sábado, 16 de outubro de 2010

Ficha de leitura de "Tudo o que faço ou medito"

Tudo o que faço ou medito


                                                     Tudo o que faço ou medito
                                                     Fica sempre na metade.
                                                     Querendo, quero o infinito.
                                                     Fazendo, nada é verdade.

                                                     Que nojo de mim me fica
                                                     Ao olhar para o que faço!
                                                     Minha alma é lúcida e rica,
                                                     E eu sou um mar de sargaço -

                                                     Um mar onde bóiam lentos
                                                     Fragmentos de um mar de além...
                                                     Vontades ou pensamentos?
                                                     Não o sei e sei-o bem.

                                                            Fernando Pessoa


Vocabulário:

          . nojo (v. 5): repugnância, náusea, luto;

          . sargaço(v. 8): designação de certas algas marinhas que bóiam nas águas e são frequentemente aproveitadas para adubo.


Questionário:

1. Na primeira estrofe do poema, o sujeito poético confessa um sentimento que o domina.

          1.1. Identifique o sentimento e a causa que está na sua origem.

          1.2. Justifique em que medida os versos 3 e 4 atestam a impossibilidade de realização do "querer".

2. Esse sentimento provoca um outro sentimento no sujeito poético.

          2.1. Indique-o.

          2.2. Interprete o sentido da antítese da segunda estrofe.

3. Atente, agora, na terceira estrofe.

          3.1. Proceda ao levantamento dos vocábulos que sugerem indefinição e estagnação.

          3.2. Estabeleça uma relação de sentido entre "mar de além" (v. 10) e "mar de sargaço" (v. 8).

          3.3. Apresente uma explicação para o paradoxo com que o poema termina.

Sem comentários :

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...