domingo, 22 de janeiro de 2012

Marcas clássicas

. A unidade de ação.

. A presença do Destino (ananké) que, produzindo o sofrimento (pathos), logo de início descai sobre as personagens principais, cuja gradação vai aumentando através de um clímax irresistível e fatalista.

. A presença da hybris.

. Os presságios (palavras de Telmo, D. Madalena e Maria).

. A agnarórise no final do segundo ato.

. Como era lei na tragédia clássica, iria despertar nos espetadores o terror (fobos) e a piedade (éleos) purificantes.

. As personagenssão nobres (aristocráticas) e estão sempre poucas vezes em cena.

. A presença do coro:
     - a recitação litúrgica do ofício dos mortos pelos frades no final do ato III;
     - as palavras de Frei Jorge;
     - as palavras visonárias e os sonhos de Maria;
     - os receios aparentemente infundados de D. Madalena;
     - os lamentos críticos e os presságios de Telmo, figura agoirenta que representa o raciocínio
        frio e a inteligência esclarecida na análise dos acontecimentos. Aliás, Telmo é uma figura
        muito bem estruturada pela sua profundidade e densidade psicológica devida à duplicidade
        de duas afeições irreconciliáveis: uma para com o passado (D. João de Portugal), outra
        para com o presente (Maria) (III, 5).

. A semelhança do assunto com as antigas tragédias gregas:
     - a volta sob disfarce de um mendigo (Ulisses);
     - o sacrifício de uma filha inocente (Antígona e Ifigénia);
     - a situação trágica originada pela ida a Alcácer Quibir, equivalente a situações trágicas
        causadas pela ida a Tróia;
     - a situação de Mérope

Sem comentários :

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...