segunda-feira, 6 de junho de 2011

Classificação do romance

1. O conceito de romance histórico

          De acordo com a «definição actual» de romance histórico, este terá tido início no século XIX, com o Romantismo, período literário que valorizava imenso o passado histórico. Romances anteriores, como o Princess de Clives, da autoria de Madame de Lafayette, não cabem nesta classificação, uma vez que não possuem traços essenciais como a factualidade e o rigor histórico.
Sir Walter Scott
          Assim, diversos autores consideram que o primeiro romance histórico foi a obra Waverley, saída da pena do escritor britânico Sir Walter Scott (1771 - 1832), natural de Edimburgo, Escócia, escrito em 1814 e que veio definir as características do género. Dentre as suas obras, a mais conhecida será, eventualmente, Ivanhoe, escrito em 1820. A sua obra, considerada globalmente, está associada à afirmação da história e dos interesses da Escócia, cuja sociedade retratou através da acção individual dos seus membros num contexto definido com pormenor. A sua influência espalhou-se pela Europa, chegando naturalmente a Portugal e sendo visível em Alexandre Herculano e Almeida Garrett, particularmente em O Arco de Santana.


          1.1. Características do romance histórico

          O romance histórico procura a recriação histórica, que passa, entre outras coisas, pela criação de ambientes, traduzidos pela chamada «cor local», obtida através de uma série de recursos:
  • evocação, o mais fiel possível, da linguagem da época e dos diferentes grupos sociais;
  • descrição pormenorizada do vestuário e da indumentária das personagens;
  • reconstituição de espaços (cidades, castelos e monumentos), com especial incidência nos aspectos arquitectónicos;
  • recriação de grandes movimentações das personagens (saraus, torneios, manifestações populares), procurando criar a ilusão de fidelidade ao tempo narrado;
  • a presença de personagens referenciais, ao lado de personagens ficcionais, frequentemente os heróis dos romances históricos, na medida em que proporcionam ao autor maior / total liberdade criativa.
          A procura dessa fidelidade ao real histórico leva os escritores a socorrerem-se de fontes diversas: «documentos antigos», «velhos livros», «memórias», etc. Exemplificativa deste aturado trabalho de pesquisa é a polémica que envolveu, há alguns anos, o jornalista-escritor Miguel de Sousa Tavares e o seu romance Equador, acusado de plagiar obras estrangeiras, ao incluir no seu texto extractos das mesmas.


          1.2. O romance histórico português

          O primeiro autor português a cultivar uma forma de romance histórico foi Alexandre Herculano (Lendas e Narrativas; O Bobo; Eurico, o Presbítero...), cujos protagonistas eram geralmente personagens medievais profundamente românticas no que diz respeito ao seu comportamento e forma de sentir e estar.
 No entanto, é visível a sua preocupação com a veracidade nas constantes referências às fontes, pergaminhos ou manuscritos consultados.

          Outro autor a merecer destaque é Camilo Castelo Branco; porém, nas suas obras, a História serve somente como enquadramento a intrigas particulares. As próprias personagens históricas são manipuladas pelo autor de acordo com as suas intenções e objectivos narrativos.

          Ainda no século XIX, Eça de Queirós «revolucionou», de certa forma, o conceito de romance histórico, nomeadamente na obra A Ilustre Casa de Ramires, onde colocou uma das personagens na pele de escritor, precisamente, de romances históricos, o que lhe permitiu a explicitação de alguns processos de construção deste tipo de texto.

          Nas últimas décadas do século anterior (XX), o romance histórico ganhou novo fôlego, embora, tal como no passado, sujeito a diferentes concepções e abordagens.


          1.3. Classificação do Memorial

          A discussão em torno da designação do Memorial como romance histórico ou não prossegue. Sendo verdade que a obra transgride algumas das suas «regras» típicas, também é certo que evidencia alguns processos característicos da recriação do passado como, por exemplo:
  • a linguagem das personagens;
  • a descrição pormenorizada dos espaços físicos e de determinados ambientes;
  • o relato de episódios que reconstituem acontecimentos históricos;
  • a referência à indumentária das personagens.
          Por outro lado, Memorial integra-se na concepção do romance histórico que alia personalidades, eventos e espaços históricos com personagens, acontecimentos e espaços ficcionados. No caso vertente, podemos identificar os seguintes elementos históricos:

     a) Personalidades históricas:
  • D. João V;
  • D. Maria Ana Josefa;
  • os infantes Maria Bárbara, Pedro e José;
  • D. Francisco e D. Miguel, irmãos do rei;
  • o músico Scarlatti;
  • o arquitecto Ludwig;
  • o padre Bartolomeu de Gusmão;
  • o bispo inquisidor D. Nuno da Cunha;
  • o censor do Paço;
  • frei Boaventura de S. Gião;
  • a madre Paula de Odivelas.
     b) Eventos históricos:
  • a vinda de D. Maria Ana Josefa;
  • o casamento de D. João V e D. Maria Ana Josefa;
  • o "voo" da máquina voadora em 1709, na Casa da Índia;
  • os autos-de-fé (1711 e 1739);
  • a edificação do convento de Mafra, entre 1717 e 1730;
  • a bênção da primeira pedra do convento, ocorrida a 17 de Novembro de 1717;
  • as procissões religiosas, como a do Corpo de Deus descrita no romance;
  • as epidemias de cólera e de febre amarela em Lisboa, em 1723;
  • as touradas;
  • o sismo de 1723;
  • os cortejos nupciais de 1729;
  • a sagração da basílica do convento a 22 de Outubro de 1730.
     c) Espaços:
  • Lisboa e arredores (Palácio Real, Ribeira, Terreiro do Paço, Rossio, S. Sebastião da Pedreira, Odivelas, Azeitão, Arrábida...);
  • Mafra e arredores: Alto da Vela, Pêro Pinheiro, Serra de Montejunto, Serra do Barregudo;
  • Alentejo (Montemor, Évora, Vila Viçosa, Elvas, Aldegalega, Palácio de Vendas Novas, etc.).

          Mas são, igualmente, diversos os aspectos ficcionados:

     a) Personalidades:
  • Sebastiana de Jesus, mãe de Blimunda;
  • Blimunda e os seus poderes mágicos;
  • Baltasar, ex-soldado, maneta e operário nas obras do convento;
  • os pais de Baltasar (João Francisco e Marta Maria), sua irmã (Inês Antónia) e seu cunhado (Álvaro Diogo);
  • João Elvas, amigo de Baltasar e antigo soldado também;
  • os trabalhadores do convento: Manuel Milho, José Pequeno, João Anes, Francisco Marques, Julião Mau-Tempo, etc.
     b) Eventos:
  • a recolha das vontades, operada por Blimunda;
  • o voo tripulado da passarola;
  • a importância da música de Scarlatti na cura de Blimunda;
  • a peregrinação de Blimunda durante dez anos em busca de Baltasar.
     c) Espaços:
  • casa de Blimunda;
  • casa dos pais de Baltasar;
  • abegoaria;
  • etc.

Sem comentários :

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...