terça-feira, 4 de junho de 2013

D. João V

         D. João, V de seu nome, Rei de Portugal, é considerado neste Romance por José Saramago duas coisas completamente diferentes. Podemos então analisar o regente em dois momentos distintos, o primeiro como jovem, garboso, cheio de charme, imponente, adultero, megalómano, entre distintas outras coisas, e no segundo momento, as únicas coisas que restam de comum com o primeiro é a megalomania e o adultério, neste momento é doente, flatulento, flácido, envelhecido e apenas uma sombra de outrora, perdendo todo o encanto. De facto não podemos comparar o retrato feito por Herman José ao primeiro momento, mas é colado ao segundo, imensamente semelhante. No sentido critico, o retrato do comediante e apresentador televisivo é muito bem construído e ataca vários pontos inteligentes que foram enormes falhas no reinado de D. João V, tal como a megalomania embutida na construção do convento e do gasto de dinheiro que ali se investiu e perdeu.

Rafafel P. 

Blimunda, o Anjo da neve seguidor de Baltasar

         Baltasar conhecido como sete-sois, e Blimunda conhecida como sete luas são duas metades de uma mesma alma divididas em dois corpos, como tal complementam-se e amam-se incondicionalmente e acima de qualquer padrão terreno ou social, sendo então um casal pleno e funcional ao contrário dos regentes do país. Conheceram-se no auto-de-fé da mãe da nossa heroína, em que a idosa lhes informa que serão companheiros para o resto da vida, e quis o destino, a feitiçaria da velha ou o acaso que fosse verdade. Blimundo sente uma conexão com Baltasar como nunca sentiu por ninguém, e vice-versa. Os seus instintos são animalescos e a sua atração mútua é enorme e muito poderosa, e mesmo nunca tendo um filho, são um casal que funciona como qualquer família, muito embora estejam apenas unidos pelos laços do ritual de sangue realizado pelos dois, nunca se unindo por matrimónio civil ou religioso. A música retrata muito bem o papel de Blimunda na relação, visto que o seu amor por Baltasar é incansável e ela é a sua companhia de todos os momentos e segundos e o segue onde quer que ele vá, tal como diz a música “anjo, anjo, ou algo assim, onde quer que tu vás, eu seguir-te-ei”, e ela ajuda Baltasar a aliviar-se dos seus fardos e das inquietações da sua vida, também se pode comparar este traço na música ao vermos a parte que diz: “E estarei sempre lá, afastando as inquietações da tua cabeça”.
 Rafael P.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...