quarta-feira, 28 de agosto de 2019

Análise dos capítulos VII e VIII de Admirável Mundo Novo


            Os capítulos VII e VIII compreendem um desenvolvimento crucial da trama: a reunião de Bernard e John. Este é um pária que sempre sonhou viver no Estado Mundial, enquanto o segundo é um desajustado do Estado Mundial que procura uma maneira de se encaixar. O encontro deles coloca em movimento uma cadeia de eventos que acarretará consequências devastadoras para ambos.
            Huxley recorre a um flashback para atualizar Bernard e o leitor sobre a história de John. Esse recurso permite ao autor apresentar uma colagem de imagens da infância de John que, de outra forma, se encaixaria de maneira estranha na estrutura geral da narrativa. Se a narrativa tivesse sido apresentada na estrita ordem cronológica, a história de John e Linda teria sido contada primeiro. Chegando no meio do romance, tem um impacto maior, porque o leitor já conhece as grandes diferenças entre a cultura do Estado Mundial e da Reserva. A falha de Linda em se encaixar na Reserva e a criação confusa de John só fazem sentido dentro do contexto que já foi fornecido.
            As experiências de Linda na Reserva, descritas por ela e por John, demonstram até que ponto os cidadãos do Estado Mundial dependem da “civilização” – isto é, de uma vida completamente estruturada pelo Estado. Na Reserva, ela é praticamente indefesa: não sabe como consertar roupas, cozinhar ou limpar, e a própria ideia de cuidar de uma criança horroriza-a. Volta-se para o mescal como um pobre substituto do soma, que até então era o seu único método para lidar com situações desagradáveis.
            John é um híbrido cultural que absorve a cultura de sua mãe e a dos índios da Reserva, mas também ele está culturalmente à deriva. A comunidade da Reserva não o aceita e o Outro Lugar de Linda é um mundo distante sobre o qual ele só ouve histórias. Então volta-se para Shakespeare isoladamente e absorve um terceiro sistema de valores culturais.
            A Tempestade, de Shakespeare, constitui um paralelo importante com Admirável Mundo Novo, e os dois textos relacionam-se a vários níveis. Na peça, Prospero e sua filha Miranda são exilados para uma ilha, porque o irmão dele o traiu para ganhar poder político. O único habitante da ilha é um nativo, Caliban, a cuja mãe falecida a ilha pertencia. Prospero usurpa o controle da ilha e decide criar Caliban como escravo, porque tem pena dele e pretende civilizá-lo. Shakespeare retrata habilmente Caliban como uma figura raivosa e violenta, que poderia ser facilmente interpretada como menos que humana, governada por apetites bestiais e não por instintos mais elevados. Quando um navio chega à ilha, dois dos administradores apresentam o licor a Caliban, e a bebida torna-se o “Deus” da personagem. No entanto, Shakespeare também consegue imbuir Caliban de todas as complexidades do indivíduo colonizado. Ele pode estar com raiva e ser violento, mas foi oprimido por Prospero. Caliban fica encantado com o licor vê-o como um deus, porém nunca viu álcool antes, e os efeitos de ficar bêbado devem ser surpreendentes para ele. Prospero pretende ajudar Caliban "civilizando-o", mas ele ressente-se de Prospero pelo roubo da sua casa. Prospero vê o ressentimento de Caliban como infundado e como evidência da sua natureza bestial, e isso leva-o a trata-lo de maneira ainda mais severa. Caliban responde com ações violentas que apenas aumentam a crença de Prospero de que ele é um animal. Em A Tempestade, Caliban é "selvagem" e "nobre selvagem", é totalmente desalojado em todas as comunidades, assim como John é na reserva e virá a ser no Estado Mundial.
            Tanto a Tempestade como o Admirável Mundo Novo podem ser interpretados como alegorias da colonização. Prospero decide criar Caliban e "civilizá-lo" da mesma maneira que os colonos europeus tentaram "civilizar" as culturas africana, asiática e nativa americana com as quais entraram em contacto. Para os colonizadores britânicos e outros colonizadores europeus, civilizar os selvagens foi um processo de substituir as culturas e línguas nativas pela cultura e pela língua do colonizador. Os colonizadores efetivamente separaram os povos colonizados da sua própria história e cultura, tornando mais difícil para os últimos rebelarem-se contra a nova cultura implantada que se tornou a sua. Todo o Estado Mundial é construído exatamente sobre essa premissa, apagando o passado e todos os seus legados culturais. O Estado Mundial, em certo sentido, colonizou todos.

Resumo do capítulo VIII de Admirável Mundo Novo


            John diz a Bernard que cresceu ouvindo as histórias fabulosas de Linda sobre o Outro Lugar, mas também se sentiu isolado e rejeitado, em parte porque a sua mãe dormia com muitos homens e em parte porque as pessoas da aldeia nunca o aceitaram. Linda teve um amante, Popé, que lhe trouxe uma bebida alcoólica chamada mescal que ela começou a beber muito. Enquanto isso, apesar de ter sido proibido de participar dos rituais dos índios, John absorveu a cultura ao seu redor. A mãe ensinou-o a ler, primeiro desenhando na parede e depois usando um guia para Trabalhadores da Loja de Embriões Beta que ela havia trazido consigo. Ele fez-lhe perguntas sobre o Estado Mundial, mas ela não lhe poderia dizer muito sobre o modo como funcionava. Um dia, Popé trouxe The Complete Works of Shakespeare para a casa de Linda, que Jonh leu avidamente até poder citar passagens de cor. As peças tiveram o condão de dar voz a todas as suas emoções reprimidas.
            Bernard pergunta a John se ele gostaria de ir a Londres consigo. Ele tem um motivo oculto que mantém para si mesmo: quer constranger o diretor, expondo-o como o pai de John. Este aceita a proposta, mas insiste que Linda possa acompanhá-lo. Bernard promete pedir permissão para levar os dois. John cita uma linha de A Tempestade para expressar seus sentimentos de alegria por finalmente ter visto o Outro Mundo de que tinha ouvido falar quando criança: “Ó valente mundo novo que tem pessoas assim.” Corando, ele pergunta se Bernard está casado com Lenina. Este ri e responde-lhe negativamente. Posteriormente, adverte John para esperar até ver o que ele veja o estado do mundo antes que fique extasiado com o mesmo.

Resumo do capítulo VII de Admirável Mundo Novo


            Na reserva, Lenina assiste a uma celebração comunitária. A batida dos tambores lembra-lhe as celebrações do Solidarity Services e do Dia de Ford. As imagens de uma águia e de um homem numa cruz são levantadas, e um jovem entra para o centro de uma pilha de serpentes contorcendo-se. Um homem chicoteia-o, tirando sangue até que o jovem colapsa. Lenina está horrorizada.
            John, um belo jovem loiro de roupas indianas, surpreende Lenina e Bernard ao falar inglês perfeito. Ele diz que queria ser o sacrificado, mas a cidade não o deixou. Depois explica que a sua mãe, Linda, veio do Outro Lugar fora da Reserva. Durante uma visita à mesma, ela caiu e sofreu uma lesão, mas foi resgatada por alguns índios que a encontraram e a levaram para a aldeia, onde vive desde então. O pai dele, também do Outro Lugar, chamava-se Tomakin. Bernard percebe que "Tomakin" é, na verdade, Thomas, o diretor, mas não diz nada no momento.
            John apresenta Lenina e Bernard a sua mãe, Linda. Cheia de rugas, gorda e com falta de dentes, ela enoja Lenina. Linda explica que John nasceu porque algo errado aconteceu com os seus contracetivos. Ela não conseguiu abortar na Reserva e sentiu vergonha de voltar ao Estado Mundial com um bebé. Linda explica que, depois de iniciar a sua nova vida na aldeia indígena, seguiu todo o seu condicionamento e dormiu com qualquer homem que lhe agradasse, mas algumas mulheres espancaram-na por levar os seus homens para a cama.

Análise dos capítulos IV a VI de Admirável Mundo Novo


            O papel de Bernard como protagonista – um papel que John assumirá mais tarde – continua nesta secção. Cada vez mais, ele aparece menos como um rebelde político e mais como um desajustado social que acredita que mudar a sociedade é a única maneira de se encaixar. As suas conversas com Helmholtz revelam que está orgulhoso da sua ligação com Lenina, com medo de ser apanhado a criticar o Estado Mundial, e subserviente a Helmholtz quando se trata de questões de verdadeira rebelião. Bernard é uma personagem paradoxal: num momento cobiça Lenina e no outro espera que tenha forças para resistir aos avanços dela.
            Helmholtz tem exatamente o problema oposto de Bernard. Enquanto este é muito pequeno e estranho para a sua casta, aquele é, no mínimo, perfeito demais. O seu sucesso com as mulheres, na sua carreira e em todos os outros aspetos da sua vida levou-o a acreditar que deve haver algo mais na vida do que desportos de alta tecnologia, sexo fácil e slogans repetitivos. Ele fala com Bernard porque este compartilha da sua antipatia pelo sistema, mas está ciente de que a antipatia do amigo tem uma base diferente da sua.
            O cenário destes capítulos muda rapidamente: do local de trabalho para o apartamento de Helmholtz; do helicóptero de Henry para Westminster Abbey Cabaret até um crematório; do apartamento de Bernard ao Community Singery; e assim por diante. Parte da mudança de cena é simplesmente usada para mostrar um dia na vida de um membro do Estado Mundial. A visita de Lenina e Henry ao Westminster Abbey Cabaret é uma piada franca sobre os usos que o Estado Mundial dá aos locais religiosos antigos.
            Enquanto Henry e Lenina contemplam o crematório, quase reconhecem que o sistema de castas pode ser menos que perfeito. Mas então ela, perturbada e antipática, retira-se para uma de suas frases hipnopédicas, recupera a sua felicidade e a crise acaba. Mais uma vez, está feliz por estar na sua casta e desdenhosa das outras castas. Este episódio, possibilitado pela montagem de uma viagem de helicóptero a um crematório, mostra como o condicionamento pode impedir a população de questionar os pressupostos do estado em que vive. A maior mudança no cenário é do Estado Mundial para a Reserva, embora uma descrição detalhada da Reserva seja mantida em suspenso até ao próximo capítulo.
            Embora o Estado Mundial obviamente controle seus membros condicionando-os e satisfazendo os seus desejos, há indícios de que a estabilidade seja mantida através de métodos ainda mais sinistros. O repentino medo de Bernard de que alguém esteja ouvindo a sua conversa herética com Helmholtz sugere um lado totalitário do Estado Mundial. Fora do horário de trabalho, os cidadãos participam de atividades sociais programadas e rigorosamente regulamentadas e nunca passam tempo sozinhos. A falta de tempo para reflexão mantém-nos ocupados e dóceis. O medo de Bernard mostra que ele está ciente das consequências não escritas, mas potencialmente graves, de suas crenças heréticas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...