sábado, 13 de fevereiro de 2016

Alunos vão (quase) dormir nas escolas


     Aí está o regresso do conceito escola a tempo inteiro. Como não poderia deixar de ser, as associações de pais e das direções escolares / de agrupamento estão de acordo com a medida.
     Em que se traduz este conceito?
     (1) A escola é um depósito de crianças, que passam aí praticamente metade do dia.
     (2) A escola é um enorme centro de acolhimento, um albergue, um parque de diversões e entretenimento onde os alunos se aborrecem e, esporadicamente, acontecem umas aulas para desenjoar. Noutra versão menos rebuscada, a escola é uma prisão.
     (3) A escola é o depósito onde os pais, porque não querem aturar os filhos em casa ou, maioritariamente, porque não têm horários de trabalho compatíveis (viva a desregulação social!) com o acompanhamento e o estar com os filhos a horas "normais e decentes", despejam a sua prole.
     (4) A escola é um espaço cujo foco deixou de ser o de instruir-educar e passou a englobar uma multiplicidade de 'encargos' que caberiam a uma sociedade organizada e estruturada de outra forma, mas a que aquela, porque cada vez mais desregrada, não consegue dar resposta.
     A família, deste modo, passa a uma quase não existência. Os pais geraram as crianças num momento qualquer das suas vidas e, pós-nascimento, o seu papel passa a ser genericamente o de as levantar e deitar. Pouco mais.
     Não há de tardar muito até serem os professores e / ou funcionários das escolas a levarem os petizes para suas casas e fazerem o papel de pais, porque estes, pura e simplesmente, não querem saber da sua descendência, ou estão enterrados no local de trabalho até noite alta. Eventualmente, o ideal seria aqueles pouparem o trabalho aos progenitores e andarem por aí, em visitas ao domicílio, a procriarem junto da metade da família não exausta ou atulhada em trabalho.
     Em tempos, alguém um dia gritou: "Deixem jogar o Mantorras!" (tal era a quantidade de pancada que o rapaz levava dos adversários). Alguns anos antes, certa personalidade da nossa política que, finalmente, vai poder descansar das sucessivas décadas de serviço público sempre desinteressado, rogou: "Deixem-me trabalhar!". Hoje, eu imploro: "Deixem os nossos miúdos brincar!"
     Para concluir todo este manicómio que sucessivos MEC estão a construir, observe-se o quadro seguinte, que nos mostra como nós - Portugal - somos o segundo país cujas crianças mais tempo passam na escola:

     Mais palavras para quê?

Sem comentários :

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...