terça-feira, 10 de julho de 2012

"Tribunal", Miguel Torga

Não há outros comparsas no processo.
Eu acuso e defendo e sou juiz
Do réu que também sou, preso por mim.
O crime é um ato de rebelião
Contra os altos ditames da razão,
Que mandam que me aceite como vim.

Ora eu não me quero tal e qual!
Desejo-me intangível, imortal,
Não sei ao certo ainda em que universo...
E aguardo, cabisbaixo, o julgamento,
Enquanto vou sentindo o pensamento
Evadir-se da sala em cada verso.

4 comentários :

BB disse...

existe proposta de exame para a 2ªfase de portugues ?

12.º A disse...

Não percebo a pergunta...

lenço de papel; cabide de simplicidades disse...

falta a data do poema e o Diário, no mínimo.
Penso ser no Diário VIII, de 1974

Tem sempre que se colocar estes dados e a editora

lenço de papel; cabide de simplicidades disse...

ESTE É O TRIBUNAL DE TORGA

Somos nós os culpados do que somos.
E é de mim que me queixo.
Tão intensa foi sempre a minha voz,
que ninguém a entendeu.
Por isso, quanto mais água pedi,
Mais distante me vi
De cada fonte que me apeteceu.

E agora é tarde, já nem sede tenho.
Ou tenho-a como os cactos:
Eriçada de espinhos.
Olho de longe a bica tentadora,
Adivinho-lhe o gosto e a frescura,
E é de borco na areia abrasadora
Que refresco a secura.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...