sábado, 26 de fevereiro de 2011

Quinto Império

          O mito do Quinto Império tem origens na Bíblia e foi submetido a diversas interpretações ao longo dos tempos.

          De acordo com os textos bíblicos, nomeadamente o Livro de Daniel, Nabucodonosor, rei da Babilónia (604 - 562 a.C.), teve um sonho estranho e quis que os sábios o interpretassem. Esse sonho dizia respeito a uma enorme estátua com cabeça de ouro fino, o peito e os braços de prata, o ventre e as ancas de bronze, as pernas de ferro e os pés de ferro e barro, destruída por uma pedra que se desprendeu da montanha, transformando-se novamente numa alta montanha enchendo toda a Terra.
          Acabou por ser o profeta Daniel quem lho revelou e decifrou do seguinte modo: "Tu é que és a cabeça de ouro. Depois de ti surgirá um outro reino menor do que o teu; e depois um terceiro reino, o de bronze, que dominará toda a terra. Um quarto reino será forte como o ferro, vindo a esmagar todos os outros, mas sendo de ferro e de argila não se aguentará para sempre. A pedra que destrói os quatro metais ou quatro reinos simboliza o reino que o Deus do Céu fará aparecer, um reino que jamais será destruído e cuja soberania nunca passará a outro povo." (Daniel, 2, 24-45)
          De acordo com esta interpretação, estaríamos na presença de quatro impérios: 1.º) o da Babilónia; 2.º) o Medo-Persa; 3.º) o da Grécia; 4.º) o de Roma. O quinto império, segundo ainda o profeta Daniel, seria o de Israel. Noutras versões, seria o de Inglaterra.
          Em Portugal, o Bandarra (1500 - 1556), o Padre António Vieira (1608 - 1697) e Fernando Pessoa (1888 - 1935) reformularam este mito.

          Para Pessoa, o «esquema» dos impérios é outro: o primeiro foi o da Grécia; o segundo, o de Roma; o terceiro, o da Cristandade; o quarto, o da Europa e o quinto será o de Portugal. E que império será esse? Será, antes de mais, não um império material como os anteriores, nomeadamente o dos Descobrimentos, mas um império universal (desde logo, porque o Poeta sonha o «homem lusitano à medida do mundo»); será um império civilizacional e espiritual, baseado numa identidade cultural e na paz universal. Este império, por outro lado, pressupõe o regresso de um Messias redentor, concretamente D. Sebastião tornado símbolo, que, com o seu regresso, será o mensageiro da paz universal, o portador da «Eucaristia Nova», que há-de, qual Galaaz (lendas do rei Artur), "ao mundo dividido revelar o Santo Graal", isto é, o sentido perdido da verdade de ser português.

          Em suma, o Quinto Império será um império de fraternidade universal a ser vivido na Terra. Enraizado no mito do Paraíso Perdido, o espaço edénico onde reinava a perfeição, o mito do Quinto Império preconiza o renascimento humano numa era futura, ligada à simbologia solar - a estrutura da Mensagem divide-se em três partes, que correspondem a três fases da existência: o nascimento ("Brasão", símbolo da formação do reino), o percurso, que corresponde à duração, à vida ("Mar Português", manifestação da acção humana) e a morte ("O Encoberto"), após a qual terá lugar o renascimento, numa espécie de regresso ao Paraíso Perdido.


          Sintetizando:

     1.º) Designou-se Quinto Império o sonho mítico do Padre António Vieira, segundo o qual Portugal consumaria a realização do reino universal de Cristo através da acção do rei D. João IV.

     2.º) O Quinto Império seguir-se-ia aos quatro impérios antigos: Grécia, Roma, Cristandade e Europa.

     3.º) O Quinto Império será um império espiritual, um "imperialismo andrógino" segundo Fernando Pessoa. Ora, o andrógino representava, na filosofia grega, um ser circular, que era, simultaneamente, masculino e feminino, por isso simbolizava a unidade e a perfeição. Assim, o Quinto Império constituirá uma hipótese de transformação e de purificação da Humanidade, que conduzirá a uma relação harmoniosa entre o Homem e as coisas, entre o Homem e Deus.

     4.º) O Quinto Império permitirá ao Homem alcançar um grau de perfeição máxima e entrará em comunhão com o divino, tendo acesso ao conhecimento e implantando a paz e a fraternidade no mundo, criando uma imagem especular do éden primordial.

Estrutura

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Classificação

          A Mensagem não se presta a uma classificação unívoca; pelo contrário, é possível detectar na obra marcas de diferentes tipologias.

          Desde logo, é possível referenciá-la como uma obra lírica (sobretudo na terceira parte):
               » é um livro de poemas;
               » a forma é fragmentária (ao contrário, por exemplo, de Os Lusíadas);
               » o sujeito lírico evidencia uma atitude introspectiva;
               » o sujeito lírico exprime os seus sentimentos, sonhos, desejos, crenças
                  (relativamente ao presente, ou ao futuro da Pátria);
               » há uma postura de interiorização e de contemplação da alma humana;
               » o simbolismo;
               » a inquietação, a ânsia, o constante interrogar-se («'Screvo meu livro à beira-
                  mágoa»);
               » o presente de sofrimento e mágoa;
               » o tom menor;
               » a visão subjectiva do enunciador.

          Contudo, especialmente na segunda parte, a obra é também de carácter épico:
               » os poemas, juntos, formam um todo integrado;
               » os heróis portugueses do passado possuem um valor simbólico e mitológico;
               » há um apelo à glorificação lusíada no século XX e demais;
               » o heroísmo:
                    . os heróis (os marinheiros que percorreram os mares e se imortalizaram)
                      agem pelo instinto, sem terem a visão do sentido e alcance dos seus actos

Lisboa: Castelo Rodrigo (partida); Percurso pessoano; Guincho.

Aspecto verbal (G10)

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

O mito sebastianista

1. Um mito de origem complexa

          O Sebastianismo, também designado mito sebástico ou mito do «Encoberto», é um mito messiânico cuja origem radica no desaparecimento do rei D. Sebastião na batalha de Alcácer Quibir, a 4 de Agosto de 1578.
          No entanto, o mito tem raízes mais profundas, desde as lendas arturianas até aos mitos peninsulares em torno da figura do Encubierto, passando pelas Trovas do Bandarra, profecias da autoria de Gonçalo Antes de Bandarra, um célebre sapateiro de Trancoso, anterior a D. Sebastião, posteriormente adaptadas à figura do rei.


2. A figura de D. Sebastião

          D. Sebastião nasceu em Lisboa a 20 de Janeiro de 1554 e era filho do príncipe D. João e de D. Joana de Áustria. Faleceu a 4 de Agosto de 1578 na batalha de Alcácer Quibir, no Norte de África. Foi o 16.º rei de Portugal, ficando conhecido para a posteridade pelo cognome de «O Desejado» pelas circunstâncias que rodearam a sua ascensão ao trono, o seu desaparecimento e as consequências que daí advieram.
          D. Sebastião herdou o trono do avô, D. João III, em 1557, portanto com três anos de idade. Como era menor, sua avó, D. Catarina de Portugal, ficou no seu lugar enquanto regente do reino. Desde muito cedo, sentiu a necessidade de readquirir a glória recente do país e prosseguir a cruzada dos Descobrimentos e da expansão da fé cristã. Deste modo, quando atingiu os catorze anos, reorganizou o seu exército e preparou-se para a guerra no Norte de África.
          Com o seu desaparecimento e a posterior anexação de Portugal pela Espanha, em 1580, dado o rei não ter deixado descendência que assegurasse a ocupação do trono,o país entra num dos períodos mais negros da sua história à espera de um messias, de um heróico rei salvador. Da relutância em acreditar que a pátria tinha ficado órfã e que, com a morte de D. Sebastião, a velha pátria morria também, nasce o mito do sebastianismo. Assim, este mito sustenta a esperança messiânica e a crença de um povo no regresso do rei desaparecido, que viria vencer a opressão, a tirania, a humilhação, o sofrimento e a miséria em que vivia, devolvendo ao país a glória e a honra passadas e entretanto perdidas.


3. O mito em Bandarra

          António Gonçalo Anes, mais conhecido por Bandarra, foi um sapateiro e poeta nascido por volta de 1500 em Trancoso e falecido, provavelmente, em 1556.
          A sua obra, de cariz messiânico, conhecida por Trovas ou Profecias de Bandarra, foi composta entre 1530 e 1540 e publicada apenas em 1603, em Paris, graças a D. João de Castro. Foi dedicada a D. João de Portugal, bispo da Guarda, mas nem este gesto evitou a perseguição de que foi alvo pelo Santo Ofício, tendo acabado por ser acusado de judaísmo (de facto, as Trovas parecem ter despertado grande interesse junto da comunidade de Cristãos-Novos), julgado e condenado. A sua condenação forçou-o a participar numa procissão de um auto-de-fé, a nunca mais interpretar a Bíblia ou a escrever sobre assuntos teológicos.
          De acordo com alguns estudiosos da obra, as Trovas constituíram o ponto de partida para a criação do mito sebastianista. De facto, foram interpretadas, na época, como uma profecia do regresso de D. Sebastião, após o desastre de Alcácer Quibir. Ao longo dos séculos, foram sendo republicadas e acabaram por influenciar autores como o padre António Vieira e Fernando Pessoa.
          Quando Bandarra foi interrogado pela Inquisição, afirmou que tinha lido a Bíblia e que determinadas passagens o tinham marcado, nomeadamente passagens dos livros de Daniel, Isaías, Jeremias e Esdras, nos quais é profetizada a vinda de um rei que traria, finalmente, a paz e a justiça a todos os povos da terra:

                         «Augurai, gentes vindouras,
                         Que o Rei que daqui há-de-ir,
                         Vos há-de tornar a vir
                         Passadas trinta tesouras.
                         Dará fruto em tudo santo,
                         Ninguém ousará negá-lo;
                         O choro será regalo
                         E será gostoso o pranto.»

                                                  Trovas do Bandarra (XI e XXXIV)

          Entretanto, em Espanha, a partir de 1520 começaram a circular algumas profecias referentes a um suposto Messias, que foi logo baptizado de Encoberto, dado não se saber a sua identidade e origem.

          Em Portugal, numa primeira fase, a figura do Messias foi associada à figura de D. Sebastião; posteriormente de D. João IV (1604-1656), D. João V (1689-1750), Sidónio Pais (1872-1918) e até António de Oliveira Salazar (1889-1970).


4. O mito em Mensagem

          O tempo de Pessoa é marcado por uma série de acontecimentos que mergulham o país na crise e no descrédito: o descrédito do governo monárquico, a implantação da República, o desencanto após os primeiros instantes de euforia e, sobretudo, o Ultimatum inglês (1891), que deixou o país sangrando de humilhação.
          Perante este quadro, Pessoa sente a necessidade de revitalizar a Pátria. E procura fazê-lo através da recriação e revitalização do mito, personificado em D. Sebastião, que o poeta considerava um «louco», mas não no sentido negativo que comummente se lhe atribui, antes numa acepção de sonho, de ideal, de alguém que «quis grandeza / Qual a sorte não dá», isto é, o mito sebastianista assume-se como o arquétipo do português ambicioso que quer conquistar novas terras para engrandecer a Pátria.
          Procurando traçar com rigor os contornos do mito, Pessoa procede a uma análise do papel do rei do

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Incêndio

                                                            Tu acendes a chama
                                                            do meu corpo
                                                            pões a lenha ao fundo
                                                            em sítio seco

                                                            Procuras no desejo
                                                            o ponto certo
                                                            e convocas aí
                                                            o lume aberto

                                                            Se a madeira demora
                                                            a ganhar fogo
                                                            tomas-me as pernas
                                                            e deitas lento o vinho

                                                            Riscas os fósforos todos
                                                            e depois,
                                                            é mais um incêndio
                                                            que adivinho

                                                                          Maria Teresa Horta

Nicole Kidman

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Irresistível!

Título

· Título inicial: Portugal

          » alterado, a conselho do seu amigo Cunha Dias;

          » razão: o nome da pátria estava muito associado a textos publicitários, que promoviam,
                        por exemplo, marcas de sapatos e nomes de hotéis;

          » exemplo de slogan da época: "Portugalize os seus pés".


· Mensagem:

          » o título é constituído por 8 letras:
                    . 8 é o número do equilíbrio cósmico que simboliza a palavra criadora;
                    . 8 é o símbolo da ressurreição, da mudança e do anúncio de um novo tempo.


 · Mensagem:

          » mensagem = comunicação, missiva;

          » o vocábulo pressupõe a existência de um emissor e de um receptor, desde logo
             sugeridos na epígrafe da obra - "Benedictus Dominus Deus Noster qui dedit nobis
             Signum" ("Bendito Deus Nosso Senhor que nos deu o Sinal");

          » emissor da mensagem: Deus;

          » receptor: o Poeta, que, pelo seu génio, foi eleito por Deus, para dar conhecimento da
             mensagem à tribo de que será guia e profeta, transformando-se também em emissor.


· Mensagem:

          » afirmação de Anquises, personagem da Eneida, quando explica a Eneias, descido aos
             Infernos, o sistema do Universo – Mens agitat molem = a mente move a matéria;

          » Mensagem será, assim, um anagrama da afirmação: mens + ag(itat mol) + em;

          » o objectivo da obra seria mover as «moles» (a matéria) humanas através da poesia;

          » simbologia da descida aos Infernos:
                    . poder associado às ideias de decadência e subsequente renascimento, sendo
                      esse o processo cíclico apontado como condição necessária ao ressurgimento
                      da pátria num estado ideal;
                    . aceitando a morte do passado, o poder fecundador do mito trará um futuro
                      perfeito.


 · Mensagem:

          » poderá ainda estar ligado à expressão «ens gemma», isto é, ente em gema, ovo;

          » tal significaria Portugal em essência, em gema;

          » associação do título à ideia de encantamento, de magia: para os alquimistas, o ovo
             filosófico é o embrião da vida espiritual, do qual eclodirá a sabedoria;

          » no ovo, concentram-se todas as possibilidades de criar, recriar, renovar e ressurgir.
             Ele é a prova e o receptáculo de todas as transmutações e metamorfoses.


· Mensagem:

          » a palavra mensagem pode ser «recortada», permitindo construir as expressões mea
             gens ou gens mea, isto é, «minha gente» ou «gente minha», remetendo para a raça de
             heróis nomeados ao longo da obra;

          » outra hipótese remete para mensa gemmarum, isto é, o altar ou mesa onde repousam
             as gemas portuguesas – Portugal é onde se procede ao sacrifício necessário à realização
             do sagrado;

          » Portugal seria, assim, o altar onde os sacrifícios em nome do divino foram realizados.

Circunstâncias de produção

● Influenciado pela poética saudosista e pelos ideais lusitanistas do poeta Teixeira de Pascoaes, que intuíra e profetizara uma futura civilização lusitana, Fernando Pessoa publica uma série de artigos na revista A Águia (em Abril de 1912), em que exprime o seu entusiasmo e o forte sentimento de patriotismo, o desejo de regeneração nacional e visiona um movimento poético (e um consequente movimento social e civilizacional) grandioso e exaltante.

● A Mensagem terá tido origem no projecto de um livro cujo título seria Gládio, do qual resultou apenas um poema com esse nome, integrado na obra, surgido em 1913.

● A ideia de um livro de poemas de inspiração nacional terá surgido, pela primeira vez, por volta de 1917-1918, na época em que governou Sidónio Pais.

● O intervalo de elaboração dos poemas vai de 21 de Julho de 1913 a 26 de Março de 1934.

● Em 1922, foi publicado um conjunto de poemas, sob o título de «Mar Português», que acabaria por constituir a segunda parte de Mensagem.

● O trabalho de produção dos poemas é acompanhado de um trabalho exaustivo de leitura, de investigação e de estudo de temática patriótica presente em vários textos da sua autoria.

● A estrutura definitiva da Mensagem é concebida entre Janeiro e Março de 1934, tendo alguns poemas sido reescritos.

● A obra é publicada (a única em língua portuguesa em vida do poeta), propositadamente, em 1 de Dezembro de 1934, um ano após Salazar ter assumido a chefia do governo do país, instaurando o Estado Novo. A data foi escolhida em razão da carga simbólica que encerra, dado tratar-se do dia da Restauração. De facto, Pessoa pretendia, com este gesto, dar nota das intenções patrióticas que o dominavam.

● A publicação da Mensagem suscitou algumas reservas no poeta, «acusado» de contribuir, com ela, para reforçar a ideologia fascista do Estado Novo.

● Registe-se, a título de curiosidade, que Fernando Pessoa colaborou com o regime salazarista entre 1933 e 1934, no entanto esta situação foi sol de pouca dura, visto que o poeta, que não suportava a ausência de liberdade e a opressão, se tornou opositor do regime.

● A obra foi proposta para o Prémio Antero de Quental, que se destinava a distinguir "poesia nacionalista", mas tal acabou por não acontecer por não possuir o número de páginas estipulado (100). António Ferro, amigo de Pessoa dos tempos da revista Orpheu e responsável pelo Secretariado de Propaganda Nacional, improvisou um prémio de segunda categoria para distinguir Mensagem.

● A obra integra-se na corrente modernista, transmitindo uma visão épico-lírica do destino português, nela se salientando um conjunto vasto de símbolos e de mitos, como, por exemplo, o Sebastianismo, o Quinto Império, as Idades, etc.

● De acordo com o próprio Pessoa (Páginas Íntimas), a obra é um livro «abundantemente embebido em simbolismo templário e rosacruciano», ao mesmo tempo marcado por tonalidades épicas e messiânicas.

● Na Mensagem, Pessoa assume-se como o cantor do fim do império português (Camões foi o cantor do seu início e auge). De facto, a Pátria, no tempo do poeta, encontrava-se num estado de decadência e desagregação, circunstância que faz despertar nela a ânsia de renovação e regeneração que procura plasmar na sua obra. Ele acreditava que, através dos seus textos, poderia despertar as consciências e fazê-las acreditar e desejar a grandeza de outrora. Por isso, as duas partes iniciais de Mensagem assinalam o passado histórico e grandioso de Portugal, enquanto a terceira descreve o presente decadente e anuncia a vinda do Encoberto, representado na figura mítica de D. Sebastião, o pilar do Quinto Império.

● O projecto de Fernando Pessoa relaciona-se, em parte, com o ideal da Renascença Portuguesa, antevendo o «ressurgimento assombroso de Portugal, um período de criação literária e social como poucos o mundo tem tido, em que a alma portuguesa encerraria a alma recém-nascida da futura civilização europeia, que será uma civilização lusitana.»

● Pessoa preconizava para Portugal a construção de um novo império, já não de carácter material, como o fora o dos descobrimentos, mas de natureza espiritual, capaz de elevar os Portugueses ao lugar de destaque que outrora tinham ocupado a nível mundial. Seria, assim, um império da língua e da cultura portuguesas, um império do modo de ser português, do culto da liberdade e da solidariedade, da capacidade de adaptação às situações mais imprevistas.

● Em várias ocasiões, o poeta designou esse seu desígnio de «nova Índia», uma «Índia que não há» ("E a nossa grande raça partirá em busca de uma Índia nova, que não existe no espaço, em naus que são construídas daquilo que os sonhos são feitos. E o seu verdadeiro e supremo destino, de que a obra dos navegadores foi o obscuro e carnal anterremedo, realizar-se-á..." - in A Nova Poesia Portuguesa) e que seria projectada / cantada por um Super-Poeta, um Super-Camões (provavelmente, o próprio Pessoa), que cantará a genialidade do seu povo e a espalhará por todo o mundo. No fundo, considera-se investido no cargo de anunciador do tal novo império (na sequência dos textos do Padre António Vieira), o Português.

● O conteúdo enaltecedor da maioria dos poemas contrasta com o contexto em que foram produzidos:
          » acompanham alguns dos factos principais da História de Portugal;
          » retratam as suas figuras centrais;
          » recuperam os seus símbolos, as suas lendas e o essencial da sua mitologia;
          » criam o destino de uma super-nação mítica que faltaria cumprir.

● Intencionalidade comunicativa da obra:
          » regenerar o orgulho português;
          » cantar o passado histórico glorioso de Portugal de uma forma emblemática e simbólica,
             transformando-a num mito, a partir do qual seja possível reinventar o futuro;
          » anunciar o renascer de uma pátria grandiosa, um novo império civilizacional, uma
             Super-Nação mítica.

Enquadramento cultural

● Em ruptura com a tradição, os artistas optam por uma abordagem mais irónica e provocatória;

● Na Literatura, os protagonistas passam de heróis a seres vulgares;

● Enaltecido pelas correntes literárias anteriores, o indivíduo perde a sua identidade e unidade, criando «outros eus» (fragmentação do «eu»);

● Maior liberdade na linguagem, atribuindo sentidos metafóricos novos às palavras;

● Reinventam-se as formas, usam-se técnicas novas e experimentam-se caminhos desconhecidos;

● Movimentos:
          ► Modernismo: diversidade e pluralidade, caminho pessoal de questionação e reinvenção
               dos valores;
          ► Futurismo: movimento, velocidade, energia explosiva e máquinas como demonstração
               da força do indivíduo;
          ► Cubismo: fraccionamento da realidade;
          ► Abstraccionismo: recusa de representação do real;
          ► Surrealismo: apelo à imaginação, ao sonho e à loucura; escrita automática.

Enquadramento histórico

● Início do século XX;

● Período de ressaca da questão do Mapa Cor-de-Rosa e do «Ultimatum» inglês, que provocou um sentimento de humilhação no povo português;

● Período de avanços tecnológicos e científicos, contrastando com as más condições de trabalho dos operários;

● I Guerra Mundial (1914-1918);

● Revolução russa (1917);

● Necessidade de repensar a sociedade e o próprio Homem:
          ► Nietzsche põe em causa os fundamentos de então e sugere uma reavaliação dos
               valores para viver a vida na sua plenitude;
          ► Freud demonstra a complexidade do Homem e o seu lado inconsciente;
          ► Einstein põe em causa grande parte do conhecimento científico.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Plano (Álvaro de Campos e Pablo Picasso)

Título: A construção da arte pela destruição da estética



Introdução:


- Enquadramento de Pablo Picasso (quem foi);

- Enquadramento de Álvaro de Campos.


Desenvolvimento:


- Conceito clássico de arte;

- Conceito de obra artística para Pablo Picasso com base na imagem;

- Conceito de obra artística de Álvaro de Campos de acordo com as suas palavras;

- Definição de arte no modernismo, com base nos exemplos propostos.


Conclusão:

- Principais ideias veiculadas: será a arte definitiva ou definidora?;

- Pontos de aproximação e/ou rotura entre as duas obras e entre os conceitos pré-aceites pela sociedade.

 
C. M.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Bono

Texto expositivo-argumentativo (I) - Plano do PC

• Alberto Caeiro, “ O Mestre”, assume-se como o poeta das sensações.

• Ele próprio diz “Eu não tenho filosofia: tenho sentidos...”

• No seu poema “Guardador de Rebanhos”, Alberto Caeiro apresenta-se como um simples “pastor dos seus pensamentos que são todos sensações”.

• Para Caeiro, “pensar” é estar doente dos olhos.

• Ver é conhecer e compreender o mundo, por isso, pensa vendo e ouvindo.

• É um sensacionista a quem só interessa o que capta pelas sensações.

• Os seus poemas são pois, por isso, a descrição da realidade tal como a entende através dos sentidos, em especial a visão e a audição.

• Para Caeiro o que importa é ver de forma objectiva e natural a realidade, com a qual contacta a todo o momento. “Para além da realidade imediata não há nada”

• As sensações são pois o suporte desta poesia livre, inovadora, próxima da prosa e do falar quotidiano e fazem de Caeiro um verdadeiro “Mestre” e o “Poeta da Natureza”.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Epigramas de Marcial

          Caríssimos alunos, depois de iniciar a correcção dos vossos testes, fui obrigado a arejar. Recuperei, então, leituras de faculdade e decidi Marcial consultar para o cérebro, contundido, aliviar:


                    Homem belo e de valor
                    Queres, Cota, parecer.
                    Mas um homem, sendo belo,
                    De valor não pode ser.

                              ***

                    Se bem me lembro, Élia, tu tinhas quatro dentes;
                    Uma tosse cuspiu dois e outra tosse, mais dois.
                    Já tu podes sem susto os dias inteiros tossir,
                    Que uma terceira tosse o que tirar mais não tem...

                    Segura, noites e dias,
                    Podes tossir a fartar;
                    Podes, que tosse terceira
                    Já não tem que te levar.
                   

Correcção do teste (3.º)

GRUPO I

TEXTO A

1. Na primeira estrofe, surge o conselho dado a um «Tu» de seguir o seu destino e de se preocupar com o momento presente e com aquilo que lhe diz directamente respeito ("as tuas plantas", "as tuas rosas"), pondo de parte o que lhe é alheio.

2. A realidade nem sempre corresponde àquilo que desejamos: é sempre mais ou menos do que aquilo que queríamos alcançar, visto que ela está dependendente dos ditames do destino ("A realidade / Sempre é mais ou menos / Do que nós queremos" - vv. 6 a 8). Os seres humanos, iguais a si próprios, serão sempre aquilo que querem ser, se souberem  alcançar apenas o que lhes foi predestinado ("Só nós somos sempre / Iguais a nós-próprios." - vv. 9-10; quarta estrofe).

3. Todo o poema exprime uma atitude de apatia como ideal ético, mas os versos "Vê de longe a vida / Nunca a interrogues." ou "Grande e nobre é sempre / Viver simplesmente." demonstram a aceitação calma de tudo o que o destino nos reserva, sem questionar e sem nos apegarmos à vida.

4. A ataraxia é necessária para vivermos com satisfação, porque a calma, a tranquilidade e a felicidade são essenciais para a nossa vida. No entanto, são também inatingíveis, porque a realidade "´Sempre é mais ou menos / Do que nós queremos" (vv. 7-8), dado que a concretização nem sempre corresponde às intenções ou às expectativas. O destino, de facto, comanda a vida e as explicações para os acontecimentos estão mesmo "para além dos deuses" (v. 20).



TEXTO B

1. C

2. B

3. B

4. B



GRUPO II

1. Complemento directo

2.
   a) Oração subordinada adjectiva relativa (com antecedente) restritiva.

   b) Oração subordinada adverbial temporal.

3.
   V
   F
   V
   V
   V
   V

4.1. Ordem correcta: d - a - b - c

4.2. b

4.3. d

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Acordo Ortográfico IV - Sequências consonânticas

 4. Sequências consonânticas

          4.1. Consoantes mudas

     As consoantes mudas (isto é, que não se pronunciam, não se articulam) são suprimidas em determinadas sequências consonânticas. Mantêm-se, porém, as consoantes que se pronunciam, ou seja, as que se pronunciam, que se articulam.


Farol


          É sempre agradável estar no topo da lista de um qualquer estudo, mas este em concreto deixa também um amargo de boca: estamos todos desconfiados de todos e com razão.
          Por outro lado, sabendo como o sector da Educação está em Portugal, é caso para dizer que, se é aquele em quem mais os «tugas» confiam, estamos mesmo à beira do fim. As restantes áreas devem estar no fundo do precipício...

PS - Amanhã, há teste.

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

A frase complexa: Coordenação e subordinação



          As orações assinaladas no quadro com 1 são orações não finitas (aquelas em que o verbo se encontra no infinitivo, no gerúndio ou no particípio passado.

          As restantes orações são orações finitas.

(c) Manual Plural 10

Texto expositivo-argumentativo (I) - Plano da VD

. Título: "Sentir como Caeiro sentia."


. Introdução:
  • Alberto Caeiro é considerado o poeta das sensações;
  • Conhecido pelos seus poemas de vocabulário pouco refinado, simples e por versos livres.

. Desenvolvimento:
  • Heterónimo de Pessoa, o qual o apelida por "O Mestre";
  • Para Caeiro as coisas são como são e é adepto do mundo-real sensível;
  • Reflecte nos seus poemas o seu estilo de vida e amor pelas sensações.

. Conclusão:
  • Caeiro como adepto da natureza e dos sentidos segue-os como a uma religião, ou seja, para ele estes elementos são fundamentais para uma vida de bem estar e bem vivida.

Texto expositivo-argumentativo (I) - Plano da SP

. Título: O Mestre Guardador de Rebanhos.


. Introdução:
  • Alberto Caeiro: um dos heterónimos de Pessoa;
  • Considerado como o «mestre» pela sua forma de ver e sentir o mundo.

. Desenvolvimento:
  • É considerado o «mestre» por ser feliz;
  • Para ele a realidade com que contacta e as sensações são primordiais;
  • É o poeta da N atureza e é a ela que descreve nos seus poemas.

. Conclusão:
  • Descreve a Natureza através das sensações (especialmente a visão) e por isso os seus poemas são tão belos;
  • Por tanto usar as sensações e descrevê-las em todos os seus poemas é considerado, justamente, o «mestre» (elimina a dor de pensar).

Texto expositivo-argumentativo (I) - Plano da MM

. Título: "Sentindo o Mundo"


. Introdução:
  • Alberto Caeiro é o poeta da Natureza;
  • É também o poeta das sensações, dos sentidos, privilegiando o olhar.

. Desenvolvimento:
  • Capta através dos sentidos; (capta o quê???)
  • Descreve o Mundo através das sensações;
  • Aceita o Mundo como ele é;
  • Só acredita no que os sentidos lhe transmitem;
  • Substitui o pensamento pela sensação.

. Conclusão:
  • A poesia de Caeiro é uma expressão espontânea e quase instintiva de pensamentos que são sensações;
  • Caeiro não pensa, sente.

Texto expositivo-argumentativo (I) - Plano da JR

. Título: O sensacionismo.


. Introdução:
  • Definição de sensacionismo;
  • Breve descrição da poesia de Alberto Caeiro;

. Desenvolvimento:
  • Sem a utilização das sensações na poesia de Caeiro, tornar-se-ia menos interessante;
  • Como Caeiro era um homem muito simples, do campo, nem seria correcto que não utilizasse as sensações como principal foco da sua poesia pois as pessoas do campo, normalmente, dão mais importância às sensações do que aos bens materiais:
  • Aceita o futuro tal como ele é, não é como Álvaro de Campos que está sempre muito "preso" ao passado, à infância.

Conclusão:
  • Todos nós devemos seguir o exemplo de Caeiro, ser felizes com o que a natureza nos proporciona, e não ambicionarmos sê-lo com algo que sabemos que é impossível de alcançar.
  • Temos de seguir a nossa vida independentemente do passado que vivemos, o importante é o presente e o futuro que nos espera, o passado jamais o poderemos voltar a viver.

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Texto expositivo-argumentativo (I) - Plano da AI

Título: "O puro sentir do Mestre Alberto Caeiro".


Introdução:
  • O simples "guardador de rebanhos" só se importa de ver de forma objectiva e natural a realidade com a qual contacta, com o mundo;
  • O mestre pessoano constrói uma poesia de sensações, apreciando-as como boas por serem naturais;
  • Já o pensamento, para este poeta, falsifica o que os sentidos captam.

Desenvolvimento:
  • A "infinita variedade das sensações" provocadas pela inexcedível variedade da Natureza que percepciona é o que encanta o Mestre;
  • Alberto Caeiro considera que apenas "ver" e "ouvir" é compreender o mundo;
  • O poeta considera a "sensação" como a única realidade para "nós", recusando todo o pensamento metafísico;
  • Considera que as coisas são como são e, assim, pode atribuir-lhes significados ou sentimentos humanos.

Conclusão:
  • Caeiro só se interessa por aquilo que capta pelas sensações;
  • Apenas lhe importa ver e ouvir de forma objectiva e natural a realidade com a qual contacta;
  • É apenas o "puro sentir" que constitui a verdadeira vida para Alberto Caeiro;
  • Este heterónimo pessoano apresenta-se como o homem reconciliado com a natureza, que descreve e observa o mundo sem pensar nele.

Texto expositivo-argumentativo (I) - Plano da CM

Título: A poesia das sensações.


Introdução:
  • Enquadramento de Alberto Caeiro;
  • Perspectiva de Caeiro acerca das sensações.

Desenvolvimento:
  • O mundo de Caeiro é aquele que se percebe pelos sentidos;
  • Caeiro vê com os olhos mas não com a mente;
  • A partir de um certo grau as sensações passam de alegres a tristes;
  • Em Caeiro, a poesia das sensações é, também, uma poesia da natureza.

Conclusão:
  • Importância das sensações na poesia de Caeiro.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Bruce Willis

Acordo Ortográfico III - Acentuação

3. Acentuação

          3.1. Desaparece o acento gráfico nos(as):

      Palavras graves com o ditongo tónico oi:
               - asteróide asteroide
               - jóia joia
               - heróico heroico
               - bóia boia
               - espermatozóide espermatozoide
               - jibóia jiboia

      Formas verbais terminadas em eem:
               - crêem creem
               - dêem deem
               - descrêemdescreem
               - lêemleem
               - relêemreleem
               - revêem → reveem
               - vêem → veem

      Os verbos arguir e redarguir:
               - «arguir»:
                    . argúisarguis
                    . argúiargui
                    . argúemarguem
               - «redarguir»:
                    . redargúisredarguis
                    . redargúiredargui
                    . redargúemredarguem

      As palavras graves homógrafas de palavras com vogal tónica aberta ou fechada:
               - pára (forma do verbo parar) → para
               - para (preposição)
               ~ pélo (forma do verbo pelar) → pelo
               ~ pêlo (nome) → pelo
               ~ pelo (contracção de «por» e «o»)
               - péla (forma do verbo pelar) → pela
               - péla (nome) → pela
               - pela (contracção de «por» e «a»)
               ~ pêra (nome) → pera
               ~ pera (preposição arcaica)


          3.2. Usa-se, facultativamente, o acento nos casos seguintes:

      Na forma do verbo «dar» no presente do conjuntivo: dêmos ou demos

      No nome feminino: fôrma ou forma

      Nas formas verbais terminadas em -ámos (pretérito perfeito do indicativo dos verbos da
         primeira conjugação (de tema em -a):
               - andámos ou andamos
               - amámos ou amamos
               - cantámos ou cantamos
               - jogámos ou jogamos

          NOTA: O acento circunflexo mantém-se nas formas verbais pôde (3.ª pessoa do singular do pretérito perfeito do indicativo do verbo «pôr»), para a distinguir da correspondente forma do presente do indicativo (pode), em em pôr, para estabelecer a diferença gráfica entre esta forma verbal e a preposição por.

Acordo Ortográfico II - Maiúsculas e minúsculas

2. Maiúsculas e minúsculas

          2.1. Passam a escrever-se com letra minúscula

     · Os meses do ano:
               - janeiro, fevereiro, março, abril, maio, junho, julho, agosto, setembro, outubro,
                 novembro, dezembro

     · As estações do ano:
               - primavera, verão, outono, inverno

     · Os pontos cardeais e colaterais:
               - norte, sul, este, oeste
               - nordeste, noroeste, sudeste, sueste, sudoeste, és-nordeste, és-sudeste, és-sueste,
                  nor-noroeste, nor-nordeste, oés-noroeste, oés-sudoeste, su-sudeste, su-sueste,
                  su-sudoestes

     No entanto, no caso dos pontos cardeais, se as designações se referirem a uma região, ou quando se usam as correspondentes abreviaturas, escrevem-se com inicial maiúscula:
               - Tu és um homem do Norte, carago!
               - A Josefina casou com o Napoleão no Sul de França.

     · As designações usadas para mencionar alguém cujo nome se desconhece ou se prefere evitar:
               - fulano
               - sicrano
               - beltrano



          2.2. Usa-se facultativamente a minúscula ou maiúscula nos seguintes casos:

     · Disciplinas escolares, cursos e domínios do saber:
               - Língua Portuguesa ou língua portuguesa
               - Inglês ou inglês

     · Nomes de vias, lugares públicos, templos ou edifícios:
               - Convento de Almofala ou convento de Almofala
               - Avenida 25 de Abril ou avenida 25 de Abril
               - Rua Adelino Amaro da Costa ou rua Adelino Amaro da Costa
               - Mosteiro dos Jerónimos ou mosteiro dos Jerónimos

     · Formas de tratamento e dignidades:
               - Santo António ou santo António
               - Senhor Doutor ou senhor doutor
               - Exmo. Senhor ou exmo. senhor

     · Títulos de livros ou obras, excepto o primeiro elemento e os nomes próprios que se grafam com
        maiúscula inicial:
               - Memorial do Convento ou Memorial do Convento
               - O Retrato de Dorian Gray ou O retrato de Dorian Gray
               - O Crime do Padre Amaro ou O crime do padre Amaro

Acordo Ortográfico I - Alfabeto

1. Alfabeto

          O Acordo Ortográfico (AO) introduz as letras k, w e y no alfabeto português. Deste modo, ele passa a ser constituído por 26 letras: a, b, c, d, e, f, g, h, i, j, k, l, m, n, o, p, q, r, s, t, u, v, w, x, y, z.

          Estas letras passam a usar-se nas seguintes circunstâncias:

     · Nos antropónimos de origem estrangeira e nas palavras que deles derivam:
               - Darwindarwinismo
               - Kantkantiano

     · Nos topónimos de origem estrangeira e nas palavras que deles derivam:
               - Kosovokosovar
               - Washingtonwashingtoniano

     · Nas siglas, símbolos e unidades de medida internacionais:
               - kg (quilograma)
               - km (quilómetro)
               - www (world wide web)
               - WC (Water Closet)

     · Nas palavras de origem estrangeira de uso corrente:
               - kart
               - yoga
               - windsurf
               - windsurfista

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Exame Nacional 2011 - Calendário

  • Código: 639 (Português, 12.º ano)

  • Data:
               » 1.ª fase: 20 de Junho, 14 horas;

               » 2.ª fase: 22 de Julho, 9 horas.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...