quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Programa "Grandes Portugueses": Fernando Pessoa

          Neste «post», ficam os cinco vídeos referentes ao programa "Grandes Portugueses" que teve como figura o poeta Fernando Pessoa.

          Veja os dois primeiros vídeos e, depois, consulte a plataforma "moodle" da escola (endereço: http://esfcr.ccbi.com.pt/course/view.php?id=48) e resolva o teste aí proposto.

          Caso existam dificuldades de acesso, utilizem o «mail».

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Grupos constituintes da frase (GC2)

I. Grupos nominais

1.
a) O desejo de todos os benfiquistas é a conquista de mais vitórias.

b) É triste o desperdício de tanta água no nosso país.

c) Lamento a monotonia da Fórmula 1.

d) A oferta feita ao Pedro não presta.


2.
a) A rapariga alta

b) As vitórias do Benfica
    seis milhões de portugueses

c) Muitos políticos importantes

d) O controle do deficit e da dívida externa
     o primeiro passo para sair da crise


3.

3.1. Cada computador novo desperta desejos incontroláveis.

3.2. Os caminhos do progresso exigem a expansão da rede informática.

3.3. Falta ao Benfica um marcador de golos que jogue bem de cabeça.

3.4. O triste espectáculo dado pelo advogado foi repudiado pelos juízes.



II. Grupos adjectivais

1.
a) criança chorona

b) aluno sapientíssimo

c) homens violentos

d) indivíduos alcoólicos

e) perguntas incómodas


2.
a) antigo

b) o mais famoso
     imparável

c) perigosíssimo

d) incansáveis
    descontentes
    mau

e) fraquinho
    glorioso
    extraordinário

f) perigosa, maldosa e desnecessária


3.
a) O futebol do Sporting é triste de assitir.

b) Todos os alunos finalistas estão felizes com o baile.

c) As asas dos anjos são tão brancas que me ofuscam o olhar.

d) O hábito do Padre António Vieira é lindo de morrer.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Definição de Modernismo

          De acordo com o Dicionário de Literatura, coordenado por Jacinto do Prado Coelho, Modernismo é «um movimento estético, em que a literatura surge associada às artes plásticas e por elas influenciada, empreendido pela geração de Fernando Pessoa, M. de Sá-Carneiro e Almada Negreiros, em uníssono com a arte e a literatura mais avançadas na Europa, sem prejuízo, porém, da sua originalidade nacional.

          O Modernismo é uma corrente artística surgida nos finais do século XIX (há autores que apontam a última década como data da sua génese) em resposta às consequências da industrialização que pretendia revalorizar a arte e a sua forma de realização.
          A designação atribuída ao movimento parece estar relacionada com uma loja que o alemão Samuel Bing abriu na cidade de Paris em 1895, a que deu o nome de Art Nouveau. Daqui surgiram diversas traduções do termo: Modernismo, na Espanha; Jugendstil, na Alemanha; Secessão, na Áustria; Modern Style na Inglaterra e Escócia.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Ficha de leitura de «Autopsicografia» - Correcção

1. Relê a primeira estrofe.

          1.1. Explicita os dois momentos que a compõem - tese e demonstração.

          A tese corresponde ao primeiro verso - "O poeta é um fingidor". De acordo com a nota que inicia a página 30 do manual, o verbo «fingir» deriva do latim «fingere», que significava "criar", "transformar", "modelar", "imaginar"... Assim, partindo desta informação, o «fingir» do poema não significa "mentir", mas "inventar", "imaginar", "criar", "representar", logo não estamos perante uma «mentira», mas o «fingimento» de algo. A demonstração abrange os versos 2 a 4, onde se explicita o «objecto» fingido: a dor.
          Tal significa que o acto de criação, o acto poético consiste na expressão de uma dor que, sendo primeiro sentida pelo poeta, é posteriormente fingida e representada através da linguagem.

          1.2. Identifica a oposição que encontras nos versos 2 a 4.

          Nos referidos versos, existe uma oposição entre a dor fingida (v. 3) e a dor sentida (v. 4), que é racionalizada para depois ser expressa no poema.

          1.3. Nos três últimos versos surge uma oração subordinada consecutiva. Identifica-a e salienta o seu valor.

          A oração subordinada consecutiva é a seguinte: "Que chega a fingir". Esta oração indica a consequência (daí a designação de consecutiva) do que foi afirmado na oração anterior: "Finge tão completamente...". Deste modo, os dois últimos versos exprimem a consequência / o resultado do acto de fingimento do poeta que é anunciado no segundo verso.

          1.4. Refere o valor expressivo do advérbio de modo presente no segundo verso.

          O advérbio de modo "completamente" evidencia a intensidade do acto de fingir. De facto, estamos perante algo tão intenso que a dor real, a dor sentida pelo poeta, é superada pela dor fingida, isto é, pela que ele elaborou intelectualmente.

2. Na segunda estrofe, observa-se uma mudança de focalização.

          2.1. Aponta a perífrase que identifica o novo sujeito gramatical.

          A perífrase localiza-se no quinto verso, aquele que inicia a segunda estrofe - "E os que lêem o que escreve" -, referindo-se aos leitores (do poema / do poeta).

          2.2. Ilustra, com passagens do poema, que a dor experimentada pelo leitor é diferente das dores mencionadas na primeira estrofe mas tão intensa e verdadeira como as que aí são referidas.

          O leitor, ao ler o poema,  não tem acesso (isto é, não sente) à dor real do sujeito poético, mas também não experimenta a sua própria dor. Dado que a leitura é um acto intelectual, interpretativo, o leitor imagina uma dor que também não é coincidente com a dor sentida ou fingida pelo sujeito poético. É o que se pode depreender dos seguintes versos: "E os que lêem o que escreve, / Na dor lida sentem bem, / Não as duas que ele teve, / Mas só a que eles não têm." (vv. 5 a 8).
          Por outro lado, a intensidade da dor experimentada pelo leitor fique evidenciada pelo advérbio de modo «bem» presente no verso 6: "Na dor lida sentem bem...".
          No fundo, estamos perante um processo poético que é extensível à restante criação artística. O espectador de um filme ou de uma peça de teatro, por exemplo, não tem acesso aos sentimentos e emoções neles veiculadas ou pretendidas pelo(s) autor(es), antes faz a sua interpretação, a sua leitura em relação ao que está a ver.

3. Na terceira estrofe, o sujeito poético generaliza e anuncia uma conclusão.

          3.1. Descodifica as metáforas utilizadas.

          Na última estrofe, o sujeito poético socorre-se de diversas metáforas (e imagens) para aprofundar a sua tese e a realação existente entre o sentir e o pensar no acto de criação poética e artística. Assim, designa o "coração", ligado ao sentir, por "comboio de corda" que "Gira, a entreter a razão". Ora, um comboio de corda é um brinquedo, o que pode querer associar a poesia à função de «entretenimento» do espírito. Por outro lado, estamos perante um objecto mecânico, sem autonomia, pois "depende" dos carris, que alimenta a razão, isto é, que lhe fornece os elementos (os sentimentos, as emoções) para a criação artística.
          Já a razão surge associada à metáfora "calhas de roda", que subordinam, que disciplinam e condicionam o movimento do "comboio". Como o trajecto do comboio está dependente dos carris (isto é, dito de forma mais prosaica, o comboio vai para onde os carris o "levam", não tem autonomia para decidir o seu trajecto), tal significa que o sentir se subordina aos limites impostos pela razão no que à criação poética diz respeito.

6. Do ponto de vista formal, o poema adopta formas poéticas tradicionais.

          6.1. Classifica as estrofes, considerando o número de versos.

          O poema é constituído por três quadras.

          6.2. Indica o tipo de verso usado, atendendo ao número de sílabas.

          O verso usado é o de redondilha maior, isto é, constituído por sete sílabas métricas: Fin / ge / tão / com / ple / ta / men.

          6.3. Faz o esquema rimático do poema.

          O esquema rimático é o seguinte: a b a b / c d c d / f g f g. O esquema traçado significa que a rima é toda cruzada.

Questionário retirado de Entre Margens - Português * 12.º ano

Mudança

          Novo endereço do «blog»:

                                                   http://portugues-fcr.blogspot.com


A partir de hoje, à meia-noite!

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Grupos constituintes da frase (GC1)

1.1.
     a) A Sofia - Grupo Nominal (GN)
         é magra - Grupo Verbal (GV)

     b) A bicicleta - GN
         derrapou perigosamente - GV

     c) A Joana - GN
         ofereceu uma prenda ao namorado - GV

1.2.
     a) Núcleo do GN: "Sofia"
         Núcleo do GV: "é"

     b) Núcleo do GN: "bicicleta"
         Núcleo do GV: "derrapou"

     c) Núcelo do GN: "Joana"
         Núcleo do GV: "ofereceu"

1.2.1. O núcleo do grupo nominal é um nome, enquanto o núcleo do grupo verbal é um verbo.

1.3. O grupo nominal tem como núcleo o nome e o grupo verbal tem como núcelo o verbo.

1.4.1.
     a) "magra" - grupo adjectival
     b) "perigosamente" - grupo adverbial
     c) "uma prenda" - grupo nominal
     d) "ao namorado" - grupo adverbial

1.4.2.
     a) Núcleo: "magra"
         Classe: adjectivo

     b) Núcleo: "perigosamente"
         Classe: advérbio

     c) Núcleo: "uma prenda"
         Classe: nome
         Núcleo: "ao"
         Classe: preposição (contracção da preposição "a" com o determinante artigo definido "o")

1.4.3. O grupo adjectival tem como núcleo o adjectivo, o grupo adverbial tem como núcleo o advérbio e o grupo preposicional tem como núcleo a preposição.

2.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

«O menino de sua mãe»

» Génese do poema

          O poema "O menino de sua mãe" viu a luz do dia através da revista Contemporânea, III Série, n.º 1, no ano de 1926, num período de grande criatividade do poeta. Segundo o próprio Pessoa, em confissão ao amigo Carlos Queiroz, sobrinho da sua única "namorada", Ophélia Queiroz, a inspiração para a escrita do texto surgiu-lhe após a observação, na parede de uma pensão onde jantou com um camarada, de uma litografia que representava um soldado morto na guerra.
          No entanto, o ensaísta João Gaspar Simões (Vida e Obra de Fernando Pessoa) associa a figura do soldado morto do poema ao próprio Fernando Pessoa, assumindo a interpenetração da vida e obra do poeta. De acordo com esta tese, o tema da infância enquanto idade perfeita e feliz, paraíso perdido e irrecuperável, relacionar-se-ia com os primeiros cinco anos de vida, marcados pela felicidade, amor, be-estar e protecção que a família lhe proporcionam: o conforto possível da casa espaçosa do Chiado nas traseiras do Teatro de S. Carlos; a presença do pai, um homem culto e atencioso; a atenção exclusiva e dedicada da mãe, uma mulher com índices e interesses culturais pouco habituais na época entre o género feminino (por exemplo, falava fluentemente francês e inglês); o convívio com duas velhas criadas e com a avó, não obstante os sinais inequívocos de senilidade que já patenteava.
          Todavia, este quadro idílico rapidamente se alterou. Com efeito, o seu pai e o seu irmão mais novo adoeceram e, em Julho de 1893, aquele acabou mesmo por falecer, o que fez com que Pessoa se mudasse para uma casa mais modesta, distante dos espaços que ele conhecia e amava. Entretanto, o falecimento do irmão mais novo fê-lo sentir novamente a devoção, o amor e o carinho maternos, mas esta situação revelou-se sol de pouca dira, visto que, em 1895, sua mãe constituiu uma nova família ao contrair matrimónio com João Miguel Rosa, facto que obrigou o poeta a acompanhá-la para Durban, na África do Sul, para onde se deslocou em 1896 em virtude de o segundo marido aí desempenhar as funções de cônsul de Portugal.



» Análise do poema

          Este poema é susceptível de uma dupla leitura: uma literal, que nos apresenta a imagem de um soldado morto na guerra e abandonado no campo de batalha e o dramatismo da vivência familiar, representada pela mãe, e outra metafórica.


     1. Tema:
- o tema da guerra e dos meninos injustamente roubados à vida / à idade ("Agora que idade tem?"), às mães, às amas, à infância;
- a nostalgia da infância irrenediavelmente perdida.

     2. Estrutura interna

          . 1.ª parte (est. 1-2) - Descrição do «cenário»:
- Espaço:
- planície ("plaino abandonado"): a imensidão, a solidão, o abandono;
- Tempo:
- o presente;
- "a morna brisa";
- Menino:
- morto ("De balas traspassado..."; "Jaz morto...") recentemente ("... e arrefece...", não obstante a brisa morna);
- abandonado, só, na imensidão da planície, no campo de batalha ("No plaino abandonado..." → hipálage: a característica do abandono é transposta do menino para a planície);
- a farda ensopada de sangue, que vai alastrando, o que confirma que a morte foi recente;
- "De braços estendidos", abandonados;
- "alvo", cor que simboliza a pureza, a inocência e a paz, o que configura um contraste com as ideias de guerra e de morte tratadas no texto;
- louro;
- exangue → palidez advinda da morte;
- o olhar parado, sem vida, fixo ("fita") nos "céus perdidos" ("céus" → o paraíso perdido da infância).
          Em suma, nesta primeira parte o sujeito lírico remete-nos para um «plaino», cenário de guerra, onde se encontra o corpo morto de um menino.

          No que diz respeito à linguagem e ao estilo, destaque para os seguintes recursos:
. o recurso ao presente do indicativo, tempo da descrição realista do «cenário» e da morte recente do menino;
. a adjectivação rica e abundante, que exprime a morte e o abandono do menino ("traspassado", "morto", "estendidos", "langue e cego" dupla adjectivação; "perdidos"), bem como a sua juventude e inocência ("alvo, louro, exangue" tripla adjectivação);
. as sensações visuais ("Raia-lhe a farda o sangue"; "alvo, louro, exangue", etc) e tácteis ("a morna brisa aquece", etc.);
. o hipérbato: "Raia-lhe a farda o sangue..." (a ordem habitual dos elementos da frase seria a seguinte: "O sangue raia-lhe a farda...");
. o contraste antitético entre a brisa morna e o corpo do menino que arrefece;
. o predomínio de frases de tipo declarativo, que se adequam ao tom descritivo das duas estrofes iniciais.


          . 2.ª parte (est- 3-5) - Discurso emotivo, judicativo, onde se destacam:
- a juventude do menino, traduzida pelas exclamações e pela repetição do adjectivo «jovem», que simultaneamente remete para a perplexidade / o espanto do sujeito lírico pela morte absurda de alguém tão jovem;
- a «ausência de idade»;
- o ser filho único;
- o amor, o carinho, a ternura de que era objecto por parte da mãe, presente na expressão com que ela o chamava e que funciona como título do poema ("O menino de sua mãe.");
- a «cigarreira breve» (hipálage), prenda da mãe:
. símbolo do amor e carinho maternos;
. símbolo da efemeridade da vida do menino (nem teve tempo de a usar, daí que ela se encontre «inteira e boa» - dupla adjectivação -, em contraste com ele, morto - antítese);
- o lenço bordado, oferecido pela "criada / Velha que o trouxe ao colo":
. símbolo do carinho e da protecção;
. símbolo da pureza e inocência, representadas pela «brancura embainhada» (hipálage);
. símbolo da brevidade da vida.


          . 3.ª parte (6.ª estrofe) - O espaço familiar:
- espaço: a casa, o ambiente familiar, outrora sinónimo de protecção, refúgio, e agora de saudade e esperança;
- a distância: «Lá longe»;
- a prece (inútil: «em vão»):
. a saudade do menino;
. a esperança no seu regresso rápido e são / saudável;
. a mãe, símbolo de amor, carinho, saudade e esperança;
. o desfasamento entre a realidade (o menino morto) e as expectativas presentes na prece da mãe e da criada → o dramatismo, o carácter trágico daquela morte;
. a causa da tragédia - o desejo de Impérios, presente no discurso parentético do verso 28 - e a intemporalidade da mensagem do poema, evidenciada pela utilização do presente do indicativo;
. a intensificação do realismo, assente no recurso à gradação ("Jaz morto e arrefece." - v. 5; "Jaz morto, e apodrece..." - v. 29), que traduz a passagem do tempo, manifesta no apodrecimento do cadáver, o resultado final da guerra.


     3. Estrutura narrativa do poema

          » Narrador: o sujeito lírico (subjectivo, porque emite juízos de valor sobre o que «narra»).

          » Acção: a morte de um menino na guerra.

          » Personagens: o menino, a mãe, a criada...

          » Espaço:
               - o plaino abandonado, o campo de batalha, símbolo da morte;
               - lá longe, em casa: o dramatismo presente nas preces vãs para que volte cedo e bem.

          » Tempo: presente (o da morte e da prece) e passado (o carinho, o amor, a protecção caseiras).



     4. Estrutura formal

          Esta composição poética é constituída por seis quintilhas de versos hexassílabos (seis sílabas métricas: No / plai / no a/ ban / do / na ) e rima cruzada, emparelhada e interpolada, de acordo com o seguinte esquema rimático: a b a a b.



» Conclusão

          Não obstante as leituras biográficas deste poema a que se aludiu no início do «post», a verdade é que a sua leitura nos remete para o drama que afligiu o poeta e que encontramos quer no ortónimo quer nos heterónimos: a nostalgia da infância, símbolo da inocência, da inconsciência, da felicidade (inconsciente) e da alegria, em suma, uma idade perfeita - um paraíso - (neste poema, simbolizada pela cigarreira e pelo lenço, representações do passado vivido junto de quem amava e de quem o amava), mas longínqua e irrecuperável, o que gera nostalgia, desesperança, para mais em contraste com a consciência aguda que lhe provoca dor, bem como a sensação de desconhecimento de si mesmo, de perda da identidade.

sábado, 18 de setembro de 2010

Primeiro Modernismo: contexto histórico

          A transição do século XIX para o XX constituiu, para Portugal e para o Mundo, uma época conturbada e conflituosa. São diversos os acontecimentos responsáveis por esta situação:
» A repartição do território africano na Conferência de Berlim (1884-1885): na passagem do séc. XIX para o XX, a Europa dominava política, económica e culturalmente o Mundo, tendo as potências industrializadas desenvolvido uma política expansionista, nomeadamente em África, no intuito de obter matérias-primas a baixos preços e chegar a novos mercados. O movimento expansionista acentuou a rivalidade entre as principais potências europeias. Para tentar diminuir estas rivalidades, os países com interesses em África decidiram, na Conferência de Berlim, repartir o território africano entre si, estabelecendo o princípio da ocupação efectiva, que estatuía que os territórios africanos deveriam pertencer aos países que os ocupassem de facto, em detrimento dos direitos históricos.
» O Mapa Cor-de-Rosa: com o intuito de afirmar o seu poder em África, Portugal patrocinou algumas viagens de exploração e elaborou, em 1886, o Mapa Cor-de-Rosa, que ilustrava a reivindicação nacional da posse dos territórios entre Angola e Moçambique.
» O Ultimatum inglês (1890) e a revolta de 31 de Janeiro de 1891: o projecto do Mapa Cor-de-Rosa colidia com os interesses de Inglaterra, por isso este país fez um ultimato ao governo português, exigindo a retirada das tropas do território entre Angola e Moçambique. Perante o grande poder político da Inglaterra, Portugal cedeu, evidenciando assim a fragilidade da sua colonização. O povo considerou o ultimatum inglês uma humilhação nacional e acusou o rei de fraqueza e de incapacidade para dirigir o país.
» O regicídio (1908): o descrédito da Monarquia foi ainda agravado por problemas económicos e financeiros. No sentido de superar as dificuldades, o rei D. Carlos enveredou por uma via repressiva, autorizando o chefe do governo, João Franco, a instaurar uma ditadura. Em 2 de Fevereiro de 1908, o rei D. Carlos e o príncipe Luís Filipe foram assassinados, sucedendo-lhes no trono D. Manuel II, filho mais novo de D. Carlos, que demitiu João Franco.
» A implantação da República: apesar das dificuldades concedidas à oposição, o descontentamento continuou a aumentar. Em 5 de Outubro de 1910, uma revolução derrubou a Monarquia e instaurou a República em Portugal. Na sequências destes acontecimentos, foi constituído um governo provisório, presidido por Teófilo Braga, figura ligada à Geração de 70. Em 1911, foi eleita a Assembleia Nacional Constituinte, que elaborou e aprovou a Constituição republicana e elegeu o primeiro Presidente da República, Manuel de Arriaga.
» A Primeira Guerra Mundial (1914-1918): na mesma altura, os estados europeus formavam alianças diplomáticas e militares que rapidamente levaram à corrida aos armamentos. A Europa vivia num clima de tensão e, quando o herdeiro do trono austro-húngaro, o arquiduque Francisco Fernandes, foi assassinado por um estudante nacionalista sérvio, a Áustria declarou guerra à Sérvia. Sucederam-se, de imediato, declarações de guerra entre os países pertencentes às alianças político-militares, originando a Primeira Guerra Mundial, na qual Portugal participou como aliado da França e da Inglaterra, tendo-se Fernando Pessoa manifestado contra essa participação. O elevado número de mortos apenas contribuiu para uma visão mais pessimista da existência.
» A revolução russa de 1817.
» A agonia do regime republicano (1910-1926): os governos da Primeira República portuguesa empreenderam uma série de reformas. Na educação e na cultura, foram bem sucedidas, mas os aspectos sociais e económicos foram de difícil resolução. Por outro lado, este período pautou-se por grande instabilidade política: sete parlamentos, oito presidentes da república e quarenta e cinco governos, muitos deles com a duração de dias (por exemplo, o primeiro, chefiado por João Chagas, durou 70; o sexto, liderado por Azevedo, 45; a Junta Constitucional, três; e assim sucessivamente).
» O golpe militar de 28 de Maio (1926): a incapacidade dos sucessivos governos de superarem a crise económico-financeira, o agravamento das condições de vida das populações e a instabilidade política, motivada pelas divisões internas, tornaram propícios os movimentos de revolta contra o regime da Primeira República, que acabaria por ser derrubada no golpe militar de 1926, chefiado pelo general Gomes da Costa. Assim se abria o caminho para a instauração da ditadura militar.
» A ascensão do fascismo e de Salazar: em 1928, foi eleito um novo Presidente da República, o general Óscar Carmona. A fim de resolver as dificuldades económico-financeiras, foi nomeado um novo Ministro das Finanças, António de Oliveira Salazar. As medidas por si romadas trouxeram-lhe grande prestígio e influência, pelo que, em 1932, foi convidado para liderar o governo e, em 1933, apresentou uma nova Constituição política, que marcou o início do Estado Novo, um regime ditatorial caracterizado pelos princípios de autoritarismo, conservadorismo e nacionalismo e pela cessação das liberdades individuais e colectivas.
» Em suma, o início do século XX foi um período de crises e rupturas:
~ o avanço tecnológico e científico promete um mundo novo cheio de máquinas e de progresso;
~ no entanto, as miseráveis condições de vida dos trabalhadores geram o descontentamento e exigem uma mudança radical;
~ os intelectuais e artistas são os primeiros a enunciar o mal-estar e a necessidade de repensar a sociedade e o homem:
. no final do século XIX, Nietzsche, filósofo alemão, questiona os fundamentos da moral e da conduta humana ocidental, herança da cultura grega e da tradição judaico-cristã, por isso completamente desajustados do mundo de então;
. Freud cria a Psicanálise, uma ciência que demonstra a complexidade do homem, revelada no papel do inconsciente, na importância da sexualidade, na significação dos sonhos;
. Em 1905, o físico alemão Einstein apresenta a teoria da relatividade, que põe em causa grande parte do conhecimento científico tido como inquestionável, revolucionando a ciência;
~ estas mudanças e rupturas suscitam um sentimento de expectativa, mas também de insegurança, aumentada com a Primeira Guerra Mundial.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Isabel «La Palisse» Alçada

          A Sr.ª Ministra da Educação resolveu dirigir uma comunicação aos alunos através de um vídeo apresentado no sítio do «seu» ministério. O resultado foi... o que foi.

          Neste «cartoon», o seu autor resolveu caricaturar esse discurso. A figura à direita de Isabel Veiga é uma personagem da célebre série dos anos 70, Os Marretas.

          Diversas outras tiras sobre o tema podem ser encontradas aqui.

domingo, 12 de setembro de 2010

Época Medieval

          A Época Medieval abrange dois períodos: o período trovadoresco e o dos poetas palacianos e cronistas.


1.º) Período dos Trovadores

          O trovadorismo / a poesia trovadoresca galego-portuguesa constitui a primeira manifestação literária em língua portuguesa, coincidente, em termos temporais, com a independência do reino português.
          Tradicionalmente, as literaturas iniciam-se por obras em verso, o que encontra justificação no facto de os primeiros textos serem de natureza oral, isto é, se destinarem a ser transmitidos / divulgados oralmente e serem, assim, mais facilmente memorizáveis. No caso da poesia trovadoresca, a sua difusão ficou entregue aos trovadores (os compositores dos textos - as chamadas cantigas), os jograis (os intérpretes) e as soldadeiras (as mulheres que acompanhavam os jograis dançando). A própria designação destes textos primitivos da nossa literatura  - cantigas - remete para um texto poético concebido para ser acompanhado de música e de dança.
          Foi sobretudo graças à figura do jogral que estas composições se divulgaram. De facto, ele percorria cidades, castelos, aldeias e feiras interpretando um determinado repertório literário e musical que tinha como alvo um público iletrado e como base as línguas locais.

          A poesia trovadoresca foi buscar a sua designação à principal figura que a cultivou: o trovador. Por outro lado,  a sua origem reside na Provença, uma região do sudoeste da França, graças a um conjunto de factores que facilitaram a sua existência:
. O feudalismo, assente numa estrutura social dominada pelo senhor, que possuía o seu senhorio, no qual trabalhava um conjunto de servos - os vassalos -, obrigados ao pagamento de uma determinada renda, proporcional à produção agrícola de cada ano, além de outros tributos. Esta relação será transposta, em parte, para a cantiga de amor.
. O papel da mulher, que possuía um estatuto diferente do que era comum nos demais reinos europeus. De facto, usufruía da faculdade de dispor dos seus bens sem necessidade do consentimento dele. Porém, este estatuto era aplicado somente à mulher casada, já que a solteira permanecia na dependência paterna.

          Vários factores explicam a influência da poesia provençal em Portugal:

               1.º) As trocas comerciais entre o reino português e a França;

               2.º) A presença da ordem religiosa de Cluny na Península Ibérica a partir do século XI;

               3.º) As peregrinações / romarias religiosas (por exemplo, a Santa Maria de Rocamadour, o caminho de Santiago...), nas quais participavam muitos galegos e portugueses;

               4.º) A presença de cavaleiros franceses para participarem nas campanhas da Reconquista cristã;

               5.º) A vinda do futuro D. Afonso III para Portugal, para ocupar o trono, fazendo-se acompanhar de figuras que conheciam a tradição lírica provençal.


          Não obstante pertencer à tradição oral, a lírica medieval galego-portuguesa chegou até nós na forma escrita, reunida em três colectâneas: os cancioneiros da Ajuda, da Biblioteca Nacional e da Vaticana, que reunem cerca de 1680 cantigas, da autoria de aproximadamente 150 autores.


          No que diz respeito aos géneros, a lírica trovadoresca galego-portuguesa é composta pelas cantigas de amigo e de amor (constituem a vertente lírica) e pelas cantigas de escárnio e maldizer (a vertente satírica).

          A cantiga de amigo é posta na boca de uma mulher jovem e solteira - a donzela - que exprime os seus sentimentos (a paixão, a saudade - pela sua ausência no «fossado», na guerra -, a alegria de amar e ser amada, a mentira amorosa à mãe, o desejo de vingança motivado pela infidelidade do seu amado, designado por «amigo»), num ambiente rural, perante as suas confidentes: as amigas, a mãe, as irmãs (frequentemente a mais velha, porque mais experiente e conhecedora dos sentimentos da irmã).

          Já a cantiga de amor, não obstante comungar da temática da cantiga de amigo - o amor -, é posta na boca do trovador, que se dirige à dama (a «senhor») expressando o seu amor ou lamentando a sua indiferença ou altivez, em suma, a sua não correspondência amorosa. Esta mulher é descrita em termos eufóricos, mesmo que não corresponda amorosamente ao sujeito poético, o que, neste caso concreto, provoca a sua «coita», isto é, o seu sofrimento, traduzido no pranto, na insónia, na loucura e, em último grau, no desejo de morte. Por outro lado, a mulher encontra-se sempre num plano superior ao do homem,  dado ser a obra perfeita de Deus, numa espécie de inversão do código feudal: ela é a "senhor(a)" e o homem é o vassalo.

          As cantigas de escárnio e maldizer criticam e escarnecem de todas as classes sociais, fazendo uso por vezes de uma linguagem obscena.


          A primeira cantiga conhecida intitula-se "No mundo non me sei parelha" (mais conhecida por "Cantiga de Garvaia") e é da autoria de Pai Soares de Taveirós.



          Além dos três já referidos, existem outros géneros:

               . Tenção: cantigas em forma de diálogo entre dois trovadores ou um trovador e um jogral, cujo tema é o próprio espectáculo trovadoresco, apresentado em tom de competição;

               . Pranto: texto em que se chora (daí a designação) a morte de um ente querido;

               . Cantiga de seguir: texto que traduz a rivalidade entre os trovadores, dado que retomam ou reelaboram outros textos com a intenção de os aprimorar;

               . Descordo.


          Tradicionalmente, considera-se o final da lírica galego-portuguesa o ano de 1534, data da morte de D. Pedro, Conde de Barcelos, considerado o última mecenas e trovador.


          Além da poesia profana, temos a poesia religiosa, consubstanciada nas chamadas cantigas de Santa Maria (cerca de 400 textos), organizadas pelo rei Afonso X.

Literatura Portuguesa - Épocas

          A história da literatura portuguesa contempla a sua divisão em quatro épocas:

                    » Época Medieval;

                    » Época Clássica;

                    » Época Moderna;

                    » Época Contemporânea.

          Para conhecer, em síntese, cada uma das épocas, basta «clicar» na respectiva designação.

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Educação Física pré...

Autarquia deixa de transportar alunos que vivam a menos de 2,5 km da escola

Câmara de Salvaterra de Magos corta nos transportes escolares


     Medida afecta crianças do pré-escolar e do primeiro ciclo. Município justifica com as restrições orçamentais que são impostas às câmaras municipais pela administração central.

     Sofia tem oito anos e vai frequentar o terceiro ano da escola primária do Estanqueiro, em Foros de Salvaterra, concelho de Salvaterra de Magos. A partir do próximo ano lectivo, que se inicia a 13 de Setembro, Sofia e todas as crianças que vivam a menos de 2,5 km do estabelecimento de ensino que frequentam deixam de ter direito a utilizar os transportes escolares que a câmara municipal disponibilizava a todas as crianças do primeiro ciclo e pré-escolar.

     A informação foi dada pela autarquia através de uma carta que os encarregados de educação receberam em casa. A missiva, assinada pela vereadora da Educação, Margarida Pombeiro (BE), informa que devido às “restrições orçamentais que, actualmente, são impostas às câmaras municipais pela administração central, e os impactos que os mesmos provocam ao nível da capacidade de concretização das políticas locais não é possível conceder o transporte solicitado” pelos encarregados de educação.

     A presidente da autarquia, Ana Cristina Ribeiro (BE), disse que o município estava a gastar “milhares de euros” em transportes escolares e que, devido aos cortes orçamentais, tiveram que tomar medidas. “A lei obriga as câmaras a transportar apenas as crianças que residem a mais de quatro quilómetros de distância da escola no primeiro ciclo e no pré-escolar não existe essa obrigatoriedade. Apesar da lei, nós transportávamos até as crianças que moravam perto das escolas, tanto do primeiro ciclo como do pré-escolar. Com os cortes orçamentais que sofremos tivemos que tomar medidas. Para não haver injustiças nem tratamento desigual optamos por traçar uma distância, 2,5 km, que continua a ser acima do que a lei nos obriga”, explicou a autarca.

     Os pais das crianças é que não estão satisfeitos com a situação uma vez que muitos não têm como levar os filhos à escola. “Tenho que sair de casa antes das oito da manhã para ir trabalhar e o meu marido também e não temos como levar a nossa filha à escola. Vou deixar a minha filha ir e vir sozinha? No Inverno, com chuva, frio e os dias mais pequenos, como é que vai ser?”, interroga-se Maria Costa, mãe de Sofia.

     Também José Pereira, de Glória do Ribatejo, se debate com o mesmo problema. Como vivem a cerca de 1300 metros da escola deixam de ter direito a transporte escolar. “Não tenho como levar o meu filho para a escola porque saio cedo de casa e a minha mulher também. Quando eu andava na escola era diferente porque não circulavam tantos automóveis como hoje. Fico preocupado porque é perigoso os miúdos irem para a escola sozinhos. No Inverno têm que se levantar mais cedo, faz frio e tenho receio que o meu filho, e outros, fiquem sem vontade de ir para a escola”, refere o encarregado de educação.


     Acrescento meu: quanto tempo demoram crianças de seis anos a percorrer, a pé, 2, 5 quilómetros?
     Se percorrerem cada km, em média, em 15 minutos, levarão cerca de 40 a fazer o trajecto, o que implica cerca de 1 hora e 20 minutos por dia.
     Do mal o menos, pois, se a medida seguisse a lei - lembremos que remete para uma distância de 4 quilómetros -, estaríamos a falar de duas horas de caminho.
     Mas o problema central nem é o tempo gasto no caminho, é o facto de ser feito por crianças de 5, 6, 7 e 8 anos de idade (dar como exemplo o pré-escolar nem vale a pena, de tão ridículo). Isto sem falar nos demais perigos que espreitam e a que os pais ouvidos aludiram.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Material

. Manual: Entre Margens.

. Gramáticas:
          » Gramática Formativa, de Luísa Oliveira e Leonor Sardinha (Didáctica Editora);
          » Gramática Prática de Português, de Olga Azeredo (Lisboa Editora).

. Obras de leitura integral:
          » Felizmente há Luar!;
          » Memorial do Convento, de José Saramago.

. Outras obras:
          » Mensagem, de Fernando Pessoa;
          » Os Lusíadas, de Luís de Camões.

. Sítios:
          » Ciberdúvidas da Língua Portuguesa;
          » http://www.a-gramatica.blogspot.com/;
          » http://auladeliteraturaportuguesa.blogspot.com/.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Programa

. Unidade 1

-----» Leitura:
---------------- Textos informativos diversos;
---------------- Fernando Pessoa ortónimo e heterónimos.

-----» Compreensão oral:
---------------- Registos áudio e audiovisuais diversos.

-----» Expressão oral: Exposição.

-----» Expressão escrita: Textos de reflexão.

-----» Funcionamento da língua:
---------------- Texto;
---------------- Tipologia textual;
---------------- Consolidação dos conteúdos do 10.º e 11.º anos.



. Unidade 2

-----» Leitura:
---------------- Textos informativos diversos;
---------------- Os Lusíadas (Luís de Camões) e Mensagem (Fernando Pessoa).

-----» Compreensão oral:
---------------- Documentários;
---------------- Excertos de filmes;
---------------- Registos áudio e audiovisuais.

-----» Expressão oral:
---------------- Exposição oral;
---------------- Recitação;
---------------- Dramatização.

-----» Expressão escrita: Textos de reflexão.

-----» Funcionamento da língua: idem (1.ª unidade).



. Unidade 3

-----» Leitura:
---------------- Textos informativos diversos;
---------------- Felizmente Há Luar!, de Luís de Sttau Monteiro.

-----» Compreensão oral:
---------------- Documentários sobre a Ditadura;
---------------- Canções de Resistência.

-----» Expressão oral: Debate.

-----» Expressão escrita: Dissertação.

-----» Funcionamento da língua: idem.



. Unidade 4

-----» Leitura:
---------------- Textos informativos diversos;
---------------- Memorial do Convento, de José Saramago.

-----» Compreensão oral:
---------------- Entrevista;
---------------- Debate.

-----» Expressão oral:
---------------- Exposição;
---------------- Debate.

-----» Expressão escrita: Dissertação.

-----» Funcionamento da língua: Idem.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...