sexta-feira, 4 de abril de 2014

Matriz - Exame de Português 9.º ano 2014 - NEE


INFORMAÇÃO ‑ PROVA FINAL DE CICLO
PORTUGUÊS                                                                                                                            Março de 2014
Prova 81 | 2014
………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….
3.º Ciclo do Ensino Básico

                O presente documento divulga informação relativa à prova final do 3.º Ciclo da disciplina de Português, a realizar em 2014, nomeadamente:
● Objeto de avaliação;
● Caracterização da prova;
● Critérios gerais de classificação;
● Material;
● Duração.

                Realizam a prova os alunos que se encontram abrangidos pelo Decreto-Lei 3/2008, de 7 de janeiro.


1. Objeto de avaliação

                A prova tem por referência o Programa de Português e as Metas Curriculares de Português para o Ensino Básico e permite avaliar aprendizagens passíveis de avaliação numa prova escrita de duração limitada, nos domínios da Leitura, da Escrita, da Educação Literária e da Gramática.
                Relativamente ao domínio da Educação Literária, a prova pode incluir textos que constam da «Lista de obras e textos para Educação Literária» (Metas Curriculares de Português) ou outros textos representativos da literatura portuguesa e da literatura estrangeira.


2. Caracterização da prova

                Os itens terão como suporte dois ou mais textos.
                A prova é cotada para 100 (cem) pontos.

                A valorização dos domínios na prova apresenta-se no Quadro 1.

Quadro 1 ‑ Valorização dos domínios

Domínios
Cotação
(em pontos)
Grupo I – Leitura
20
Grupo II – Educação Literária
30
Grupo III – Gramática
20
Grupo IV ‑ Escrita
30

                Em cada grupo, para além do domínio em foco, podem ser mobilizadas aprendizagens de outros domínios.

                A tipologia de itens, o número de itens e a cotação por item apresentam-se no Quadro 2.

Quadro 2 – Tipologia, número de itens e cotação

Tipologia de itens
Número de itens
Cotação por item
(em pontos)
Itens de seleção
Ordenação
Escolha múltipla
Associação
8 a 10
2 a 8
Itens de construção
Resposta curta
Completamento
Resposta restrita
Resposta extensa
3 a 5
1
5 a 8
1 a 2
2 a 5
3 a 5
3 a 8
10 ou 30


3. Critérios gerais de classificação

                A classificação a atribuir a cada resposta resulta da aplicação dos critérios gerais e dos critérios específicos de classificação apresentados para cada item.
                As respostas ilegíveis ou que não possam ser claramente identificadas são classificadas com zero pontos.
                A classificação das provas nas quais se apresente, pelo menos, uma resposta escrita integralmente em maiúsculas é sujeita a uma desvalorização de três pontos.
                No presente ano letivo, na classificação das provas, continuarão a ser consideradas corretas as grafias que seguirem o que se encontra previsto quer no Acordo Ortográfico de 1945, quer no Acordo Ortográfico de 1990 (atualmente em vigor), mesmo quando se utilizem as duas grafias numa mesma prova.

Itens de seleção
                Nos itens de escolha múltipla, a cotação do item só é atribuída às respostas que apresentem de forma inequívoca a opção correta. Todas as outras respostas são classificadas com zero pontos.
                Nos itens de ordenação, a cotação do item só é atribuída às respostas em que a sequência apresentada esteja integralmente correta e completa. Todas as outras respostas são classificadas com zero pontos.
                Nos itens de associação, são atribuídas pontuações às respostas total ou parcialmente corretas, de acordo com os critérios específicos.

Itens de construção
                Nos itens de completamento e nos de resposta curta, a cotação do item só é atribuída às respostas totalmente corretas. Poderão ser atribuídas pontuações a respostas parcialmente corretas, de acordo com os critérios específicos. Nos itens de resposta curta em que se solicite o uso de metalinguagem, são classificadas com zero pontos as respostas que contenham abreviaturas ou representações ortográficas incorretas de termos literários ou linguísticos.
                Nos itens de resposta restrita e de resposta extensa, os critérios de classificação apresentam-se organizados por níveis de desempenho. A cada nível de desempenho corresponde uma dada pontuação.
                Em relação aos itens de resposta restrita, a cotação é distribuída pelos parâmetros seguintes:
a) conteúdo (C);
b) organização e correção da expressão escrita (F).

                No domínio da organização e correção da expressão escrita (F), estão previstos descontos por aplicação dos fatores de desvalorização seguintes:
– erro de ortografia (incluindo erro de acentuação, uso indevido de letra minúscula ou de letra maiúscula inicial e erro de translineação);
– erro inequívoco de pontuação;
– incumprimento de regra de citação ou de referência a título de obra;
– erro de morfologia;
– erro de sintaxe;
– impropriedade lexical.
                O afastamento integral dos aspetos de conteúdo relativos a cada item implica que a resposta seja classificada com zero pontos. A classificação com zero pontos nos aspetos de conteúdo (C) implica a classificação com zero pontos nos aspetos de organização e correção da expressão escrita (F).
                O Grupo II pode integrar um item de resposta extensa. Caso tal se verifique, são aplicados os critérios apresentados para os itens de resposta restrita. Neste item, a indicação de um número mínimo e máximo de palavras, para a elaboração da resposta, significa que os limites explicitados correspondem a requisitos relativos à extensão de texto e devem ser respeitados. Se o aluno não cumprir a extensão requerida, a classificação é sujeita à desvalorização de 1 ponto. Se a extensão do texto for inferior a 1/3 do limite mínimo, a resposta é classificada com zero pontos.
                Em relação ao item de resposta extensa que constitui o Grupo IV, a cotação é distribuída pelos parâmetros Tema e Tipologia, Coerência e Pertinência da Informação, Estrutura e Coesão, Morfologia e Sintaxe, Repertório Vocabular, Ortografia. Caso a resposta não cumpra de forma inequívoca a instrução no que respeita ao tema e ao tipo de texto, é classificada com zero pontos em todos os parâmetros. Neste item, a indicação de um número mínimo e máximo de palavras, para a elaboração da resposta, significa que os limites explicitados correspondem a requisitos relativos à extensão de texto e devem ser respeitados. Se o aluno não cumprir a extensão requerida, a classificação é sujeita à desvalorização de 1 ou de 2 pontos. Se a extensão do texto for inferior a 1/3 do limite mínimo, a resposta é classificada com zero pontos em todos os parâmetros.


4. Material

                O aluno apenas pode usar, como material de escrita, caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.
                As respostas são registadas em folha própria, fornecida pelo estabelecimento de ensino (modelo oficial).
                Não é permitida a consulta de dicionário.
                Não é permitido o uso de corretor.


5. Duração

                A prova tem a duração de 90 minutos, a que acresce a tolerância de 30 minutos.

Vocativo

                O vocativo é a função sintática desempenhada por um constituinte não obrigatório que serve para chamar ou interpelar o interlocutor.
                O vocativo ocorre em:

1. Frases de tipo imperativo:
. João, cala-te!

2. Frases de tipo exclamativo:
. Ó João, estás impossível hoje!

3. Frases de tipo interrogativo:
. João, podias dizer-me as horas?

                Por outro lado, o vocativo é extremamente móvel, podendo ocorrer no início, no interior ou no final da frase. Em qualquer circunstância, surge sempre separado por vírgula dos demais elementos da frase.
. João, dá-me esse martelo.
. Dá-me, João, esse martelo.
. Dá-me esse martelo, João.

                Além disso, é frequente alguma confusão entre as funções de sujeito e de vocativo. No entanto, há formas de os distinguir:

a. O sujeito e o vocativo podem ocorrer, em simultâneo, numa frase:
. A minha mãe viu-te na feira, João.
Sujeito                                     vocativo

b. Ao contrário do sujeito, o vocativo não controla a concordância verbal.
. Maria, os teus irmãos chegaram.

c. Ao contrário do sujeito, o vocativo pode ser antecedido da interjeição «ó».
. Ó Eusébio, porque partiste tão cedo?

d. Ao contrário do sujeito, o vocativo nunca é acompanhado de determinantes (exceto possessivos).
. João, cheguei.
  vocativo
. Meu querido João, cheguei.
vocativo
. Aquele rapaz chama-se João.
sujeito

"O Cerco à Sala de Aula"

   

OPINIÃO

O Cerco à Sala de Aula

Predicativo do complemento direto

1. Definição

                O predicativo do complemento direto é a função sintática desempenhada pelo constituinte que atribui uma propriedade (daí a designação de predicativo) ao complemento direto.
                 Este constituinte é selecionado por um verbo transitivo predicativo: aceitar, achar, chamar, considerar, crer, coroar, declarar, designar, eleger, encontrar, estimar, fazer, instituir, julgar, nomear, proclamar, ter por, ter-se por, tornar, tomar por, tratar por, etc.
. A Maria considera o Aníbal inteligente.
     c. direto    predicativo do c. direto


2. Concordância

                O predicativo do complemento direto (PCD) concorda em género e em número com o complemento direto (CD) (quando se trata de um grupo nominal ou de um grupo adjetival) e com ele forma uma unidade de sentido, pelo que a sua supressão origina agramaticalidade ou altera radicalmente o sentido da frase.
. O João acha a Joana um doce. (O verbo «achar» significa «considerar».)
    CD         PCD
. O João acha a Joana. (Neste caso, suprimindo o PCD, o verbo «achar» passa ter o significado de «encontrar».)


3. Representação

                Podem desempenhar a função sintática de PCD:

1. Um grupo nominal:
. Os portugueses elegeram Passos Coelho primeiro-ministro.
    CD                        PCD

2. Um grupo adjetival:
. O professor considera a Cláudia inteligente.
      CD                 PCD
. Achei o livro profundo.
    CD         PCD

3. Um grupo preposicional:
. Não me tomem por parvo.
  CD                   PCD
. Considero a partida de mau gosto.
   CD               PCD
. Nomearam a Joana para secretária.
    CD            PCD


4. Considerações genéricas

                O CD e o PCD podem ser parafraseados, geralmente, por uma oração subordinada substantiva completiva finita, em que o CD passa a sujeito e o PCD a predicativo do sujeito.
. Eu acho a Luísa interessante.
   CD            PCD
. Eu acho que a Luísa é interessante.
          predicativo do sujeito

                O PCD de uma frase na voz ativa passa a predicativo do sujeito quando essa frase é transformada para a voz ativa, dado que o complemento direto passará a sujeito:
. O povo português declarou Passos Coelho incompetente.
     CD                       PCD
. Passos Coelho foi declarado incompetente pelo povo português.
     predicativo do sujeito

                O PCD pode surgir antes do complemento direto que predica:
. Eça de Queirós tornou muito emocional a despedida de Maria Eduarda.
    PCD                                 CD


5. Distinção entre PCD e modificador do nome

                Por vezes, surgem dificuldades em distinguir o PCD do modificador do nome.
                A forma mais fácil de fazer essa distinção passa por reconhecer que só o modificador do nome integra o CD e é incluído na pronominalização do grupo frásico que desempenha essa função de CD.
. Considero o Frei Luís de Sousa interessante.
    CD                           PCD
. Considero-o interessante.
   CD      PCD
                 CD                              
. No sábado, vi um filme interessante.
  modificador do nome
. No sábado, vi-o.
    CD

Na sala de professores (I)

     Isto sucedeu numa sala de professores de uma escola deste país. Os intervenientes são todos professores.

     J. - Dulc..., em que ano foi a Expo-98?
     D. - Ah, pá! Essa é difícil!
     J. - Pensa bem! Em que ano terá sido?
     Após alguns momentos de grande hesitação:
     D. - Em 2000... 2001.

Princípio de cortesia

                O princípio da cortesia refere-se ao conjunto de estratégias, de normas de conduta – verbais e não verbais ‑ (informais, formais, regras de etiqueta), estabelecidas pelas sociedades e usadas pelos interlocutores para reduzir e / ou evitar os conflitos entre si, isto é, para evitar que a troca verbal seja ofensiva ou ameaçadora, acautelando-se assim os conflitos, e, em simultâneo, garantir um comportamento social adequando. É o caso, por exemplo, de um reencontro entre dois indivíduos que não se veem há algum tempo e em que um deles, procurando ser simpático e evitar atingir negativamente o seu interlocutor, lhe diz «Estás com bom aspeto.», mesmo que isso não corresponda à verdade.
                Algumas dessas estratégias são as formas de tratamento (Vossa Excelência, o senhor, tu, sr. João, etc.) e as expressões convencionais de cortesia (por favor, obrigado, etc.).
                Por outro lado, determinados traços da competência comunicativa do falante contribuem também para o princípio da cortesia:
‑ adaptar o seu discurso ao contexto e às circunstâncias;
‑ dominar estratégias que evitem a troca verbal ofensiva ou ameaçadora;
‑ suavizar determinados conteúdos / mensagens considerados agressivos, “chocantes”, cruéis ou que possam agredir o interlocutor;
‑ usar fórmulas e expressões consideradas como corteses.
                Além disso, qualquer falante deve respeitar determinadas regras durante a conversação:
‑ não interromper o seu interlocutor;
‑ evitar o silêncio ostensivo;
‑ revelar atenção ao discurso / não se mostrar desatento;
‑ não proferir ofensas, injúrias, calúnias, insultos, acusações gratuitas e infundadas, etc.
                A este princípio associa-se o conceito de face, isto é, a autoimagem pública que o falante pretende dar de si próprio. De facto, nas interações sociais, “procura causar uma imagem positiva no seu interlocutor, de modo a ser aprovado por ele. Quanto mais positiva for essa imagem, mais os outros a aceitarão.” (in http://dlac.pt). Deste modo, o locutor investe na sua imagem social, de modo a manter a face e a não a perder, constituindo a fala um meio privilegiado de o falante apresentar uma imagem pessoal (positiva ou negativa) aos demais indivíduos. Dá-se o nome de face positiva ao desejo do locutor de que a sua imagem seja apreciada e aprovada e de face negativa ao desejo que o mesmo locutor tem de não ser contrariado e desacreditado.
                Assim sendo, considerando que é do interesse dos falantes protegerem a face um do outro, no pressuposto de que, se A preserva a de B, este preservará a daquele, eles regulam a sua interação por meio do ajuste recíproco de comportamentos e adotam estratégias de mútua cortesia tendentes à prossecução desse objetivo.
                No entanto, há momentos e circunstâncias de tensão em que um falante procura, deliberadamente, que o outro perca a face, por exemplo através de acusações, de interrupções constantes e até de insultos. É frequente, em debates televisivos, um interlocutor interromper o outro com frequência, para que este não consiga expor o seu pensamento.
                Por outro lado, são várias as interações verbais que constituem potenciais ameaças à face (positiva ou negativa) do locutor:
. atos de fala expressivos como a autocrítica, a confissão e a justificação constituem uma ameaça à face positiva;
. atos de fala compromissivos como as ofertas e as promessas constituem uma ameaça à face negativa, dado que condicionam a sua liberdade.
                De igual modo, há interações verbais que ameaçam a face do interlocutor:
. atos de fala expressivos como os insultos, as injúrias, a censura, a desaprovação, as injúrias, a desaprovação, as acusações e as interrupções configuram uma ameaça à face positiva;
. atos de fala diretivos (ordens, pedidos, instruções) constituem uma ameaça à face negativa, visto que o obrigam a tomar uma posição.
                O objetivo do princípio de cortesia é, precisamente, atenuar estas ameaças. Assim, os interlocutores procuram observar determinados princípios (atrás referidos) e fazer uso de diferentes estratégias linguísticas para mitigar as ameaças à face de cada um, procurando diminuir o impacto dos atos de fala acima descritos:
. uso de atos de fala indiretos que contribuem para diminuir a ameaça que as ordens, os pedidos, as perguntas, etc., representam para a face negativa do interlocutor:
‑ Cala-te!
. Não te importas de te calar?
. Podes calar-te, por favor?
. Poderias calar-te?
. Era melhor calares-te.
.
. recurso a outros atos de fala indiretos ‑ introduções explicativas ou desculpabilizadoras que diminuam a ameaça à face positiva provocada por desaprovações ou desacordos:
Está enganado!
. Desculpe, mas está enganado.
. utilização de eufemismos:
O Antunes morreu.
. O Antunes partiu para o céu.
. O Antunes deixou-nos.
. O Antunes já não está entre nós.
. uso do pretérito imperfeito em vez do presente em determinados pedidos:
Quero um bilhete para a última sessão.
. Queria um bilhete para a última sessão, por favor!
. uso de perífrases:
Passos Coelho teve um acidente. Um acidente muito grave. Infelizmente aconteceu o pior. (Esta fala prepara, gradualmente, o interlocutor para o desfecho fatal, sendo de assinalar a conjugação da perífrase com o eufemismo) – in Domínios Gramaticais (adaptado).
. utilização da lítotes:
Isso não é nada pêra doce. (= Isso é muito difícil.) ‑ in Domínios Gramaticais.

Bibliografia:
. Domínios Gramaticais, Zacarias Nascimento et alii.
. Itinerário Gramatical, Olívia Figueiredo et alii.
. Gramática da Língua Portuguesa, Clara Amorim et alii.

Princípio de pertinência ou relevância

                O princípio de pertinência é uma espécie de guia de comportamento comunicativo humano que garante que o locutor produz enunciados que conduzem a uma interpretação adequada por parte do interlocutor, deixando cair outras interpretações.
                Isto sucede porque os interlocutores reconhecem universos de referência comuns, ou seja, eles partilham saberes sobre o mundo, sobre os valores psicológicos e sociais, sobre os comportamentos, etc.

Bibliografia:
. Domínios Gramaticais, Zacarias Nascimento et alii.
. Itinerário Gramatical, Olívia Figueiredo et alii.
. Gramática da Língua Portuguesa, Clara Amorim et alii.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...