domingo, 23 de fevereiro de 2014

Correção do Exame / Teste Intermédio de Português 12.º ano 2014

Grupo I

A
1. A rémora é um peixe pequeno ("tão pequeno no corpo" - l. 4; "não sendo maior de um palmo" - l. 4), possui grande força e poder ("tão grande na força e no poder" - l. 4) e é capaz de imobilizar uma nau de grande porte ("se se pega ao leme de uma Nau da Índia (...) a prende e amarra mais que as mesmas âncoras." (ll. 5-6).

2. De facto, existe uma analogia entre a língua de Santo António e a Rémora, pois ambos têm muito poder e força, que contraste com a sua fragilidade física, a sua pequenez e a sua humildade.
     Assim, a Rémora, não obstante o facto de ser pequena, é capaz de travar e imobilizar uma nau ("freio da Nau" - l. 13) e de a guiar no seu trajeto, visto que é "leme do leme" (l. 13)
     Por sua vez, a língua de Santo António é capaz de travar as paixões humanas, guiando racionalmente a ação dos homens.

3. As duas Naus simbolizam os vícios da soberba e da vingança. A Nau Soberba simboliza a arrogância e a vaidade, sendo representada pelas "velas inchadas do vento" (l. 18). Por outro lado, a sua destruição - desfeita nos baixos - significa as consequência desastrosas que a «prática» deste pecado trazem a quem os comete.
     Por sua vez, a Nau Vingança é simbolizada pelo belicismo ("a artilharia abocada e os bota-fogos acesos" - ll. 21-22), estando associada à guerra, à violência e à destruição. O desfecho violento e destruidor da batalha é a consequência natural da prática deste pecado.




B

Opção 1

1. A interrogação final traduz a dúvida, a incerteza e a perplexidade do poeta acerca da dificuldade de o ser humano, em virtude da sua fragilidade ("um fraco humano" - v. 13), encontrar um lugar seguro onde se acolha e se sinta protegido ("Onde terá segura a curta vida" - v. 14)
     As exclamações explicitam os "grandes e gravíssimos perigos" (v. 5) que espreitam o ser humano, no mar e em terra, durante a sua vida insegura ("Tenha a vida tão pouca segurança!" - v. 8).

2. Nas duas estâncias, o poeta destaca e enfatiza o esforço, a coragem e o espírito de sacrifício dos portugueses, traços que estiveram origem da superação dos diversos e grandes perigos que enfrentaram ("Ó grandes e gravíssimos perigos" - v. 5), no mar e em terra ("No mar / (...) Na terra..." - vv. 9-11). O heroísmo dos portugueses é acentuado pelo contraste entre a grandeza dos perigos que os espreitavam (v. 5) e a sua pequenez e fragilidade ("um fraco humano " - v. 13; "um bicho da terra tão pequeno?" - v. 16).


Opção 2

1. A conjunção adversativa "Mas" (v. 13) estabelece um contraste entre a crença do poeta na existência de uma "ilha extrema do sul" (v. 4), uma "terra de suavidade" (v. 3), onde "A vida é jovem e o amor sorri" (v. 6) e se pode encontrar a felicidade ("Felizes, nós? Ah, talvez, talvez..." - v. 11), e a noção de que essa crença se desmorona ao ser "concretizada" através do pensamento ("Mas já sonhada se desvirtua, / Só de pensá-la cansou pensar" - vv. 13-14). Assim, "O mal não cessa, não dura o bem" (v. 18), o frio instala-se ("Sente-se o frio de haver luar" - v. 16), o mal profundo invade a alma (v. 21) e o bem mantém-se longe do coração (v. 22).

2. Características temáticas da poesia de Fernando Pessoa presentes neste poema:
  • a presença do pensamento e a dor de pensar ("Mas já sonhada se desvirtua, / Só de pensá-la cansou pensar" - v. 13-14);
  • o cruzamento entre o sonho e a realidade ("Não sei se é sonho, se realidade" - v. 1);
  • a imagem-símbolo ("Que na ilha extrema do sul se olvida" - v. 4);
  • a desesperança e o pessimismo existencial ("O mal não cessa, não dura o bem." - v. 18; "Que cura a alma seu mal profundo" - v. 21).



Grupo II


      Versão 1         Versão 2
1.1.    B                      D

1.2.    C                      B

1.3.    D                      C

2.1. Complemento direto.

2.2. Oração subordinada adverbial causal.



Grupo III

1 comentário :

  1. Vi agora a resposta que dão a B2. Quem redigiu esta resposta devia ler, por exemplo, o verbete «Os Lusíadas» da autoria de Maria Vitalina Leal de Matos, in Dicionário de Luís de Camões - coordenação de V. M. Aguiar e Silva. Se estas duas estâncias glorificam os portugueses, então é só glorificação! O Velho do Restelo, idem aspas! Onde está então no poema o «espírito antiépico»? Se queriam falar de glórias, havia muito onde as ir buscar, mas não ao reles verme...

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...