sexta-feira, 13 de maio de 2011

Paratextos

1. CAPA

          1.1. Autor: José Saramago, escritor português e Prémio Nobel da Literatura em 1998.

          1.2. Título: Memorial do Convento

                    . Memorial: relato de memórias; obra em que se relatam factos memoráveis, que
                                         se pretendem guardar na memória. Remete para um recuo no tempo e
                                         para um resgate de lembranças, documentos, etc., relacionados com
                                         um acontecimento histórico.

                    . do Convento: Convento de Mafra, edifício português construído no reinado e por
                                              ordem de D. João V entre 1717 e 1744, cujos custos avultados fo-
                                              ram suportados pelas remessas de ouro provenientes do Brasil e no
                                              qual trabalharam milhares de homens. É uma obra da autoria do ar-
                                              quitecto João Ludovice.

          1.3. Género literário: romance.

          1.4. Editora: Editorial Caminho.

          1.5. Colecção: O Campo da Palavra.

          1.6. Horizonte de expectativas: após a observação da capa, pode "concluir-se" que esta-
                                                               mos na presença de um hipotético romance histórico,
                                                               que decorrerá num espaço e num tempo precisos.



2. CONTRACAPA - Texto

          2.1. Fórmula inicial "Era uma vez":
                    . remete para o mundo da infância, dos contos populares, do maravilhoso;
                    . destaca a importância da imaginação e do ficcional em cada uma das "histórias"
                       narradas - isto significa que o romance anunciado na capa não cabe nos limites
                       do romance histórico tradicional, ou seja, o narrador não se limitará a reconsti-
                       tuir factos históricos passados;
                    . assim, no texto vamos encontrar factos verdadeiros e personagens históricas lado
                       a lado com acontecimentos "trabalhados" pelo narrador e personagens ficcionais;
                    . remete para um tempo indefinido, conferindo ao texto um carácter atemporal.


          2.2. "Era uma vez um rei que fez promessa de levantar um convento, em Mafra.":

                    . Rei: D. João V (1689 - 1750), filho de D. Pedro II e de D. Maria Sofia de Neu-
                              burg, proclamado rei em 1 de Janeiro de 1707, pai de seis filhos, resultantes
                              do seu casamento com D. Maria de Áustria.

                    . Promessa: preocupado com a inexistência de descendentes legítimos (filhos
                                        bastardos eram vários) que assegurassem a sucessão ao trono, D. João
                                        V promete edificar um convento em Mafra se, no prazo de um ano, a
                                        rainha lhe der um herdeiro. A promessa será cumprida após o nasci-
                                        mento da princesa Maria Bárbara.


          2.3. "Era uma vez a gente que construiu esse convento.":

                    . povo anónimo  personagem colectiva, cuja perspectiva de relato dos aconteci-
                                                  mentos é privilegiada, ou seja, a perspectiva dos que construí-
                                                  ram o convento;
                                              é tratado pelo narrador, que o tira do anonimato e o individuali-
                                                  za, como o verdadeiro herói da obra.


          2.4. "Era uma vez um soldado maneta e uma mulher que tinha poderes.":

                   . Soldado maneta:
                              » Baltasar Mateus;
                              » mutilado de guerra (Guerra da Sucessão Espanhola);
                              » expulso do exército por ter perdido a mão esquerda.

                    . Mulher:
                              » Blimunda;
                              » possui poderes mágicos: é vidente, tem a capacidade de, em jejum, olhar
                                 para dentro das pessoas e das coisas;
                              » ajuda na construção da passarola, recolhendo as "vontades" necessárias.


          2.5. "Era uma vez um padre que queria voar e morreu doido.":

                    . Bartolomeu de Gusmão:
                              » tinha o sonho de voar;
                              » por isso, construiu a passarola;
                              » é amigo e protegido de D. João V;
                              » morre, louco, em Toledo.


          2.6. "Era uma vez.": significa que há, no romance, outras histórias para além das sugeri-
                                            das no texto.


          2.7. Relação entre a capa e a contracapa: o texto desta precisa o espaço (Mafra) e o
                                tempo histórico do romance. Em contrapartida, sugere uma nova perspec-
                                tiva de relato dos acontecimentos: a do povo que construiu o convento.



3. EPÍGRAFES

          . Epígrafe do Padre Manuel Velho: remete para uma concepção determinista da His-
                                tória, isto é, há forças e leis (sociais, políticas...) que ultrapassam e vergam
                                a vontade individual de cada homem.

          . Epígrafe de Marguerite Yourcenar: traduz uma concepção da existência de uma rea-
                                lidade social que não pode ser conhecida com rigor e exactidão.

Sem comentários :

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...