segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Cronologia de Fernando Pessoa

  • 1888 - Fernando António Nogueira Pessoa nasce em Lisboa, no número 4, 4.º esquerdo, do Largo de S. Carlos (entre o teatro do mesmo nome e a Igreja dos Mártires), a 13 de Junho.
  •  1893 - Nasce Jorge, seu irmão, em Janeiro. O pai de Fernando Pessoa, Joaquim Seabra Pessoa,  falece em Julho e a família (mãe, filhos, avó Dionísia e duas criadas) muda-se, em Novembro, para uma habitação mais modesta, na Rua de S. Marçal.
  • 1894 - Jorge, o irmão mais novo do poeta, morre.
  • 1895 - João Miguel Rosa, oficial da Marinha de Guerra, futuro padrasto de Pessoa, embarca para a colónia do Natal em virtude de ter sido nomeado cônsul interino em Durban. Em Dezembro desse ano, casa por procuração com Maria Madalena, mãe do poeta. Fernando Pessoa parte com a mãe para a África do Sul, onde viverá nos dez anos seguintes, num bungalow, em Ridge Road, Durban. Estuda no Convento de West Street.
  • 1896 - Nasce Henriqueta Madalena, a primeira filha de sua mãe e do padrasto.
  • 1898 - Nasce Madalena Henriqueta, a segunda filha do casal.
  • 1899 - Fernando Pessoa começa a frequentar a Durban High School. Recebe o Forum Prize. Nasce Luís Miguel, o terceiro filho do casal.
  • 1901 - Morre Henriqueta Madalena. Em Agosto, Pessoa, sua mãe, o padrasto, Henriqueta, Luís Miguel e Madalena (morta) embarcam para Lisboa. À chegada, instalam-se em casa das tias-avós maternas de Pessoa, D. Rita Xavier Pinheiro e D. Maria Xavier Pinheiro da Cunha, em Pedrouços.
  • 1902 - A família regressa a Durban, após passagem pelos Açores. Fernando Pessoa matricula-se na Commercial School, em Durban.
  • 1904 - Pessoa é galardoado com o Queen Victoria Memorial Prize por ter escrito o melhor ensaio em língua inglesa, no exame de admissão à Universidade. Frequenta a High School como aluno universitário, no curso de Letras. Nasce João, o quarto filho do casal Madalena Pessoa - João Miguel.
  • 1905 - Fernando Pessoa regressa, sozinho, a Portugal em Agosto, após um ano a frequentar a Universidade do Cabo da Boa Esperança (de que a High School é uma secção).
  • 1906 - Em Lisboa, matricula-se no Curso Superior de Letras. Vive em casa das tias, na Rua da Bela Vista, à Lapa, n.º 17 - 1.º. Mais tarde muda-se para a Calçada da Estrela, n.º 100 - 1.º, onde vive com a família e o padrasto, que viera de férias.
  • 1907 - Volta a morar na Rua da Bela Vista com as tias. Escreve um diário íntimo, em inglês. Convive com jovens intelectuais n' A Brasileira do Chiado. Morre a avó Dionísia e deixa-lhe uma pequena herança. Aluga um quarto na Rua da Glória, n.º 4 - r/c. Monta uma tipografia - a Íbis -, em Portalegre, na Rua da Conceição da Glória, números 38-40, que funciona, porém, durante um breve período de tempo. Aluga outro quarto, no Largo do Carmo, n.º 18 - 1.º e emprega-se como correspondente estrangeiro em casas comerciais.
  • 1908 - Escreve poemas em inglês.
  • 1909 - Contacta com o Simbolismo enquanto escola (conhecia já Shakespeare, Shelley, Keats, Tennyson, Allan Pöe, Milton, Byron, Pope, Wordsworth, Baudelaire e Cesário Verde). O seu livro preferido, após a infância, foi Pickwick Papers.
  • 1910 - Trabalha na firma Lavado, Pinto & C.ª, no Campo das Cebolas. O poeta Henrique Rosa, irmão do seu padrasto, impressiona-o positivamente enquanto ser solitário e associal. Rejeita a oportunidade de ir para Inglaterra como súbdito britânico. Por volta de 1912, lê La Dégénérescense, obra escrita por Max Nordau, que o vai influenciar fortemente a nível pessoal e da sua maturação literária. Escreve dois artigos sobre a «Nova Poesia Portuguesa», publicados na revista A Águia.
  • 1914 - A 8 de Março, nasce Alberto Caeiro, o primeiro heterónimo, uma criação que, segundo Pessoa, faria parte de uma partida que desejava fazer ao amigo Mário de Sá-Carneiro. É publicada, pela primeira vez, uma composição poética do ortónimo, na revista Renascença, intitulada «Impressões do Crepúsculo», que deu origem a um dos «-ismos» do Modernismo.
  • 1915 - São publicados dois números da revista Orpheu, nos quais Fernando Pessoa participa com alguns poemas. Esta publicação, cumprindo em parte os ideais do grupo, causou grande escândalo. A nível pessoal, por influência da tia Anica, conhece fenómenos de mediunidade. Lê e traduz livros de teosofia. Por esta altura, a tia Ana Luísa de Freitas, com quem morava havia algum tempo, desloca-se para a Suíça, o que força Pessoa a ir morar para o sótão de uma leitaria, na Rua Almirante Barroso, n.º 12. Mais tarde, a sua mãe sobre um AVC que a deixará enferma até ao fim da sua vida. O poeta faz os seus primeiros horóscopos.
  • 1916 - Mário de Sá-Carneiro, o melhor amigo de Pessoa, suicida-se em Paris, no hotel Nice. Frequenta regularmente os cafés Martinho da Arcada e A Brasileira.
  • 1917 - Vive em casa própria, no n.º 11 da Rua Bernardim Ribeiro.
  • 1918 - Trabalha como correspondente em línguas estrangeiras em vários escritórios de Lisboa.
    • 1919 - Conhece Ofélia Queiroz no escritório do Largo do Corpo Santo, com quem inicia um romance e que constituiu a única mulher na sua vida em termos amorosos.
  • 1920 - Vai morar para a Rua Coelho da Rocha, n.º 16 - 1.º dto., a pedido da sua mãe. A família viria a instalar-se aí posteriormente. Abre um escritório na Rua da Assunção, n.º 58 - 2.º, designado Olissipo, Lda., uma editora que é um projecto comum com alguns amigos.
  • 1925 - Morre a mãe de Fernando Pessoa.
  • 1929 - O poeta propõe-se ordenar os seus papéis. Bebe bastante, ainda que não seja visto embriagado.
  • 1930 - Alister Crowlley, astrólogo e mago inglês auto-intitulado a «Besta 666», com quem Pessoa mantinha correspondência, desloca-se a Portugal para o conhecer pessoalmente. A sua estadia em Portugal é exuberante, pelas circunstâncias extravagantes que se lhe associam, havendo referências nos jornais da época a um seu alegado desaparecimento na Boca do Inferno, em Cascais. Fernando Pessoa chega a ser entrevistado e parece ter-se divertido bastante com o episódio.
  • 1932 - Publica a obra Mensagem, premiada com o segundo prémio num concurso literário. Concorre ao lugar de conservador do Museu da Biblioteca Conde de Castro de Guimarães, em Cascais, que lhe é recusado. Continua a manifestar grande interesse pelas ciências ocultas.
  • 1935 - Morre a 30 de Novembro, na sequência de uma cólica hepática, no Hospital de S. Luís dos Franceses. As suas últimas palavras terão sido as seguintes: «Dá-me os óculos.» e «Maman, je suis encore ton petit enfant».

Sem comentários :

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...