domingo, 24 de fevereiro de 2013

"D. Sebastião"

1. A figura de D. Sebastião

         No século XVI, o príncipe D. João, herdeiro do trono português, casou-se com D. Joana de Áustria, irmão de D. Filipe II de Espanha. Deste matrimónio nasceu um único filho, D. Sebastião, que nasceu a 2 de janeiro de 1554, dezoito dias após a morte de seu pai, o príncipe D. João.
         O rei D. João III, avô de D. Sebastião, faleceu em 1557, quando o neto tinha três anos de idade. A criança recebeu de imediato a coroa e a sua avó passou a regente do reino. Assim, D. Catarina governou de 1557 a 1562, seguindo-se-lhe o seu tio-avô D. Henrique, cardeal-arcebispo de Lisboa e inquisidor-mor, de 1562 a 1568.
         Aos 14 anos de idade, D. Sebastião tomou conta do governo. Enfermo no corpo e no espírito, importava-se pouco com a governação, perdido antes em sonhos de conquista e de expansão da Fé. Conquistar Marrocos era a sua ambição número um, mas outros projetos de imperialismo em terras pagãs preenchiam-lhe a imaginação. Ousado até aos limites da loucura, o novo rei não atribuía grande importância ao planeamento cuidadoso, à estratégia ou à retirada, considerando essas preocupações medo ou cobardia. Desprezava os velhos, os prudentes, os sábios e os experientes, preferindo rodear-se de um grupo de jovens aristocratas, quase tão loucos e pouco maduros como ele próprio. Além disso, não aceitava palavras de aviso nem encarava a realidade e a verdade como eram.
         Por outro lado, o jovem monarca dividia o seu tempo por caçadas, exercícios religiosos e leitura de livros de História. Adorava desafiar o perigo. Em dias de temporal, embarcava nas galés para fora da barra e contemplar o mar enfurecido. De acordo com o escritor Fernando Dacosta, «Era um pouco louco; tinha dificuldade em separar a ficção da realidade». Porém, quando Lisboa foi assolada pela peste de 1569, abandonou a cidade, facto que parece comprovar que a sua coragem era apenas temperamental e não um valor consciente e assumido.
         Relativamente à sua vida íntima, nunca casou, não obstante a insistência da corte para que escolhesse uma noiva entre as casas reais europeias e desse um sucessor à coroa. Em determinada altura, negociou casamento com Margarida de Valois e com a arquiduquesa Isabel de Áustria, que acabou por desposar Filipe II. O despeito pelo episódio, provavelmente artificial, serviu de pretexto para que recusasse a encetar novas negociações, o que lhe permitia estar completamente livre para se dedicar àquilo que mais o fascinava: a guerra.
         A pedido do cardeal Alexandrino, enviado pelo Papa, esteve para participar numa cruzada contra os Turcos, mas, na impossibilidade de levar avante a ideia, projetou uma incursão na Índia. Dissuadido pelos conselheiros, decidiu, enfim, concentrar os seus esforços em África, chegando a navegar em segredo até Tânger em 1574. Provavelmente, terá sido por essa altura que começou a desenhar-se no seu espírito o desejo de invadir Marrocos a fim de reconquistar as terras, outrora portuguesas, devolvidas aos mouros por D. João III.
         Segundo um dos seus mais recentes biógrafos, o espanhol Baños-García, «D. Sebastião acreditava ser um capitão às ordens de Deus e da Igreja, montando a invasão de Marrocos para se tornar numa lenda vitoriosa.». Muitos tentaram demovê-lo, sobretudo os espanhóis D. Catarina e Filipe II, mas o soberano português tinha vestido a pele da luta pela independência nacional. Nada o faria mudar de ideias.
         Em 25 de Junho de 1578, após ter praticamente esvaziado os cofres do Estado, D. Sebastião partiu com uma armada de 800 velas e 18 mil homens ‑ a maioria mercenários estrangeiros e camponeses portugueses, incluindo um pequeno corpo de voluntários nobres bem treinados.


2. Análise do poema

         Num discurso de 1.ª pessoa, D. Sebastião autocaracteriza-se como louco, assumindo orgulhosamente essa loucura (atentar na reiteração do adjetivo “louco”, enfatizada pela presença do advérbio de afirmação “sim”). Notar que, no poema, «loucura» significa «sonho», «ideal», «utopia».
         A causa dessa loucura é o desejo de grandeza (o ideal, a utopia, o sonho), que o sujeito poético assume, como acima referido, com orgulho, a qual não é trazida pela «Sorte», mas conquistada com esforço, coragem e determinação. Porém, o desejo de grandeza teve um preço: a morte do «louco», do sonhador, isto é, de D. Sebastião (vv. 4 e 5), que se deixou morrer, portanto, pelo seu ideal no areal de AlcácerQuibir, no norte de África. E a razão desse sacrifício reside no facto de o rei não ter sido capaz de realizar essa tarefa, que era superior às suas capacidades: «Não coube em mim minha certeza» (v. 3).
         Porém, no areal, ficou apenas o que nele havia de mortal, o ser físico, o corpo («Ficou meu ser que houve»), tendo sobrevivido o ser que há, que permanece, que é imortal, isto é,a alma, o sonho, o ideal («o que há») ‑ loucura ‑, de querer grandeza, de devolver a glória à Pátria, que continua vivo e por concretizar, daí o apelo que faz na segunda estrofe. Recorde-se que o sonho «original» do rei consistia no engrandecimento de Portugal através da conquista de terras aos mouros no norte de África e da expansão da fé de Cristo.
         Além disso, nestes versos finais da primeira estrofe, Pessoa faz conjugar, na figura de D. Sebastião, história e mito. De facto, historicamente, o rei pereceu no areal de Alcácer Quibir (o «ser que houve» ficou «onde o areal está»), mas o que tem primazia para Pessoa é o mito («o que há»).
         No início da segunda estrofe, o sujeito poético apela a «outros» que tomem e prossigam a sua loucura, o seu sonho, isto é, que concretizem, no presente / futuro, aquilo que ele sonhou e idealizou no passado, o seu grande projeto nacional.
         A interrogação retórica final é muito significativa:
. faz referência à loucura enquanto energia criativa que poderá ser canalizada para a reconstrução nacional;
. a loucura ‑ o sonho ‑ é essencial ao homem e é o que o distingue do animal: Pessoa compara o homem que não sonha com um animal que se limita a procriar; sem possuir a capacidade de sonhar, sem possuir um ideal a cumprir, o ser humano fica reduzido à condição de animal irracional (nasce, procria e morre) e está condenado à morte e ao esquecimento; assim, a existência humana não tem sentido nem valor;
. através da loucura, o ser humano projeta-se no futuro e, por isso, não morre (com efeito, perante o sonho / a loucura, a morte não passa de contingência física que não pode impedir que aquele(a) prossiga noutras mãos);
. é a loucura que leva o homem a partir em busca de grandes realizações (como  fizeram os Argonautas e Vasco da Gama, para quem «Navegar é preciso / Viver não é preciso») ‑ e, de facto, foi a louca temeridade de D. Sebastião que esteve na origem do desastre de Alcácer Quibir, mas também serviu de exemplo aos vindouros.

         Nota-se, ao longo do poema, uma viva admiração de Pessoa pela loucura de D. Sebastião e um claro desprezo pelo homem «besta sadia», que vive sem ideais, sem grandes sonhos ou projetos, contentando-se com a mediocridade e com o «gozo materialista».
         Por outro lado, Pessoa associa a loucura ao génio. Na verdade, o louco é também o símbolo da inspiração, do poeta, de todo aquele que está para além do comum da sociedade.


3. Estrutura interna

         Relativamente à estrutura interna do poema, este pode dividir-se em dois momentos:
. 1.ºmomento (1.ª estrofe) ‑ O sujeito poético (o Rei):
- autocaracteriza-se como louco;
- explicita a razão da sua loucura: a busca de grandeza / glória;
- e as consequências / o preço da mesma: a morte.
. 2.º momento (2.ª estrofe) ‑ O sujeito poético:
- faz o elogio da loucura, traço que distingue o homem do animal irracional;
- exorta a que outros deem continuidade ao seu sonho.

         O poema insere-se na 1.ª parte de Mensagem, «Brasão», uma vez que esta compreende os antepassados fundadores da nacionalidade. Por outro lado, a inserção nas Quinas prende-se com o facto de D. Sebastião ter perdido a vida no contexto do cumprimento de uma tarefa para que foi escolhido por Deus.


4. Valor simbólico de D. Sebastião

         Atente-se nas palavras dos autores do manual Expressões ‑ 12.º ano sobre o valor simbólico do rei D. Sebastião na obra de Fernando Pessoa: “D. Sebastião adquire em Mensagem um valor simbólico que ultrapassa a sua figura histórica. São os valores da determinação e da coragem que ele corporiza que funcionam como mito inspirador e, nessa aceção, «fecundam a realidade»: «É Esse que regressarei.» O Sebastianismo em Mensagem não se liga, pois, ao caso específico e concreto de D. Sebastião, que não poderá, obviamente, voltar, mas à ideologia que lhe está subjacente. Depois de «ser que houve» e que ficou no «areal» com a «morte», regressará a força inspiradora de D. Sebastião necessária ao ressurgimento anímico da nação. O próprio Pessoa refere: «No sentido simbólico D. Sebastião é Portugal: Portugal que perdeu a sua grandeza com D. Sebastião e que só voltará a tê-la com o regresso dele, regresso simbólico (…)».”


5. Intertextualidade

         Comparemos, por último, a forma como a figura de D. Sebastião é tratada em Os Lusíadas e na Mensagem:
. Os Lusíadas:
‑ Camões dedica-lhe o seu poema épico (Canto I);
‑ Retrato: traça um retrato histórico do soberano, com referências à situação de Portugal e à atuação do rei;
‑ Valores: representa a segurança, a liberdade e a esperança do povo português no sentido de fazer ressurgir a Pátria da apatia e decadência do presente, continuando a tradição dos antigos heróis nacionais, dilatando a fé e afirmando o império.
. Mensagem:
‑ é o mito organizador e articulador da obra, já que representa o sonho que presidirá ao ressurgimento de Portugal da crise em que se encontra mergulhado;
‑ Retrato: o seu retrato é mítico, assente sobretudo no seu traço de «loucura» criadora e inspiradora;
‑ Valores: D. Sebastião representa o mito regenerador e metáfora da «loucura», do sonho.

Sem comentários :

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...