segunda-feira, 6 de junho de 2011

Linguagem e estilo

1. Figuras de estilo
  • Ironia: a visão crítica dos acontecimentos do narrador é, geralmente, suportada pela ironia (relação rei / rainha, determinados actos religiosos, autos-de-fé, etc.);
  • Metáfora: "(...) esta cidade, mais que todas, é uma boca que mastiga..." (p. 27);
  • Hipálage: "(...) a regalar a vista sôfrega nas grandes peças de carne..." (p. 42).

2. Registos de língua
  • Língua popular e familiar, geralmente com função crítica e irónica ou como forma de explicitação da classe social das personagens: "emprenhar" (p. 11), "vossemecê" (p. 40);
  • Calão: "puta", "merda", etc.

3. Verbo
  • Uso do presente do indicativo (p. 39): transporta o leitor para o tempo da narrativa;
  • Modo imperativo, relembrando a oratória barroca - Padre António Vieira (p. 308);
  • Gerúndio.

4. Construção frásica
  • frases longas que, por um lado, aproximam o texto do discurso oral e, por outro, traduzem o monólogo interior e a celeridade do pensamento (pp. 94, 131);
  • paralelismo de construção (p. 26);
  • ausência de sinais gráficos indicadores de diálogo, sendo a vírgula que separa as falas das personagens;
  • ausência dos pontos de exclamação e de interrogação;
  • paralelismo de construção (p. 26);
  • enumeração (p. 335);
  • hibridismo de tipologias discursivas: utilização do discurso directo, indirecto e indirecto livre, sem recurso, porém, aos tradicionais sinais gráficos (dois pontos, seguidos de travessão) e lexicais (verbos introdutores do discurso como “perguntar”, “declarar”, “dizer”, “afirmar”, etc.);
  • polissíndeto (pp. 99, 112-113).

5. Oposições sugeridas por vocábulos antónimos para sugerir as diferenças entre ricos e pobres (p. 27).

Sem comentários :

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...