segunda-feira, 17 de junho de 2013

Correção Exame Nacional Português 12.º Ano - 2013

Grupo I

A


1. Sentido do verso 1, espécie de tese: a disciplina (mental): tudo tem o seu tempo próprio para acontecer.
Versos 2 a 4: explicitação / exemplificação da "tese" do verso 1, a partir do que sucede com a Natureza:
          - tudo sucede no seu tempo, na sua estação;
          - o ritmo próprio e disciplinado, a previsibilidade da Natureza;
          - a segurança que essa previsibilidade arrasta consigo.

2. Normas de vida:
          - a aceitação calma e serena das coisas;
          - o viver de forma moderada e tranquila, sem perturbação;
          - os ideais da apatia e da ataraxia;
          - a ausência dos esforços inúteis;
          - a rememoração disciplinada, simples e serena da infância, do passado;
          - a disciplina, o auto-domínio.

3. Valores simbólicos do espaço e do tempo:
  • a reminiscência acontece na companhia de Lídia, o que pode significar que, para o sujeito poético, essas lembranças são preciosas e equiparáveis a um sentido de partilha e de proximidade com os outros;
  • a noite é o tempo do silêncio, da calma, propício à reflexão e à recordação do passado; por outro lado, a noite, em Ricardo Reis, representa igualmente a velhice e a aproximação da morte;
  • a lareira, e, por extensão metonímica, a casa, representada pela alusão aos «Deuses Lares» (v. 26), representa a calma, a tranquilidade, a segurança, o local propício à recordação na companhia de Lídia;
  • as flores colhidas associam-se a um outro tempo - o passado da infância -, a uma outra vivência, a um outro estar.

4. Conclusão do poema:
  • as memórias ocorrem à noite, tempo do silêncio e da introspeção, na companhia de Lídia, junto à lareira, num ambiente calmo, seguro e acolhedor;
  • a procura de uma imagem construída do passado («O outrora componhamos» - v. 28), isto é, a procura de uma forma adequada de recordar;
  • a recordação da infância perturba o sujeito poético, é um momento de «desassossego» trazido pelo descanso;
  • a atitude de reflexão, no silêncio da noite, sobre o passado da infância, que comporta memórias tristes desse passado, numa espécie de fuga e de refúgio nesse tempo diferente do de hoje;
  • o sujeito poético começou por afirmar que tudo tem o seu tempo próprio - tal como sucede com as memórias, daí a escolha da noite para lhes dar lugar, numa atitude de disciplina férrea que o leva a procurar uma maneira «correta» de se lembrar do passado, procurando, assim, que as lembranças do passado suavizem o presente e permitam suportar a passagem do tempo e a proximidade da morte.


B

Representação da Natureza em Alberto Caeiro:
  • Poeta bucólico, do real e do objetivo;
  • Fascínio pela diversidade e constante renovação da Natureza, espaço de observação e de aprendizagem de um modo de ser simples, espontâneo e natural;;
  • Observação da Natureza de forma objetiva, simples e espontânea, sem interferência do pensamento;
  • Desejo de integração e comunhão com ela;
  • Atitude de deambulismo, semelhante à de Cesário Verde;
  • Defesa do ideal da «aurea mediocritas», da simplicidade da vida rural;
  • Atitude sensacionista - com predomínio para o olhar - na sua contemplação.



Grupo II

                    Versão A                    Versão B
1.1.                    .                                   B

1.2.                                                        C

1.3.                                                        A

1.4.                                                        D

1.5.                                                        C

1.6.                                                        A

1.7.                                                        D (entendido enquanto ato indireto)

2.1. A oração «se vou fazê-lo» é uma oração subordinada substantiva completiva.

2.2. O antecedente é a expressão «O que tenho a dizer».

2.3. A função sintática é o predicativo do sujeito («ser», «estar», «ficar», «continuar», «permanecer» são verbos copulativos que pedem predicativo do sujeito).

26 comentários :

  1. complemento direto? não é o predicativo do sujeito?

    ResponderEliminar
  2. Será que pode indicar a frase toda da opção correta nas escolhas múltiplas? para que os alunos que têm a versão 1 também verem

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. tambem peço isso

      Eliminar
    2. 1.1 especie de post-scriptum
      1.2 misterioso e inexplicavel
      1.3 nos seus livros
      1.4 desvincula-se do papel que cabe ao leitor
      1.5 multiplae variavel
      1.6 lexical
      1.7 compromissivo

      Eliminar
    3. tenho igual! Agora só esperar que o GAVE concorde

      Eliminar
    4. Isto confirma-se? é que sendo assim só errei uma...antes pensava que tinha errado mais

      Eliminar
    5. Sim, a minha professora pôs igual :) acho que eram fáceis, só a primeira é que poderia induzir um bocadinho em erro, penso

      Eliminar
  3. Alguém me sabe dizer se era preciso usar a nova terminologia - nome predicativo do sujeito, ou se bastava predicativo do sujeito? Tenho dúvida nisso, pois escrevi o segundo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. basta predicativo de sujeito.

      Eliminar
  4. Já que estão a demorar algum tempo a publicar, qual foi a vossa resposta À pergunta 3? Dos valores do espaço e do tempo em que ocorrem as recordações do passado?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eu mencionei que os valores recaem sobre a nostalgia da sua infancia, é o que o sujeito poetico salienta

      Eliminar
  5. O vosso site do gave também aparece todo desconfigurado?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. não me aparecem imagens e aparece apenas texto

      Eliminar
    2. sim a mim aparece tambem

      Eliminar
  6. que temas abordaram no grupo III ? (poitica, sociedade atual... etc?)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era sobre a juventude e de que maneira os jovens contribuem para a transformação da sociedade. Eu falei de manifestações encabeçadas pelos jovens que advogam pela liberdade etc, e falei da educação como elemento fundamental, e disse que a educação hoje é mt mais abrangente e isso vai contribuir para que tenhamos uma sociedad emelhor

      Eliminar
  7. Ao ler isto e a proposta de correção do APP (associação de professores de português) percebo ainda mais a subjetividade das questões! Apesar de parecer fácil, o primeiro grupo não se enquandrava muito na poesia comum de Reis, o que leva os alunos a baralharem-se, e as perguntas como da simbologia não tinham sentido nenhum!

    ResponderEliminar
  8. http://www.gave.min-edu.pt/np3content/?newsId=451&fileName=EX_Port639_F1_2013_CC.pdf

    ResponderEliminar
  9. Natureza esta representada em Alberto Caeiro, fundamentando a sua resposta em dois aspectos relevantes da poesia deste heterónimos de Fernando Pessoa ?

    ResponderEliminar
  10. Porque é que é compromissivo e nao declarativo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque ele compromete-se a nunca mais escrever nada.

      Eliminar
  11. porque é completiva a oraçao e nao condicional?

    ResponderEliminar
  12. Boa tarde!
    por favoo! alguem me sabe dizer onde posso encontrar a correcçao da versao 2, da 2ª fase do exame nacional deportugues de 2013?!
    tenho exame amanha e precisava urgentemente desta correcçao!
    muito obrigada

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aqui: http://portugues-fcr.blogspot.pt/2013/07/correcao-do-exame-nacional-de-portugues_16.html

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...