele engano da alma, ledo e cego” – est. 120, v. 3 – dupla adjetivação);
‑ feliz (“ledo” – v. 3);
‑ sonhadora, alheada da realidade, pensando somente em D. Pedro (“Aos montes insinando e às ervinhas / O nome que no peito escrito tinhas.” – est. 120, vv. 7-8 – personificação);
‑ ingénua, não desconfia da tragédia que se adivinha (“engano de alma, ledo e cego” – est. 120, v. 3; “em doces sonhos que mentiam” – est. 121, v. 5) , preparada pelo Destino (“Fortuna” – v. 4) cruel que a persegue;
‑ saudosa do seu amor (“As lembranças que na alma lhe moravam” – metáfora – est. 121, v. 2);
‑ apesar de separados fisicamente, estavam sempre juntos em sonhos e pensamentos.

. Relação entre D. Inês e a Natureza: a Natureza é amiga e confidente dos sentimentos de Inês de Castro ‑ do amor e da saudade (“Aos montes insinando e às ervinhas / O nome que no peito escrito tinhas.” – est. 120, vv. 7-8). Assim sendo, há uma relação de cumplicidade entre a fidalga e a Natureza que a rodeia.

. Indícios do desenlace trágico da relação amorosa: “Naquele engano da alma, ledo e cego, / Que a Fortuna não deixa durar muito. “‑ est. 120, vv. 3-4; “De noite, em doces sonhos que mentiam” – est. 121,v.5).

. Retrato de D. Pedro:
‑ rei sensato e prudente;
‑ influenciado pela opinião do povo: “respeita / O murmurar do povo e a fantasia / Do filho” (est. 122, vv. 1-2);
‑ incomodado com a atitude do filho, dado que a rejeição de outras mulheres e do casamento gerava comentários e boatos entre o povo;
‑ por isso, determina matar Inês de Castro (“Tirar Inês ao mundo determina” – est. 123, v. 1 – eufemismo) – razão de estado: D. Afonso IV atribui à paixão de D. Pedro e D. Inês a causa da recusa do príncipe em aceitar um casamento mais conveniente para o Estado português;
‑ crê que, dessa forma, terminará com a relação entre ambos (est. 123, vv. 2-4).

‑ D. Afonso IV age por razões de Estado;
‑ a sua ação revela ingenuidade e ignorância relativamente à força do Amor por parte do Poder: crê-se, erradamente, que a morte do ser amado é suficiente para apagar o fogo da paixão.

. Nos quatro versos finais da estância 123, o poeta exprime o seu espanto e questiona a ação do rei, nomeadamente o contraste entre a ação glorioso de D. Afonso IV contra os mouros e o assassinato de uma fraca, indefesa e inocente (interrogação retórica).

. Inês de Castro perante D. Afonso IV – Momento que antecede a execução

. Ao ver Inês de Castro, trazida à sua presença, pelos «horríficos algozes» (adjetivação expressiva), o monarca fica comovido e tende a perdoá-la por piedade. Contudo, é persuadido pelas razões do povo, ainda que «falsas e ferozes”, no sentido da «morte crua» da mãe dos seus netos (“o avô cruel” – est. 125, v. 8). Note-se a insistência na qualidade de avô que condena a mãe dos seus netos e, por extensão, eles mesmos.

. Inês de Castro surge presa (“as mãos lhe estava atando” ‑ est. 125, v. 3), triste, cheia de mágoa e saudade do seu amor e dos seus filhos. De facto, o que lhe dói mais não é a própria morte, mas o facto de, morrendo, deixar os filhos, tão pequenos, órfãos e D. Pedro só (“Do seu príncipe e filhos, que deixava, / Que mais que a própria morte a magoava” – est. 124, vv. 7-8 – comparação).
Na estância 125, é focado, com especial incidência, o seu olhar, que se dirige, em primeiro lugar, para o Céu, raso de lágrimas, como se invocasse Deus como testemunha da sua inocência e, depois, para os filhos (“Que tão queridos tinha e tão mimosos” – a adjetivação e o advérbio de quantidade e grau «tão» salientam o seu lado de mãe excelente – est. 125, v. 6), evidenciando assim o seu amor de mãe que teme a sua orfandade, enquanto se prepara para pedir piedade ao rei.
No fundo, estas duas estâncias destinam-se a preparar a intervenção dramática de Inês de Castro, através da piedade que a personagem suscita, indefesa diante dos “horríficos algozes”, banhada em lágrimas e olhando os filhos inocentes diante do avô cruel, situação e comportamentos que, por outro lado, inspiram compaixão.

. Discurso de Inês de Castro (est. 126 a 129)

                No seu discurso, Inês de Castro apresenta vários argumentos tendentes à sua salvação, procurando suscitar a piedade e a clemência para si e para os seus filhos:

1. Pedido de clemência, por comparação com outros casos: Inês de Castro apela à piedade do rei, afirmando que até os animais ferozes e as aves de rapina demonstram, em várias situações, piedade em relação às situações (est. 126). Ela dá o exemplo das aves de rapina que criaram a “mãe de Nino” (Semíramis) e da loba que alimentou Rómulo e Remo (os fundadores de Roma), animais que mostraram piedade para com os seres humanos.

2. Apelo ao lado humano e à condição de avô:
. Inês apela à humanidade do rei para que a perdoe, pois não é humano matar uma donzela fraca só por esta se ter apaixonado por quem a conquistou (est. 127, vv. 2-4).
. Inês apela à piedade e ao respeito do rei pelos seus filhos, que são, em simultâneo, netos do monarca (est. 127, vv. 5-8).
. Inês apela à clemência do rei, que, tal como soube dar a morte aos mouros, deve saber dar a vida, poupando-a (est. 128, vv. 1-4).

3. Apresentação de uma proposta alternativa: se, apesar da sua inocência, o rei a quiser castigar, implora-lhe o desterro para um lugar longínquo e inóspito (uma região gelada ou tórrida ou para junto de feras), mas que lhe poupe a vida, de forma a poder continuar a amar D. Pedro e a cuidar e criar os seus filhos, que tanto precisam dela e são fruto desse profundo amor (est. 129). Nesta parte final do seu discurso, Inês recupera e reforça uma das ideias já antes apontadas: ela sugere que poderá encontrar nas feras a piedade que não encontra entre os seres humanos, aludindo novamente aos animais selvagens.

                Com este discurso, Inês de Castro procura, por um lado, suscitar a piedade e a clemência de D. Afonso IV para si e para os seus filhos, e, por outro, despertar nele o sentido de justiça e levá-lo a reconhecer que a sua condenação à morte é cruel e injusta.

. Reações ao discurso de Inês de Castro (est. 130)

                Após o discurso de Inês de Castro, D. Afonso IV emociona-se e comove-se com as suas palavras e “Queria perdoar-lhe” (v. 1), “Movido das palavras que o magoam” (v. 2). Atente-se no uso do adjetivo “benino” para o caracterizar, que é revelador da simpatia do narrador para com a figura do monarca. Aliás, ao longo de todo o episódio, é clara a intenção do narrador de aligeirar a responsabilidade do rei na morte de Inês de Castro.
                Porém, o “pertinaz” povo e o destino de Inês, há muito traçado, não permitem que o rei reveja a sua decisão inicial (est. 130, vv. 3-4). Observe-se o recurso à conjunção coordenativa adversativa «mas» (est. 130, v. 3), que introduz uma ideia de oposição relativamente à hesitação do rei e aponta o povo e o destino como os responsáveis pela morte.
                Historicamente, D. Afonso IV não pôde perdoar Inês por razões de Estado: os seus conselheiros convenceram-no de que Inês de Castro representaria um perigo para a independência de Portugal, caso casasse com D. Pedro.
                A apóstrofe final da estância 130, dirigida aos carrascos de Inês (“Contra uma dama, ó peitos carniceiros, / Feros vos mostrais e cavaleiros?”) estabelece um contraste entre a figura de uma dama frágil e indefesa e aos cavaleiros ferozes, os quais, de acordo com o código de cavalaria da época, estariam obrigados a defender e proteger as damas em perigo, frágeis e desamparadas, e não a assassiná-las. De facto, o narrador transmite-nos a imagem dos assassinos como sendo “carniceiros”, “brutos matadores”, isto é, a imagem de cavaleiros indignos dessa condição pela ferocidade e crueldade que mostram perante uma dama frágil e indefesa. Deste modo, os carrascos de Inês são apresentados como ferozes, cruéis e cobardes, pois apenas mostram valentia contra uma dama fraca.
                Observe-se, porém, que o verdadeiro «culpado» desta morte já foi apresentado na estância 119: o Amor, cruel e tirano, que domina e sujeita os corações humanos, gosta de os ver sofrer e gosta de ver o sangue derramado.

. Execução de Inês de Castro

                Na estância 131, Inês de Castro é comparada com Policena, filha de Príamo e Hécuba, ele rei de Troia, e irmã de Heitor e Páris, por quem Aquiles, um dos heróis e guerreiros gregos que cercaram aquela cidade, se apaixonou. Após a morte de Aquiles, à traição, por Páris, Pirro, filho do herói grego, assassinou a jovem sob o túmulo do pai, vingando-o desta forma.
                A comparação inicia-se na estância 131 (1.º termo) e conclui-se na 132 (2.º termo). Naquela, Policena é caracterizada como jovem, formosa e inocente, consolo e amparo da sua “mãe velha”, e vítima da ira de Pirro, que a sacrifica de forma cruel, implacável e impiedosa. Observe-se a comparação do verso 6 da estância 131 entre Policena e a “paciente e mansa ovelha” e o hipérbato do verso 8, que a apresentam, precisamente, como uma vítima inocente que se oferece ao “duro sacrifício”.
                Na estância 132, o 2.º termo da comparação, Inês é apresentada como vítima inocente, sacrificada às mãos dos “brutos matadores”, “férvidos e irosos”, cujo peito branco trespassaram com as suas espadas. Esta comparação, em suma, comprova que a morte indigna de Inês de Castro é um sacrifício bárbaro, cruel e desumano. Além disso, enquadra-se no espírito clássico que animava o Renascimento, caracterizado pela admiração e imitação dos autores clássicos, apresentando-se a heroína deste episódio à altura dessa heroína clássica.
                Note-se como, no último verso, o narrador reflete a realidade histórica, dando nota do facto de os conselheiros, no momento em que executavam Inês, ignorarem a vingança de D. Pedro assim que subiu ao trono. De facto, o monarca capturou dois dos três conselheiros – Pêro Coelho e Álvaro Gonçalves – e executou-os de forma bárbara.
                A estância 133 abre com uma apóstrofe dirigida ao Sol, através da qual o narrador exprime o seu repúdio pela morte de Inês de Castro. De facto, o seu assassinato foi um ato tão hediondo como cometido por Atreu, pelo que merecia também que o Sol se escondesse, horrorizado (comparação dos versos 3 e 4). Atreu tinha um irmão mais novo, Tiestes, que seduziu a sua esposa, Érope, e teve com ela vários filhos. Depois de descobrir a traição, Atreu, como forma de vingança, fingiu perdoar o irmão e preparou um banquete para celebrar a reconciliação, durante o qual lhe serviu os filhos fruto dessa relação adúltera entre Tiestes e a esposa do irmão. Horrorizado, o Sol escondeu-se.
                Nos últimos 4 versos da estância, o poeta dirige-se à Natureza, personificada, através de uma apóstrofe (“Vós, ó côncavos vales” – v. 5), a qual ouviu a última palavra proferida por Inês de Castro (“Pedro”) e a repetiu. De facto, os montes fizeram ecoar a última palavra dita por Inês.
                Na estância 134, o poeta faz uso de nova comparação, desta vez entre Inês de Castro e uma flor do campo. Num ambiente de juventude e inocência, uma menina corta boninas para fazer uma grinalda para adornar a sua cabeça. Colhida antes do tempo, a flor perde o cheiro e a cor. De igual modo, Inês de Castro, morta, perde a cor e a beleza (“Secas do rosto as rosas e perdida / A branca e viva cor, co a doce vida.” – vv. 7-8, est. 134 – metáfora e eufemismo) às mãos dos seus assassinos. Em suma, Inês, sem cor e sem vida, é comparada à bonina que foi cortada antes do tempo e que murchou: também ela possuía a beleza de uma flor, também ela tinha o viço da juventude e também ela foi morta antes do tempo.
                As ninfas do Mondego recordaram e choraram, durante muito tempo, Inês de Castro, tendo-se essas lágrimas transformado numa fonte que eternizou / imortalizou a memória dessa morte por amor a que chamaram «Dos amores de Inês» (Fonte dos Amores). Essa fonte situa-se na Quinta das Lágrimas, em Coimbra. Atente-se, estilisticamente, mas aliterações das consoantes nasais em /m/ e /n/, que sugerem o som contínuo do choro das ninfas, ou seja, o som das águas correndo.
                Nesta última parte do episódio, a Natureza surge novamente como cúmplice de Inês de castro, refletindo a tragédia que se abateu sobre ela. Assim, os montes ecoaram a sua última palavra, ela é comparada a uma bela e inocente flor que foi colhida antes do tempo e as ninfas do Mondego choraram copiosamente a sua morte, tendo as suas lágrimas dado origem à Fonte dos Amores.



. Características trágicas do episódio
. A ação é trágica e atinge o se clímax com a morte da protagonista, Inês de Castro, apresentada como uma vítima inocente.
. Camões respeita a lei das 3 unidades: de ação (a morte de Inês de Castro), de espaço (Coimbra) e de tempo (duração aproximada de 24 horas).
. A presença / intervenção do Destino: "Naquele engano de alma ledo e cego / Que a Fortuna não deixa durar muito ‑ est. 120, vv. 3-4; "Mas o pertinaz povo e seu destino" (est. 130, v. 3).
. A existência da peripécia, súbita mudança de rumo dos acontecimentos, em vários momentos da ação.
. A presença do coro, evidente nas intervenções emocionais do poeta que acompanham o desenrolar da ação e através das quais a vai comentando (estância 119, últimos 4 versos da estância 123, dos dois últimos versos da estância 130 até à 135).
. A catástrofe. constituída pela morte de Inês de Castro.
. A inspiração dos sentimentos de terror e piedade. O terror é sugerido por determinadas expressões: "horríficos algozes", "ferozes razões", "morte crua", "duros ministros rigorosos", "avô cruel", "morte escura", "peitos carniceiros", "brutos matadores", "encarniçavam férvidos e irosos".
Por sua vez, a piedade é suscitada:
- pelo contraste entre a vivência de uma felicidade despreocupada e a súbita desgraça que sobre Inês se abate;
- pela desproporção de forças entre uma "fraca dama delicada" e a brutalidade e crueldade dos seus "brutos matadores";
- pelo conjugação de uma morte injusta e uma vítima inocente;
- pelo contraste entre a humanização das feras e da natureza e a falta de humanidade dos homens;
- pela imagem de Inês de Castro implorando perdão ao rei, rodeada dos seus filhos;
- pelas intervenções do poeta.

terça-feira, 22 de abril de 2014

Chalet da Condessa d’Edla – Sintra


     O Chalet da Condessa d'Edla, datado do século XIX, situa-se na cidade de Sintra, no Parque da Pena.
     O edifício foi mandado construir por D. Fernando II e pela sua segunda esposa, Elise Hensler, Condessa d'Edla, uma cantora de ópera de origem suíço-americana, entre 1869 e 1875, num talhão do Parque da Pena.
     O chalé foi inspirado nas construções das montanhas suíças, mas está revestido com materiais nacionais, como a cortiça, que emoldura todas as portas e janelas exteriores. Além disso, a fachada é de alvenaria, mas pintada de forma a imitar a madeira, à semelhança das casas americanas.
     A residência é rodeada por um espaço de 1,5 hectares de parque e jardins, com alguns exemplares raros de vegetação e flores multicores que alegram o cenário..
     Destruído em 1999 por um incêndio, o edifício e o parque começaram a ser recuperados em 2007 e reabriram recentemente ao público, depois de completa a primeira fase dos trabalhos de recuperação.

(c) Portugal+

Passos Coelho, a sua troupe e o coronel Aureliano Buendia

     «O coronel Aureliano Buendia promoveu trinta e dois levantamentos armados e perdeu-os todos. Teve dezassete filhos varões de dezassete mulheres diferentes, que foram exterminados, um após outro, numa única noite, antes de o mais velho fazer trinta e cinco anos. Escapou a catorze atentados, a setenta e três emboscadas e a um pelotão de fuzilamento. Sobreviveu a uma dose de estricnina no café que teria chegado para matar um cavalo. Recusou a Ordem do Mérito que lhe foi conferida pelo presidente da República. Chegou a ser comandante-geral das forças revolucionárias, com jurisdição e poder de uma fronteira à outra e o homem mais temido pelo Governo, mas nunca permitiu que lhe tirassem uma fotografia. Declinou a pensão vitalícia que lhe propuseram e viveu até à velhice dos peixinhos de ouro que fabricava na sua oficina de Macondo. Ainda que tenha sempre lutado à frente dos seus homens, a única ferida que recebeu foi a que fez a si mesmo depois de assinar a capitulação de Neerlândia que pôs termo a quase vinte anos de guerras civis. Disparou um tiro de pistola no peito e a bala saiu-lhe pelas costas sem atingir nenhum centro vital. A única coisa que ficou de tudo isso foi uma rua com o seu nome em Macondo. No entanto, segundo declarou poucos anos antes de morrer de velho, nem sequer isso esperava na madrugada em que partiu com os seus vinte e um homens para se ir reunir às forças do general Victorio Medina. 
     - Aqui te deixamos Macondo - foi tudo quanto disse a Arcadio antes de partir. - Deixamos-ta bem. Faz com que a encontremos melhor

Gabriel García Márquez, Cem Anos de Solidão

sábado, 19 de abril de 2014

"Key for Schools"

     «À boa maneira do Estado Novo, o Estado Novo II tem-se afanado em recrutar, obrigatoriamente, voluntários para corrigirem os exames de Cambridge, a que se irão sujeitar os alunos do 9.º ano. Passemos ao largo do provincianismo que paga agora a Cambridge, aquilo que os professores portugueses sempre fizeram e bem. Mas denunciemos o truque. O exame que os alunos vão fazer chama-se, na tipologia de Cambridge, Key for Schools. Corresponde, na descrição do Quadro Europeu Comum de Referência para Línguas Estrangeiras, ao nível A2. As Metas Curriculares de Inglês, aprovadas por Crato, dizem que este nível deve ser cumprido pelos estudantes do 7.º ano de escolaridade. E que dizem para os do 9.º ano? Que o nível a cumprir é o B1, que corresponde, na nomenclatura de Cambridge, a um exame denominado Preliminary of Schools. Ou seja, os alunos do 9.º ano vão fazer o exame desenhado para os do 7.º. Terão, obviamente, bons resultados. É este o rigor de Crato, chancelado por Cambridge


Prof. Santana Castilho

sexta-feira, 4 de abril de 2014

Matriz - Exame de Português 9.º ano 2014 - NEE


INFORMAÇÃO ‑ PROVA FINAL DE CICLO
PORTUGUÊS                                                                                                                            Março de 2014
Prova 81 | 2014
………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….
3.º Ciclo do Ensino Básico

                O presente documento divulga informação relativa à prova final do 3.º Ciclo da disciplina de Português, a realizar em 2014, nomeadamente:
● Objeto de avaliação;
● Caracterização da prova;
● Critérios gerais de classificação;
● Material;
● Duração.

                Realizam a prova os alunos que se encontram abrangidos pelo Decreto-Lei 3/2008, de 7 de janeiro.


1. Objeto de avaliação

                A prova tem por referência o Programa de Português e as Metas Curriculares de Português para o Ensino Básico e permite avaliar aprendizagens passíveis de avaliação numa prova escrita de duração limitada, nos domínios da Leitura, da Escrita, da Educação Literária e da Gramática.
                Relativamente ao domínio da Educação Literária, a prova pode incluir textos que constam da «Lista de obras e textos para Educação Literária» (Metas Curriculares de Português) ou outros textos representativos da literatura portuguesa e da literatura estrangeira.


2. Caracterização da prova

                Os itens terão como suporte dois ou mais textos.
                A prova é cotada para 100 (cem) pontos.

                A valorização dos domínios na prova apresenta-se no Quadro 1.

Quadro 1 ‑ Valorização dos domínios

Domínios
Cotação
(em pontos)
Grupo I – Leitura
20
Grupo II – Educação Literária
30
Grupo III – Gramática
20
Grupo IV ‑ Escrita
30

                Em cada grupo, para além do domínio em foco, podem ser mobilizadas aprendizagens de outros domínios.

                A tipologia de itens, o número de itens e a cotação por item apresentam-se no Quadro 2.

Quadro 2 – Tipologia, número de itens e cotação

Tipologia de itens
Número de itens
Cotação por item
(em pontos)
Itens de seleção
Ordenação
Escolha múltipla
Associação
8 a 10
2 a 8
Itens de construção
Resposta curta
Completamento
Resposta restrita
Resposta extensa
3 a 5
1
5 a 8
1 a 2
2 a 5
3 a 5
3 a 8
10 ou 30


3. Critérios gerais de classificação

                A classificação a atribuir a cada resposta resulta da aplicação dos critérios gerais e dos critérios específicos de classificação apresentados para cada item.
                As respostas ilegíveis ou que não possam ser claramente identificadas são classificadas com zero pontos.
                A classificação das provas nas quais se apresente, pelo menos, uma resposta escrita integralmente em maiúsculas é sujeita a uma desvalorização de três pontos.
                No presente ano letivo, na classificação das provas, continuarão a ser consideradas corretas as grafias que seguirem o que se encontra previsto quer no Acordo Ortográfico de 1945, quer no Acordo Ortográfico de 1990 (atualmente em vigor), mesmo quando se utilizem as duas grafias numa mesma prova.

Itens de seleção
                Nos itens de escolha múltipla, a cotação do item só é atribuída às respostas que apresentem de forma inequívoca a opção correta. Todas as outras respostas são classificadas com zero pontos.
                Nos itens de ordenação, a cotação do item só é atribuída às respostas em que a sequência apresentada esteja integralmente correta e completa. Todas as outras respostas são classificadas com zero pontos.
                Nos itens de associação, são atribuídas pontuações às respostas total ou parcialmente corretas, de acordo com os critérios específicos.

Itens de construção
                Nos itens de completamento e nos de resposta curta, a cotação do item só é atribuída às respostas totalmente corretas. Poderão ser atribuídas pontuações a respostas parcialmente corretas, de acordo com os critérios específicos. Nos itens de resposta curta em que se solicite o uso de metalinguagem, são classificadas com zero pontos as respostas que contenham abreviaturas ou representações ortográficas incorretas de termos literários ou linguísticos.
                Nos itens de resposta restrita e de resposta extensa, os critérios de classificação apresentam-se organizados por níveis de desempenho. A cada nível de desempenho corresponde uma dada pontuação.
                Em relação aos itens de resposta restrita, a cotação é distribuída pelos parâmetros seguintes:
a) conteúdo (C);
b) organização e correção da expressão escrita (F).

                No domínio da organização e correção da expressão escrita (F), estão previstos descontos por aplicação dos fatores de desvalorização seguintes:
– erro de ortografia (incluindo erro de acentuação, uso indevido de letra minúscula ou de letra maiúscula inicial e erro de translineação);
– erro inequívoco de pontuação;
– incumprimento de regra de citação ou de referência a título de obra;
– erro de morfologia;
– erro de sintaxe;
– impropriedade lexical.
                O afastamento integral dos aspetos de conteúdo relativos a cada item implica que a resposta seja classificada com zero pontos. A classificação com zero pontos nos aspetos de conteúdo (C) implica a classificação com zero pontos nos aspetos de organização e correção da expressão escrita (F).
                O Grupo II pode integrar um item de resposta extensa. Caso tal se verifique, são aplicados os critérios apresentados para os itens de resposta restrita. Neste item, a indicação de um número mínimo e máximo de palavras, para a elaboração da resposta, significa que os limites explicitados correspondem a requisitos relativos à extensão de texto e devem ser respeitados. Se o aluno não cumprir a extensão requerida, a classificação é sujeita à desvalorização de 1 ponto. Se a extensão do texto for inferior a 1/3 do limite mínimo, a resposta é classificada com zero pontos.
                Em relação ao item de resposta extensa que constitui o Grupo IV, a cotação é distribuída pelos parâmetros Tema e Tipologia, Coerência e Pertinência da Informação, Estrutura e Coesão, Morfologia e Sintaxe, Repertório Vocabular, Ortografia. Caso a resposta não cumpra de forma inequívoca a instrução no que respeita ao tema e ao tipo de texto, é classificada com zero pontos em todos os parâmetros. Neste item, a indicação de um número mínimo e máximo de palavras, para a elaboração da resposta, significa que os limites explicitados correspondem a requisitos relativos à extensão de texto e devem ser respeitados. Se o aluno não cumprir a extensão requerida, a classificação é sujeita à desvalorização de 1 ou de 2 pontos. Se a extensão do texto for inferior a 1/3 do limite mínimo, a resposta é classificada com zero pontos em todos os parâmetros.


4. Material

                O aluno apenas pode usar, como material de escrita, caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.
                As respostas são registadas em folha própria, fornecida pelo estabelecimento de ensino (modelo oficial).
                Não é permitida a consulta de dicionário.
                Não é permitido o uso de corretor.


5. Duração

                A prova tem a duração de 90 minutos, a que acresce a tolerância de 30 minutos.

Vocativo

                O vocativo é a função sintática desempenhada por um constituinte não obrigatório que serve para chamar ou interpelar o interlocutor.
                O vocativo ocorre em:

1. Frases de tipo imperativo:
. João, cala-te!

2. Frases de tipo exclamativo:
. Ó João, estás impossível hoje!

3. Frases de tipo interrogativo:
. João, podias dizer-me as horas?

                Por outro lado, o vocativo é extremamente móvel, podendo ocorrer no início, no interior ou no final da frase. Em qualquer circunstância, surge sempre separado por vírgula dos demais elementos da frase.
. João, dá-me esse martelo.
. Dá-me, João, esse martelo.
. Dá-me esse martelo, João.

                Além disso, é frequente alguma confusão entre as funções de sujeito e de vocativo. No entanto, há formas de os distinguir:

a. O sujeito e o vocativo podem ocorrer, em simultâneo, numa frase:
. A minha mãe viu-te na feira, João.
Sujeito                                     vocativo

b. Ao contrário do sujeito, o vocativo não controla a concordância verbal.
. Maria, os teus irmãos chegaram.

c. Ao contrário do sujeito, o vocativo pode ser antecedido da interjeição «ó».
. Ó Eusébio, porque partiste tão cedo?

d. Ao contrário do sujeito, o vocativo nunca é acompanhado de determinantes (exceto possessivos).
. João, cheguei.
  vocativo
. Meu querido João, cheguei.
vocativo
. Aquele rapaz chama-se João.
sujeito

"O Cerco à Sala de Aula"

   

OPINIÃO

O Cerco à Sala de Aula

Predicativo do complemento direto

1. Definição

                O predicativo do complemento direto é a função sintática desempenhada pelo constituinte que atribui uma propriedade (daí a designação de predicativo) ao complemento direto.
                 Este constituinte é selecionado por um verbo transitivo predicativo: aceitar, achar, chamar, considerar, crer, coroar, declarar, designar, eleger, encontrar, estimar, fazer, instituir, julgar, nomear, proclamar, ter por, ter-se por, tornar, tomar por, tratar por, etc.
. A Maria considera o Aníbal inteligente.
     c. direto    predicativo do c. direto


2. Concordância

                O predicativo do complemento direto (PCD) concorda em género e em número com o complemento direto (CD) (quando se trata de um grupo nominal ou de um grupo adjetival) e com ele forma uma unidade de sentido, pelo que a sua supressão origina agramaticalidade ou altera radicalmente o sentido da frase.
. O João acha a Joana um doce. (O verbo «achar» significa «considerar».)
    CD         PCD
. O João acha a Joana. (Neste caso, suprimindo o PCD, o verbo «achar» passa ter o significado de «encontrar».)


3. Representação

                Podem desempenhar a função sintática de PCD:

1. Um grupo nominal:
. Os portugueses elegeram Passos Coelho primeiro-ministro.
    CD                        PCD

2. Um grupo adjetival:
. O professor considera a Cláudia inteligente.
      CD                 PCD
. Achei o livro profundo.
    CD         PCD

3. Um grupo preposicional:
. Não me tomem por parvo.
  CD                   PCD
. Considero a partida de mau gosto.
   CD               PCD
. Nomearam a Joana para secretária.
    CD            PCD


4. Considerações genéricas

                O CD e o PCD podem ser parafraseados, geralmente, por uma oração subordinada substantiva completiva finita, em que o CD passa a sujeito e o PCD a predicativo do sujeito.
. Eu acho a Luísa interessante.
   CD            PCD
. Eu acho que a Luísa é interessante.
          predicativo do sujeito

                O PCD de uma frase na voz ativa passa a predicativo do sujeito quando essa frase é transformada para a voz ativa, dado que o complemento direto passará a sujeito:
. O povo português declarou Passos Coelho incompetente.
     CD                       PCD
. Passos Coelho foi declarado incompetente pelo povo português.
     predicativo do sujeito

                O PCD pode surgir antes do complemento direto que predica:
. Eça de Queirós tornou muito emocional a despedida de Maria Eduarda.
    PCD                                 CD


5. Distinção entre PCD e modificador do nome

                Por vezes, surgem dificuldades em distinguir o PCD do modificador do nome.
                A forma mais fácil de fazer essa distinção passa por reconhecer que só o modificador do nome integra o CD e é incluído na pronominalização do grupo frásico que desempenha essa função de CD.
. Considero o Frei Luís de Sousa interessante.
    CD                           PCD
. Considero-o interessante.
   CD      PCD
                 CD                              
. No sábado, vi um filme interessante.
  modificador do nome
. No sábado, vi-o.
    CD

Na sala de professores (I)

     Isto sucedeu numa sala de professores de uma escola deste país. Os intervenientes são todos professores.

     J. - Dulc..., em que ano foi a Expo-98?
     D. - Ah, pá! Essa é difícil!
     J. - Pensa bem! Em que ano terá sido?
     Após alguns momentos de grande hesitação:
     D. - Em 2000... 2001.

Princípio de cortesia

                O princípio da cortesia refere-se ao conjunto de estratégias, de normas de conduta – verbais e não verbais ‑ (informais, formais, regras de etiqueta), estabelecidas pelas sociedades e usadas pelos interlocutores para reduzir e / ou evitar os conflitos entre si, isto é, para evitar que a troca verbal seja ofensiva ou ameaçadora, acautelando-se assim os conflitos, e, em simultâneo, garantir um comportamento social adequando. É o caso, por exemplo, de um reencontro entre dois indivíduos que não se veem há algum tempo e em que um deles, procurando ser simpático e evitar atingir negativamente o seu interlocutor, lhe diz «Estás com bom aspeto.», mesmo que isso não corresponda à verdade.
                Algumas dessas estratégias são as formas de tratamento (Vossa Excelência, o senhor, tu, sr. João, etc.) e as expressões convencionais de cortesia (por favor, obrigado, etc.).
                Por outro lado, determinados traços da competência comunicativa do falante contribuem também para o princípio da cortesia:
‑ adaptar o seu discurso ao contexto e às circunstâncias;
‑ dominar estratégias que evitem a troca verbal ofensiva ou ameaçadora;
‑ suavizar determinados conteúdos / mensagens considerados agressivos, “chocantes”, cruéis ou que possam agredir o interlocutor;
‑ usar fórmulas e expressões consideradas como corteses.
                Além disso, qualquer falante deve respeitar determinadas regras durante a conversação:
‑ não interromper o seu interlocutor;
‑ evitar o silêncio ostensivo;
‑ revelar atenção ao discurso / não se mostrar desatento;
‑ não proferir ofensas, injúrias, calúnias, insultos, acusações gratuitas e infundadas, etc.
                A este princípio associa-se o conceito de face, isto é, a autoimagem pública que o falante pretende dar de si próprio. De facto, nas interações sociais, “procura causar uma imagem positiva no seu interlocutor, de modo a ser aprovado por ele. Quanto mais positiva for essa imagem, mais os outros a aceitarão.” (in http://dlac.pt). Deste modo, o locutor investe na sua imagem social, de modo a manter a face e a não a perder, constituindo a fala um meio privilegiado de o falante apresentar uma imagem pessoal (positiva ou negativa) aos demais indivíduos. Dá-se o nome de face positiva ao desejo do locutor de que a sua imagem seja apreciada e aprovada e de face negativa ao desejo que o mesmo locutor tem de não ser contrariado e desacreditado.
                Assim sendo, considerando que é do interesse dos falantes protegerem a face um do outro, no pressuposto de que, se A preserva a de B, este preservará a daquele, eles regulam a sua interação por meio do ajuste recíproco de comportamentos e adotam estratégias de mútua cortesia tendentes à prossecução desse objetivo.
                No entanto, há momentos e circunstâncias de tensão em que um falante procura, deliberadamente, que o outro perca a face, por exemplo através de acusações, de interrupções constantes e até de insultos. É frequente, em debates televisivos, um interlocutor interromper o outro com frequência, para que este não consiga expor o seu pensamento.
                Por outro lado, são várias as interações verbais que constituem potenciais ameaças à face (positiva ou negativa) do locutor:
. atos de fala expressivos como a autocrítica, a confissão e a justificação constituem uma ameaça à face positiva;
. atos de fala compromissivos como as ofertas e as promessas constituem uma ameaça à face negativa, dado que condicionam a sua liberdade.
                De igual modo, há interações verbais que ameaçam a face do interlocutor:
. atos de fala expressivos como os insultos, as injúrias, a censura, a desaprovação, as injúrias, a desaprovação, as acusações e as interrupções configuram uma ameaça à face positiva;
. atos de fala diretivos (ordens, pedidos, instruções) constituem uma ameaça à face negativa, visto que o obrigam a tomar uma posição.
                O objetivo do princípio de cortesia é, precisamente, atenuar estas ameaças. Assim, os interlocutores procuram observar determinados princípios (atrás referidos) e fazer uso de diferentes estratégias linguísticas para mitigar as ameaças à face de cada um, procurando diminuir o impacto dos atos de fala acima descritos:
. uso de atos de fala indiretos que contribuem para diminuir a ameaça que as ordens, os pedidos, as perguntas, etc., representam para a face negativa do interlocutor:
‑ Cala-te!
. Não te importas de te calar?
. Podes calar-te, por favor?
. Poderias calar-te?
. Era melhor calares-te.
.
. recurso a outros atos de fala indiretos ‑ introduções explicativas ou desculpabilizadoras que diminuam a ameaça à face positiva provocada por desaprovações ou desacordos:
Está enganado!
. Desculpe, mas está enganado.
. utilização de eufemismos:
O Antunes morreu.
. O Antunes partiu para o céu.
. O Antunes deixou-nos.
. O Antunes já não está entre nós.
. uso do pretérito imperfeito em vez do presente em determinados pedidos:
Quero um bilhete para a última sessão.
. Queria um bilhete para a última sessão, por favor!
. uso de perífrases:
Passos Coelho teve um acidente. Um acidente muito grave. Infelizmente aconteceu o pior. (Esta fala prepara, gradualmente, o interlocutor para o desfecho fatal, sendo de assinalar a conjugação da perífrase com o eufemismo) – in Domínios Gramaticais (adaptado).
. utilização da lítotes:
Isso não é nada pêra doce. (= Isso é muito difícil.) ‑ in Domínios Gramaticais.

Bibliografia:
. Domínios Gramaticais, Zacarias Nascimento et alii.
. Itinerário Gramatical, Olívia Figueiredo et alii.
. Gramática da Língua Portuguesa, Clara Amorim et alii.

Princípio de pertinência ou relevância

                O princípio de pertinência é uma espécie de guia de comportamento comunicativo humano que garante que o locutor produz enunciados que conduzem a uma interpretação adequada por parte do interlocutor, deixando cair outras interpretações.
                Isto sucede porque os interlocutores reconhecem universos de referência comuns, ou seja, eles partilham saberes sobre o mundo, sobre os valores psicológicos e sociais, sobre os comportamentos, etc.

Bibliografia:
. Domínios Gramaticais, Zacarias Nascimento et alii.
. Itinerário Gramatical, Olívia Figueiredo et alii.
. Gramática da Língua Portuguesa, Clara Amorim et alii.


quinta-feira, 3 de abril de 2014

Princípio de cooperação

                Para que uma troca verbal, uma conversa, seja eficaz, é necessário que os falantes cooperem / colaborem entre si, respeitando um conjunto de regras que partilham entre si, isto é, devem esforçar-se, em conjunto, para respeitar essas regras, no sentido de a comunicação ser eficaz e atingir o mesmo objetivo, promovendo-se, deste modo, a boa-formação conversacional (a colaboração mútua dos falantes).
                O princípio de cooperação compreende um conjunto de categorias chamadas máximas conversacionais, que o concretizam.
                As máximas conversacionais são quatro.

1.ª) Máxima de quantidade:
. a informação fornecida deve ser a que é requerida;
. a contribuição do falante não deve ser menos nem mais informativa do que é requerido;
. configuram um desrespeito por esta máxima os discursos tautológicos (repetitivos), redundantes ou repetitivos;
. exemplo de respeito por esta máxima:
Pode dizer-me as horas?
São 23 e 10.
. exemplo de desrespeito por esta máxima:
Pode dizer-me as horas?
‑ Posso. / ‑ Não, não posso.
          OU
Pode dizer-me as horas?
‑ São 23 horas, 10 minutos, 35 segundos e 53 centésimos.

2.ª) Máxima de qualidade:
. a contribuição numa conversa deve ser, tanto quanto possível, verdadeira;
. o falante deve omitir o que crê ser falso e evitar afirmar aquilo de que não tem provas ou que desconhece;
. por vezes, o falante viola propositadamente esta máxima, por exemplo em enunciados irónicos(1) ou metafóricos(2):
(1)Tiveste zero no teste. Estás de parabéns!
(2)Amor, tens um coração de manteiga.
. assim, é necessário, ocasionalmente, que o interlocutor infira um outro significado do enunciado produzido pelo locutor, além do sentido literal:
Se tiveres boas notas, compro-te um no telemóvel. (infere-se que o telemóvel só será comprado se o interlocutor «obtiver boas notas»).

3.ª) Máxima de relação ou de relevância
. a contribuição discursiva do falante deve ser relevante e pertinente relativamente ao objetivo da conversa, isto é, deve ter a ver com o objetivo da conversa;
. a violação desta máxima é, frequentemente, aparente, dado que o locutor espera que o seu interlocutor faça inferências:
A ‑ Vamos ao cinema logo?
B ‑ A minha mãe está doente. (infere-se desta resposta que o convite foi recusado, pois B não pode ir ao cinema.)

4.ª) Máxima de modo:
. o locutor deve ser claro, evitando a obscuridade e a ambiguidade;
. o locutor deve ser breve;
. a contribuição conversacional deve ser ordenada e metódica;
. exemplo de desrespeito por esta máxima:
* Entrei na escola e saí do autocarro. (neste caso, é evidente que os acontecimentos não estão ordenados de forma lógica; de facto, o locutor deveria ter saído primeiro do autocarro e, de seguida, entrado na escola.)

                As máximas conversacionais são, frequentemente, violadas, umas vezes deliberadamente, outras não. As violações deliberadas estão associadas ao recurso à ironia, à hipérbole, à metáfora, à interrogação retórica e aos de fala indiretos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...