quinta-feira, 6 de junho de 2013

Pastores de Nuvens

A imagem representada intitula-se “Pastores de Nuvens” e é um cartoon realizado em 2003.
            Em primeiro plano observa-se um céu com algumas nuvens bastante carregadas, com tons de azul-escuro e cinzento, umas gotas de água que estão a cair em três baldes. Visualizam-se também dois homens a olhar para o céu, sendo um deles velho, estando vestido com uma batina e uns chinelos e a pegar numa bengala tão grande que toca as nuvens. O outro homem está vestido com umas calças rasgadas e uma camisola e está também a pegar numa bengala. Observa-se ainda um solo estéril e deserto. Em segundo plano, avistam-se mais pessoas sentadas. Toda a imagem é caracterizada por tons frios.
Este cartoon pretende alertar para a falta de água, para a inconsciente utilização deste recurso natural e para a desertificação.
Esta ilustração relaciona-se com o poema IX de Alberto Caeiro, porque fala de guardadores, ou seja de pessoas que protegem algo. Expressa também a ideia de toque, cheiro ou sabor e, por fim, tanto no cartoon como no poema, a realidade pode ser conhecida através das sensações.
Concluindo, a figura alerta-nos através de um cartoon, acerca da falta de água, através de tons frios e pessoas que aguardam solenemente a chuva.


José V.

Campo de Trigo com Corvos

Campo de Trigo com Corvos é uma obra do pintor holandês Vincent van Gogh concluída em julho de 1890, nas últimas semanas de vida deste e que se inscreve no contexto da pintura de paisagens.
Em primeiro plano observa-se um campo de trigo dourado e luminoso que nos revela que está pronto a ser colhido e dá-nos uma sensação de movimento porque, o trigo está ligeiramente inclinado. Observam-se também três caminhos pintados em tons de verde, vermelho e castanho e divergentes, ou seja, têm inicio no mesmo sitio. O primeiro caminho, à esquerda, está representado num sitio mais íngreme enquanto que, o do meio se perde no interior do campo e o terceiro conduz-nos para fora do trigal. Avistam-se também corvos pretos esvoaçando o que pode simbolizar morte e agouro.
Em segundo plano e por isso no horizonte, observa-se um céu escuro onde aparentemente está instalada uma tempestade, o que pode simbolizar negativismo tensão, agitação e negatividade. Por último, as duas nuvens fazem contrastar o escuro com o claro e realçam um céu tempestuoso.
Concluído, este quadro retrata um bando de corvos sobrevoando um campo de trigo, sob um céu carregado e ameaçador demonstrando a pressão e o negativismo pelo o qual Van Gogh estava possivelmente a passar.


José V.

"A Última Ceia"


                O quadro que eu escolhi foi, a ultima ceia, o autor foi, Leonardo da Vinci entre 1495 e 1497, com a técnica mista com predominância da tempera e óleo sobre duas camadas de preparação de gesso aplicadas sobre reboco, (estuque), a dimensão é de 460cm x 880 cm e localiza-se em Milão.
                No quadro observam-se treze pessoas, Jesus Cristo e os seus apóstolos, perante uma mesa comprida com pratos, copos, bebidas e três janelas, o que nos indica que é uma sala notavelmente grande.
                Os apóstolos agrupam-se em quatro grupos de três, deixando Cristo relativamente isolado ao centro. Da esquerda para a direita (do ponto de vista de quem está diante da pintura),  estão no primeiro grupo: Bartolomeu, Tiago Menor e André; no segundo grupo Judas Iscariotes (cabelo branco inclinado contra o suposto João), Simão Pedro e João, este o único do grupo; Cristo ao centro; Tomé, Tiago Maior e Filipe e no quarto grupo estão Mateus (aparentemente com barba rala), Judas Tadeu e Simão, o Zelote, por último. Estas identificações provêm de um manuscrito autógrafo de Leonardo encontrado no seculo XIX.
                O tema é religioso e mostra o momento em que Jesus se reúne com os seus apóstolos para uma ultima ceia juntos antes de ser preso e crucificado. Como toda obra de da Vinci, o Renascimento é o movimento artístico, no qual é apresentado proporções geométricas, assimetria, harmonia e outras características presentes nesse movimento. A pintura é naturalista, mas contém características particulares de Leonardo, onde ele coloca os seus mistérios escondidos em toda a imagem. A mensagem passada pela figura é a euforia de todos os apóstolos e como aquele momento era importante para todos.
Em suma a história em que a obra se baseia é encontrada no Novo Testamento. “A Última Ceia” ocorreu quando Cristo revelou, na refeição, que um dos apóstolos ali presentes iria traí-lo. Na história bíblica, foi Judas Iscariotes o apóstolo a trair Jesus Cristo. Leonardo da Vinci retratou o perfil de Judas inclinado para trás, com o rosto em uma sombra. Uma curiosidade sobre “A Última Ceia” é que o mosteiro no qual se localiza, passou por um bombardeiro durante a Segunda Guerra Mundial. A obra, mesmo deteriorada, manteve-se firme após este bombardeio e ainda pode ser apreciada pelos amantes da arte.

José V.

O imundo vaidoso

Nem sempre o estatuto social alto e a boa aparência é sinal de comportamentos certeiros. Como é o caso do rei D.João V, que foi retratado por José Saramago e Herman José de maneira parecida emuito promenorizada tanto quanto ao seu retrato físico como ao psicológico.
No vídeo em que Herman José veste a pele de D.João V em geito de comédia mas bastante realista, durante a entrevista está constantemente a arrotar e a dar flatulências, inclusive diz que a razão por a qual mandou construir o Convento de Mafra foi não conseguir ter filhos porque quando estava a ter relações com a rainha dava uma flatulência e ela começava a rir-se e deste modo não conseguiam ter filhos. Está também constantemente a pôr o dedo no nariz e senta-se todo torto na cadeira com ar de aborrecido com a entrevista, o que mostra o lado desinteressado do rei perante tudo e a má educação mais uma vez. E uma vez que ele aparenta ter muito cuidado com a imagem e com que todos lhe façam congratulações, faz com que se pense que toda aquela boa figura é so aparente. Depois vemos um outro traço dele o de ser infiel e adúltero, assim que vê a assistente do programa agarra-a e faz com que ela se sente no colo dele e ainda diz “que rica menina”.
No Memorial do Convento José Saramago faz um retrato do rei igualzinho, diz que ele tem uma boa figura, que é atraente, mas depois ridiculariza-o dizendo que sofre de flatulência. Também descreve muitas vezes a sua infieldade e adultério dos quais nasceram vários filhos. Tal como no vídeo evidência a humanidade e mortalidade do rei dizendo que adoece, so que no vídeo Herman José brinca com a doença e diz que é a flatulência, mas no Memorial ele adoece mesmo.
Em suma, tanto no vídeo como no Memorial do Convento o rei D.João V é descrito da mesma maneira, temos o contraste entre o vaidoso e o ridiculo. Ele tanto quer ser vaidoso e ter uma boa figura que depois se ridiculariza com os seus atos como dar flatulências e arrotar constantemente, e ainda a infedelidade. Desta maneira concluimos facilmente que os dois se relacionam, embora um seja em geito de comédia.
 Solange T.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...