sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

"Rosa Tatuada", de Tennessee Williams


     A peça é antecedida por um vasto conjunto de notas de produção do autor sobre o local da ação (aldeia situada na Costa do Golfo, entre Nova Orleães e Mobile), os habitantes (maioritariamente sicilianos), a iluminação, o cenário, o céu, a religiosidade do ambiente, as personagens, os espaços interiores...

Ato I

Cena I

     Diálogo entre Serafina e Assunta (uma velha curandeira que pratica bruxaria): a primeira afirma que soube que tinha gerado novamente na própria noite da conceção, pois a meio dela acordou com uma dor ardente no seio esquerdo e viu nele a rosa tatuada do marido. Deu um grito e o esposo acordou. No entretanto a rosa desaparecera.
     Rosário tem um camião de transporte de bananas, mas por baixo destas transporta contrabando, com o qual obtém tanto dinheiro que em breve Serafina não necessitará mais de trabalhar como costureira. Por outro lado, aquela será a última noite em que fará contrabando. Depois comprará um camião de 10 toneladas e trabalhará por conta própria, na América, esperando-a uma nova vida com todas as comodidades e modernismos tradicionalmente associados ao estilo de vida norte-americano.
     Entra em cena Estelle, que lhe vem pedir que faça uma camisa para o "seu homem" para o dia seguinte, data em que fará anos que se conheceram. Aquela acaba por ficar sozinha na sala e pega na fotografia de Rosário, atirando-a para dentro da mala.
     Esta cena inicial (que não obedece ao esquema tradicional de divisão das peças teatrais) está prenhe de referências a crenças, maus olhados... e de presságios de tragédia.

Cena II

     De madrugada, várias personagens agrupam-se em frente à casa de Serafina para lhe comunicar a morte de Rosário.

Cena III

     Serafina perde o bebé e encontra-se muito débil. Rosário foi baleado e o seu camião sofreu um acidente e começou a arder, pelo que o seu corpo foi carbonizado. Ora, precisamente o destino do corpo gera um conflito religioso: Serafina quer cremá-lo, porém o padre De Leo opõe-se, argumentando que se trata de um ato pagão, pois a mulher deseja a cremação para conservar as cinzas em casa.
     Surge novamente em Estelle, afinal amante de Rosário, com um ramo de flores para se despedir do corpo, mas é agredida pelas carpideiras.

Cena IV

     Uma manhã de julho, três anos depois: um grupo de mães protesta em frente à casa de Serafina, indignadas com a sua demora na entrega dos vestidos de formatura das filhas.
     Rosa, sua filha de 12 anos, tem um namorado, um marinheiro que conheceu no baile do liceu, por causa do qual a mãe lhe fecha os vestidos, para que a filha não possa sair de casa, daí que ande sempre nua e grite pela janela às mulheres que deem um recado a Jack.
     Ouvem-se gritos dentro de casa e Serafina aparece à porta, desmazelada, suja, desarranjada: Rosa cortou o pulso. No entanto, tratou-se apenas de um corte superficial. A pedido de Miss York, uma velha professora, Serafina (que, após a morte do marido, não mais vestiu um vestido e saiu à rua e conversa com as cinzas dele como se fosse vivo) entrega-lhe a chave do local onde estão guardados os vestidos da filha, que faltou inclusive aos exames por causa da loucura da mãe, motivada pelo pedido de Rosa para que permitisse que Jack viesse a sua casa, para  a mãe o conhecer.
     Serafina, no estado deplorável em que surgiu à porta, "faz uma cena" em frente ao liceu que envergonha Rosa, afinal uma jovem de 15 anos, meiga, doce e excelente aluna.

Cena V

     Bessie e Flora, dois "espantalhos de meia idade" devassos, vão buscar uma blusa à modista, que não a acabou, todavia, por ter estado ocupada com os vestidos para o baile e diz não ter tempo no momento para a fazer, pois tem de ir assistir ao baile da filha. No entanto, acaba por terminar a peça de vestuário porque não tem licença e as duas mulheres ameaçam denunciá-la por essa ilegalidade. É evidente a crítica do dramaturgo, centrada na denúncia da exploração e das deficientes condições de vida dos imigrantes italianos nos EUA).
     Serafina viveu os doze anos de casamento e os três de viúva convencida da fidelidade do marido e mostra nesta cena a crença num amor único e absoluto, um amor idealizado mas verdadeiro. Flora, para a humilhar, declara que Rosário foi amante de Estelle durante mais de um ano. Serafina reage, expulsando-a à vassourada.

Cena VI

     Esta cena dá conta do estado de espírito de Serafina após a facada recebida: indiferença, alheamento, estupefacção, desilusão com o mundo.
     Várias outros acontecimentos têm lugar nesta cena: o primeiro encontro entre Serafina e Jack; a descrição do baile, um grande triunfo de Rosa (recebeu o diploma, um prémio e recitou versos); um diálogo a sós entre Jack e Serafina (no qual é visível a preocupação com questões de honra feminina, com questões religiosas, a moral tradicional e conservadora siciliana, em contraste com um certo liberalismo da sociedade americana); o contraponto entre a oferta do presente de formatura e o desinteresse e alheamento de Rosa pela oferta, por causa do chamamento para o piquenique.
     A cena termina com Serafina a obrigar Jack a ajoelhar frente a Nossa Senhora e a jurar respeitar a honra da filha.


Ato II

Cena única

     Serafina surge novamente desmazelada, suja, despenteada, apenas em roupa interior, e o padre De Leo adverte-a de que ergueu um altar idólatra em casa e adora uma caixa de cinzas, daí ter-se confinado a uma situação de (auto)reclusão e abatimento. Faz-lhe notar que ainda é uma mulher jovem, capaz de refazer a sua vida. Ela contrapõe o seu amor dedicação, exclusivo, diariamente expresso através de gestos apaixonados, ao das outras mulheres, que não sabem cativar os seus homens, não conservam a chama permanentemente acesa e por isso os perdem para as amantes. É esta a razão por que não consegue crer na traição de Rosário. De seguida, questiona o padre sobre se o marido, durante a confissão, lhe terá revelado o nome da amante, ao que ele contrapõe precisamente o segredo do ato confessional.
     Posteriormente, entra em cena Álvaro, um rapaz de 25 anos, simpático e um pouco apalhaçado e desajeitado. Vem discutir com um caixeiro-viajante que tenta impingir um artigo a Serafina por o ter atirado para a valeta e o insultado. O desprezo pelos estrangeiros fica bem patente no tratamento de Macarroni e Spaghetti com que o caixeiro presenteia Álvaro. Será aquele o responsável pelo despedimento posterior deste, ao fazer queixa dele ao patrão.
     Álvaro entra em casa de Serafina por causa da joelhada que o caixeiro lhe deu, acabando ambos a chorar. Ela, notando-lhe o casaco roto, oferece-se para lho coser. O rapaz mostra-se preocupado com as ameaças do caixeiro, já que tem três pessoas cujo sustento depende de si. Além disso, não estão naturalizadas nem têm cartão de cidadão, e o patrão já o tinha advertido de que o despediria se voltasse a envolver-se em zaragatas.
     Serafina repara então em duas características de Álvaro que o assemelham ao ex-marido - o corpo e o facto de conduzir um camião de transporte de bananas - e a partir daí desenvolve-se um diálogo pleno de subentendidos em que fica bem patente um desejo latente que os vai aproximando.
     Por fim, a mulher confidencia-lhe o episódio da rosa tatuada na noite em que concebeu o filho abortado e Álvaro telefona ao patrão, para lhe justificar o atraso, mas acaba despedido em razão da queixa do caixeiro-viajante. Por falta de luz natural, Serafina não tem possibilidade de coser o casaco, por isso empresta-lhe uma camisa cor-de-rosa que lhe tinha sido encomendada por Estelle para Rosário. Os dois acabam por aprazar um encontro para essa noite.


Ato III

Cena I

     Serafina surge em cena envergando um vestido e uma rosa enfeitando o cabelo. Também Álvaro se apresenta bem arranjado, com uma caixa de chocolates e uma rosa tatuada no peito, facto que causa grande perturbação nela. O clima amoroso esfria quando, sem se aperceber, ele deixa cair do bolso um preservativo.
     O diálogo prossegue tumultuoso e é chamado à colação o nome de Estelle. Ato contínuo, a mulher segura uma faca e chama um táxi para ir matar a ex-amante de Rosário, contudo Álvaro Mangiacavallo acalma-a, retira-lhe a faca e telefona a Estelle, solicitando-lhe a confirmação da relação adúltera com o falecido.
     Serafina fica possessa de início. Depois toma uma resolução: diz-lhe que finja ir-se embora, leve o camião para longe do olhar da vizinhança e, seguidamente, regresse e entre pela porta das traseiras, que ela deixará aberta.
     A cena termina com o início de uma noite de amor entre ambas as personagens.

Cena II

     Rosa e Jack dialogam enquanto escutam os gemidos de Serafina no leito amoroso com Álvaro, pensando que a mãe está unicamente a sonhar a prática do ato sexual com o pai. Rosa deseja que o marinheiro faça amor consigo, mas ele recusa, em virtude da idade dela, da promessa feita a Serafina perante a imagem de N. Senhora e também da longa viagem que está prestes a empreender. A jovem marca um encontro entre os dois para a tarde seguinte na estação de autocarros.

Cena III

     Rosa dorme no sofá apenas em combinação. Álvaro depara aí com ela e fica fascinado com a beleza da jovem. Fala alto sem se aperceber, acordando-a, e a rapariga grita. Serafina acorre de imediato e bate furiosamente nele.
     Álvaro acaba escorraçado pela mulher, que inventa uma série de mentiras para se desculpar perante a filha. Rosa, porém, não se deixa iludir e chega a tratar a mãe de forma cruel.
     A jovem sai ao encontro de Jack. Entra em cena Assunta, que encontra a urna das cinzas no chão, partida, mas delas nada - o vento levou-as.
     A voz de Álvaro faz-se ouvir, o que provoca os risos trocistas das vizinhas de Serafina por causa de estar sem camisa. Ela vem à janela e atira-lhes a camisa cor-de-rosa, que as mulheres, rindo, vão passando de mão em mão.
     Em cena ficam apenas as duas mulheres. Serafina diz a Assunta que acabou de sentir o ardor da rosa no peito, o que significa que gerou novamente. De seguida, caminha na direção da voz de Álvaro, gritando-lhe: "- Vengo, vengo, amore!".
     Esquecido (definitivamente) o amor obsessivo e doentio por Rosário, Serafina renasce para o amor e para a vida.

Sem comentários :

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...