quarta-feira, 2 de março de 2011

Obra

● Narrativa:
  • estreia: Um Homem não chora (1960, Milão);
  • Angústia para o Jantar (1961, Lisboa)
  • Chuva na Areia (1982), adaptação televisiva de um romance que ficou inédito: Agarra o Verão, Guida, Agarra o Verão.
          Em todas estas obras, Sttau Monteiro denuncia, de forma sarcástica, os problemas da época.


● Teatro:
  • Felizmente há Luar! (1961), obra que obtém grande êxito e esgota rapidamente;
  • Todos os Anos pela Primavera (1963, Lisboa);
  • O Barão (1964, Lisboa) - adaptação teatral da novela com o mesmo nome, da autoria de Branquinho da Fonseca;
  • Auto da Barca do Motor Fora de Borda (1966, Lisboa);
  • Duas Peças em um Acto (1967, Lisboa);
  • A Estátua (1966, Lisboa);
  • A Guerra Santa (1966, Lisboa, prisão do Aljube - a sua publicação valeu-lhe mais seis meses de cárcere em Caxias);
  • As Mãos de Abraão Zacut (1968 - escrita na prisão de Caxias);
  • adaptação de A Relíquia de Eça de Queirós (1971, Lisboa);
  • Sua Excelência (1971, Lisboa);
  • E se for Rapariga chama-se Custódia (1978 - escrita na prisão do Aljube).
          Destas peças, poucas foram representadas em Portugal antes do 25 de Abril, devido ao seu conteúdo crítico e ideológico. Após a publicação das peças A Estátua e A Guerra Santa, que criticavam a ditadura e a guerra colonial, foi preso pela PIDE em 1967.


● Jornalismo:
  • colaborou com várias publicações (Diário de Lisboa, Almanaque, O Jornal, Se7e, Expresso, agências de publicidade);
  • redacções da Guidinha (Lisboa, 1971 - O Jornal e Diário de Lisboa - suplemento «A Mosca»;
  • escreveu também sobre gastronomia com o pseudónimo de Manuel Pedrosa, para O Jornal (Lisboa, década de 80).

● Prémios literários: Grande prémio de Teatro, em 1962, para a peça Felizmente há Luar!.

Sem comentários :

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...