quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Catacrese

     Catacrese deriva do termo grego katákhresis, que significava uso ou emprego de palavras.

     Catacrese é uma figura de linguagem que consiste na utilização de uma palavra ou expressão com um significado diferente do original, que não descreve com exatidão o que se quer expressar, por falta de uma palavra apropriada ou que corresponda ao que se pretende nomear. Ou seja, as palavras são usadas no sentido figurado por falta de um termo específico ou por desconhecimento do mesmo.

     A catacrese pode ocorrer também quando o termo específico de um conceito não é um termo utilizado comummente, sendo muito técnico ou formal.

     Estamos, no fundo, perante uma metáfora de uso comum, já desgastada, corriqueira, viciada, ou estereotipada, que deixou de ser considerada como tal, tendo perdido a sua originalidade, uma vez que corresponde a uma necessidade de uso (porque é utilizada na ausência de outro termo específico) e não de expressividade, como a metáfora.

     Trata-se da atribuição a uma palavra de um significado figurado, por falta de termo próprio, sentido esse que, no entanto, devido ao uso contínuo, deixou de ser percecionado.

     Deste modo, as palavras ou expressões são usadas quotidianamente para facilitar o processo comunicativo. Os termos substitutos são estabelecidos por comparação, ocorrendo uma extensão de sentido a partir da semelhança entre os conceitos. Por vezes, são atribuídas características de seres vivos a seres inanimados ou a situações diversas.

     Apesar de ser uma figura de linguagem, como se 'disse' no início, a catacrese pode ser usada para enriquecer um texto, porém o seu uso decorre essencialmente por necessidade de comunicação e menos por necessidade expressiva ou poética.

     É considerada um tipo de metáfora que, estando já consolidada pelo uso entre os falantes da língua, perdeu a sua vertente poética e original, sendo considerada comum e estereotipada. É por causa desse uso frequente, especialmente na linguagem oral, que os falantes já não a percecionam enquanto recurso expressivo.

Exemplos:
          - árvore genealógica
          - asa da chávena
          - barriga da perna
          - boca do estômago
          - boca do túnel
          - braço da cadeira / poltrona
          - braço de mar
          - cabeça de alfinete
          - cabeça do dedo
          - cabeça do prego
          - cabeça do samba
          - céu da boca
          - coroa do ananás
          - cotovelo da estrada
          - dente de alho
          - dentes do serrote
          - embarcar no avião
          - fio de água / de azeite
          - folha de papel
          - maçãs do rosto
          - pé da cama
          - pé de laranjeira (etc.)
          - pé da mesa
          - pé da página
          - pele do tomate
          - raiz do problema

* * *

Exemplos desenvolvidos

a) "Um beijo seria uma borboleta afogada em mármore."

          Este verso de Cecília Meireles associa um beijo a uma borboleta afogada em mármore, configurando uma construção (uma metáfora) original.

    "O anúncio está no pé da página."

          Neste caso, estabelece-se uma relação entre a expressão «pé da página» e a parte inferior desta, ou seja, associa-se o pé (parte inferior do corpo humano) à parte inferior da página. Só que esta metáfora já foi incorporada na língua e o seu uso corriqueiro fez com que perdesse o seu caráter original e inovador, tornando-se uma metáfora morta.


b) "Poderás depois voar terras distantes, rouxinol asas de vento."

          Nesta frase, está presente uma metáfora, dado que há uma semelhança entre os termos «asas» e «vento», que são usados de forma expressiva e original.

     "O pé da mesa."

          Neste caso, embora pressuponham o mesmo metafórico, o vocábulo «pé» é usado fora do seu contexto próprio para suprir uma lacuna vocabular, isto é, na ausência de termo próprio.


c) "O toureiro enterrou a espada no dorso do touro."

          O verbo «enterrar» significa «introduzir algo na terra" (in + terra). Na frase, por similaridade (processo metafórico), é usado para designar o ato de introduzir algo no corpo do animal. O que sucede é que esse sentido, de tão usado, se apagou da intuição do falante, isto é, de tão usual, desgastou-se. O mesmo sucede noutras expressões do género em que é usado, como «enterrar o dedo no bolo.».


d) Verbo «espalhar»

          Originalmente, significava «separar palha», porém hoje usa-se com diversos significados:
               - espalhar a brasa;
               - espalhar o sal sobre a comida;
               - espalhar dinheiro.


e) Verbo «embarcar»

          Primitivamente, significava «entrar no barco», todavia hoje usa-se para designar a entrada num qualquer meio de transporte («embarcar no avião», etc.).


f) Verbo encaixar»

          Na origem, significava «colocar numa caixa», no entanto atualmente significa colocar algo num espaço em que caiba perfeitamente.

Sem comentários :

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...