segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Autárquicas 2017: com Valentim é sempre assim


Protótipos textuais: texto narrativo

1.1. Definição: o texto narrativo é um texto ou sequência textual em que se relata um evento, um facto ou acontecimentos ou uma cadeia dos mesmos.

1.2. Géneros (ou tipos de textos narrativos):
- romance
- conto
- lenda
- mito
- banda desenhada
- fábula
- parábola
- (auto)biografia
- notícia
- reportagem
- crónica
- relatório
- relatos históricos
- relatos orais
- etc.

1.3. Traços básicos da narração
                O texto narrativo possui cinco características específicas: uma ação ou ações, localizada(s) no tempo e no espaço, protagonizada(s) por uma pessoa ou personagem, que confere unidade à ação ou atravessa toda a narrativa, e contada por um narrador, que pode ser, ou não, uma das personagens.
                Por outro lado, os eventos representados encadeiam-se de forma lógica e orientam-se para um desenlace, desenvolvendo-se ao longo de três momentos, sobretudo no de texto de índole literária:
. Situação inicial: situação de estabilidade, em que se apresentam as personagens, situadas no tempo e no espaço. Habitualmente, são frequentes as sequências descritivas neste momento inicial.
. Complicação / problema: é o conjunto de eventos que geram um conflito, desequilibrando a situação inicial, e que constituem o núcleo da narração. Frequentemente, há textos narrativos que alternam situações de equilíbrio e desequilíbrio, correspondendo à ocorrência de vários episódios ou capítulos de uma obra.
. Resolução: é a solução do conflito e o regresso a uma situação de equilíbrio.

1.4. Características
. o uso predominante de verbos de ação;
. o predomínio do pretérito perfeito do indicativo (também o imperfeito, o mais-que-perfeito e o futuro marcam presença) ou do presente histórico;
. o uso do pretérito imperfeito para iniciar a narrativa;
. a abundância de marcadores e conectores temporais e espaciais (“quando”, “depois”, “um dia”, etc.);
. o recurso a advérbios de valor locativo e temporal, conjunções, locuções e expressões temporais, especiais e causais;
. o uso de marcadores discursivos explicativos e conclusivos (“assim”, “porque”, “por esse motivo”, etc.);
. marcas linguísticas que indicam o ponto de vista:
- deíticos de primeira pessoa (pronomes pessoais, possessivos e demonstrativos, formas verbais e advérbios) no relato de enunciação de primeira pessoa;
- referências lexicais e anafóricas no relato de terceira pessoa.


Bibliografia:
. Domínios, de Zacarias Nascimento et alii;
. Gramática da Língua Portuguesa, de Clara Amorim;
. Itinerário Gramatical, Olívia Figueiredo e Eunice de Figueiredo;
. Nova Gramática Didática de Português, Santillana.


Protótipos textuais I - Correção (G 44)

1. 

Excerto textual
Protótipo textual
Então, rapidamente, sem uma vacilação, uma dúvida, arrebatou o príncipe do seu berço de marfim, atirou-o para o pobre berço de verga – e tirando o seu filho do berço servil, entre beijos desesperados, deitou-o no berço real […]
narrativo
Sobre literatura preciso de saber várias coisas.
Preciso de saber que a literatura não se reduz aos textos escritos: para além deles, a literatura foi e em certos momentos ainda é oral, ou seja, palavra dita, declamada e cantada, independentemente da fixação escrita.
expositivo
Moço – Co dinheiro que leixais
não comerei eu galinhas…
Escudeiro – Vai-te tu per essas vinhas.
Que diabo queres mais?
conversacional (ou dialogal)
Dose recomendada:
Adultos e crianças com idade superior a 12 anos: tome 1 ou 2 comprimidos, 1 a 3 vezes por dia.
Colocar os comprimidos dispersíveis num copo com água, agitar e beber em seguida.
instrucional (diretivo ou injuntivo)
Por outro lado, a televisão exerce uma influência negativa, ao exibir modelos cujas características são inatingíveis pelas crianças e jovens em geral. As suas qualidades físicas são ampliadas, os defeitos físicos esbatidos, criando-se a imagem do herói / heroína perfeitos. Esta construção gera sentimentos de insatisfação e frustração do eu consigo mesmo e de menosprezo pelo outro.
argumentativo
Virgem
Plano amoroso: você terá uma semana rica em desafios que o levarão constantemente a aferir possibilidades e a escolher caminhos.
Plano material: haverá evoluções políticas e sociais que poderão ter implicação direta na sua vida.
preditivo
Maria era uma senhora de idade avançada, de cabelos brancos e pele coberta de rugas. Os seus olhos castanhos e cansados perdiam-se no vazio. Vestia uma saia e um casaco azuis da cor do céu primaveril.
descritivo



          . Ficha.

"Amigo Frei João, cuidas que é barro"






5





10
Amigo Frei João, cuidas que é barro
O fumoso tabaco por que berro?
Um nigromante me transforme em perro,
Se há coisa para mim como o cigarro!

Ele me arranca pegajoso escarro,
Que nas fornalhas deste peito encerro;
O frio, as aflições de mim desterro,
Quando lhe lanço mão, quando lhe agarro.

De vício, se é vício, não me corro,
E só tomo rapé, simonte ou esturro,
Quando quero zangar algum cachorro.

Amigo Frei João, não sejas burro;
Dize bem do cigarro; senão, morro;
Traze-me lume já, ou dou-te um murro.

                                               (I, 116)


         Este soneto aborda o vício do tabaco através de uma situação cómica: estando o autor na cela do seu amigo Frei João de Pousafoles, sucedeu apagar-se-lhe um cigarro, pelo que pediu lume, que ele lhe recusou. É por aí que o soneto se inicia: o sujeito poético refere o pormenor de pedir lume ao amigo Frei João, porque o cigarro se lhe tinha apagado. O amigo da cela, porém, nega-lhe o lume, querendo com isso talvez não favorecer o vício.
         Reconhecendo os malefícios do tabaco, como o catarro do fumador (vv. 5-6), o sujeito poético confessa, porém, que não lhe consegue resistir. Daí a formulação do desejo hiperbólico dos versos 3 e 4: que um bruxo ou pessoa dedicada à arte de evocar os mortos para predizer o futuro (“nigromante”) o transforme num cão (“perro”, palavra de origem castelhana, usada frequentemente no sentido pejorativo de “tratante”). O prazer do tabaco não tem paralelo. O gozo insubstituível de fumar, descrito com humorado ênfase (v. 8), permite-lhe esquecer, ainda que momentaneamente, a miséria e o sofrimento (v. 7).
         Seguidamente, faz a distinção entre o tabaco de fumo (cigarro), referido no verso 2, de conhecidas consequências para os pulmões do sujeito poético (v. 6), e o tabaco de cheirar, referido enfática mas depreciativamente no verso 10 (rapé, simonte, esturro). Estes tipos de tabaco moído para degustar através de aspirações nasais distinguem-se pela qualidade, sendo o simonte um tabaco da primeira folha, e o esturro ou esturrinho um tipo de tabaco torrado, ambos usados para cheirar, como o rapé.
         O fecho coloquial do soneto encerra admiravelmente o tom cómico que o perpassa desde o início: “Traze-me lume já, ou dou-te um murro!” (v. 14).
         A nível estilístico, repare-se no trocadilho com as palavras homónimas barro e berro (vv. 1 e 2), ou no uso continuado da vibrante /r/, a estruturar toda a rima alternada do soneto, que nos sugere, foneticamente, o nefasto efeito do catarro típico do homem fumador.


Autárquicas 2017: se arranhó, nã quero


Autárquicas 2017: às vezes isto também me acontece no "paint"


Autárquicas 2017: campas em saldo. Aproveite!


Autárquicas 2017: a Patrícia isenta e burla


"Certo enfermo, homem sisudo"

Certo enfermo, homem sisudo,




5





10



Deixou por condescendência
Chamar um doutor, que tinha
Entre os mais a preferência.

Manda-lhe o fofo Esculápio
Que bote a línguas de fora,
E envia dez garatujas
À botica sem demora.

«Com isto (diz ao paciente)
A sepultura lhe tapo.»
Replica o pobre a tremer:
«Aposto que não escapo».

                            (IV, 143)


         Outro grande tema da sátira epigramática de Bocage são os erros dos médicos, ou dos falsos cirurgiões da sua época.
         No caso deste texto, eis que um homem adoece e decide recorrer, com temor e hesitação (“Deixou por condescendência...”), aos serviços da medicina. Na 2.ª estrofe, Bocage apresenta ironicamente a figura do pretensioso médico (designado, com ironia, por “fofo Esculápio”Esculápio era o deus da Medicina) observando o doente, mandando-lhe deitar a língua de fora, e aviando uma receita ilegível (“dez garatujas”), actos que consubstanciam a sua pretensiosa ciência/sabedoria. Finalmente, na última estrofe, atente-se na irónica ambiguidade da afirmação do médico. Ao dizer que tapa a sepultura ao doente, tanto afirma que o vai salvar da morte certa, como pode significar que o mata definitivamente. E é nesta segunda acepção que o pobre e desenganado paciente entende a declaração do médico. Em suma, a sátira caricatural de que esta figura-tipo é alvo, incide sobre o tema dos doentes que morrem mais depressa por causa dos erros da classe médica do que por causa da própria doença e que, em alguns textos, leva Bocage a afirmar que a Medicina é filha da própria Morte. Como diz a sabedoria popular, se não morrem da doença, morrem da cura.
         Por vezes, como é o caso do texto em análise, Bocage serve-se de um breve mas cómico diálogo entre médico e paciente, dando assim maior vivacidade e graça ao cómico de situação ou de linguagem. Também é comum referir-se, algo jocosa e metaforicamente, aos médicos como os descendentes de Galeno (anatomista grego), os filhos de Esculápio (deus da Medicina) ou alunos de Hipócrates (médico célebre).

Autárquicas 2017: ruptura com o passado? Vote nestes dois jovens!


Autárquicas 2017: quem quer CORNES?


Autárquicas 2017: Agatha Christie


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...