quinta-feira, 28 de abril de 2011

Espaço social

1. Lisboa:
  • é o macro-espaço, o centro e símbolo de Portugal;
  • é a capital do reino, onde está instalado o governo e onde se inicia a revolta popular, que só posteriormente se alarga ao resto do país (pp. 55 e 64);
  • espaço de contrastes que permite o confronto claro entre o Poder e o povo;
  • cidade do descontentamento e das fogueiras (lembrando os autos-de-fé);
  • espaço de opressão, delação, injustiça, denúncia, ausência de liberdade, violência...

     1.1. Rua:
  • de acordo com Brecht, a rua é o espaço propício a revelar o «gesto social», isto é, a revelar o homem nas suas relações sociais, o diálogo constante entre os vários grupos sociais;
  • por isso, o cenário não apresenta uma rua específica, definida, mas somente os objectos que indiciam a miséria popular;
  • desempenha diferentes funções: por um lado, acentua as vivências do povo explorado e pedinte; por outro, estabelece a ligação para o espaço do poder, das grandes decisões;
  • é o espelho do quotidiano do povo oprimido;
  • é o palco da vida dos pobres, dos pedintes, dos doentes, dos injustiçados, dos que lutam ingloriamente pela justiça e pela liberdade, em suma, do povo andrajoso, miserável, uma multidão de aleijados e doentes;
  • é o símbolo da miséria, da opressão, da injustiça...;
  • está associada à impotência popular perante o decurso dos acontecimentos, nomeadamente a prisão de Gomes Freire (início do acto II).

     1.2. Baixa:
  • sede da Regência (espaço interior);
  • em termos de cenário, as didascálias apenas referem as três cadeiras pesadas e ricas e com aparência de tronos (p. 47), que simbolizam as três faces do poder (D. Miguel -> poder civil; Beresford -> poder militar; Principal Sousa -> poder religioso), bem como a opulência e a riqueza dos governadores, em contraste com a miséria do povo;
  • a indumentária que envergam traduz a riqueza, o luxo, a ostentação e a vaidade dos poderosos;
  • o criado de libré e as suas atitudes / palavras traduzem a sua dependência relativamente ao patrão e a absorção das regras das camadas mais elevadas da sociedade (daí o distanciamento e o desprezo com que ele se dirige a Matilde).

     1.3. Rato:
  • casa de Gomes Freire e de Matilde;
  • a cadeira tosca onde Matilde se senta (o único elemento do cenário referido), contrastante com as três cadeiras dos três governadores, reflecte a falta de recursos económicos do casal e a sua dependência socioeconómica.

     1.4. Loja maçónica da Rua de S. Bento e o botequim do Marrare: locais que assumem dimensão política revolucionária.


     1.5. Sé: simboliza a miséria popular, pois é o lugar onde o povo pede esmola: "Na Páscoa, à porta da Sé, fiz o bastante para comer durante três dias..." (p. 100).


     1.6. Tejo: local onde Manuel faz a "descarga das barcaças".


     1.7. S. Julião da Barra (espaço referenciado oito vezes entre as páginas 126 e 129):
  • a prisão de Gomes Freire;
  • as condições desumanas e indignas em que se encontra preso o General.

     1.8. Serra de Santo António: local de onde se avista S. Julião da Barra.


     1.9. Campo de Sant'Ana (pp. 131 e 137): local das execuções dos presos.


          A articulação entre o espaço físico / geográfico e o espaço social é conseguida através do recurso a objectos-símbolo e através da postura e do comportamento de personagens que identificam os dois grupos sociais em confronto na peça, isto é, o grupo do Poder e o grupo do povo. Este antagonismo fica claro no seguinte quadro:

Quadro adaptado da Colecção Resumos, da Porto Editora.

Sem comentários :

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...