quinta-feira, 5 de setembro de 2019

"Ballata per un pistolero", de Roberto Pregadio



     Tema do filme italiano "Il Pistolero Dell'Ave Maria".

Análise e estrutura da ação de Admirável Mundo Novo

            Ao contar a história de uma civilização da qual o sofrimento e a dor foram erradicados pelo preço da autonomia pessoal, Admirável Mundo Novo explora os efeitos desumanizadores da tecnologia e implica que a dor é necessária para que a vida tenha sentido. A história começa com três capítulos expositivos que descrevem a sociedade futurista do Estado Mundial. Nesta sociedade, o casamento, a família e a procriação foram eliminados e os bebés são geneticamente modificados e cultivados em mamadeiras. Os cidadãos são programados para serem produtivos e complacentes através de uma combinação de manipulação biológica, condicionamento psicológico e uma droga chamada soma. Uma personagem chamada Mustapha Mond explica que, na era anterior, as pessoas sofriam de pobreza, doença, infelicidade e guerras. Uma nova sociedade, nomeada a partir do fabricante de automóveis do século XX, Henry Ford, foi formada para melhorar a experiência humana. Esses capítulos não incluem muitos elementos significativos da trama, mas introduzem os principais temas do romance. Eles sinalizam ao leitor que o Estado Mundial faz a lavagem cerebral dos seus cidadãos para permanecerem obedientes e sugerem que o leitor deve ser cético sobre o quão realmente utópica a sociedade é. O Estado Mundial surge como o antagonista do romance, uma força sinistra que impede que as personagens alcancem felicidade significativa ou livre arbítrio.
            O enredo é iniciado quando Bernard, o protagonista inicial do romance, convida Lenina para um encontro: uma visita a uma Reserva. O leitor pode inferir que as Reservas servem como uma espécie de zoológico humano, onde os cidadãos do Estado Mundial podem admirar como era a civilização. Logo, podemos dizer que, apesar da sua atração mútua, Bernard e Lenina são incompatíveis. Bernard não quer participar no golfe obstáculo, mas quer dar um passeio e conhecer Lenina. Esta quer agir como toda a gente e desfrutar das mesmas atividades sem pensar ou falar muito. Vemos que a maioria das personagens principais luta para se adaptar à sociedade num grau ou noutro. Lenina está contente por seguir as regras, mas questiona a promiscuidade imposta pelo governo e sente-se estranhamente atraída por Bernard, apesar de ser um estranho. Bernard questiona mais profundamente o hábito do Estado Mundial de drogar cidadãos e pergunta-se se sua vida teria mais significado se ele experimentasse toda a gama de emoções humanas. O amigo de Bernard, Helmholtz, fica ainda mais perturbado com o Estado Mundial e deseja criar arte que possa funcionar como uma espécie de raio-x para a experiência humana, em vez de propaganda que aplique as políticas do Estado Mundial.
            O conflito do romance é desenvolvido na véspera da viagem de Lenina e Bernard, quando o diretor conta a este último sobre sua própria visita à Reserva, levantando outras questões sobre o quão bem-sucedida a sociedade realmente é na criação de uma existência ideal. O diretor descreve a separação da mulher com quem estava, magoar-se e ter uma viagem dolorosa e árdua de volta à Reserva. A dificuldade física e emocional da experiência torna-a uma das suas memórias mais significativas, e ele admite que ainda sonha com isso. Essa lembrança introduz a ideia de que a dor é necessária para o significado e também prenuncia o relacionamento de John e Linda com o diretor. Na Reserva, John e Lenina testemunham várias cenas que contrastam diretamente com as duas ideias de civilização apresentadas pelo romance: a civilização da Reserva, do tipo nativa americana e a civilização futurista do Estado Mundial. Ao contrário deste, os moradores da Reserva envelhecem, têm doenças, fome e tratam-se com crueldade. Ao mesmo tempo, eles criam arte, experimentam o amor e o casamento e têm um poderoso sistema religioso.
            Na Reserva, Lenina e Bernard encontram John, um residente de pele branca que Bernard percebe ser o filho do diretor, preparando a eventual colisão de culturas opostas. John conta-lhes as suas memórias de crescer na Reserva com Linda, onde experimentou o amor materno e a alegria de ler Shakespeare e aprender habilidades, mas também a dor do ostracismo. Linda, ainda com uma lavagem cerebral efetiva pela sua educação no Estado Mundial, fala com entusiasmo do seu tempo nele e aceita ansiosamente a oferta de Bernard de trazê-la para casa. De volta ao Estado Mundial, John cumprimenta alegremente o seu pai, mas os cidadãos, não acostumados a demonstrações de profunda emoção, riem dele. Bernard goza de popularidade momentânea, já que os oficiais que antes o evitavam agora clamam por tempo com John. As insatisfações de Bernard desaparecem quando ele começa a sentir-se poderoso e importante. John surge como protagonista do romance neste momento, e a nossa simpatia muda para ele, à medida que procura um relacionamento emocional com Lenina e se preocupa com Linda, que existe num estupor drogado. Lenina, confusa com a recusa de John em fazer sexo com ela, tira a roupa e tenta abraçá-lo, mas ele fica furioso e bate-lhe, mostrando o lado sombrio e perigoso das emoções e moralidade humanas.
            O clímax do romance ocorre quando Linda morre e John, enlouquecido pela dor, tenta encenar uma revolução. Helmholtz entra, enquanto Bernard observa, sem saber se é mais seguro para si juntar-se ou pedir ajuda. Nesta cena, Bernard torna-se totalmente antipático por causa da sua covardia e falta de moralidade. Mustapha Mond exila Bernard e Helmholtz, depois discute religião, literatura e arte com John. Citando Shakespeare, este argumenta sobre a importância da dor e da dificuldade, dizendo: "Não quero conforto ... quero Deus, quero poesia, quero perigo, quero liberdade, quero bondade.". Mond responde que John está a pedir o direito de ser infeliz, um direito que o livro assegura que é central para a experiência de ser humano. A ação decadente do romance ocorre depois que John se exila da cidade e tenta viver uma vida o mais livre de conforto e facilidade possível. Os repórteres encontram-no chicoteando-se, e rapidamente se vê cercado por uma multidão de espectadores exigindo um show. O frenesi da multidão transforma-se numa orgia, da qual John participa. No dia seguinte, horrorizado com o que fez, enforca-se.

O narrador de Admirável Mundo Novo

            O ponto de vista adotado pelo narrador, que faz uso da terceira pessoa, é a omnisciência, mas a perspetiva muda de Bernard para John a meio do romance, marcando a mudança de Bernard para John como o centro moral da história. Ao enfatizar inicialmente o monólogo interior de Bernard, o narrador retrata-o como falho, mas superior aos seus pares, devido à sua inconformidade e pensamento livre. Só ele se sente desconfortável com a promiscuidade do Estado Mundial e se irrita com a maneira como os homens tratam as mulheres como "carne". Como o leitor tem acesso à sua vida interior, a sua perspetiva parece normal e a sociedade estranha, e não o contrário. No entanto, Bernard mostra-se antipático e não confiável quando começa a experimentar o poder e a popularidade depois que traz John para Londres. O ponto de vista muda, pois, para John, que é ainda mais moralmente contrário às táticas que o governo do Estado Mundial usa para manter os cidadãos dóceis e obedientes. Embora o narrador pareça ter pena de Bernard, somos encorajados a admirar John, que é descrito como fisicamente atraente, emocionalmente sensível, artístico e não corrompido pelas tentações do Estado Mundial. Como os valores desta personagem estão mais alinhados com a moral tradicional, que o leitor reconhecerá, como a monogamia, a família e a piedade, o seu ultraje no Estado Mundial é relatável.
            Por outro lado, o narrador guia as impressões do leitor sobre a história, mas não é ativo como uma voz que conta a história. Em vez disso, Huxley usa uma técnica chamada discurso indireto livre, onde recorre a monólogos interiores de várias personagens para tecer comentários sobre a ação e sugerir como o leitor deve interpretá-la. Por exemplo, na Reserva, Lenina pensa: “O lugar era esquisito, a música também, as roupas, os bócios, as doenças de pele e os idosos. Mas a performance em si – parecia não haver nada especificamente estranho nela.”. Já vimos que Lenina é mesquinha e suspeita de qualquer coisa estrangeira, então o facto de que até ela pode apreciar o ritual da chuva sugere que existe uma universalidade para o desempenho que transcende as diferenças culturais. Ao usar o discurso indireto livre, Huxley aprofunda a nossa compreensão das personagens, enquanto indica que suas reações às experiências são semelhantes à reação do leitor.

Motivos de Admirável Mundo Novo

            Motivos são estruturas recorrentes, contrastes e dispositivos literários que podem ajudar a desenvolver os principais temas do texto.

Pneumático
A palavra pneumático é usada com grande frequência para descrever duas coisas: o corpo e as cadeiras de Lenina. Pneumático é um adjetivo que geralmente significa que algo tem bolsas de ar ou funciona por meio de ar comprimido. No caso das cadeiras (no teatro feminino e no escritório de Mond), provavelmente significa que as almofadas das cadeiras estão cheias de ar. No caso de Lenina, a palavra é usada por Henry Foster e Benito Hoover para descrever com o que ela gosta de fazer sexo. Ela mesma observa que os seus amantes geralmente a acham "pneumática", batendo nas pernas enquanto o faz. Relativamente a Lenina, significa bem arredondada, parecida com um balão ou saltitante, em referência à sua carne e, em particular, ao seu peito. Huxley não é o único escritor a usar a palavra pneumático nesse sentido, embora seja um uso incomum. O uso desse vocábulo estranho para descrever as características físicas tanto de uma mulher como de uma peça de mobiliário revela um dos temas do romance: a sexualidade humana foi degradada ao nível de uma mercadoria.

Ford, "Meu Ford", "Ano do nosso Ford", etc.
Na obra, os cidadãos do Estado Mundial usam o nome de Henry Ford, o industrial do início do século XX e fundador da Ford Motor Company, para substituir todos os casos em que, atualmente, usamos «Senhor» ”(isto é, Cristo). Isso demonstra que, mesmo ao nível de conversas e hábitos casuais, a religião foi substituída pela reverência à tecnologia – especificamente à produção industrial eficiente e mecanizada de bens de que Henry Ford foi pioneiro.

Alienação
O motivo da alienação fornece um contraponto ao motivo da conformidade total que permeia o Estado Mundial. Bernard Marx, Helmholtz Watson e John são alienados do Estado Mundial, cada um por razões muito próprias. De facto, Bernard está alienado porque é um desajustado, pequeno demais e impotente para a posição que foi condicionado a gozar. Helmholtz é alienado pela razão oposta: é inteligente demais até para desempenhar o papel de um Alfa Mais. John está alienado em vários níveis e em vários locais: não só a comunidade indiana o rejeita, como também ele mesmo não está disposto a fazer parte do Estado Mundial. O motivo da alienação é uma das forças motrizes da narrativa: fornece às personagens principais as suas principais motivações.

Sexo
Admirável Mundo Novo está repleto de referências ao sexo. No coração do controle da população pelo Estado Mundial está o rígido controle sobre os costumes sexuais e os direitos reprodutivos. Os direitos reprodutivos são controlados através de um sistema autoritário que esteriliza cerca de dois terços das mulheres, exige que as demais usem contracetivos e remove cirurgicamente os ovários quando é necessário produzir novos seres humanos. O ato sexual é controlado por um sistema de recompensas sociais por promiscuidade e falta de compromisso. John, um estranho, é torturado pelo seu desejo por Lenina e pela incapacidade dela de retribuir o seu amor como tal. O conflito entre o desejo de John por amor e o desejo de Lenina por sexo ilustra a profunda diferença de valores entre o Estado Mundial e a humanidade representada pelas obras de Shakespeare.

Shakespeare
Shakespeare fornece a linguagem através da qual John entende o mundo. Com o uso de Shakespeare por John, o romance estabelece contacto com os temas mais ricos explorados em peças como A Tempestade. Também cria um contraste gritante entre a simplicidade utilitária e a tagarelice insana da propaganda do Estado Mundial e o verso elegante e matizado de um tempo "antes de Ford". As peças de Shakespeare fornecem muitos exemplos precisamente do tipo de relações humanas – apaixonadas, intensas e frequentemente trágicas – com cuja eliminação o Estado Mundial está comprometido.

Temas de Admirável Mundo Novo

O uso da tecnologia para controlar a sociedade
Admirável Mundo Novo alerta para os perigos de dar ao Estado controle sobre novas e poderosas tecnologias. Uma ilustração deste tema é o controle rígido da reprodução por meio de intervenções tecnológicas e médicas, incluindo a remoção cirúrgica de ovários, o Processo Bokanovsky e o condicionamento hipnopédico. Outra é a criação de máquinas de entretenimento complicadas que geram lazer inofensivo e os altos níveis de consumo e produção que são a base da estabilidade do Estado Mundial. Soma é um terceiro exemplo do tipo de tecnologias médicas, biológicas e psicológicas que o romance critica mais profundamente.
Há que reconhecer também a distinção entre ciência e tecnologia. Enquanto o Estado fala sobre progresso e ciência, o que realmente significa é o aprimoramento da tecnologia, não o aumento da exploração e experimentação científica. O Estado usa a ciência como um meio para construir tecnologia que possa criar um mundo perfeito, feliz e superficial através de coisas como os "filmes sensoriais". O Estado censura e limita a ciência, no entanto, uma vez que vê a base fundamental que está por trás da ciência, a busca pela verdade, como ameaça ao controle estatal. O foco do Estado na felicidade e na estabilidade significa que utiliza os resultados de pesquisas científicas, na medida em que contribuem para as tecnologias de controle, mas não apoia a própria ciência.

A Sociedade do Consumidor
Admirável Mundo Novo não é simplesmente um aviso sobre o que poderia acontecer à sociedade se as coisas derem errado, é também uma sátira da sociedade em que Huxley vivia e que ainda existe hoje. Embora as atitudes e os comportamentos dos cidadãos do Estado Mundial pareçam bizarros, cruéis ou escandalosos, muitas pistas apontam para a conclusão de que o Estado Mundial é simplesmente uma versão extrema – mas logicamente desenvolvida – dos valores económicos da nossa sociedade, na qual a felicidade individual é definida como a capacidade de satisfazer necessidades, e o sucesso como sociedade é equiparado ao crescimento económico e à prosperidade.

A incompatibilidade de felicidade e verdade
Admirável Mundo Novo está cheio de personagens que fazem tudo o que podem para evitar encarar a verdade sobre a sua própria situação. O uso quase universal da droga soma é provavelmente o exemplo mais difundido de tal ilusão voluntária. Soma obscurece as realidades do presente e substitui-as por felizes alucinações, sendo, portanto, uma ferramenta para promover a estabilidade social. Mas mesmo Shakespeare pode ser usado para evitar encarar a verdade, como John demonstra através da sua insistência em ver Lenina por meio das lentes do mundo de Shakespeare, primeiro como uma Julieta e depois como uma "trombeta impudente". Segundo Mustapha Mond, o Estado Mundial prioriza a felicidade às custas da verdade por design: ele acredita que as pessoas estão melhor com a felicidade do que com a verdade.
Quais são essas duas entidades abstratas que Mond justapõe? Parece bastante claro, a partir do seu argumento, que felicidade se refere à gratificação imediata do desejo de todos os cidadãos por comida, sexo, drogas, roupas bonitas e outros itens de consumo. É menos claro o que Mond quer dizer com verdade, ou especificamente quais verdades ele vê que a sociedade do Estado Mundial encobre. Da sua discussão com John, é possível identificar dois tipos principais de verdade que o Estado Mundial procura eliminar. Primeiro, como o próprio passado de Mond indica, o Estado Mundial controla e amortece todos os esforços dos cidadãos para obter qualquer tipo de verdade científica ou empírica. Segundo, o governo tenta destruir todos os tipos de verdades "humanas", como amor, amizade e conexão pessoal. Esses dois tipos de verdade são bem diferentes um do outro: a verdade objetiva envolve chegar a uma conclusão definitiva do facto, enquanto uma verdade "humana" só pode ser explorada, não definida. No entanto, ambos os tipos de verdade estão unidos na paixão que um indivíduo pode sentir por eles. Quando jovem, Mustapha Mond ficou encantado com o prazer de fazer descobertas, assim como John ama a linguagem e a intensidade de Shakespeare. A busca pela verdade, então, também parece envolver uma grande quantidade de esforço individual, de se esforçar e lutar contra as probabilidades. A própria vontade de procurar a verdade é um desejo individual que a sociedade comunal de Admirável Mundo Novo, baseada no anonimato e na falta de pensamento, não pode permitir que exista. Verdade e individualidade ficam assim entrelaçadas na estrutura temática do romance.

Os perigos de um Estado todo-poderoso
Tal como 1984, de George Orwell, este romance descreve uma distopia na qual um estado todo-poderoso controla os comportamentos e ações do seu povo, a fim de preservar sua própria estabilidade e poder. Mas uma grande diferença entre os dois é que, enquanto em 1984 o controle é mantido por constante vigilância governamental, polícia secreta e tortura, o poder no Admirável Mundo Novo é mantido por meio de intervenções tecnológicas que começam antes do nascimento e duram até à morte, e que realmente mudam o que as pessoas querem. O governo de 1984 mantém o poder através da força e da intimidação. O governo de Admirável Mundo Novo mantém o controle, tornando os seus cidadãos tão felizes e satisfeitos superficialmente que não se importam com a sua liberdade pessoal. Nesta obra de Huxley, as consequências do controle estatal são a perda de dignidade, moral, valores e emoções – em suma, uma perda de humanidade.

Individualidade
Ao imaginar um mundo em que a individualidade é proibida, Admirável Mundo Novo pede que consideremos o que é identidade individual e por que é valiosa. O Estado Mundial vê a individualidade como incompatível com a felicidade e a estabilidade social, porque interfere no bom funcionamento da comunidade. Os controladores fazem tudo o que podem para impedir que as pessoas desenvolvam identidades individuais. "Processo de Bokanovsky" significa que a maioria dos cidadãos dos Estados do mundo são biologicamente duplicados um do outro. Os slogans “hipnopédicos” e os “Serviços de Solidariedade” incentivam os cidadãos a pensarem em si mesmos como parte de um todo e não como indivíduos separados. O Controlador explica que as pessoas são enviadas para as ilhas quando "se tornam indivíduos conscientemente conscientes para se enquadrarem na vida da comunidade". Para Bernard, Helmholtz e John, rebelar-se contra o Estado Mundial envolve tornarem-se indivíduos auto-conscientes. Bernard quer sentir-se "como se eu fosse mais eu". Helmholtz escreve o seu primeiro poema real sobre a experiência de estar sozinho, e quando o Controlador pergunta a John o que ele sabe sobre Deus, ele pensa "em solidão". No final, John e Helmholtz optam por sofrer para preservar sua individualidade. Bernard, no entanto, nunca escolhe a individualidade. Ele foi forçado a ser um indivíduo devido ao seu condicionamento defeituoso. Tenta resistir a ser enviado para uma ilha. Para Bernard, a individualidade é uma maldição.

Felicidade e Ação
Inicialmente, as personagens de Admirável Mundo Novo compartilham as mesmas ideias sobre o que é a felicidade: liberdade do sofrimento emocional, doença, idade e convulsão política, além de fácil acesso a tudo o que desejam. No entanto, as personagens diferem na sua compreensão do papel que a ação pessoal desempenha na felicidade. Bernard acredita que deseja uma ação pessoal, pois quer sentir-se "como se eu fosse mais eu". No entanto, quando o Controlador lhe oferece a chance de viver como um indivíduo na Islândia, ele implora que lhe seja permitido permanecer no Estado Mundial – não está pronto para sacrificar o conforto pessoal pela autonomia. Helmholtz procura expressar-se através da poesia, mas a sua ideia de que "são necessários muito vento e tempestades" para uma boa poesia sugere que a felicidade e a autoexpressão são incompatíveis e só alcançará a ação pessoal através do sofrimento. John procura a liberdade pessoal através do sofrimento e da abnegação, mas as suas privações autoimpostas tornam-no infeliz. Ele cede à atração do prazer participando numa orgia e depois mata-se.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...